conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Portal Agro

Associados à Aprosoja asseguram recursos para manutenção de entidades filantrópicas

Publicado

Fortalecimento Institucional

Associados à Aprosoja asseguram recursos para manutenção de entidades filantrópicas

Ao todo somam 74 entidades distribuídas em 30 cidades mato-grossenses

18/03/2019

Mais de 20 entidades filantrópicas atendidas, em todo o Estado, pelo projeto Agrosolidário – desenvolvido desde 2009 pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) – foram visitadas a longo da semana por diretores, delegados e supervisores de campo da Associação. As visitas fazem parte de uma das ações da Aprosoja para que os associados possam conhecer de perto o trabalho desenvolvido pelas entidades assistidas.

Desde 2009, o projeto atua em parceria com creches, asilos, hospitais e entidades filantrópicas, como o Hospital do Câncer, Santa Casa de Cuiabá, Projeto Flauta Mágica, entre outros que ao todo somam 74 entidades distribuídas em 30 cidades mato-grossenses. Por meio do projeto, são distribuídas bebidas de extrato de soja, com alto valor nutricional, e também recursos financeiros como forma de contribuir com o andamento dos trabalhos.

Produtora rural em Primavera do Leste, Rosana Galbieri Leal acompanhou as visitas realizadas em Cuiabá. “É importante que a gente acompanhe e tenha informações suficientes para deliberar nas assembleias. Não conhecia o Hospital de Câncer e a palavra sobre essa visita é gratidão. Porque o trabalho que se faz na unidade envolve recursos financeiros, mas, principalmente, humanidade e amor ao próximo. O fato de a Aprosoja direcionar recursos é muito bom. Considero essa visita de extrema informação, conhecimento e transparência”, afirmou Rosana, que também atua como conselheira fiscal e delegada na Região Sul de Mato Grosso.

Veja Mais:  Produtores de Mato Grosso debatem a sustentabilidade na agricultura durante a Caravana Soja Brasil

Para a coordenadora de Relações Institucionais do Hospital de Câncer, Silvia Negri, o Agrosolidário é de extrema importância, pois colabora de forma direta e significativa no tratamento de pacientes com câncer, pelo alto valor nutricional do alimento. Somente em 2018 a unidade hospitalar, que é referência nacional, atendeu mais de 108 pacientes.

“O Agrosolidário, com a distribuição da bebida de soja, ajuda muito os pacientes oncológicos aqui do Hospital. Esse suplemento ajuda tanto os pacientes internados, na melhoria da nutrição deles, quanto os que recebem alta.  O Hospital está fazendo 20 anos e a Aprosoja está conosco há muito tempo, colaborando com a construção de UTI infantil, compra de equipamentos e continuamente com a bebida de soja. Só temos a agradecer à Associação por estar conosco e por aceitar cada novo desafio”, afirmou.

A atuação do Agrosolidário no interior do Estado também é acompanhada de perto. Uma das visitas realizadas nesta etapa foi à Aldeia Três Jacus, em Sapezal.  Lá, os índios complementam a alimentação e tratam doenças com a bebida de soja. O fornecimento do produto acontece nos postos de saúde mais próximos dessa e de outras aldeias que já solicitaram o alimento.

“Para os indígenas a bebida de soja é muito importante, principalmente, entre os idosos. Segundo a responsável pela educação indígena, foi observado que o índice de anemia diminuiu, após o início do projeto na região, com o consumo da bebida. Isso foi possível mensurar, pois os indígenas consomem a bebida no posto de saúde mais próximo da aldeia. Para se ter uma ideia, indígenas de outros municípios, como de Campo Novo do Parecis, pediram à Secretaria de Educação de Sapezal a bebida de soja. Assim, eles deixam no pedágio uma quantia para que ela possa conseguir atendê-los também”, contou a supervisora que  realizou a visita, Tamara Souza.

Veja Mais:  Em Pendências, no Rio Grande do Norte, ministra se reúne com produtores de camarão

Também receberam as equipes da Aprosoja no interior do estado a Creche Cantinho do Amor (Gaúcha do Norte), Instituição de Longa Permanência Lar Tia Nega (Alto Araguaia), Escola Municipal Três de Julho (Santa Rita do Trivelato), Instituto Desportivo da Criança e Associação dos Cegos (Cuiabá), entre outras.

O vice-presidente da entidade, Fernando Cadore, apontou que as visitas reforçam a importância das ações do Agrosolidário. "Estamos vendo in loco como o setor tem contribuído com essas entidades, tendo acesso à dimensão do trabalho prestado por elas. Quando estamos aqui temos mais clareza de como é importante esse envolvimento com pessoas e entidades que se dispõem a ajudar o próximo. A Aprosoja tem orgulho em conduzir um projeto que tem esse olhar mais humano e tão necessário", pontuou Cadore.

O presidente da Aprosoja, Antonio Galvan, reforçou o compromisso da entidade com todas as instituições atendidas pelo Agrosolidário e enfatizou que as ações são frutos do trabalho dos mais de 5,5 mil produtores associados. “Estivemos em muitas destas instituições e vemos a importância desse trabalho do produtor rural, através da Aprosoja. Vamos continuar juntos com esse projeto garantindo que essas instituições recebam a nossa bebida de soja e/ou recursos financeiros”, finalizou.

 

Fonte: Ascom Aprosoja


Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215

Email: comunicacao@aprosoja.com.br

Fonte: APROSOJA
Comentários Facebook

Portal Agro

Primeiro encontro do 14º Circuito Aprosoja reúne 70% dos associados de Cláudia

Publicado

Fortalecimento Institucional

Primeiro encontro do 14º Circuito Aprosoja reúne 70% dos associados de Cláudia

Nesta etapa outras seis cidades receberão a caravana no Circuito

22/04/2019

Produtores do município de Cláudia participaram em massa do primeiro dia do 14º Circuito Aprosoja. A cidade abriu o Circuito, na manhã desta segunda-feira (22.04), no Clube de Idosos do município. Aproximadamente 70% dos associados que compõem o núcleo de Claudia puderam debater sobre custos de produção e tributações que a cadeia produtiva de soja e milho tem enfrentado, especialmente em Mato Grosso.

Idealizado pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso, o Circuito Aprosoja chegou a sua 14ª edição com novo formato. Os painéis, que tratam temas inerentes ao setor, agora são em formato de mesa redonda, proporcionando maior interação com os produtores associados. Este ano, o evento conta com a participação do apresentador e analista de política e economia do Canal Rural, Miguel Daoud, o diretor-executivo da Aprosoja Brasil, Fabrício Rosa, e o presidente da Aprosoja-MT, Antonio Galvan. A mediação está sendo feita pelo jornalista e apresentador do programa Direto ao Ponto, do Canal Rural, Glauber Silveira.

Produtor associado à Aprosoja, José Carlos Sandri, participou da manhã de debates e considerou que a nova roupagem do Circuito é a melhor opção para dar mais oportunidade a todos participarem de forma democrática. “É a melhor opção. Muitas vezes, nós produtores não temos oportunidades, alguns não gostam de perguntar, mas tem as mesmas dúvidas que acabam sendo sanadas. Foi muito bom, não é cansativo e foi melhor que edições anteriores. Valeu a pena ter vindo”, afirmou.

Veja Mais:  Produtores de Mato Grosso debatem a sustentabilidade na agricultura durante a Caravana Soja Brasil

Vice-presidente Norte da Aprosoja, e produtor rural em Cláudia, Zilto Donadello, avaliou positivamente a interação dos produtores durante os debates. “Muito bom o formato que foi feito. Os produtores puderam perguntar e obter respostas imediatas de suas dúvidas. Tivemos uma participação grande e foi um evento muito produtivo, muito proveitoso”, analisou.

O núcleo de Cláudia foi o primeiro a receber o Circuito de 2019. Presidente da Aprosoja, Antonio Galvan, enfatizou a grande participação e agradeceu a receptividade dos produtores associados. Durante o evento, ele apresentou o Movimento Mato Grosso Forte – Quem paga imposto cobra resultado, que teve adesão em peso do público presente. Galvan também tratou da campanha “Pátria no Campo”, que está no ar pelas redes sociais da entidade e reforça o patriotismo.

“Um prazer estar em Cláudia, ver a casa cheia, presença maciça dos produtores e das famílias. Um quarto dos produtores associados dos municípios estavam presentes no evento. Acredito que com esse novo modelo que trouxemos demos mais oportunidade para os produtores tirarem as dúvidas. Agradecemos aos produtores de Cláudia por nos receber nesse primeiro dia do Circuito, e parabéns pela participação, pois o evento é feito para os produtores”, disse o presidente Antonio Galvan.

NOVOS ASSOCIADOS – Além dos produtores que fazem parte da entidade, ao longo do evento foram realizadas 20 novas associações, ou seja, a adesão à entidade revela a satisfação dos produtores com a atuação da diretoria da entidade. Nesta etapa, outras seis cidades receberão a caravana no Circuito, sendo que, logo mais, às 18h30, o município de Lucas do Rio Verde, será palco das discussões promovidas pela Aprosoja e seus parceiros.

Veja Mais:  Nota conjunta dos Ministérios da Agricultura e das Relações Exteriores sobre a missão ao Brasil do serviço veterinário da Federação da Rússia

 

Fonte: Ascom Aprosoja


Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215

Email: comunicacao@aprosoja.com.br

Fonte: APROSOJA
Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Serviço de Inspeção de Pernambuco passa a ter equivalência ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal

Publicado

O estado de Pernambuco obteve o reconhecimento de equivalência do serviço de inspeção estadual de produtos de origem animal junto ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi-POA), do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (Mapa). Com a medida a Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco (Adagro) deve ser inserida no cadastro geral do Sisbi-POA, assim como os estabelecimentos e produtos por ela indicados.

Com o reconhecimento, estabelecimentos e produtos de origem animal do estado cadastrados podem comercializar estes produtos em todo o país. Antes podiam vendê-los apenas no próprio estado.

O reconhecimento da equivalência do órgão estadual de Pernambuco, após avaliação por meio de auditorias do Mapa, quanto aos processos e procedimentos de inspeção de produtos de origem animal, foi oficializado por meio da Portaria nº 59, de 12 de abril de 2019 (http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=16/04/2019&jornal=515&pagina=45&totalArquivos=115) passando a constar no cadastro geral do MAPA.

Para obter a equivalência dos serviços de inspeção é preciso comprovar que as medidas de inspeção higiênico-sanitária e tecnológica praticadas permitem alcançar os mesmos objetivos de inspeção, fiscalização, inocuidade e qualidade dos produtos dos demais integrantes do sistema do Mapa, segundo a diretora do Departamento de Suporte e Normas (DSN), Judi Nóbrega,

Atualmente, estão incluídos no cadastro geral do SISBI-POA, 14 estados (BA,DF,ES,GO,MT,MS,MG,PR,RS,RO,SC e TO); 18 municípios (Alegrete, Cascavel, Chapecó, Engenho Velho, Erechim, Glorinha, Ibiúna, Itu, Marau, Miraguaí, Rio Claro, Rosário do Sul, Santa Cruz do Sul, Santa Maria, Santana do Livramento, São Pedro do Butiá, Uberlândia e Caxias do Sul) e três consórcios (CIDEMA/SC, CONSAD/SC e CODEVALE/MS).

Veja Mais:  Produtores de Mato Grosso debatem a sustentabilidade na agricultura durante a Caravana Soja Brasil

Os requisitos e demais procedimentos necessários para a adesão ao sistema definidos pelo Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) do Mapa estão disponíveis no endereço eletrônico: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/inspecao/produtos-animal/sisbi-1

Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Mapa vai criar zoneamento climático para áreas atingidas pela seca no Nordeste

Publicado

Um novo modelo de Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) para a região Nordeste começará a ser elaborado pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O ponto de partida será a reunião técnica do projeto de pesquisa da Embrapa Avaliação de Riscos e Resiliência Agroclimática (Arra), na próxima quarta-feira (24), na sede da Sudene, em Recife.

Na reunião serão debatidos e selecionados os sistemas de produção mais promissores para as áreas de maior vulnerabilidade e escassez de água por falta de chuva. Os sistemas selecionados terão prioridade nas ações do ZARC, destacando suas vantagens para orientar e estimular sua adoção por produtores da região.

As unidades da Embrapa no Nordeste, Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) e a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) irão selecionar focos de atuação, sistemas de produção com maior potencial transformador e chances de obterem sucesso, bem como alternativas para geração de renda, emprego e sustentabilidade à agricultura do Nordeste.

Terão maior atenção as práticas agronômicas e alternativas viáveis levando em conta culturas solteiras (dedicadas de forma isolada à agricultura ou à pecuária), sistemas integrados, anuais e ou perenes (permanentes), associados a animais ou não, Integração lavoura, pecuária, floresta (ILPFs) e suas variações.

“Estamos reunindo conhecimento e casos de sucesso que reduzem o risco climático na produção agrícola na região e melhoram a renda do produtor. Precisamos fortalecer os mecanismos que promovam o uso massificado dessas soluções e os programas e políticas do Mapa são fundamentais nesse processo, à medida que podem incentivar os sistemas de produção mais adequados”, disse o coordenador da Rede Zarc-Embrapa, Eduardo Monteiro,

Veja Mais:  Circuito Aprosoja chega à 14ª edição com novo formato e foco no produtor

A partir da criação de zoneamento específico para essas áreas ficará mais fácil obter financiamento agrícola e a proteção contra a quebra de safra pelo Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro).
Com isso, o Mapa deve promover uma mudança gradual de culturas locais, muito vulneráveis ao clima, para sistemas de produção agropecuária menos sujeitos à seca e à falta de água.

O Zoneamento de Risco determina a época mais adequada de plantio levando em conta o tipo de cultura, o solo de cada região e a indicação de risco envolvida na produção em cada decêndio (dez dias) para que o produtor faça o plantio no momento mais adequado, minimizando prejuízos pelo risco de problemas climáticos nas lavouras.

Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
Janete Lima
imprensa@agricultura.gov.br

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana