conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Artigos

A prática pedagógica na educação infantil

Publicado

Na Educação Infantil é bastante recente a exigência do professor habilitado para atuar no nível, assim como é também a própria ideia da docência com crianças pequenas (de zero a cinco anos de idade). Foi a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996 que colocou como determinação no artigo 62, Capítulo VI – Dos Profissionais da Educação, que a “formação mínima para o exercício do magistério na educação infantil” será a “oferecida em nível médio, na modalidade Normal”.

A determinação da lei, portanto, fruto de lutas sociais de mulheres, mães e trabalhadoras por direito à creche, ao considerar a Educação Infantil como um nível de ensino da educação básica acena para a discussão da instituição infantil como um espaço-tempo educativo em potencial, onde devem ser desenvolvidas práticas pedagógicas significativas para as crianças pequenas, modificando a natureza do atendimento e do trabalho no espaço que recebe estas crianças no Brasil, se se considerar a história do atendimento à infância.

Nos Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil/RECNEI (Brasil, 1998) é ressaltada a necessidade do reconhecimento do professor da Educação Infantil como um profissional da área da educação, já que

As funções deste profissional vêm passando, portanto, por reformulações profundas. O que se esperava dele há algumas décadas não corresponde mais ao que se espera nos dias atuais. Nessa perspectiva, os debates têm indicado a necessidade de uma formação mais abrangente e unificadora para profissionais tanto de creches como de pré-escolas e de uma reestruturação dos quadros de carreira que leve em consideração os conhecimentos já acumulados no exercício profissional, como possibilidade de atualização profissional.

Veja Mais:  A ascensão das mulheres em cargos de liderança

Também fica evidente que o profissional deste nível de ensino deve ser portador de um conhecimento amplo e de metodologias específicas para o trabalho com crianças, além de ter compreensão sobre o desenvolvimento humano e a especificidade da educação formal. O avanço historicamente construído no reconhecimento profissional do professor de Educação Infantil passa, então, pela exigência de uma formação em licenciatura plena, considerando a importância de seu papel. É possível afirmar, ainda, que o professor deste nível também pode ser concebido e tratado – na definição das políticas públicas – como um intelectual, como quem trabalha com o conhecimento, seja na sua transmissão, seja na sua produção.

  • Professora efetiva da Rede Municipal de Rondonópolis MT, atua como coordenadora pedagógica da rede Municipal.
  • Professora efetiva da Rede Municipal e Estadual de Rondonópolis MT, atua como coordenadora pedagógica da rede Municipal.
  • Professora efetiva da Rede Municipal e Estadual de Rondonópolis MT, atua como Assessora pedagógica na rede Municipal.

A atividade intelectual se relaciona à formação política do professor, como diria Giroux (1987). Como educador, o professor de Educação Infantil é um crítico de sua prática, de forma que as leituras, estudos e reflexões que realiza permanentemente, desde a formação inicial, buscam aprofundar o conhecimento que tem sobre sua ação e de como a faz e o que faz, já que o que ensina e como ensina tem relação com a vida social mais ampla, além da instituição educativa (Cunha, 2005, p. 111).

Veja Mais:  Indicação ao TCE

Como profissional que tem um papel importante para o desenvolvimento das crianças menores de cinco anos, em seus vários aspectos: físico, social, emocional, etc., o professor de Educação Infantil insere-se na formação permanente, formação continuada, entendida em duas direções. Em primeiro lugar, a autoformarão que, segundo Nóvoa (2008), é feita pela busca pessoal do professor e visa o investimento teórico na compreensão dos processos educativos e na compreensão da própria atuação. O autor defende que a “partilha”, a “colegialidade”, a “solidariedade” dentre outras, são condições e características de se fazer a autoformarão. Em segundo lugar, formação conduzida pelos profissionais da educação que atuam “no chão” da escola pode levar a um compromisso com a melhoria da qualidade do trabalho educativo (Gadotti, 2005).

No caso da formação, defende-se que o envolvimento político do professor com a instituição em que trabalha e com a formação, como apresentada, pode oferecer possibilidades de crescimento, de desenvolvimento profissional. A formação na escola depende em grande parte de como o professor conduz sua autoformarão. Da mesma forma, o trabalho pedagógico do professor de Educação Infantil está relacionado ao papel que se define, cotidianamente, ao professor considerando características como: investimento teórico, colegialidade – ou trabalho coletivo –, partilha, busca de compreensão da prática, dentre outras, como a pouco mencionadas.

Por 1Ludmilla Paniago Nogueira, 2 Joziane Lopes dos Santos, 3Maria Jane da Silva Siena

Veja Mais:  Inclusão do autista no mercado de trabalho

Comentários Facebook

Artigos

Ser professor é tocar o coração dos jovens

Publicado

Maria Beatriz Curado

E aí ela entrou na sala de aula, era bonita, perfumada e tinha um sorriso lindo. A primeira professora a gente nunca esquece. Um dia então, eu escolhi também ser professora. Um dia eu dei ouvidos para a minha vocação e ela se tornou um dom e ficou cada vez mais enraizada na alma e no coração, e a partir daí eu me envolvi completamente.

Esse sentimento é meu e de muitos educadores, profissionais da educação que convivem diariamente com jovens e crianças. É preciso encantar e ficar encantado com os desafios, com as adversidades, com as coisas boas da vida, bem como driblar as dificuldades do dia a dia.  Vivemos num tempo de mudanças que acontecem numa velocidade muito grande. O objetivo maior e principal do educador é estar cada vez mais aliado a essa realidade atual, mas nunca deixar de tocar o coração dos jovens, numa atuação mais afetiva e próxima – criando vínculos, fazendo – os crescer cada um no seu ritmo, no seu tempo, mas abraçando a vida com dedicação e cuidado.

Falar na profissão de professor é falar de afeto, tolerância, amor, cumplicidade, é compartilhar conhecimento, construir uma rede de aprendizado, é encher os olhos de lágrimas quando nossos alunos nos encontram, quando nos localizam nas redes sociais, quando precisamos acolhê – los nas dificuldades, quando já são profissionais e também nos acolhe nos seus consultórios, nos seus escritórios, nos seus ambientes de trabalho.

Veja Mais:  Como identificar se uma criança foi abusada

Ser professor é uma missão, que visa não só aprendizagem, mas o desenvolvimento humano de forma integral e apesar dos entraves, manter- se apaixonado pela profissão é um grande desafio.  Continuar acreditando sempre no ser humano que é único em sua essência. O único capaz de se transformar.
Vivenciamos no nosso dia a dia a filosofia de Dom Bosco, e mesmo nos dias de hoje ela continua atual, quando falava dos jovens dos quais cuidava e amava: “Perto ou longe, estou sempre pensando em vocês. Só tenho um desejo: vê – los   felizes no tempo e na eternidade.”

Neste dia 15/10, saudemos a todos os professores que abraçaram a carreira do magistério e nela tiveram seu encontro pessoal com a paixão de educar e o amor pelos jovens. Celebre seu dia!

Maria Beatriz Curado é pedagoga, psicopedagoga e neuropsicopedagoga e trabalha há 32 anos na educação. É coordenadora pedagógica no Colégio Salesiano São Gonçalo há 27 anos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Versatilidade de serviços é a chave do negócio

Publicado

Eduardo Carvalho*

No instante em que estamos preocupados em oferecer o melhor produto ou serviço estamos ligados ao valor inegociável de qualidade na entrega final para o nosso cliente. É evidente para nós, que o cliente busca receber aquilo que foi combinado, mas se encanta quando recebe além do esperado. Esse é um fator que aumenta a percepção de valor do cliente em relação ao nosso produto.

O CXTrends, um estudo anual sobre a experiência do cliente no Brasil, revelou que a qualidade do serviço e o atendimento são os dois principais fatores que influenciam na compra. Ao todo, 68% dos entrevistados utilizaram a qualidade como critério de compra e 65% fizeram referência às condições de atendimento das empresas.

As altas taxas do estudo CXTrends evidenciam que a compra do cliente está mais relacionada a forma com que a empresa se posiciona diante do consumidor do que relativamente ao preço do produto. Isso é o que nós chamamos de percepção de valor. Quando o cliente compreende todos os benefícios da compra para além do seu produto.

Recentemente, tive a oportunidade de participar do painel “Segmentação e Experiência no Mercado de Eventos”, na 11ª Feira do Empreendedor realizada pelo Sebrae/MT. A feira tem o objetivo de ampliar as oportunidades de capacitação e de acesso a ideias de novos negócios para empresários e futuros empreendedores.

Veja Mais:  Indicação ao TCE

Para além da qualidade como espírito de um negócio, pude chamar a atenção para a importância da versatilidade no menu de serviços de uma empresa. Carregar a versatilidade como valor do negócio está ligado ao nosso relacionamento com o cliente, a nossa capacidade de estar presente sempre que ele precisar, em todas as ocasiões.

No ramo em que atuamos, estamos diretamente ligados ao sonho de nossos clientes, pois seja um casamento, bodas, formatura, aniversário ou evento corporativo, a expectativa criada é imensurável e sabemos que a nossa entrega tem que ser maior do que eles esperam.

Quando trabalhamos com o sonho de outra pessoa a nossa responsabilidade aumenta e, por isso, a chave do sucesso está não somente na experiência, mas na qualidade e preocupação em entender o que o cliente deseja, tornando cada evento único. Ao você conquistar esta reputação, estará pronto para aumentar seu leque de produtos, pois, neste momento, você terá um cliente fidelizado esperando mais de sua empresa e serviços.

Sentimos isso na prática do negócio. Ao longo desses 25 anos da Cia Sinfônica, pudemos realizar casamentos, logo depois o 1º aniversário dos filhos, mais à frente a festa de 15 anos e o casamento dos filhos de nossos primeiros clientes. É um relacionamento duradouro e uma parceria sincera que perdura ao longo da existência da empresa.

Veja Mais:  Maior parte de casos de desvio da coluna tem origem na boca

Mesmo com mais de duas décadas de serviços prestados nunca deixamos de estar atentos nas alterações que transformam o mundo diariamente, não somente em tecnologia, mas na mudança do comportamento humano. Numa pesquisa realizada pela GEM (Global Entrepreneurship Monitor), apontou que em torno de 52 milhões de brasileiros possuem um negócio próprio, com maior evidência de acordo com a Confederação Nacional de Jovens Empresários para os jovens empresários de 18 a 39 anos.

Por isso destacamos aos jovens empreendedores que estão iniciando no mundo dos negócios, que a versatilidade além de auxiliar na propagação da empresa, está diretamente ligada na perpetuação do negócio. É a chave para a inovação que te faz sempre atual no seu nicho de mercado. A nossa versatilidade possibilita ofertar serviços diferentes em lugares distintos. Isso faz o cliente ser fã de nossa marca.

*Eduardo Carvalho é sócio diretor da Cia Sinfônica, empresa líder no segmento de produções musicais em Mato Grosso, com atuação no Brasil e exterior

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

A depressão e o desemprego

Publicado

Ellen Moraes Senra

Em todo país, o desemprego atinge 12,6 milhões de pessoas. As filas com pessoas atrás de um novo emprego têm crescido cada dia mais. Quem está desempregado enfrenta não apenas a dificuldade de conseguir se recolocar em um mercado cada vez mais exigente, mas também a dificuldade salarial diante de um cenário tão crítico, visto que a falta de dinheiro traz sérios problemas emocionais para a vida das pessoas.

Um dos problemas emocionais mais comuns que atingem a população que se encontra em situação de desemprego é a depressão. Isso contribui para dificultar ainda mais as chances da pessoa conseguir uma recolocação, visto que esse transtorno pode ocasionar queda da energia, insônia ou hipersonia, o que não ajuda nem um pouco o candidato a chegar nas entrevistas no horário ou mesmo fazer os trâmites necessários no tempo exigido.

Apesar de serem os homens vistos ainda como principais provedores da família na sociedade atual, a depressão atinge as mulheres em maior número, embora o desânimo, a cada oportunidade perdida, seja mais evidente nos homens. Ainda há o fator agravante que são os sintomas depressivos que se intensificam quando o mesmo percebe que não há possibilidades compatíveis com seu perfil no mercado de trabalho.

Considerando essa imagem do homem como provedor, não é de se espantar que a autoestima fique extremamente prejudicada, influenciando inclusive sua vida familiar e conjugal, pois, costuma-se atribuir sua virilidade com a capacidade de prover a família. Não que a mulher seja capaz de manter a autoestima intacta em caso de desemprego, especialmente se a renda dela for a principal da casa, porém a habilidade de se lançar no mercado de forma independente, mesmo que por salários não compatíveis com sua qualificação, pode ser um fator que conte a favor nesse processo. Afinal, o empreendedorismo, apesar de não oferecer benefícios tradicionais que o regime CLT oferece, tem sido a saída mais utilizada pelos brasileiros para que consigam pagar suas contas e para diminuir a pressão de arrumar uma vaga no mercado de trabalho, com isso fazendo crescer a indústria de cursos profissionalizantes de curta duração.

Veja Mais:  A ascensão das mulheres em cargos de liderança

Apesar dessas soluções, muitas vezes o desemprego vem quando a pessoa já tem um padrão de vida estabelecido. Nesses casos, solicitar auxílio financeiro de familiares e amigos pode ser necessário, ainda que possa gerar um grande desconforto, mas é aqui que a pessoa que se dispõe a auxiliar pode demonstrar seu apoio, não apenas financeiramente, mas de também de forma emocional, impulsionando a pessoa a não desistir de suas chances e incentivando que o mesmo abrace as oportunidades que surgirem, desta forma fica mais fácil enxergar o lado positivo das coisas e enxergar as oportunidades que outrora poderiam passar despercebidas.

(*) Ellen Moraes Senra é Psicóloga e Especialista em Terapia Cognitivo Comportamental

CRP 05/42764

Psicóloga atuando na área clínica através da abordagem cognitivo comportamental. Formada pelo Centro Universitário Celso Lisboa. Com curso de formação em Terapia Cognitiva Comportamental (TCC ) no Instituto Brasileiro De Hipnose, Educação ePsicologia (IBH). Atendimento individual a crianças, adolescentes e adultos

Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana