conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Economia

A grande mamata sindical

Publicado

Quem caminha pelo de São Paulo já se habituou a ver a fila de pessoas que sempre se
forma diante no número 21 da praça Padre Manoel da Nóbrega.

fila de trabalhadores arrow-options
Ricardo Galuppo/Arquivo pessoal

Fila na Praça Padre Manoel da Nóbrega, região central da cidade de São Paulo

São trabalhadores que estão ali para protocolar junto a um certo Sindeepres uma carta em que negam autorização para o desconto de 2% sobre seus vencimentos. Trata-se de uma dessas aberrações que só existem em países atrasados.

Em qualquer país sério, a associação ao sindicato é uma escolha pessoal do trabalhador. Se ele não for sindicalizado, não precisa contribuir com um centavo para qualquer associação de classe. No Brasil não é assim.

Mesmo depois da revogação da cláusula da CLT que tungava um dia do salário dos trabalhadores, mesmo os não sindicalizados, para garantir a boa vida aos sindicalistas que diziam zelar pelos interesses da categoria, o que não falta é entidade picareta encontrando um jeito de tirar dinheiro de suas bases.

O nome completo do Sindeepres já dá uma pista de quem são as vítimas de sua esperteza. Trata-se do Sindicato dos Empregados em Empresas de Prestação de Serviços a Terceiros, Colocação e Administração de Mão de Obra, Trabalho Temporário, Leitura de Medidores e Entrega de Avisos do Estado de São Paulo.

Leia mais: Um imenso Portugal

São, como se percebe, atividades pouco valorizadas e procuradas por pessoas que, sem emprego regular, buscam um trabalho temporário para conseguir dinheiro para pagar as contas.

Nesta época do ano, em que a proximidade do Natal faz subir o número de contratações temporárias, a instituição faz a farra! Muita gente só fica sabendo do desconto no momento em que recebe o primeiro pagamento e, então, descobre que precisa entregar a tal carta.

Veja Mais:  Da fantasia à camisinha: no Carnaval, itens falsos podem estragar a folia

São Paulo tem mais de 11,7 mil vagas de emprego abertas; encontre a sua

Indício de má-fé

A história desse desconto mostra como as decisões lesivas a quem trabalha são tomadas no Brasil.

Numa “assembleia” convocada sabe-se lá como, o tal sindicato aprovou a inclusão na “convenção coletiva” da categoria a cláusula que lhe dá o direito de fazer o desconto automático em folha. Esses 2% podem parecer uma ninharia. Quem conseguiu um emprego de R$ 1.500 terá um desconto de R$ 30.

Esse, talvez, seja o principal indício da má-fé do Sindeepres: por se tratar de um valor
aparentemente baixo, os bravos e combativos sindicalistas talvez tenham imaginado que
as pessoas não se dariam ao trabalho de reclamar e deixariam por isso mesmo.

Artigo: Briga de cachorro grande

Não é o que se vê pelo tamanho das filas que, faça chuva ou faça sol, se formam diante da sede

do sindicato. Não é, como se sabe, um caso isolado. De acordo com os dados da Secretaria do Trabalho do Ministério da Economia, existem no Brasil nada menos do que 11.257 sindicatos de trabalhadores.

Pelo lado dos empresários são 5.174. Se forem incluídas as associações de funcionários públicos, as federações e confederações, as centrais sindicais e outras entidades abrigadas na
legislação, o número supera 17 mil entidades .

Numa conta rápida, percebe-se que a quantidade de presidentes de sindicatos, no Brasil, supera em mais de três vezes o número de prefeitos . Em tempo: o Brasil, que tem 5570 municípios.

Veja Mais:  Enel deixa casas sem energia após temporal em São Paulo

Se colar, colou

deputados vincentinho e delegado waldir arrow-options
Arquivo

Políticos como Vicente Paulo da Silva (Vincentinho) e Delegado Waldir iniciaram suas carreiras políticas no movimento sindical

Algumas dessas entidades, tanto pelo lado dos trabalhadores quanto pelo dos patrões , são sérias e cumprem o papel que lhes cabe na garantia do equilíbrio da relação entre patrões e empregados. Goste-se ou não deles, um número considerável de políticos brasileiros devem suas eleições à militância sindical.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o deputado paulista Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho, e o senador pela Bahia Jacques Wagner, todos do PT, são egressos do movimento sindical.

Leia também: A volta das concessões

Os deputados Paulinho da Força (Solidariedade), Delegado Waldir (PSL) e Roberto de Lucena

(Podemos), também. Se foram eleitos foi porque conseguiram se apoiar na  representação que conseguiram junto a suas categorias e fazer dela o trampolim que lhes garantiu os mandatos que conquistaram.

O mais comum, no entanto, é que os líderes dessas entidades tenham uma projeção pública proporcional à importância de seus sindicatos . Muitos deles, na prática, não têm razão de existir e servem apenas para lucrar às custas do suor alheio.

Atenção: isso não acontece apenas com os sindicatos de trabalhadores. O lado patronal também está repleto de casos estranhos. Experimente, por exemplo, abrir uma pessoa jurídica — que, em muitos casos, foi a solução encontrada por milhares de pessoas para se manter em atividade em meio à crise que o país atravessa.

Basta o registro ser feito na Junta Comercial para o novo empresário passar a receber boletos e mais boletos, emitidos por sindicatos e associações patronais que, a rigor, são tão inúteis quanto certas entidades de trabalhadores.

Veja Mais:  Mais de 30 mil produtos são apreendidos em operação da Black Friday

Onde estão as vagas? Veja as cidades que mais geraram emprego em 2019

A maioria dessas cobranças não passam de tentativas de passar a perna nos novatos que estreiam na vida empresarial. Ou, em outras palavras, de um golpe que funciona na base do “se colar, colou”.

Sem fiscalização

Por qualquer ângulo que se observe, o número de sindicatos no Brasil é exagerado. Levantamentos feitos por quem estuda o assunto mostram a distância quilométrica que separa o Brasil dos outros países nesse quesito.

No Reino Unido inteiro, são 168 entidades. Na Dinamarca, 164. Mesmo em países tão problemáticos quanto o Brasil, como é o caso da Argentina, onde o numero não chega a 100, a quantidade é infinitamente menor. Toda a estrutura sindical somada tem um peso assustador nas contas do país.

Uma decisão aprovada durante o governo do ex-presidente Lula transformou as assembleias das categorias na única instância de fiscalização e de aprovação das contas dos sindicatos de trabalhadores.

Mesmo quando as entidades eram alimentadas por  dinheiro público , por meio do Imposto Sindical, podiam gastar o dinheiro como bem entendessem e ninguém tinha o direito de reclamar. Não se trata de qualquer implicância contra o sindicalismo.

Trata-se apenas de chamar atenção para o absurdo dessa situação e mostrar que, no Brasil, não é apenas o Estado que precisa ser reformado .

Muitas instituições que hoje fazem parte da vida nacional, como é o caso desses sindicatos picaretas que proliferaram nos últimos anos, além de não contribuir para resolver problemas, ajuda a torna-los ainda mais graves.

Acabou o emprego? Tendência mundial, precarização do trabalho atinge o Brasil

A propósito, se número de sindicatos fosse solução para alguma coisa, o Brasil não teria

mergulhado numa crise nas dimensões que enfrenta — com pessoas desempregadas por
toda parte e empresas quebrando uma atrás da outra.

Comentários Facebook

Economia

Empresa usa currículos de candidatos para embalar produtos em Rondônia

Publicado


source

Uma loja de bijuterias e artigos de decoração em Rondônia gerou repercussão na internet nesta semana após uma cliente ter relatado que comprou peças de vidro no estabelecimento e, ao chegar em sua casa, notou que os produtos foram embalados com currículos deixados na empresa por pessoas que estão à procura de emprego em Porto Velho. As informações foram divulgadas na última quinta-feira (27) pelo portal G1 Rondônia.

São Paulo recebe primeira usina solar de energia sustentável

A cliente da loja então reclamou na internet, publicando uma foto dos currículos embrulhados em sua compra. O caso ganhou repercussão nas redes sociais.

Post de revolta da cliente arrow-options
Divulgação/Instagram

Post de revolta da cliente


A mulher escreveu: “Total falta de respeito e noção. Tem gente que pega grana emprestada pra imprimir e entregar o currículo, ou às vezes anda a pé por quilômetros para entregar o currículo, aí vem uma pessoa e faz isso. Revoltante!!!”

A loja “Patricinha Fashion” informou por meio de nota que p uso de currículos no embalo de produtos não é uma prática ensinada aos seus funcionários.

“Pedimos sinceras desculpas pelo terrível incidente. Trata-se de um fato pontual”, afirmou a empresa.

Ver essa foto no Instagram

?Nota de esclarecimento .

Uma publicação compartilhada por ☝️ Assistam os stories (@lojaspatricinhafashion) em 26 de Fev, 2020 às 3:22 PST


Além disso, a loja comunica que nenhum dos colaboradores de Porto Velho foi prejudicado por conta do ato.

Comentários Facebook
Veja Mais:  Enel deixa casas sem energia após temporal em São Paulo
Continue lendo

Economia

São Paulo recebe primeira usina solar de energia sustentável

Publicado


source
Usina solar foi contruída na represa Billings arrow-options
Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente/Divulgação

Usina solar foi contruída na represa Billings

A cidade de São Paulo recebeu sua primeira usina solar flutuante . Instalada na represa Billings, a usina conta com 100 kilowatts de potência e ocupa uma área de mil metros quadrados. O intuito é utilizar a radiação solar como fonte de energia elétrica, visando ampliar o uso de fontes alternativas e sustentáveis na geração de eletricidade.

Veja também: CDHU é responsabilizada por trabalho escravo no interior de São Paulo 

A usina está em fase piloto e deve funcionar em regime de testes pelo período de 90 dias. Para a viabilização do projeto, houve um investimento de R$ 450 mil em equipamentos por parte da Empresa Metropolitana de Águas e Energia (EMAE) em parceria com a empresa Sunlution Soluções em Energia Ltda.

Em um primeiro momento, a ideia é que a planta gere energia para alimentar um dos escritórios da EMAE. “É preciso buscar alternativas em parceria com a iniciativa privada e com a população a fim de mudarmos nossos hábitos e investirmos no desenvolvimento sustentável”, justificou Marcos Penido, secretário da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente

Veja mais: Novas alíquotas impostas pela reforma da Previdência entram em vigor domingo

Caso a experiência demonstre viabilidade a esse tipo de fonte, uma nova chamada pública será aberta para a implantação de usinas semelhantes nas represas Billings e Guarapiranga.

Veja Mais:  Mais de 30 mil produtos são apreendidos em operação da Black Friday

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Atividade da indústria da construção volta a cair em janeiro

Publicado


source
industria arrow-options
Agência Brasil

Pesquisa foi divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI)

A atividade da construção voltou a cair em janeiro, apontou hoje (27) pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Apesar da retração, o ritmo da queda diminuiu em relação a dezembro.

Em janeiro, o índice de atividade do setor ficou em 47,5 pontos, contra 45,8 pontos em dezembro. Resultados abaixo de 50 pontos indicam contração. Em janeiro do ano passado, o indicador estava em 44 pontos, o que sinaliza que a retração neste ano foi menor.

Coronavírus: empresas no Brasil cancelam viagens e adotam home office

Tradicionalmente, janeiro registra queda na atividade da indústria da construção. Segundo a CNI, isso ocorre por causa do período de férias, do volume de chuvas, das festas de fim de ano e do movimento nas estradas. No entanto, outros indicadores, como emprego e utilização da capacidade, apresentaram melhoras que indicam recuperação.

O índice de número de empregados ficou em 47,3 pontos, 4,8 pontos acima do verificado há um ano. Segundo a CNI, o indicador está no nível mais alto para meses de janeiro desde 2013, quando atingiu 49 pontos. A ociosidade caiu.

Petrobras inicia processo de venda de sua participação na Gaspetro

O nível de utilização da capacidade operacional fechou janeiro em 60%, alta de cinco pontos percentuais em relação ao mesmo mês de 2019. Nas grandes empresas, o índice chegou a 64% e está nove pontos acima de janeiro do ano passado.

Veja Mais:  Bolsonaro assina projeto que prevê autonomia do Banco Central, meta dos 100 dias

Para a CNI, a recuperação da indústria da construção reflete a estabilidade da economia e a redução dos juros. A pesquisa revelou que os empresários do setor mantêm o otimismo para os próximos meses. O Índice de Confiança do Empresário da Construção (Icei-Construção) fechou janeiro em 62,1 pontos, bem acima da linha divisória de 50 pontos que separa expectativas positivas de negativas.

IR: empresas têm até hoje para enviar comprovante de rendimentos

A Sondagem Indústria da Construção ouviu 478 empresas do setor em todo o país entre 3 e 12 de fevereiro . Entre as empresas entrevistadas, 168 são pequenas, 202 são médias e 108 são de grande porte. A pesquisa é feita em parceria com a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic).

Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana