conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Nacional

Deputada do PSL faz ‘vaquinha’para pagar indenização de R$ 40 mil a Jean Wyllys

Publicado

Carla Zambelli conta com ajuda de seguidores para pagar indenização a Jean Wyllys
Reprodução/Facebook

Carla Zambelli conta com ajuda de seguidores para pagar indenização a Jean Wyllys

A deputada federal eleita por São Paulo, Carla Zambelli (PSL), está promovendo uma ‘vaquinha’ virtual para conseguir o valor de R$ 40 mil que foi condenada a pagar de indenização a Jean Wyllys após vincular o deputado a pedofilia com uma postagem que relacionava o político a uma declaração jamais dita por ele.

Por meio do site Vakinha,  Carla Zambelli espera conseguir todo o valor do processo de Jean Wyllys e, de quebra, ainda ultrapassar os R$ 40 mil para usar o dinheiro como doação à Associação Amigos Pela Cura da AME.

O curioso é que na divulgação da campanha de arrecadação, a deputada eleita voltou a provocar Wyllys, propondo, como desafio, que o mesmo realize um exame toxicológico e doe todo o valor da indenização para a mesma instituição.

“O que passar do valor da sua “indenização”, vou doar para crianças com Atrofia Muscular Espinal. Espero que você tenha a hombridade de fazer o mesmo com o que receberá. Quem sabe pelo menos uma vez possamos nos orgulhar de uma boa atitude sua”, escreveu a futura deputada no Twitter.

Também pela rede social, o deputado ironizou o pedido de ajuda financeira para a parlamentar. “Tem gente que me detesta e está contribuindo com uma vaquinha que servirá para me dar dinheiro? Freud explica!”, escreveu.

Veja Mais:  Zoológico divulga imagens impressionantes do raio-x de animais e viraliza na web

Até as 17h desta sexta-feira (11), a futura parlamentar já tinha arrecadado R$ 24.725,34, ou 61% do objetivo de R$ 40 mil.

Fundadora da Associação Brasil nas Ruas, Carla Zambelli se notabilizou por ser uma grande crítica do PT e dos partidos de esquerda. Ela conseguiu 76.306 votos, se elegendo deputada federal por São Paulo na 57ª posição das eleições. Assim, vai trabalhar na Câmara como Jean Wyllys, eleito para o seu terceiro mandato consecutivo pelo Rio de Janeiro.

Comentários Facebook

Nacional

PSOL entra com ação no STF contra Witzel por declaração sobre uso de míssil

Publicado

Witzel
Marcos Corrêa/PR

Wilson Witzel faz responder ação no STF por declarações


Partido de oposição ao governo de Wilson Witzel no Rio de Janeiro, o PSOL entrou com uma ação no STF denunciando a conduta ilegal do governador. O motivo, segundo a sigla, foi o estímulo à violência policial por meio de ações e declarações . O resultado foi o aumento do número de mortes em operações policiais. Foram 434 no primeiro trimestre, o maior número em 21 anos.

Leia também: Witzel lamenta morte do pastor Anderson do Carmo e promete rigor na investigação

Na última sexta-feira (14), Wilson Witzel defendeu que traficantes sejam abatidos por míssil, se necessário. A Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, ADIN, inclui solicitações para que o governador seja proibido de participar de operações policiais, que o Estado se abstenha de adotar a política pública de segurança que estimula o abatimento e/ou neutralização de pessoas. O PSOL pede ainda que sejam declaradas inconstitucionais as declarações do governador por contrariedade a preceitos constitucionais.

“Na vida não tem atalho, é muito estudo e muito trabalho. Agora, o vagabundo, aquele que é bandido, quer o atalho. Nós que somos cidadãos não vamos aceitar isso. A nossa Polícia Militar não quer matar, mas nós não podemos permitir cenas como aquelas que nós vimos lá na Cidade de Deus . E se fosse com a autorização da ONU ou em outros lugares do mundo, nós tínhamos autorização para mandar um míssil naquele local e explodir aquelas pessoas”, afirmou Witzel, que foi aplaudido pelos presentes na solenidade.

Veja Mais:  Carta de FHC não ajudou, avaliam aliados de Geraldo Alckmin

Leia também: Polícia não mata inocentes, diz Witzel ao comentar ação de criminosos

Deputados do PSOL entendem que, após as declarações, Witzel precisa ressarcir os cidadãos por danos morais.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Dallagnol será convidado a explicar trocas de mensagens com Moro no Senado

Publicado

Deltan Dallagnol
Lula Marques/Agência PT

Coordenador da Lava Jato em Curitib, Deltan Dallagnol terá a chance de explicar as trocas de mensagens com Sergio Moro no Senado


A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta terça-feira (18) uma convite ao procurador Deltan Dallagnol para que ele preste esclarecimentos sobre a troca de mensagens com o então juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro,revelada pelo site “The Intercept Brasil”. O convite é opcional, ou seja, Deltan só comparecerá se desejar. Moro irá comparecer, voluntariamente, à CCJ na quarta-feira (19).

Leia também: Senado convida Glenn Greenwald para explicar vazamentos da Lava Jato 

O requerimento do convite foi apresentado pelo senador Angelo Coronel (PSD-BA). “Julgamos ser oportuno o convite por entender que, se comprovadas as denúncias feitas, restaria comprovado o descompromisso do Procurador Federal Deltan Dallagnol com as prerrogativas das mais altas funções públicas no Estado Democrático de Direito e colocaria em dúvida toda a lisura da mais importante operação de combate a corrupção já feita neste país”, argumentou no requerimento.

Leia também: Grupo de advogados pede prisão preventiva do Moro, Dallagnol e outros três

Segundo o “The Intercept Brasil”, Moro deu orientações ao procurador sobre como atuar em processos da Lava Jato , inclusive em um que investigava o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Procuradores também teriam discutido como barrar uma entrevista do líder petista à “Folha de S. Paulo”, autorizada pelo ministro do do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski.

Veja Mais:  Bolsonaro embarca hoje para Davos, em sua primeira viagem internacional

Leia também: Grupo de advogados pede prisão preventiva do Moro, Dallagnol e outros três

Nesta terça, a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados aprovou um convite a Sergio Moro e ao jornalista Glenn Greenwald,editor e fundador do “The Intercept Brasil”. Greenwald ainda foi convidado pelo Conselho de Comunicação Social do Senado, assim como Deltan Dallagnol não recebeu convite da Câmara.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Bolsonaro apela para que parlamentares não deixem decretos das armas ‘morrer’

Publicado

Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR – 18.6.19

Bolsonaro faz apelo para que parlamentares não deixem decretos das armas ‘morrer’

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez um apelo a deputados e senadores, na manhã desta terça-feira (18), para que não deixem os dois decretos sobre armas “morrer na Câmara ou no Senado”.

tema será votado no plenário no Senado na tarde de hoje e poderá derrubar as medidas, editadas no mês passado por Bolsonaro para flexibilizar a posse e o porte de armas no país. Na última semana, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou a derrubada dos decretos , por 15 votos a 9.

O pedido defesa dos decretos das armas foi feito em discurso durante evento de lançamento do Plano Safra 2019-2020, no Palácio do Planalto. O presidente chamou deputados e senadores de “nossos eternos aliados” e, diante da plateia de ruralistas, alegou que as armas é importante para a “segurança no campo.”

“O Senado e Câmara vão discutir a questão do decreto das armas. A segurança no campo é uma coisa importantíssima, e nós ampliamos, por decreto, o porte de arma de fogo em todo o perímetro da propriedade de vocês. Não deixem esses dois decretos morrer na Câmara ou no Senado. A nossa vida é muito importante. Vocês sabem o quão difícil é produzir nesse país, e a segurança tem que estar acima de tudo”, disse.

Veja Mais:  Fora da pauta prioritária do Congresso, MP do Saneamento pode reestruturar setor

Bolsonaro afirmou em seguida que acredita que os parlamentares presentes na cerimônia iriam conversar com os demais colegas para que os atos não caiam, “afinal de contas, nós temos que confiar no próximo”.

Caso a decisão da CCJ seja mantida no plenário do Senado, ela ainda terá que ser confirmada pela Câmara para ter efeito. De acordo com pesquisa Ibope, a maioria dos brasileiros é contra a flexibilização das regras das armas.

No sábado, Bolsonaro fez em suas redes sociais um pedido para a população cobrar os senadores pela manutenção dos decretos. Nesta terça, o presidente disse que nada poderia fazer numa eventual derrota do texto. “Não sou ditador, sou democrata, pô” , destacou ele.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana