conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Nacional

Agentes da ditadura incineraram corpo de Fernando Santa Cruz em usina, diz MPF

Publicado

fernando santa cruz arrow-options
CEPE / Divulgação

Militante Fernando Santa Cruz, pai do presidente da OAB, desapareceu em 1974

O Ministério Público Federal denunciou o ex-delegado do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), Cláudio Antônio Guerra, 79 anos, por ter incinerado 12 cadáveres em fornos da Usina Cambahyba, em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro. Dentre os corpos que teriam sido ocultados dessa forma, entre 1973 e 1975, estaria o de Fernando Santa Cruz, pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz.

Leia também: “Cumpriram seu papel”, diz presidente da OAB em apoio a excluídos de comissão

A denúncia do MPF se baseia em depoimento do próprio ex-delegado para o livro “Memórias de uma Guerra Suja”. Cláudio Antônio disse ter recolhido os cadáveres, alocados em sacos pretos, na chamada “Casa da Morte”, em Petrópolis (RJ) e na sede do Destacamento de Operação de Informação e Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI), levando-os em seguida à Usina Cambahyba.

O ex-delegado, que atualmente atua como pastor evangélico, disse em depoimento aos procuradores que ele próprio sugeriu, durante o período de ditadura militar , o forno da usina de Campos como “forma de eliminação sem deixar rastros”. O ex-agente da ditadura disse que o local já era usado para a desova de criminosos comuns e que era amigo do dono da usina (já falecido), que se dizia “um homem de direita contrário ao comunismo”.

Veja Mais:  Presidente eleito desautoriza informações em nome da “equipe de Bolsonaro”

Peritos da Comissão Nacional da Verdade (CNV) visitaram a usina, acompanhados do próprio ex-delegado em 2014, e concluíram que, de fato, “tanto o tamanho da portas dos fornos como a temperatura alcançada seriam adequados à sua utilização para incinerar corpos”.

Cláudio confirmou que, por curiosidade, ele abria os sacos que recebia na “Casa da Morte” e no DOI-CODI para ver os corpos, que não estavam em estado avançado de decomposição pois não havia cheiro forte. Ele reconheceu que um dos cadáveres era de o de Fernando Santa Cruz, que era integrante do grupo político Ação Popular e desapareceu em 1974, no Rio de Janeiro, aos 27 anos de idade.

De acordo com o MPF, Cláudio Antônio Guerra agiu por motivo torpe (uso do aparato estatal para preservação do poder contra opositores ideológicos), visando assegurar a execução e sua impunidade, com abuso do poder inerente ao cargo público que ocupava.

“Assim, com o objetivo de assegurar a impunidade de crimes de tortura e homicídio praticados por terceiros, com abuso de poder e violação do dever inerente do cargo de delegado de polícia que exercia no Estado do Espírito Santo, foi o autor intelectual e participante direto na ocultação e destruição de cadáveres de pelo menos 12 pessoas, nos anos de 1974 e 1975”, argumenta o procurador da República Guilherme Garcia Virgílio, autor da denúncia.

Veja Mais:  CPI Mista das Fake News ouve ex-funcionário de empresa investigada por fraude eleitoral

Além da condenação pelos crimes praticados, o MPF pede o cancelamento de eventual aposentadoria ou qualquer provento de que disponha o denunciado em razão de sua atuação como agente público, dado que seu comportamento se desviou da legalidade, afastando princípios que devem nortear o exercício da função pública.

Leia também: Aliados de Bolsonaro condenam declarações sobre desaparecido durante a ditadura

O desaparecimento do corpo de Fernando Santa Cruz  voltou ao noticiário nesta semana após o presidente Jair Bolsonaro (PSL) provocar o presidente da OAB e filho do militante, Felipe Santa Cruz, sugerindo que poderia contar o que aconteceu com Fernando. Horas mais tarde, quando as declarações já haviam ganhado grande repercussão na sociedade civil, Bolsonaro disse ter recebido informações de que militantes de esquerda haviam executado Fernando.

A versão contraria o que diz a Comissão Nacional da Verdade, que atribui ao Estado brasileiro a culpa pela morte e desaparecimento do militante. O presidente da OAB recorreu, nessa quarta-feira (31), ao Supremo Tribunal Federal (STF) para cobrar explicações de Bolsonaro sobre suas afirmações . A interpelação será relatada pelo ministro Luís Roberto Barroso.

Nesta quinta-feira (1ª), o presidente e a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, promoveram a substituição de integrantes da Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos, que reconheceu, em 1995, a responsabilidade do Estado pelas mortes e desaparecimentos ocorridos durante a ditadura militar. Bolsonaro, que já  havia contestado ao longo da semana as informações colhidas pela comissão, justificou pela manhã que a medida foi tomada porque ele é um presidente “de direita”.

Veja Mais:  Fernando Pimentel é condenado a 10 anos de prisão pela Justiça Eleitoral

Comentários Facebook

Nacional

Reforma administrativa pretende revisar salários e número de carreiras

Publicado


Prevista para ser enviada ao Congresso Nacional nesta semana, segundo o presidente Jair Bolsonaro, a reforma administrativa pretende mudar os direitos dos futuros servidores federais. As propostas ainda não foram detalhadas, mas os pontos adiantados pelo governo nos últimos meses incluem a revisão dos salários iniciais, a redução no número de carreiras e o aumento no prazo para o servidor atingir a estabilidade.

Segundo Bolsonaro, as mudanças não afetarão os servidores atuais. Apenas quem tomar posse depois da promulgação da reforma seria atingido. Uma das alterações mais importantes diz respeito à estabilidade dos futuros funcionários.

Inicialmente, o governo pretendia esticar, de três para dez anos, o prazo para o empregado público conquistar a estabilidade. Há duas semanas, no entanto, o ministro da Economia, Paulo Guedes, informou que a versão mais recente do texto deve definir um tempo variável, de cinco a oito anos, de acordo com cada carreira.

A estabilidade seria conquistada mediante uma avaliação de desempenho. Quem não cumprir os requisitos mínimos não ficaria no cargo antes do prazo mínimo. O governo ainda não explicou se o servidor público terá direito ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) enquanto não atingir a estabilidade. Atualmente, os servidores públicos não recebem o fundo em hipótese alguma.

Pirâmide

Em novembro, ao explicar a proposta do pacto federativo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, tinha dito que o governo pretende diminuir o número de carreiras de mais de 300 para 20 a 30. Os salários para quem ingressar na carreira pública passarão a ser menores.

Veja Mais:  Fernando Pimentel é condenado a 10 anos de prisão pela Justiça Eleitoral

No mês passado, ao explicar o resultado das contas do Governo Central em 2019, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse que a reforma mudará a forma de progressão no serviço público. Em vez do sistema atual, com salários iniciais altos e em que quase todos alcançam o topo da carreira, a progressão passaria a ser em forma de pirâmide, na qual apenas os servidores com melhor desempenho atingiram os níveis mais altos. Segundo ele, o governo quer aproximar os salários iniciais e a evolução na carreira pública ao que ocorre no setor privado.

Etapas da reforma administrativa

Em café da manhã com jornalistas no mês passado, o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, disse que o governo pretende implementar a reforma administrativa em fases. De acordo com ele, a intenção do governo é que o conjunto de mudanças seja implementado até 2022.

De acordo com o secretário adjunto de Desburocratização, Gleisson Rubin, o conjunto de medidas inclui, além da proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma administrativa, projetos de lei complementar, de lei ordinária e de decretos. Estes, no entanto, só podem ser apresentados após a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) pelo Congresso.

PEC emergencial

Embora estejam fora da reforma administrativa, pontos da PEC que reforma o pacto federativo e da PEC emergencial, que prevê gatilhos de cortes de gastos em momentos de crise fiscal, preveem alterações profundas na estrutura do serviço público e na regra dos servidores. Pelas duas propostas, em caso de estado de emergência fiscal decretado, haveria limitações em pagamentos aos servidores, concessão de reajustes, progressões automáticas, reestruturação de carreiras, novos concursos e em verbas indenizatórias.

Veja Mais:  ‘Confio no Flávio’, diz Onyx Lorenzoni sobre quebra de sigilo do senador

A medida mais polêmica, no entanto, seria a redução da jornada de servidores públicos em até 25%, com ajuste correspondente na remuneração. A diminuição vigorará pelo tempo necessário tanto no governo federal como nas prefeituras e nos governos estaduais que decretassem a emergência fiscal.

Em discurso há duas semanas, Guedes disse que o mecanismo de emergência fiscal é mais rápido para ajustar as contas públicas do que a reforma administrativa para os futuros servidores, que teria impacto sobre as despesas federais no médio e no longo prazo.

*Colaboraram Pedro Rafael Vilela e Luciano Nascimento

Edição: Liliane Farias

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Cid Gomes tem alta e deixa Hospital Klinikum em Fortaleza

Publicado


O senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE) deixou o Hospital Klinikum, em Fortaleza, na manhã de hoje (23). Gomes foi baleado na última quarta-feira (19), ao usar uma retroescavadeira para tentar entrar em um batalhão da Polícia Militar ocupado por PMs amotinados.

Em nota divulgada nas redes sociais, assessores informam que Gomes deixou o hospital no fim da manhã e foi para sua residência, na capital cearense, onde continuará realizando fisioterapia respiratória. O senador licenciado também terá que continuar tomando os medicamentos recomendados para evitar uma infecção bacteriana e auxiliar no reestabelecimento da função pulmonar.

Ainda na nota, os assessores informam que os exames clínicos confirmaram dois projéteis alojados em seu tórax, um ao lado de uma costela e outro no pulmão esquerdo. A princípio, Gomes não deve ser submetido a novos procedimentos cirúrgicos para a retirada desses projéteis.

O Núcleo de Homicídios da Delegacia Regional de Sobral instaurou inquérito para investigar os tiros disparados contra o senador licenciado. De acordo com a secretaria estadual de Segurança Pública, a Polícia Civil vai atuar em conjunto com a Polícia Federal (PF) na investigação.

Logo após ser baleado, Gomes foi levado para o Hospital do Coração de Sobral, instituição filantrópica administrada pela Santa Casa de Misericórdia de Sobral, onde foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e submetido a exames de tomografia que apontaram que os tiros não causaram nenhuma alteração neurológica ou cardíaca na vítima. Na quinta-feira (20), Gomes recebeu alta da UTI e foi transferido para o hospital particular Klinikum.

Veja Mais:  CPI Mista das Fake News ouve ex-funcionário de empresa investigada por fraude eleitoral

Cid Gomes está licenciado do Senado, sem pagamento de salário, desde o início de dezembro, para resolver assuntos particulares. A licença do senador do PDT do Ceará é de 120 dias. Durante esse período, Prisco Bezerra (PDT-CE) o substitui no Senado.

Edição: Valéria Aguiar

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Serviço militar aberto às mulheres está em discussão no Senado

Publicado


O serviço militar aberto às mulheres está em discussão no Senado, na forma de um Projeto de Lei (PL) apresentado em 2015 pela então senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). O PL está tramitando no Senado e há previsão de ser apreciado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) após o carnaval.

O relator escolhido para a matéria foi Esperidião Amin (PP-SC). Em seu relatório, porém, ele afirmou que os gastos extrapolariam a Lei de Responsabilidade Fiscal. Amin usou custos estimados pelas Forças Armadas.

Os dados dos militares consideraram um efetivo feminino da ordem de 10% dos recrutas convocados no ano de 2019 (60 mil recrutas). No âmbito do Comando da Marinha, o impacto seria de R$ 23 milhões; no Exército, o impacto seria de R$ 536,76 milhões; e na Aeronáutica, de R$ 21 milhões. Os custos somariam R$ 580,76 milhões para receber 6 mil mulheres.

“Fica clara a violação dos art. 16 e 17 da Lei de Responsabilidade Fiscal comprometendo-se com despesas que não possuem respaldo no Plano Plurianual (PPA), Lei Orçamentária Anual, Lei de Diretrizes Orçamentárias e violando às metas fiscais. O país passa por uma grave situação fiscal”, disse Amin em seu relatório.

Existem divergências em relação à visão do relator. Para o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), por exemplo, os custos informados pelas Forças Armadas são maiores do que se verificaria na prática. “O custo indicado pelo Ministério da Defesa aponta para algo em torno de R$ 100 mil por recruta, o que me parece uma avaliação bastante elevada. Quando ele coloca R$ 581 milhões, são 60 mil recrutas no total, ao ano e 10% disso, 6 mil, em torno de R$100 mil. Está um tanto quanto elevado”.

Veja Mais:  Demitida, Tia Eron critica individualismo de Damares : “Não é ministra sozinha”

Alguns senadores pediram vista coletiva. O líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE), sugeriu alterações no relatório, prevendo o serviço militar feminino até o limite orçamentário. Amin sinalizou acatar a sugestão de Carvalho e afirmou que será favorável ao projeto, apesar do apontamento sobre os custos.

O projeto

A proposta diz que as mulheres podem prestar o serviço militar voluntariamente. Ao contrário dos homens, que devem se apresentar obrigatoriamente ao completarem 18 anos, as mulheres só fariam se quisessem, mas teriam que manifestar interesse de fazê-lo na mesma idade.

“O projeto tem o caráter de ação afirmativa e destina-se a assegurar às mulheres a prestação do serviço militar. Com isso, pretendemos dar às mulheres a oportunidade de participarem da realização desse serviço, que tantas lições de cidadania têm prestado aos brasileiros, com acesso igual para todos os gêneros”, disse Grazziotin em seu projeto.

No texto, ela também destacou que as mulheres já vêm desempenhando papéis nas Forças Armadas, com exceção da área de combate. “A mulher ocupa cargo e concorre às promoções nas mesmas condições de igualdade para os militares do sexo masculino. A maioria das oficiais e sargentos encontram-se lotadas nos quartéis-generais, nas organizações militares de saúde, nos estabelecimentos de ensino e nos órgãos de assessoramento”.

O projeto foi aprovado, ainda em 2015, pela Comissão de Direitos Humanos (CDH). Depois seguiu para a Comissão de Relações Exteriores (CRE), mas o projeto ainda não foi votado porque Amin pediu manifestação da CAE. Mesmo que tenha o parecer pela rejeição aprovado na CAE, o projeto volta para a análise terminativa na CRE. Se lá for aprovado e não houver recurso para análise em Plenário, o texto seguirá para a Câmara dos Deputados.

Veja Mais:  Presidente eleito desautoriza informações em nome da “equipe de Bolsonaro”

*Com informações da Agência Senado

Edição: Valéria Aguiar

Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana