conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Economia

Arroz com fezes de rato era vendido para Rio de Janeiro e São Paulo

Publicado

source
embalagem de arroz com fezes de rato arrow-options
TV Record/Reprodução
Arroz com fezes de ratos seriam destinados para São Paulo e Rio de Janeiro

Vários pacotes de arroz foram apreendidos, no Rio Grande do Sul na última quinta-feira (10) pelo Núcleo Segurança Alimentar, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público (MP). 

O alimento estava impróprio para consumo e foram encontrados nas embalagens  fezes de rato, larvas de traças e carunchos . As informações são da TV Record. 

Consumidor encontra verme em biscoito da Bauducco; assista ao vídeo

A ação do Gaeco cumpriou sete mandados de busca e apreensão em empresas e residências nas cidades de Cerro Branco, Novo Cabrais, Cachoeira do Sul, Candelária, Ibiraiaras, no Rio Grande do Sul  e no município de Sombrio, em Santa Catarina. Também foram cumpridos mandados de apreensão de três caminhões.

Um grupo de criminosos comprava o arroz sem condições de consumo de produtores rurais gaúchos. Depois utlizavam embalagens desviadas de marcas lícitas do produto para empacotar o arroz estragado. 

Reclamações contra Comgás crescem 500% em 2019, aponta Procon-SP

Segundo dados da operação, o destino dos pacotes fraudados eram os estados de São Paulo e Rio de Janeiro. A organização criminosa está sendo investigada pela prática dos crimes de sonegação fiscal , adulteração de produto alimentício e contra as relações de consumo. 

Coordenador da operação, Alcindo Luz Bastos afirmou à TV Record, que 11 pessoas são suspeitas de participar do esquema de compra de arroz (grãos inteiros e resíduos de arroz) em condições fora da legislação vigente.

Veja Mais:  Lucro líquido do Banco do Brasil cresce 16,8% e chega a R$ 12,8 bilhões em 2018

Segundo as autoridades, as empresas beneficiadoras gaúchas atuavam no mercado de forma irregular e, em inúmeras vezes, a venda se dava sem nota fiscal . O produto enviado para outros estados era utilizado em cestas básicas .

As contas bancárias de todos os investigados e das empresas que teriam participação no esquema foram bloqueadas pela Justiça.

O esquema

arroz com fezes de rato arrow-options
TV Record/Reprodução
Fezes de rato no arroz que era comercializado e utilizado em cestas básicas

Um empresário gaúcho , de Cachoeira do Sul, é considerado o principal responsável pelo esquma criminoso. Ele seria, segundo o MP, o responsável por comprar o alimento vencido, fazer o transporte e distribuir o produto no Rio de Janeiro e São Paulo. 

O Ministério Público informa que o suspeito tem condenações, tanto na Justiça Estadual como na Federal, por manter outras pessoas como ‘laranjas’de empresas em que ele era sócio de verdade.

Procon notifica shopping Bourbon após mãe denunciar racismo com filho de 11 anos

As marcas que tiveram suas embalagens utilizadas pelo grupo de fraudadores foram informadas da situação pelo Ministério Público e estão sendo indicadas pelo órgão de fiscalização como vítimas também do esquema. 

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook

Economia

Procon-SP multa Serasa por incluir devedor em lista sem aviso prévio; entenda

Publicado

source
dívida arrow-options
Reprodução
Procon multou Serasa por incluir devedor em lista sem aviso prévio

O Procon-SP multou a Serasa S/A, no valor de R$ 125.760,00, por não fazer a comunicação por escrito a um consumidor antes de incluir seu nome no cadastro de proteção ao crédito.

Leia também: Fuja do azeite de oliva pirata: saiba reconhecer um produto falsificado

A prática desrespeita o artigo 43, § 2º do Código de Defesa do Consumidor (CDC), que prevê que antes da abertura de qualquer cadastro, ficha, registro de dados pessoais e de consumo, o alvo deverá ser comunicado, caso essa inclusão não tenha sido solicitada por ele.

A punição ocorreu depois de um consumidor com dívida em atraso abrir um processo no Tribunal de Justiça de São Paulo contra a instituição, por não ter sido informado da inclusão. De acordo com o diretor executivo do Procon , Fernando Capez, o órgão realizou uma pesquisa e encontrou outras situações semelhantes.

“A Diretoria de Fiscalização, que conta com mais de 200 fiscais, constatou que existiam outras reclamações contra o Serasa em outros locais, além do Procon, como o portal da Proteste. Com base nisso, o órgão entendeu que havia uma conduta potencialmente lesiva para outros consumidores. Para que isso não prospere, colocando o nome de outras pessoas em risco, imputamos uma multa ao Serasa não só para puni-lo como para evitar que isso  ocorra novamente”, afirmou.

Veja Mais:  Conselho do BNDES elege presidente interino até posse de Montezano

Embora não exista mais a necessidade de envio obrigatório de correspondência com aviso de recebimento (A.R.), a Justiça determina que a empresa deve provar que efetuou a comunicação, seja com a cópia de um e-mail ou com um documento assinado pelo consumidor, por exemplo.

A partir de agora, o Serasa tem 15 dias corridos para apresentar sua defesa à Diretoria de Assuntos Jurídicos do Procon-SP . Depois, terá mais 15 dias corridos para recorrer administrativamente, então a diretoria executiva vai decidir se o recurso é procedente ou não. A expectativa é que a decisão final aconteça no prazo de dois meses, com uma alta probabilidade de manutenção da multa.

Leia também: Latam muda regra de despacho de bagagem e passagem pode ficar mais cara; entenda

Até o momento da publicação, a Serasa Experian não havia respondido a reportagem de O GLOBO.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Fuja do azeite de oliva pirata: saiba reconhecer um produto falsificado

Publicado

source
azeite de oliva arrow-options
shutterstock
Azeites foram alvo de operação do Ministério da Agricultura, que identificou 33 marcas irregulares

Depois que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) anunciou a  suspensão da venda de 33 marcas de azeites de oliva por causa de adulterações no produto, o consumidor passou a ficar mais atento na hora de escolher a marca para comprar.

Segundo o órgão do governo, a maioria das irregularidades identificadas nos azeites falsos se referem a mistura do azeite de oliva com óleo de soja ou outros óleos de origem desconhecida. 

O Instituto Brasileiro de Olivicultura (Ibraoliva) pesquisou os lotes irregulares apurados pelo governo e mostrou que 80% das empresas autuadas ficam localizadas no Paraná ou Minas Gerais – sendo Minas o segundo estado com mais produtoras de azeite de oliva cadastradas e atestadas no Brasil.

O primeiro lugar do ranking de mair produtoras fica com Rio Grande do Sul, onde é produzido 90% do azeite mais autêntico extravirgem brasileiro e não tem nenhuma empresa na relação do Ministério da Agricultura.

Apesar disso, de acordo com o Agrolink , a maioria das marcas brasileiras estão em conformidade com as exigências de produção e qualidade para um azeite extravirgem. Os produtos retirados do mercado pelos técnicos do Mapa são, em sua quase totalidade, de marcas importadas ou envasadas por empresas clandestinas.

Veja Mais:  Fiat e Renault se encaixam?

Leia também: Ministério da Agricultura proíbe venda de seis marcas de azeite; veja quais

Dicas de como identificar um azeite falso

azeite arrow-options
shutterstock
O sabor do azeite pode ser um fator para identificar se o produto é falsificado ou não

Para não cair em nenhuma armadilha, o Ibraoliva ensina como identificar azeites falsificados:

  1. Desconfie de azeites muito baratos, afinal, são necessários de 5 à 14 kg de azeitona para se elaborar 1 litro de azeite.
  2. Observe a data de envase ou safra de origem. Os benefícios desse produto se manifestam quanto mais fresco o alimento for.
  3. Teste antes de levar para casa. Azeites Extra Virgens têm características sensoriais muito bem determinadas: é preciso exalar frescor. Fuja se lembrar notas rançosas, fermentadas ou avinagradas.

A suspensão feita pelo Mapa é resultado da Operação Isis do Ministério da Agricultura, iniciada em 2016. As amostras das marcas de azeite em que as irregularidades foram identificadas, foram colhidas e analisadas entre 2017 e 2018. 

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Latam muda regra de despacho de bagagem e passagem pode ficar mais cara; entenda

Publicado

source
depacho de bagagem arrow-options
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Para despachar bagagem em voos internacionais com desconto, o ideal é se programar com, pelo menos, 35 dias de antecedência, diz Latam

Após decisão do Congresso pela manutenção da tarifa para despachar bagagem , empresas aéreas brasileiras continuam cobrando um valor extra para quem optar por levar mais do que a mala de mão para a viagem – permitida gratuitamente, desde que não ultrapasse 10 quilos.

No entanto, há uma semana, a Latam aderiu a uma nova política de cobrança aos passageiros dos voos internacionais . Além de ter que pagar a mais para despachar as malas, quem decidir fazer isso depois de ter pago pela passagem, vai depender do destino, data da viagem, tarifa, antecedência da compra e rota para saber quanto será cobrado.

“A implementação deste tipo de precificação, já utilizada nos valores dos bilhetes aéreos, permitirá oferecer tarifas atrativas para o consumidor de acordo com a época do ano, o tempo de viagem , a data de partida e conexões”, informou a Latam.

A companhia ainda deixa como exemplo que, “considerando estes fatores, o valor pago pelo despacho de bagagem para um voo entre os países da América do Sul pode custar a partir de US$ 6, preço menor que os US$ 20 cobrados pela regra antiga de precificação”.

Por outro lado, quem não se planejar e deixar para última hora ou estiver viajando em alta temporada vai pagar mais caro. Antes, os descontos eram praticados até 6 horas antes do voo. Hoje, dependendo do destino, é preciso comprar com até 48 horas de antecedência. A Latam ressalta que os preços mais em conta são encontrados com pelo menos 35 dias antes do voo.

Veja Mais:  Sonegação do FGTS sobe 35,81% nos quatro primeiros meses do ano

Leia também: Latam dificulta voo de autista para Rock in Rio e mãe pede ajuda no Twitter

Taxas variáveis deixam consumidor sem saber quanto vai pagar

despacho de bagagem arrow-options
Marcelo Camargo / Agência Brasil
Quem já comprar o bilhete do voo com o despacho incluso, não terá nenhuma alteração, afirma a companhia

Apesar de disponibilizar uma tabela com as faixas de preços dinâmicos em seu site , a empresa não deixa claro sobre quanto o cliente irá pagar para incluir a bagagem, já que alguns fatores como “alta temporada” não estão descritos.

Sendo assim, voos pela América do Sul, por exemplo, podem pedir de US$ 6 a US$ 70 pelo despacho, dependendo dos fatores citados.

Ao menos o teto pago pelo cliente para despachar bagagem não foi alterado no novo modelo, diz a Latam: “O passageiro vai pagar no máximo pelo valor cobrado no sistema antigo”.

A companhia também reforça que nada muda para os passageiros que já compraram os seus bilhetes nos perfis de tarifas que já contemplam o despacho de bagagem.

Leia também: Por que tantas companhias aéreas enfrentam dificuldades no Brasil

Viagens para voos nacionais continuam com preço fixo para adicionar a despacho de bagagem. Até 6 horas antes voo serão cobrados R$ 59 pela primeira peça, R$ 99 pela segunda e R$ 220 pela terceira. Depois, o passageiro que quiser despachar terá que desembolsar R$ 120 pela primeira mala , R$ 140 se houver uma segunda e R$ 220 para a terceira.

Veja Mais:  É vantajoso o desconto da Caixa para quitar dívidaatrasada?

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana