conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Economia

Analista de sistemas decide arriscar e abre hamburgueria em São Paulo

Publicado


Hamburgueria Foxshelter foi inaugurada em agosto no Morumbi
Reprodução Instagram

Hamburgueria Foxshelter foi inaugurada em agosto no Morumbi

Atuando há 20 anos como analista de sistemas, Felipe de Castro Salgado sempre soube que um dia iria querer mudar de área, só não sabia bem para onde seguir. A indecisão, entretanto, não durou muito tempo: em agosto deste ano, ele virou a rotina de cabeça para baixo para inaugurar sua primeira hamburgueria , Foxshelter.

Leia também: Casal busca sonho do sucesso na área alimentícia e vê faturamento crescer 100%

“Por muito tempo, tudo que eu sabia era que não queria ficar sempre só como analista. Queria mudar de área, nem que fosse só um pouquinho”, conta Felipe. Até 2015, a ideia de ter sua própria hamburgueria nunca tinha passado pela sua cabeça.

“Eu sempre gostei de hambúrguer, para mim é uma comida clássica, praticamente sagrada. Mas até então eu só gostava de comer”, explica. Ao longo dos anos, o gosto pela refeição só aumentou, até que ele decidiu tentar fazer os próprios em casa, para a família e amigos.

“Eu pesquisava receita, perguntava para conhecidos que têm hamburguerias, lia sobre os ingredientes. Percebi que eu gostava de estudar isso”. Foi então que o hobby se tornou coisa séria.

Felipe conta que seguiu a tragetória de muito dos hamburgueiros, que começam cozinhando diferentes tipos de jeitos do sanduíche em casa, se apaixonam e decidem dar um passo à frente. Por isso, em 2016 ele começou a trabalhar – sozinho – no projeto do que seria sua futura hamburgueria.

Veja Mais:  Faça você mesmo: invista em treinamentos para se recolocar no mercado

 Sem ajuda de ninguém, Salgado começou do zero: pesquisou desde regiões na cidade que poderiam abrigar o restaurante à preços de fornecedores dos mais diferentes tipos de alimentos, além de entrar em alguns cursos. “Fiz cursos que foram desde técnicas da carne, sobre corte, preparo, até mais específicos. Fiz com o chef Donato Galvez, do Stunt Burger, outro com o chef Marcos Brito, da Hamburgueria All In Burguer. Ele é especialista em pastrame e defumação”, explica.

Leia também: Empresária supera infância pobre e fatura R$ 90 milhões com Spa das Sobrancelhas

Depois de montar o projeto, o analista de sistemas encontrou dois parceiros, um chefe de cozinha e um investidor, para decolar a ideia. Deu certo. 

Entre um mês e outro, vendas da hamburgueria aumentaram 25%

Com local definido – a loja fica na Avenida Professor Francisco Morato, no Morumbi – e cardápio sendo estudado e montado, Salgado construiu a identidade de sua marca ao lado de uma equipe de arquitetura e design. Foi aí que, além dos móveis e decoração que compõe o ambiente, a hamburgueria ganhou nome: Foxshelter (“toca da raposa”, em inglês), em homenagem a seu apelido de infância.

Antes da inauguração, nada de divulgação da casa. “Eu só comecei a divulgar com a casa já aberta. Descobri que planfetagem e coisas do tipo não dão muito certo. Hoje em dia tem que ser digital, e não papel”, conta. Assim, Felipe foi atrás das mídias sociais da marca. “Procuro fazer, além das postagens, muitas parcerias com blogueiros, pessoas de turismo que possam fazer propaganda”.

Veja Mais:  Aumente a rentabilidade dos seus investimentos com as debêntures

Da data da abertura, em agosto, para cá, a receita tem dado certo: no cardápio, diversas opções para tornar possível montar qualquer tipo de lanche. “Tentei trazer mais ingredientes do que a gente vê normalmente nas hamburguerias. Então não tem essa de só pão comum ou com gergelim: temos australiano, de brioche, integral”. Outro exemplo são as opções de queijo, que vão do amado cheddar a Monterey Jack.

Entre outubro e novembro deste ano, Felipe já vê as vendas aumentarem: em novembro, a Foxshelter registrou 25% a mais de vendas de hamburguers do que no mês anterior. Mas as metas são altas: daqui um ano, pretendo estar com pelo menos o dobro do tamanho, vender quatro ou cinco vezes mais do que atualmente. A partir daí, se tudo certo, a ideia é abrir filiais”, explica.

Leia também: Empresário vende casa, investe em pizzaria e prevê faturamento de R$ 45 milhões

Salgado não esconde o desejo maior: quer largar a carreira de analista e cuidar apenas da hamburgueria . Até lá, segue tocando as duas profissões ao mesmo tempo com a meta de aumentar os resultados do restaurante: “Além da publicidade, não tem propaganda melhor do que o boca a boca. E está dando certo: meus clientes têm voltado. O retorno de um cliente é mehor do que um elogio”, comemora. “Tem que ficar sempre focado na qualidade e no atendimento. É o que o cliente precisa pra voltar”, completa.

Veja Mais:  Preço da gasolina nas bombas cai pela quinta semana consecutiva, indica ANP

Comentários Facebook

Economia

Bolsonaro fala de Previdência mais exigente, mas “justa e sem privilégios”

Publicado


Nesta quarta-feira (20), Bolsonaro fez seu primeiro pronunciamento em rede nacional para falar sobre a proposta de reforma da Previdência entregue por ele
Reprodução/Palácio do Planalto

Nesta quarta-feira (20), Bolsonaro fez seu primeiro pronunciamento em rede nacional para falar sobre a proposta de reforma da Previdência entregue por ele


O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta quarta-feira (20), que a reforma da Previdência apresentada por ele ao Congresso Nacional é mais exigente do que a atual, mas que é “justa para todos” e  “sem privilégios”. As declarações foram dadas durante um pronunciamento realizado na noite de ontem em rede nacional (TV e rádio), o primeiro feito pelo presidente desde que ele assumiu o cargo, em 1º de janeiro.

Leia também: Como será a aposentadoria de cada categoria em caso de aprovação da reforma

Segundo Bolsonaro, “A nova Previdência será justa para todos. Sem privilégios. Ricos e pobres, servidores público, políticos ou trabalhadores privados.” “Todos seguirão as mesmas regras de idade e tempo de contribuição”, explicou.

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 6/2019, também conhecida como nova Previdência , foi entregue aos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado Federal, Davi Alcolumbre, na manhã de ontem (20). O texto propõe idades mínimas para aposentadoria de 62 anos para mulheres e 65 para homens, além de 20 anos de tempo de contribuição .

Os valores servem tanto para servidores privados quanto públicos. Outros cargos, que possuem regimes especiais, como professores, trabalhadores rurais e policiais, também tiveram suas idades mínimas e contribuições aumentadas.

Veja Mais:  Faça você mesmo: invista em treinamentos para se recolocar no mercado

Leia também: Reforma da Previdência fixa idade mínima e eleva tempo de contribuição; entenda

De acordo com Bolsonaro , a partir da reforma, “as pessoas de todas as classes vão se aposentar com a mesma idade.” Ele também ressaltou que, apesar das prováveis mudanças, os trabalhadores poderão contar com as regras de transição “para que todos possam se adaptar ao novo modelo”, e garantiu que os direitos adquiridos até agora “estão garantidos”, seja para quem já está aposentado seja para quem completou os requisitos para se aposentar.

O presidente falou, ainda, sobre a reforma para os militares, que não entrou neste texto entregue ao Congresso Nacional. Ele garantiu que a classe também será englobada na reforma da Previdência, mas em uma proposta separada, que deve ser enviada dentro de 30 dias . “Respeitaremos as diferenças, mas não excluiremos ninguém”, declarou.

Em seguida, Bolsonaro citou as novas alíquotas , que, de acordo com o novo regime, serão cobradas em maior valor para os mais ricos e em menor para os mais pobres. “E com justiça: quem ganha mais, contribuirá com mais. Quem ganha menos, contribuirá com menos ainda”, explicou o presidente.

Reforma é necessária para equilibrar contas, garantiu Bolsonaro


Ao lado de ministros, o presidente Jair Bolsonaro entregou a proposta de reforma da Previdência para os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal
Reprodução/ Twitter

Ao lado de ministros, o presidente Jair Bolsonaro entregou a proposta de reforma da Previdência para os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal


Bolsonaro ressaltou também a necessidade de se fazer a reforma para “equilibrar as contas do País” e “evitar que o sistema [previdenciário] quebre”. De acordo com os dados divulgados ontem (20) com a proposta, caso seja aprovada com o texto original, o governo espera uma economia R$ 1,165 trilhão em dez anos, número que  já havia sido levantado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes . Nos quatro primeiros anos, R$ 189 bilhões em gastos podem ser poupados.

Veja Mais:  EUA, Canadá e México renovam acordo comercial durante o G20

“Nós precisamos garantir que, hoje e sempre, todos receberão seus benefícios em dia e o governo tenha recursos para ampliar investimentos na melhoria de vida da população e na geração de empregos”, disse o presidente.

Leia também: Reforma prevê 40 anos de contribuição para se aposentar com 100% do salário 

Por fim, Bolsonaro ressaltou que sabe que o modelo apresentado é mais rigoroso do que o atual, mas afirmou que a mudança é necessária para um bem maior. “Nós sabemos que a nova Previdência exigirá um pouco mais de cada um de nós. Porém, é para uma causa comum: o futuro do nosso Brasil e das próximas gerações. Estou convicto que nós temos um pacto pelo País, e que juntos, cada um com sua parcela de contribuição, mudaremos nossa história com mais investimentos, desenvolvimento e mais emprego”, disse.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Brasileiros apoiam reforma da Previdência, mas são contra idade mínima proposta

Publicado


Brasileiros apoiam a reforma da Previdência, mas são contra idade mínima proposta pelo governo
Fernando Frazão/Agência Brasil

Brasileiros apoiam a reforma da Previdência, mas são contra idade mínima proposta pelo governo

Os brasileiros apoiam, em sua maioria, a reforma da Previdência, entendendo que há necessidade de se alterar as regras para aposentadoria no Brasil. No entanto, somente 23% apoiam a idade mínima proposta pelo governo, de 62 anos, para mulheres, e 65 anos, para homens. Os dados são extraídos de pesquisa da XP Investimentos , divulgada nesta quarta-feira (20).

Leia também: Bolsonaro entrega proposta de reforma da Previdência ao Congresso

De acordo com a apuração, 64% da população é a favor da reforma da Previdência , 29% é contra e 7% não responderam. Porém, a idade mínima presente no texto enviado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) ao Congresso, de 62 e 65 anos para mulheres e homens, respectivamente, não agrada os brasileiros. Embora 59% defendam que deve haver uma idade mínima para se aposentar, somente 23% apoiam os números apresentados pelo governo. 41% são contrários à idade mínima de forma geral, sendo a aposentadoria garantida somente por tempo de contribuição.

Para 29%, a idade mínima deveria ser menor do que 62 e 65, como proposto, enquanto 23% concordam com o item do texto apresentado pela equipe econômica, chefiada pelo ministro Paulo Guedes. Outros 3% afirmam que o governo deveria ser mais rigoroso, propondo idade mínima ainda maior, e 5% não responderam.

Veja Mais:  Aumente a rentabilidade dos seus investimentos com as debêntures

Leia também: Faltam “de 60 a 70 votos” para aprovar reforma da Previdência, afirma Mourão

A maioria dos brasileiros é contra outro item contido no texto da proposta: a diferenciação da idade mínima entre homens e mulheres. Segundo o governo, foi uma exigência de Bolsonaro que as mulheres pudessem se aposentar antes dos homens. Guedes defendia a paridade entre gêneros, com idade mínima de 65 anos para ambos. Segundo a pesquisa, 53% defendem idades mínimas iguais, enquanto 44% afirmaram que as mulheres devem poder se aposentar antes. 3% não responderam.

Sobre as novas regras da Previdência, a maior parte dos brasileiros afirmou que as mudanças afetariam ou afetariam muito suas vidas. A maior parte (42%) diz que a reforma vai influenciar a própria realidade, 18% esperam ser muito afetados e 34% disseram que não devem ser afetados pelas alterações. 6% não opinaram.

E os militares na Previdência?


Maioria apoia que militares sejam incluídos na reforma da Previdência
Tomaz Silva/Agência Brasil

Maioria apoia que militares sejam incluídos na reforma da Previdência

Sobre a inclusão dos militares na reforma da Previdência , a pesquisa revela que 52% dos entrevistados apoiam que os militares passem a ter as mesmas regras de aposentaria que os demais trabalhadores. Para 23%, as regras para os militares não devem ser alteradas, e 19% defendem que a categoria deve ser incluída na reforma, mas com regras específicas, o que deve acontecer. 6% preferiram não opinar.

Veja Mais:  Por que a Black Fridaynão vai matar o Natal?

Leia também: Por que militares só devem entrar na segunda parte da reforma da Previdência?

A pesquisa mostra ainda que a maioria acredita que a reforma da Previdência será aprovada: para 45% ela provavelmente ocorrerá, para 28% com certeza ocorrerá, 13% provavelmente não ocorrerá, 8% com certeza não ocorrerá e 6% não responderam. A apuração ouviu 1.000 brasileiros, por telefone, em todas as regiões do País.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Bolsa cai mais de 1% por medo de Congresso enfraquecer reforma da Previdência

Publicado


A cotação do dólar também acabou influenciada pelo receio quanto à desidratação da reforma da Previdência
Getty Images

A cotação do dólar também acabou influenciada pelo receio quanto à desidratação da reforma da Previdência

Prevendo dificuldades para aprovar a reforma da Previdência por completo no Congresso Nacional, o mercado financeiro fechou o pregão desta quarta-feira (20) mais cauteloso. O Ibovespa, principal indicador de desempelho da Bolsa de Valores brasileira (B3), encerrou o dia em queda de 1,14%, a 96.544 pontos.

Leia também: Empresa não precisará recolher FGTS de funcionário aposentado, prevê reforma

O resultado negativo vai na contramão da tendência de alta observada no exterior, especialmente nas bolsas dos Estados Unidos e da Europa. A cotação do dólar também acabou influenciada pelo medo quanto à desidratação da reforma da Previdência , terminando o pregão com variação positiva de 0,34%, a R$ 3,7290, depois de cair para menos de R$ 3,70 pela manhã.

A queda no Ibovespa e a alta do dólar não significam, porém, que os investidores não gostaram da reforma proposta pelo governo, que prevê economia de R$ 1,16 trilhão em dez anos. Para o mercado, o maior desafio agora é convencer os parlamentares a votar a favor do projeto em um momento como este, em que o governo mostra dificuldade em negociar.

Os questionamentos quanto à capacidade de Jair Bolsonaro (PSL) de aprovar a reforma da Previdência exatamente como foi proposta são compartilhados pela imprensa internacional . Mais cedo, veículos como a BBC News , do Reino Unido, e o El País , da Espanha, se referiram ao projeto como o teste mais difícil do governo, que recentemente se viu dentro de uma polêmica envolvendo supostos candidatos laranjas de seu partido, o PSL.

Veja Mais:  O que é a capitalização, que estará na proposta de reforma da Previdência

Apoio à reforma


Maior parte dos brasileiros apoia a nova Previdência e entendem que é necessário mudar as regras para aposentadoria
Fernando Frazão/Agência Brasil

Maior parte dos brasileiros apoia a nova Previdência e entendem que é necessário mudar as regras para aposentadoria

A maioria dos brasileiros apoia a reforma da Previdência e entende que é necessário mudar as regras para aposentadoria no Brasil. Mas somente 23% apoiam a idade mínima proposta pelo governo, de 62 anos para mulheres e 65 para homens. Os dados são resultaldo de uma pesquisa da XP Investimentos divulgada nesta quarta-feira (20).

Segundo a apuração, 64% da população é a favor da reforma, 29% é contra e 7% não respondeu. A questão da idade mínima , porém, é mais controversa: embora 59% dos entrevistados defendam a regra, somente 23% apoiam os números apresentados pelo governo. Outros 41% são contrários à idade mínima de forma geral e defendem que a aposentadoria seja garantida somente por tempo de contribuição.

A maioria é contra a diferenciação da idade mínima entre homens e mulheres. Segundo a pesquisa, 53% defendem valores iguais, enquanto 44% afirmam que as mulheres devem poder se aposentar antes. Outros 3% não responderam. De acordo com o governo, permitir que as mulheres se aposentem antes dos homens foi uma exigência de Bolsonaro. O ministro Paulo Guedes, ao contrário, defendia idade mínima de 65 anos para ambos os gêneros.

Leia também: Brasileiros apoiam nova Previdência, mas são contra idade mínima proposta

Sobre as novas regras da  Previdência , a maior parte dos brasileiros afirmou que as mudanças afetariam ou afetariam muito suas vidas. A maior parte (42%) diz que a reforma vai influenciar a própria realidade, enquanto outros 18% esperam ser muito afetados e 34% disseram que não devem ser afetados pelas alterações. Parte dos entrevistados (6%) não opinou.

Veja Mais:  Por que a Black Fridaynão vai matar o Natal?

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana