conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Portal Agro

Brasil e China devem tratar de certificados para florestas plantadas em reunião do Brics

Publicado

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) reuniu-se nesta quarta-feira (15), em Pequim, com empresários chineses e brasileiros do setor de florestas plantadas e celulose. No encontro, os representantes da China solicitaram a uniformização dos certificados fitossanitários para o comércio dos produtos.

Tereza Cristina sugeriu aos chineses, maiores importadores mundiais de celulose, que as conversas sobre o tema ocorram durante reunião do Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, índia, China e África do Sul), que será realizada no Brasil, em novembro deste ano.

A ministra destacou alto uso de tecnologia no setor, que tem crescido dentro da economia brasileira, e a busca por ampliar os negócios com a China. “É um setor que teve um desenvolvimento pujante nos últimos anos, extremamente organizado. Eu me orgulho muito de ser de um estado que resolveu parte dos seus problemas quando trouxe essa atividade florestal como uma das principais, o Mato Grosso do Sul”, disse.

Atualmente, o Brasil tem 10 milhões de hectares de árvores plantadas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que corresponde a 1% do território nacional, mas é responsável por 91% de toda a madeira para fins industriais. Desse total, 5,8 milhões de hectares têm algum tipo de certificação florestal com indicadores reconhecidos internacionalmente, conforme dados do ministério.

As florestas plantadas estão localizadas principalmente em Minas Gerais, no Rio Grande do Sul, em São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Veja Mais:  Brasil exportará arroz beneficiado para México, anuncia ministra Tereza Cristina

De acordo com o diretor Jurídico e de Relações Institucionais da Suzano, Pablo Machado, as exportações do setor chegam a US$ 12,5 bilhões. A China, conforme o executivo, respondeu por 42,7% das vendas no ano passado e 40%, em 2017. “Brasil é um parceiro confiável e tem capacidade de ofertar mais celulose à China. Gostaríamos de continuar e ampliar em longo prazo essas parcerias”. Suzano lidera o segmento de celulose de eucalipto no Brasil.

Em 2017, o setor respondeu por 5% das exportações brasileiras e 10% das exportações do agronegócio. A produção florestal ocupa o quarto lugar, ficando atrás apenas da soja, das carnes e do setor sucroalcooleiro.

Já José Carlos da Fonseca Junior, diretor de Relações Institucionais da Ibá, propôs que áreas degradadas no Brasil sejam usadas para florestas plantadas, o que renderia mais de US$ 6 bilhões de investimentos nos próximos anos. “Brasil pode expandir as capacidades e suprir as necessidades crescentes da China”. Segundo os produtores, o país lidera o ranking global de produtividade florestal, com uma média de 35,7 m³/ha/ano para o plantio de eucalipto, o que representa quase duas vezes mais a produtividade dos países do Hemisfério Norte,  e 30,5 m³/ha/ano para pinus.

No ano passado, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento lançou o Plano Nacional de Desenvolvimento de Florestas Plantadas – PlantarFlorestas, que prevê aumentar em 2 milhões de hectares a área de cultivos comerciais até 2030.

Veja Mais:  Conab divulga pela primeira vez dados sobre a produção de etanol de milho

 Sinochem

Tereza Cristina reuniu-se também com o Frank Ning, CEO da ChemChina e da Sinochem, empresas chinesas que atuam nos setores de agroquímicos e energia. Na reunião, Ning disse que com a disputa comercial entre os Estados Unidos e a China os chineses “cada vez mais terão de diversificar a busca por alimentos e comprar mais do Brasil”.

Tereza Cristina vem ressaltando que a disputa pode ser uma oportunidade para os exportadores brasileiros aumentarem a participação no mercado chinês, maior importador de soja e carnes.

A ministra destacou que, no último dia 11 em Niigata (Japão), os Líderes de Agricultura do Hemisfério Ocidental assumiram o compromisso de trabalhar em conjunto “em defesa da segurança alimentar global e do comércio agrícola, com base em princípios científicos e de análises de risco”, o que pode estimular as relações com os chineses. Tema abordado na apresentação do CEO da Companhia das Cooperativas Agrícolas do Brasil (CCAB), Jones Yasuda, que destacou o papel do Brasil na nutrição e segurança alimentar global nas próximas décadas.

Ning informou ainda que as empresas do grupo são sustentáveis e não haverá problemas para o fornecimento de produtos aos clientes, incluindo os produtores brasileiros.

O deputado federal e presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, Alceu Moreira (MDB-RS), que integra a comitiva, tratou da importância de o Congresso Nacional concluir a votação da proposta que altera a legislação sobre agroquímicos. Os parlamentares da comitiva acompanharam as duas reuniões desta quarta-feira.

Veja Mais:  Mapa e produtores realizam seminário internacional de seguro rural

Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook

Portal Agro

Ministério estuda a implantação de polo de inovação agropecuária no Rio de Janeiro

Publicado

O diretor do Departamento de Apoio à Inovação para a Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Luiz Cláudio de França, reuniu-se nesta sexta-feira (24), durante a  8ª Conferência Green Rio, na capital fluminense, com representantes da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento (Seappa-RJ), da Empresa de Pesquisa Agropecuária do RJ (Pesagro-Rio), e da Embrapa Solos, para discutir  a implantação de um polo de inovação agropecuária no Rio de Janeiro.

A ideia é agregar órgãos públicos ligados à agricultura, ciência e tecnologia, universidades e iniciativa privada em busca do desenvolvimento do agronegócio regional e também da difusão de conhecimento em benefício da agricultura de outras regiões do país.

Segundo o diretor, o Mapa já está analisando o instrumento jurídico mais apropriado para viabilizar a articulação interinstitucional necessária para a criação do polo de inovação. “O objetivo é coordenar todas as iniciativas de inovação para agricultura, de forma aberta e transparente para potencializar os esforços das instituições no objetivo comum de elevar a produtividade da agricultura e melhorar os padrões de vida no campo”, declarou França. 

Para o subsecretário de Agricultura Familiar da Seappa-RJ, Adriano Lopes, o polo de inovação agropecuária será a oportunidade  para desenvolver, conjugar e empreender esforços nas áreas de pesquisa, desenvolvimento e inovação,  em busca de melhorias para a agricultura fluminense. “Vai permitir identificar gargalos nas cadeias produtivas da nossa agricultura do ponto de vista tecnológico e encontrar saídas para o desenvolvimento do agronegócio no Estado do Rio de Janeiro”, disse o representante da Seappa-RJ.

Veja Mais:  Nota Conjunta do Ministério da Agricultura e do Ministério das Relações Exteriores sobre a ampliação, pelo México, da quota livre de tarifas para importação de carnes de aves

O presidente da Pesagro-Rio, Nilton Leal destacou durante a reunião  a importância da iniciativa para a pesquisa agropecuária no Rio de Janeiro. “Será a grande chance de salto em pesquisa e desenvolvimento na área da agricultura familiar que permitirá ao  Estado do Rio de Janeiro planejar uma agricultura com visão de futuro, de desenvolvimento”, afirmou.

Também participaram da reunião o chefe da Embrapa Solos, José Carlos Polidoro e o chefe da Divisão de Política,  Produção e Desenvolvimento Agropecuário, da Superintendência Federal de Agricultura no RJ, Celso Merola.

Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
Sidney Dantas
imprensa@agricultura.gov.br

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Nota Conjunta do Ministério da Agricultura e do Ministério das Relações Exteriores sobre a ampliação, pelo México, da quota livre de tarifas para importação de carnes de aves

Publicado

O governo brasileiro tomou conhecimento, com satisfação, da decisão do governo mexicano de ampliar em 55 mil toneladas a quota livre de tarifa para importação de carnes de aves.

A medida garantirá a continuidade das exportações brasileiras de frango para o México, que alcançaram o volume de 110 mil toneladas em 2018. As exportações brasileiras foram as principais beneficiárias da quota, aberta em 2013, com utilização de 98% de seu volume total, que havia atingido seu limite quantitativo em fevereiro deste ano.

O México é um destino prioritário para as exportações brasileiras de carnes de aves, que já constituem o terceiro produto na pauta de nossas exportações para aquele país.

O governo brasileiro continuará trabalhando para fortalecer a relação comercial com o México e garantir a ampliação do acesso àquele mercado dos produtos agrícolas brasileiros.

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Veja Mais:  Nota Conjunta do Ministério da Agricultura e do Ministério das Relações Exteriores sobre a ampliação, pelo México, da quota livre de tarifas para importação de carnes de aves
Continue lendo

Portal Agro

Ministra participa da abertura da colheita de café no Espírito Santo e destaca a presença do produto no Japão

Publicado

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) participou nesta sexta-feira (24) do início da colheita de café no Espírito Santo. Ela falou sobre a presença do produto brasileiro entre os consumidores do Japão, país que visitou nos últimos dias em missão oficial.

“Eu tive a grata satisfação de ver que o café, inclusive o do Espírito Santo, que nós experimentamos lá, é um produto que tem acesso enorme ao mercado japonês. Mas a gente pode crescer mais”, disse a ministra, no município de Águia Branca.

A  ministra disse estar buscando retomar uma maior parceria com o país. “Eles nos prometeram vir aqui. O ministro da agricultura virá aqui em agosto deste ano e aí nós vamos ver, retomar os assuntos de carnes, frutas, lácteos, café”.

No continente asiático, o Japão é o principal importador da região, tendo registrado crescimento expressivo de 37,04% na compra dos cafés do Brasil, se comparado com o mesmo quadrimestre do ano anterior.

No discurso que fez a produtores, Tereza Cristina comentou sobre a promoção do produto feita em uma cafeteria em Tóquio, na viagem. “Quero parabenizar a todos os produtores daqui. Quando cheguei no Japão, eu fiz um evento e vocês não imaginam o que tinha lá de japoneses que importam o café, que conhecem aqui o Espírito Santo, que conhece o café de vocês, conhece o bom café, o café gourmet”.

Veja Mais:  Ministro visita floresta plantada e encontra produtores de mel no Paraná

Mercado

A ministra comentou também sobre o comportamento dos preços no mercado. “Nós vivemos num mercado globalizado e quando a gente tem excesso de produção acontece isso, baixa o preço. Nós temos um problema a corrigir e vamos juntos achar uma solução para os produtores brasileiros, para que a gente ache um caminho e que todos possam continuar morando no campo que é isso que a gente quer”, disse.

A ministra lembrou que a bancada do Espírito Santo esteve no ministério conversando sobre o preço mínimo do produto. “Não é uma coisa fácil mexer, quando o preço está vigente. Há regras, leis, mas nós achamos que é procedente o pedido, é justo e nós estamos fazendo cálculos, novas fórmulas na Conab para ter um preço mínimo de referência e ver se a gente consegue mudar um pouco a situação e a cafeicultura brasileira vem vivendo, não só aqui no Espírito Santo, mas no Brasil todo”, afirmou.

O Espírito Santo é o 2º maior produtor brasileiro de café, com produção de arábica e conilon. É responsável por 22% da produção do país, em 435 mil hectares. A atividade é responsável por 35% do Produto Interno Bruto (PIB) Agrícola capixaba.

WhatsApp Image 2019-05-24 at 14.00.08.jpeg

 Plano Safra

Tereza Cristina destacou a importância da tecnologia desenvolvida pelo Incaper (Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural), que organizou o evento, para a cultura cafeeira no estado e para a agricultura familiar.

Veja Mais:  Nota Conjunta do Ministério da Agricultura e do Ministério das Relações Exteriores sobre a ampliação, pelo México, da quota livre de tarifas para importação de carnes de aves

“Vocês podem ter certeza de que hoje o nosso foco principal no Ministério da Agricultura tem sido a agricultura familiar. Esse é o grande desafio, do presidente Bolsonaro e de todos aqueles que estão no ministério, arrumar recurso para que a assistência técnica chegue até vocês. Mas não a assistência técnica de preencher papel, de formulário de pedir dinheiro no banco. Eu vou arrumar esses recursos e começar a ter aquela assistência técnica que o pequeno e o médio produtor tanto precisam”.

A ministra também comentou sobre o Plano Safra, que deve ser anunciado no dia 12 do próximo mês. “A nossa agricultura cresceu muito e o dinheiro para atender a toda essa gama de produtores rurais brasileiros é pequeno. Hoje, o dinheiro oficial cobre praticamente um terço da nossa agricultura. Mas, conversando muito com a equipe econômica, nós temos hoje pelo menos o que tivemos no ano passado. E ainda vamos perseguir outras ferramentas de crédito para aumentar esse cobertor e ele não ficar tão apertado”, disse.

A prioridade do Plano Safra, destacou, é para os pequenos. “Vocês não terão dificuldade de crédito, os pequenos produtores serão contemplados. No seguro rural, nós também conseguimos um ganho, aumentar a dimensão. É isso que o Ministério da Agricultura vem estudando e trabalhando firme em cima de melhorar o seguro rural. Estivemos com o presidente Jair Bolsonaro, com o ministro Paulo Guedes e com toda a equipe econômica e nós conseguimos R$ 1 bilhão de subvenção para o seguro, o que já melhora”.

Veja Mais:  China simplifica processo para importar carnes brasileiras

Dia Nacional do Café

Nesta sexta-feira (24) é comemorado o Dia Nacional do Café. O Brasil é o maior produtor e exportador de café e segundo maior consumidor da bebida no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. O consumo no país é calculado em 21 milhões de sacas anuais, número que representa em torno de 13% do que é bebido de café no planeta

Neste ano, a previsão é que o Brasil registre uma safra de 50,92 milhões de sacas de café beneficiado, somando-se as espécies arábica e conilon, segundo estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). No ano passado, a safra registrou 61,7 milhões de sacas beneficiadas. A área total cultivada no país com as duas espécies totaliza 2,16 milhões de hectares.

Mais informações à Imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana