conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Famosos

Acampados há três meses, fãs de K-pop lotam estádio para assistir ao show do BTS

Publicado

Todas as esquinas que levavam ao Allianz Parque, na Barra Funda, estavam abarrotadas de fãs da banda sul-coreana Bangtan-Boys, mais conhecidos pela sigla BTS — berrada pela multidão que tentava chegar o mais próximo possível das grades de entrada do estádio do Palmeiras. Os sete cantores do grupo se apresentarão hoje, às 19h, para cerca de 39 mil fãs do estilo K-pop.

“Gritamos quando vemos uma sombra ou relance dos garotos da banda lá dentro” — explicou Bruna Leite, 22 — uma das que sobraram no acampamento erguido pelos fãs do grupo de K-pop há mais de 3 meses na praça vizinha ao Allianz Parque. “Cheguei tarde, estou aqui desde o domingo, só”, lamenta ela.

“Água é R$5,00” e “Compro e vendo ingressos, baratinhos aqui na minha mão!” eram as únicas coisas que se ouvia entre os gritos dos fãs.


barracas
João Cesar Diaz

O acampamento montando três meses atrás na praça Conde Francisco Matarazzo Junior, vizinha ao estádio do Palmeiras, começa a ser esvaziado


Acampados na praça

Cada barraca tem uma administradora: “A pessoa que organiza o revezamento, a comida. Tudo que a gente precisa”, esclarece Daniela Miguel, 22. Ela está acampada desde fevereiro junto com o resto do “army” (o conjunto de fãs da banda) que decidiu reservar posições privilegiadas na fila para o show dormindo nas barracas.

Veja Mais:  Spike Lee traça retrato atemporal da América em “Infiltrado na Klan”

Fã do BTS
João Cesar Diaz

Fã de K-pop, Bruna Leite está acampada desde domingo à espera do show do BTS

Daniela e Bruna disseram que não passaram por muitos perrengues durante suas estadias nas barracas — “nos organizamos bem”. Até a questão do banheiro já estava bem resolvida: “Usamos o do Burger King,, lá no shopping. É limpo e prático”, resume Daniela.

No sol, do lado oposto às colegas de barraca, o segurança do estádio Francisco Ferreira, 55, desmente a ilusão dos fãs. “Nenhum dos meninos da banda chegou, não sei por que estão gritando assim.”

Impressionado pelo tamanho do público, Francisco conta que, nos quatro anos trabalhando por lá, a única coisa que trouxe uma multidão de fãs dessa magnitude foi o show do cantor canadense Justin Bieber, no começo de 2017.

Sonho dos filhos

Celeste Oryan, 37, e Francisco Oryan, 58, voaram de Santiago, no Chile, para São Paulo na última madrugada. “Queremos realizar o sonho da nossa filha.” Tímida, Isabel, de 18 anos, confirma a versão dos pais abraçando a mãe — que veio vestida com a camiseta da banda, como a filha.

“Pode ver que metade de quem está aqui é mãe ou pai”, garante Rosângela Leboutte, de Porto Alegre. A família gaúcha estava guardando dinheiro há um ano para conhecer as praias do Nordeste em dezembro. Mas, os planos mudaram. “Minha filha é esperta. Ela conseguiu me convencer a usar esse dinheiro para dar esse show de presente para ela.”

Veja Mais:  Lisa Kudrow revela ter sofrido bastante com comparações com colegas de “Friends”

E a viagem planejada? “Ah, agora sobrou dinheiro para vermos a praia em Santa Catarina e olhe lá”, brincou.

Rosângela assistirá ao show com a filha de 14 anos. “O som deles é legal… E tem aquele menino da boca bonita: Jimin, o único que decorei o nome”.

Jimin é o favorito, ou bias no linguajar K-pop, de Isabelle Cícera, 12, também. Antônio Carlos, 37, acompanhava a filha. “ Vim de Franco da Rocha para realizar o sonho dela, é o jeito, não é Isabelle?…” — “Uhum”, sorri a menina.


fila para show
João Cesar Diaz

Antônio Carlos, 37, realiza o sonho da filha de assistir um show da banda sul-coreana


Bom para todos

Na lanchonete “Palmeiras Lanches” de frente ao estádio desde 1962 o chapeiro corre para acompanhar os pedidos dos fãs esfomeados. “Show é bom pro movimento”, conta Laércio Correia, 40. “Mas o filet, o movimento bom mesmo, é quando tem show de rock” — “a galera do rock se esbalda, né. Esse pessoal bebe”, ri o gerente.


Lanchonete do palmeiras
João Cesar Diaz

A antiga lanchonete “Palmeiras Lanches” é tomada pelos fãs que esperam na fila do show do BTS


Marília Costa, 27, passa entre as filas vendendo tiaras com os rostos dos integrantes do BTS. “Ganho dinheiro na fila para comprar o ingresso do show. Assim consigo ir em todos os que quero”, explica ela.

Veja Mais:  Eleita modelo mais bem paga do mundo, Kendall Jenner fatura U$ 75 milhões ao ano

Fonte: IG Gente
Comentários Facebook

Famosos

Cid Moreira tem seu Instagram hackeado

Publicado

Cid Moreira
Reprodução/Instagram

Cid Moreira

Ontem o apresentador com o Boa Noite mais famoso do Brasil, Cid Moreira, que há pouco tempo se tornou um digital influencer, teve sua conta oficial do Instagram @ocidmoreira (com quase 300 mil seguidores) invadida por um hacker.

Leia também: Aos 91 anos, Cid Moreira se divide entre Brasil e EUA e vive fase instagrammer

Sua conta está temporariamente fora do ar. Cid Moreira aguarda que as devidas providências sejam tomadas pela plataforma. Estamos de olho!

Fonte: IG Gente
Comentários Facebook
Veja Mais:  Eliana e Xuxa se reencontram, rebolam muito e Angélica comenta
Continue lendo

Famosos

Bella Thorne posta nudes nas redes sociais após ser ameaçada por hacker

Publicado

Parece que ataque hacker não acontece só lá em Brasília. A atriz Bella Thorne, ex-Disney, postou em suas redes sociais algumas fotos íntimas suas após sofrer ameaças de um hacker.

Leia também:  Juju Salimeni anuncia nas redes sociais fim do casamento com Felipe Franco

bella thorne atriz
Reprodução/ Instagram @bellathorne

Atriz Bella Thorne publicou fotos íntimas suas nas redes sociais

A atriz postou as imagens seguidas da frase. “F**-se o poder que você acha que tem sobre mim. Vou escrever sobre isso no meu próximo livro”, escreveu Bella Thorne em sua conta oficial do Twitter. A atriz compartilhou fotos em que parte de seus seios são expostos.

Juntamente com as fotos, Bella escreveu um comunicado. “Ontem, todas as minhas m** foram hackeadas. Nas últimas 24 horas venho sendo ameaçada com meus próprios nudes. Eu me sinto vigiada e sinto que uma pessoa tirou de mim algo que eu só queria como especial para uma outra pessoa ver. Ele [o hacker ] me mandou várias foto de outras celebridades e disse que não ia parar comigo”.

“Por muito tempo eu deixei homens tirarem vantagem de mim e estou cansada disso. Estou acabando com isso porque é minha decisão agora, você não tem o direito de tirar isso de mim. Posso dormir melhor esta noite, sabendo que tomei o poder de volta. Aqui estão as fotos com que ele me ameaçou, em outras palavras, aqui estão meus seios. Ah, e o FBI vai bater na sua porta em breve, se cuide”, finalizou.

Veja Mais:  Luisa Mell se envolve em polêmicas por Brumadinho; entenda

Nos comentários da postagem, a atriz recebeu mensagens de apoio de algumas meninas que enviaram “Seja forte”, enquanto outros questionaram a veracidade da acusação “Não acredito em você, prove” escreveu um usuário.

Leia também:  Sasha confessa que se incomodava com a fama: “Minha atitude era fugir”

Bella Thorne tem 21 anos e ficou conhecida ao interpretar CeCe Jones na série do canal Disney Channel, Skate it Up. Ela também protagonizou filmes como A Babá e D.U.F.F.

Fonte: IG Gente
Comentários Facebook
Continue lendo

Famosos

Resistência da música nacional, João Rock chacoalha establishment dos festivais

Publicado

Comemorando 17 anos de estrada, a edição de 2019 do João Rock mostrou que é possível sim fazer um grande festival totalmente made in Brazil. Dessa vez a programação foi recheada por nomes já tradicionais da música nacional – o que é seu ponto positivo, é também, em paralelo, sua fraqueza para tomar fôlego no futuro.

Leia também: João Rock une rap e Nordeste e aponta rumos da música brasileira

Com um line-up consagrado atravessando quase 50 anos de história do nosso País, o João Rock teve como destaques da programação nomes como Alceu Valença, Pitty e Marcelo D2, mas já abrindo também espaço para a nova geração.

João Rock 2019
Rafael Cautella

Tomada aérea do João Rock 2019

Queda de braço de gigantes

Olhando para o mesmo modelo de vender a “experiência” que outros festivais de músicas já renomados por aqui como Lollapalooza e Rock in Rio adotam, o João Rock tem como sacada prestigiar somente produtos nacionais.

A comparação com seus primos nesse cenário é o maior desafio a ser superado. Afinal, é necessário bater de frente com lendas mundiais e atrações internacionalmente quentes para conseguir seu lugar ao sol. Isso requer muita estratégia de curadoria e logística para não fazer feio no fim do dia. Não pela falta de artistas nacionais de qualidade, é claro, mas pelo deslumbramento que bandas de fora causam por aqui. Um spoiler: a fórmula proposta tem dado certo. Mas o caminho ainda é longo.

Veja Mais:  Lisa Kudrow revela ter sofrido bastante com comparações com colegas de “Friends”

Sorry, we don’t speak in english…

Rael e Emicida
Divulgação

Rael e Emicida se apresentam no palco principal do João Rock 2019

Em um cenário onde todos estão se rendendo para abrir as portas para convidados de fora, parece ser um ato de resistência valorizar o que é produzido em terras brasilis. Nada daquele português forçado falando um “o-bri-ga-dou brazil” no palco. O que é oferecido é muito mais genuíno do que isso – e a impressão é que os próprios artistas valorizam isso.

Em um dos shows de destaque da noite, o CPM22 elogiou a trajetória do evento e agradeceu por fazer parte dessa história. Remar contra a maré tem dado certo – ponto positivo para quem está por trás do evento.

Leia também: Resistência a Bolsonaro e “fogo a racistas” marcam shows de rappers no João Rock

O modelo parece ter conquistado o público também. Este ano foram 65 mil pessoas acompanhando o melhor que o bom e velho português tem a oferecer e sem deixar nada a desejar perto dos demais festivais que rolam por aqui que se sustentam na base de artistas internacionais. Não somos e nem deveríamos aceitar que nossa cultura seja coadjuvante no seu berço.

Porém, é preciso ter atenção à viabilidade no longo prazo – quando trabalhamos com artistas já consagrados, o cardápio pode se tornar repetitivo. Houve quem já tenha pontuado isso nos corredores e backstage do evento este ano dizendo que faltava novidade e obras que sejam atuais e relevantes.

Veja Mais:  Filha de Deborah Secco esbanja fofura em sua primeira capa de revista

Próxima geração

Pitty
Divulgação

Pitty durante sua apresentação no João Rock 2019

Não que haja qualquer problema em trazer figuras já carimbadas da nossa música . Pelo contrário, são elas que endossam a força de qualquer evento. Mas é preciso ter faro para andar para o lado certo e não cair no comodismo de trazer sempre mais do mesmo.

É uma faca de dois gumes não se render à pressão de internacionalização, porém o que não falta de forma alguma no Brasil são artistas de qualidade para preencher essa necessidade. Este ano já tivemos indícios dessa atenção com o novo: BaianaSystem se apresentou no palco principal no meio de dois nomes de peso – Zeca Baleiro e Alceu Valença.

Leia também: Line-up do palco Brasil não extrapola previsibilidade no João Rock 2019

É possível manter a identidade e continuar um festival totalmente nacional, mas não sem antes encarar os desafios que esse posicionamento traz. Resta só saber se o público estará aberto a viver a pluralidade da nossa cultura ou se veremos no futuro o João Rock dependendo de nomes estrangeiros.

Fonte: IG Gente
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana