conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Saúde

Documento assinado pelo Ministério da Saúde libera tratamento de eletrochoque

Publicado


O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse desconhecer a resolução sobre o eletrochoque
undefined

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse desconhecer a resolução sobre o eletrochoque

Um documento assinado pelo Ministério da Saúde autorizou a compra de aparelhos utilizados para tratamentos de eletrochoque, também conhecidos como eletroconvulsoterapias para o Sistema Único de Saúde (SUS). A medida polêmica nesta semana em uma portaria que faz alterações na Política Nacional de Saúde Mental e nas Diretrizes da Política Nacional sobre Drogas.

Leia também: Número de mortes por suicídio caiu mais de 30% desde 1990, revela pesquisa

A terapia de eletrochoque causa bastante controvérsia dentro da comunidade psquiátrica, mas ainda é permitida por leis em países como Estados Unidos, Reino Unido e China. No Brasil, a prática também é permitida, mas caiu em desuso e não era utilizada na saúde pública.

“Quando se trata de oferta de tratamento efetivo aos pacientes com transtornos mentais, há que sebuscar oferecer no SUS a disponibilização do melhor aparato terapêutico para a população.Como exemplo, há a Eletroconvulsoterapia (ECT), cujo aparelho passou a compor a lista doSistema de Informação e Gerenciamento de Equipamentos e Materiais (SIGEM) do FundoNacional de Saúde, no ítem 11711. Desse modo, o Ministério da Saúde passa a financiar acompra desse tipo de equipamento para o tratamento de pacientes qua apresentamdeterminados transtornos mentais graves e refratários a outras abordagens terapêuticas”, dia um trecho da resolução.

Leia também: Mais Médicos: inscrição para formados no exterior será dias 13 e 14 de fevereiro

Veja Mais:  Mais Médicos: 1707 profissionais devem se apresentar nas prefeituras até hoje

Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, o responsável pela pasta, Luiz Henrique Mandetta, disse desconhecer o documento. O ministro disse, no entanto, que as medidas eram “sem dúvida, polêmicas.”

Já o Coordenador Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas do Ministério da Saúde, Quirino Cordeiro, que foi o responsável pela assinatura da nota, defendeu o uso da prática. Ele também minimizou a possibilidade de abusos durante o tratamento. “Há sim uma fiscalização. E abusos podem ser cometidos em qualquer instituição”, disse.

Leia também: Justiça de São Paulo autoriza mãe a cultivar maconha para uso medicinal

Além da compra de aparelhos para tratamentos com eletrochoque, a resolução ainda aprovou outras medidas consideradas polêmicas. Entre elas, estão a possibilidade da internação de crianças em hospitais psiquiátricos e a pregação abstinência para o tratamento de dependentes de drogas

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook

Saúde

Saiba como criar o hábito de beber mais água diariamente

Publicado

Minha Saúde

Os brasileiros bebem, em média, cerca de 1,8 litro de líquidos por dia. Mas, aparentemente, deveriam beber mais água. A quantidade ideal é de 2 litros, ou seja, 200 mililitros — o equivalente a um copo — a menos do que o recomendado para um adulto ao longo desse período.

Leia também: Água engorda? Se beber gelada, pode emagrecer? Confira mitos e verdades 

mulher bebendo água arrow-options
shutterstock

Consumo médio de água dos brasileiros está cerca de 200 mililitros abaixo do recomendado, que é dois litros por dia

Na realidade, a indicação ideal é de 35 mililitros de reposição por quilo de peso. Então, uma pessoa de 70 quilos, por exemplo, deveria beber 2,4 litros de água diariamente.

Porém, apenas 42% dos líquidos que os brasileiros bebem são água pura. O resto é suco, chá, refrigerante, café e outras bebidas. A maioria delas costumam ser doces e, muitas vezes, os consumidores ainda adicionam mais açúcar.

Beber água pura é fundamental para favorecer inúmeras reações importantes para o organismo. Entre elas, a manter a glicemia sob controle, aproveitar os nutrientes e quebrar a gordura armazenada no corpo.

Leia também: Cinco sinais de que você está desidratado

As informações são de estudo conduzido pela Danone Research, que avaliou o consumo de líquidos por pessoas de todas as idades em 13 países, incluindo o Brasil.

Como criar o hábito de beber mais água diariamente


Não espere a sede chegar

A sede é um sinal tardio. Desse modo, quando ela aparece, significa que o corpo já está menos abastecido de líquido do que deveria. Isto é, já está no início do processo de desidratação.

Tome um copo de água a cada hora ou hora e meia

Fracionando o consumo, mantemos a hidratação constante. O corpo humano precisa estar sempre com líquido em quantidade suficiente para suas reações. Não adianta tomar 1/2 litro de água de manhã, que logo será eliminada como urina, e não beber nada à tarde.

Use um aplicativo

Nesse caso, podemos usar a tecnologia a favor. Alguns aplicativos fazem soar o alarme do celular de tempos em tempos, lembrando o horário de tomar mais água. Portanto, quem ainda não tem o hábito de se hidratar sempre deveria instalar um desses apps em seu smartphone .

Deixe uma garrafinha de água por perto

Manter água sobre a mesa de trabalho ou de estudo facilita muito. Sem ter muita consciência, muitas pessoas vão protelando a ideia de se levantar para ir até o filtro quando estão tremendamente ocupadas. Sendo assim, lembre-se sempre de abastecer a sua.

Leia também: Beber meio litro de água 30 minutos antes de comer ajuda a emagrecer

Tomar um copo de água ao sentir fome entre as refeições

A explicação é que, no cérebro, a área que percebe o aumento do apetite é a mesma que interpreta o sinal da sede. E, muitas vezes, cria uma confusão entre as duas sensações. Por isso, é possível que aquilo que alguém ache ser fome seja simplesmente vontade de beber água .

Veja Mais:  Casos de dengue no Brasil aumentam 149% em janeiro deste ano

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

É normal ficar suada na região da vagina? Especialista responde

Publicado

Women's Health

Você se lembra quando começou a suar na virilha? Talvez você tenha treinado demais ou passado um longo dia caminhando no calor. Então, quando chegou ao banheiro e olhou no espelho, notou sua roupa íntima suada.

Leia também: Suar em excesso pode ser sinal de hiperidrose; saiba como controlar a condição

mulher arrow-options
shutterstock

vagina

Quer dizer, todo mundo sabe que as pessoas transpiram nas axilas, testa e, às vezes, costas ou mãos. Mas suar ao lado da vagina ?! Isso não é algo legal, vamos ser honestas. Aqui está o que você precisa saber sobre esse tipo de transpiração.

Primeiro: suar na virilha é totalmente normal

Isso acontece com todo mundo. “Isso porque nós suamos sempre que há glândulas sudoríparas na região”, explica Chris Adigun, dermatologista na Carolina do Norte, Estados Unidos. E há glândulas sudoríparas em toda a sua vulva, que é a área externa ao redor da vagina.

Lembre-se: sua vagina é interna – é o que você sente quando coloca o dedo dentro do buraco na direção da parte inferior da vulva. “E não há glândulas sudoríparas lá em cima”, observa Adigun. Então, não é sua vagina que está suando , só para ficar mais claro.

No entanto, existem glândulas sudoríparas nas partes ao redor da vagina. Especificamente, onde existe pelos – nos grandes lábios (os grandes lábios externos), o mons pubis (a corcova acima da sua vagina) e a virilha (onde suas pernas encontram sua pélvis). “Sua virilha não é tão diferente da sua axila”, completa Adigun.

Veja Mais:  Justiça de São Paulo autoriza mãe a cultivar maconha para uso medicinal

Assim como a axila, a virilha é uma junção entre um membro e seu tronco. É por isso que faz mais sentido chamar a transpiração lá em baixo de suor da virilha e não suor da vagina.

É possível ter muito suor na virilha?

“Na maioria das vezes, um pouco de suor na área de vulva não é nada para se preocupar”, diz o Adigun. Todos nós transpiramos e às vezes isso também acontece por lá. “Se você está suando durante o treino ou quando está realmente quente, isso não é incomum”, ela afirma.

Então, ao invés de se sentir estranha quando tiver uma mancha de suor na calça de yoga, considere levá-la como um sinal de um treino hardcore.

Naturalmente, algumas pessoas suam mais do que o que os médicos considerariam normal, e o excesso de suor na virilha pode interferir na sua vida cotidiana. Esse tipo de transpiração excessiva é chamado de hiperidrose.

Enquanto as pessoas que sofrem de hiperidrose suam mais do que as outras na cabeça, axilas, mãos e pés, de acordo com a American Academy of Dermatology, às vezes podem ter sudorese extra-intensa na zona genital.

Em um estudo, uma menina saudável de 17 anos foi ao médico porque frequentemente sofria com esse problema. Ela suava tanto que usava absorventes grossos todos os dias para tentar manter as calças secas.

Veja Mais:  Casos de dengue no Brasil aumentam 149% em janeiro deste ano

Leia também: Quer treinar sem suar demais? É simples: escolha os exercícios corretos

Isso é certamente uma quantidade anormal de suor lá embaixo. Mas você não precisa fazer muito esforço para marcar uma consulta com seu dermatologista. “Como suor anormal em qualquer parte do corpo, se você está molhando a roupa quando não está calor, isso não é normal”, explica Adigun.

Vale a pena marcar uma consulta quando o suor estiver te deixando desconfortável ou inibindo sua vida de alguma forma. Adigun vê pacientes o tempo todo preocupados com o suor entre as pernas, porque eles se sentem constrangidos com manchas nas calças muitas vezes.

O que você pode fazer para não suar na virilha?

Há várias opções, segundo Adigun. Primeiro, ela sugere que as pessoas tentem antiperspirantes tópicos. Não são desodorantes típicos. Enquanto os desodorantes mascaram o odor do suor, os antitranspirantes ligam temporariamente as glândulas sudoríparas para que você sinta menos suor fisicamente.

Outra alternativa é fazer injeções de botox na região da virilha. Isso pode parecer assustador, mas geralmente é seguro e super eficaz. Enquanto a maioria de nós sabe sobre o botox por sua capacidade de suavizar rugas, a injeção também é usada para parar transpiração excessiva.

Ele suprime suas glândulas sudoríparas para que não suem tanto, e dura muito tempo. Normalmente, você terá que refazer as aplicações duas vezes por ano, ou seja, seis meses inteiros de supressão do suor.Existem algumas outras correções temporárias, especialmente se seu suor não é tão chato.

Veja Mais:  Mais Médicos: 1707 profissionais devem se apresentar nas prefeituras até hoje

Leia também: Suar emagrece? E corrida, emagrece mais do que pedalada? Tire suas dúvidas

Se você não tem hiperidrose, mas ainda está um pouco irritada com essa transpiração, pode tentar absorver o suor com um produto em pó de talco (aplicado na pele da vulva, não na abertura da vagina ). Mas lembre-se que você não vai parar de suar – apenas absorverá a umidade. Mas isso pode ajudar se, em um dia quente, você se preocupar com esse problema.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

6 dicas para amenizar as “dores do frio”

Publicado

As mudanças bruscas de temperatura durante o inverno não apenas atrapalham a rotina como também provocam um incômodo comum para algumas pessoas: as dores nas articulações. Muitas vezes, o tempo nem virou ainda e o corpo já dá o sinal de alerta da mudança climática. E  isso ocorre por causa da maneira que o organismo responde ao frio.

Leia também: 10 dicas para se manter hidratado nestes dias secos do inverno

mulher com dor arrow-options
shutterstock

Com a mudança de tempo, as dores no corpo ficam mais frequentes. No entanto, é possível aliviá-las com algumas dicas

“A necessidade de aquecimento da musculatura provoca uma contração que torna algumas partes do corpo doloridas. Nas articulações, o líquido sinovial que fica mais espesso com o esfriamento do corpo pode limitar os movimentos e gerar incômodos”, explica o ortopedista e traumatologista, Adalberto Caveari, diretor médico da Policlínica Centrodador.com.

Pessoas com doenças crônicas que afetam as articulações, como artrite reumatoide, por exemplo, são mais propensas a sentirem dores nos dias mais frios. “Não há uma predileção para a região onde a dor vai surgir, mas normalmente vemos nos joelhos, ombros e na coluna. O que determina a área, em geral, é se há algum problema anterior ali, seja uma lesão ou uma cirurgia”, diz o ortopedista Márcio Schiefer.

Leia também: Por que os riscos de sofrer um infarto aumentam em 30% no inverno?

Veja Mais:  Justiça de São Paulo autoriza mãe a cultivar maconha para uso medicinal

De acordo com Aurílio Luís, cirurgião de cabeça e pescoço, as dores costumam aparecer porque há algum tecido — normalmente articulações — que estão inchadas. Com a contração da musculatura, a região é pressionada e a dor aparece. “Por isso, é importante aplicar compressas de água morna e aquecer a região, porque o calor ajuda a musculatura a relaxar e drenar o edema que se formou”, afirma.

Quando as dores provocadas pela mudança de tempo forem frequentes, o indicado é procurar um ortopedista para descobrir o que pode ser a causa do desconforto. E, se as dores são “novidade” e aparecem tanto no frio quanto nos dias mais quentes, o alerta é ainda maior e a consulta com um especialista deve ser feita logo.

Como amenizar as dores?

1. Faça aquecimentos

Quando o corpo está “frio”, há mais chance de lesões e dores. Por isso, o ideal é sempre fazer um aquecimento durante a manhã.

2. Faça compressas de água morna

Compressas de água morna ajudam a amenizar as dores porque relaxam a musculatura e aumentam a circulação sanguínea na região.

3. Fortaleça a musculatura

Nos momentos de dor, procure por repouso, quando possível. Após as dores passarem, busque orientação e faça atividades físicas que visem o fortalecimento muscular.

4. Trate a doença base

Caso as dores estejam relacionadas com alguma doença crônica, deve-se tratá-la para diminuir as chances de dores.

Veja Mais:  Ressurgimento da dengue tipo 2 em São Paulo preocupa autoridades do estado

5. Use agasalhos

Manter a região bem agasalhada ajuda a evitar a contração muscular e dos vasos sanguíneos.

Leia também: “Artrite dói mais no inverno”: mito ou verdade?

6. Procure por um médico

Se as dores relacionadas à mudança de temperatura forem constantes, procure por um ortopedista para investigar o motivo do desconforto.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana