conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Nacional

Em ato na Itália, produtores bloqueiam vias jogando litros de leite na rua; veja

Publicado


Produtores italianos jogam leite na rua em protesto pela queda no preço da bebida; manifestantes bloquearam vias
Reprodução/Il Messagero

Produtores italianos jogam leite na rua em protesto pela queda no preço da bebida; manifestantes bloquearam vias

Com um preço mediano de R$ 3 por litro, o leite é um item de muito valor na mesa dos brasileiros. O mesmo acontece na Itália, país em que a culinária típica é criada e explorada a partir do chamado latte (o nome da bebida em italiano). Porém, com a queda no preço da bebida na indústria alimentícia italiana, produtores da Sardenha saíram às ruas para protestar.

Leia também: Servidores quebram grades e vidraças em protesto na Câmara de SP; GCM reage

Os produtores bloquearam diversas estradas da ilha em uma manifestação contra a queda no preço do leite , que é vendido para a indústria por cerca de 60 centavos de euro por litro. Na manhã deste sábado (9), os manifestantes interromperam o tráfego nos dois sentidos da rodovia 131, principal artéria da Sardenha e que conecta Cagliari com Sassari.

Outros bloqueios foram registrados nas demais estradas da região, como a 125, em Ogliastra, e a 129, em Orotelli. Em todas elas, os produtores jogaram milhares de litros da bebida no asfalto, em sinal de protesto. Em vídeos e fotos, é possível perceber a grande quantidade de bebida desperdiçada.

De acordo com o jornal Today.it , os produtores acreditam que é melhor desperdiçar o líquido do que vendê-lo para as indústrias de processamento, que agora pagam apenas “trocados” pelo material. A situação está sendo considerada tão insustentável que a imprensa tem chamado o caso de ” guerra do leite “.

Veja Mais:  “Não tenho nenhum motivo para temer a prisão de ninguém”, diz presidente da Vale

Ainda hoje, um grupo de manifestantes até tentou impedir os jogadores do Cagliari de saírem do centro de treinamento do clube, que enfrentará o Milan neste domingo (10), em Milão, pela Série A do campeonato italiano. “Assim, estará escrito nos jornais que a partida foi adiada não pela neve ou pela chuva, mas por um protesto contra os industriais”, disse um dos manifestantes.

Leia também: Coletes amarelos retomam protestos na França no primeiro fim de semana de 2019

Após negociações, a situação se resolveu: alguns atletas do Cagliari esvaziaram garrafões de leite na rua em sinal de solidariedade. Um dos jogadores que participaram das tratativas foi o brasileiro João Pedro.

Por sua vez, os produtores e organizações agrícolas pedem por uma ação imediata do governo da Itália . Afinal, eles afirmam que o preço do leite caiu de 85 centavos de euro por litro da última temporada para os 60 centavos da temporada atual.

Leia também: “Eu estou solto e Lula está preso, babaca”, diz Ciro em ato da UNE em Salvador

As indústrias de processamento negam qualquer acordo. Mas o ministro de Políticas Agrícolas da Itália, Gian Marco Centinaio, já anunciou que deve viajar à Sardenha na semana que vem para conversar com os pastores. Enquanto isso, milhares de litros de leite já foram desperdiçados.

Veja Mais:  Movimento em aeroportos, estradas e rodoviárias de São Paulo já é intenso

* Com informações da Agência Ansa.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook

Nacional

Prefeitura em Alagoas cancela provas de concurso e gera ira nos candidatos

Publicado

provas
shutterstock

Concurso em Paripueira, em Algaoss, é cancelado por problemas técnicos


Mais de mil candidatos ao concurso para a Prefeitura de Paripueira, em Alagoas, foram afetados com um cancelamento de última hora neste domingo (16). Ao chegar nas esclas onde seriam realizadas as provas, os concorrentes foram informados que três cargos não estavam mais disponíveis.

Leia também: Ministro da Educação garante que  Enem 2019 vai acontecer nas datas previstas

Irritados, alguns candidatos chegaram a discutir com os organizadores. Muitos prcouraram a prefeitura de Paripueira em busca de explicações sobre o cancelamento do concurso . Assista ao vídeo abaixo:


Em nota, a prefeitura informou que os motivos do cancelamento foram técnicos, com a Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa (Fundepes) não conseguindo concluir as provas para a data prevista.

Leia também: Homem é preso acusado de abusar de menino de 13 anos, em Alagoas

Confira a nota:

A Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa (Fundepes) e o Núcleo Executivo de Processos Seletivos (Neps/Copeve) informam que, devido a um problema técnico, as provas do Concurso de Paripueira que seriam aplicadas na Escola Maria das Graças de Sá Teixeira, Escola Dom Otávio Barbosa de Aguiar e Escola Marcos Antonio Cavalcante Silva foram suspensas.

Nos locais seriam realizadas as provas para os cargos de Professor de Educação Infantil, Professor de Artes e Professor de anos iniciais mas, devido a uma falha técnica na impressão das provas, a organizadora, visando assegurar a igualdade entre os candidatos, optou por suspender a aplicação. Uma nova data será definida.

A Fundepes/Copeve assegura que nenhum candidato será prejudicado. Será estabelecido um prazo para os candidatos que optem pela restituição da inscrição e após este processo serão divulgados os locais e as datas das provas que não foram aplicadas neste domingo, dia 16.
Cerca de nove mil candidatos realizam neste domingo, 16, as provas do Concurso da Prefeitura de Paripueira. As provas transcorrem dentro do previsto e apenas 1.185 candidatos foram afetados pela suspensão.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Veja Mais:  Prefeitura divulga foto de asfalto ‘fake’ e imagem viraliza na internet
Continue lendo

Nacional

Crise do governo Macri aumenta após apagão geral deste domingo

Publicado

Mauricio MAcri
Divulgação

Mauricio Macri enfrenta protestos e crises na Argentina


O governo do presidente argentino, Mauricio Macri, já teve de lidar com a pior seca dos últimos 50 anos, uma desvalorização de mais de 300% do peso e continua às voltas com a sexta taxa de inflação mais alta do mundo, na região abaixo apenas da venezuelana. Agora, em palavras do próprio chefe de Estado, enfrentou um apagão “inédito” na História do país, que afetou todo o território nacional e estendeu-se ao Uruguai.

Leia também: Falha na rede de distribuição elétrica deixa Argentina e Uruguai no escuro

O episódio aconteceu em momentos em que a Casa Rosada promove o potencial da jazida de Vaca Muerta, na província de Neuquén, pela qual a Argentina é considerado o segundo país do mundo com mais recursos gasíferos e o quarto em petróleo não convencional. O país governado por Macri ficou às escuras, ampliando a lista de dores de cabeça para um presidente que pretende reeleger-se no final de outubro. 

Nas redes sociais, os comentários irônicos e críticas ao governo se multiplicaram. “Para evitar que tenhamos de jogar fora a comida da geladeira por culpa do apagão , Macri esvaziou a geladeira primeiro. Um visionário”, escreveu o internauta Sebastián Fernández, no Twitter.

Leia também: Bolsonaro afirma que ‘jamais viria à Argentina falar sobre política’

Como era esperado, o kirchnerismo não perdeu tempo e rapidamente foi às redes culpar Macri e atacar um dos lemas de campanha do macrismo: “Se Cristina voltar ao poder, a Argentina se transformará na Venezuela”. O pré-candidato à Presidência Alberto Fernández, companheiro de chapa da senadora e ex-presidente Cristina Kirchner (2007-2015), foi o encarregado de dar a alfinetada: “Subiram as tarifas tanto como seus amigos pediram e geraram o maior apagão da História. Não é Venezuela. É Argentina. Já chegou a hora de perceber isso”, escreveu Fernández em sua conta no Twitter.

Veja Mais:  Eliseu Padilha e Onyx Lorenzoni fazem 1ª reunião sobre governo de transição

Na mesma mensagem, o pré-candidato presidencial do kirchnerismo postou um vídeo no qual Macri afirma que “se nós não tivéssemos aumentado as tarifas (subsidiadas pelo kirchnerismo), teríamos ficado a um passo de virar a Venezuela”. O chamado tarifaço foi uma das primeiras medidas aplicadas pelo presidente após vencer as eleições de 2015, com o argumento de que o sistema herdado de Cristina era insustentável.

Leia também: Em acordo, Brasil estuda transferir submarinos à Argentina

De fato, a maioria dos analistas locais concorda em que a Argentina não podia continuar bancando tarifas muito abaixo da média regional  e que representavam um custo impossível de suportar pelo Estado. Alguns reajustes superaram 400%, incluindo energia elétrica e gás. Foi um duro golpe no bolso dos argentinos, sobretudo da classe média urbana, setor em que Macri, mostraram recentes pesquisas, perdeu muitos votos.

Como explicar, agora, para estes eleitores que estão em dúvida sobre voltar a apostar no macrismo que Vaca Muerta será a solução do futuro e que a política energética e tarifária de Macri tem lógica e resolverá os problemas que, segundo o atual governo, são responsabilidade do kirchnerismo? Mais um desafio para o presidente que, diante do real perigo de ser derrotado nas urnas, semana passada convidou um senador peronista para ser seu companheiro de chapa.

Vaca Muerta entusiasmou o presidente Jair Bolsonaro (PSL) em sua recente visita a Buenos Aires. O ministro da Fazenda, Paulo Guedes, não se cansou de defender uma aliança energética entre os dois países para aproveitar a jazida argentina e tudo o que ela, segundo Guedes, pode favorecer o mercado brasileiro.

Veja Mais:  Bolsonaro admite não ir a debates com Haddad por ‘estratégia’

Ninguém imaginava que, menos de duas semanas depois, Macri estaria tentando explicar um apagão “inédito” na História argentina. E não faltaram os que relacionaram o desastre energético à aliança entre macrismo e um setor do peronismo. “A resposta na natureza à chapa Macri-Pichetto (senador Miguel Ángel Pichetto): chuvas, frio e apagão total”, brincou a internauta Ana Natalucci, no Twitter. 

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Mulher de Flávio Bolsonaro pode ter sofrido ataque hacker em seu celular

Publicado

Flávio Bolsonaro no Senado
Jefferson Rudy/Agência Senado – 14.3.19

Mulher do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) acredita que teve o celular invadido por ataque hacker


A mulher do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) pode ter sido mais uma vítima de ataque hacker por meio de celulares. De acordo com a revista Época , a dentista recebeu uma ligação do seu próprio número e, desconfiada, avisou o marido, que denunciou o caso para a Polícia Federal.

Leia também: Força-tarefa da Lava Jato fala em possibilidade de hacker fabricar diálogos

O ataque à esposa de Flávio Bolsonaro é bastante semelhante com o do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. De acordo com a assessoria do ex-juiz, o mesmo recebeu uma ligação e percebeu que a chamada vinha do mesmo número que o seu. A Polícia federal concluiu que o aparelho foi invadido por hacker.

Leia também: Indícios mostram que ataque hacker no ‘coração’ da Lava Jato foi planejado

A principal hipótese da Polícia Federal é que a invasão de hackers a aplicativos de troca de mensagens, como Telegram e WhatsApp é feita justamente através dessas ligações.A ligação permite que as mensagens SMS sejam acessadas e, nelas, se obtém o código de ativação para outros aplicativos.

Filho do presidente Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro é senador pelo Rio de Janeiro. Ele é investigado por transações bancárias suspeitas realizadas por um ex-assessor seu na Assembleia Legislativa do Rio, Fabrício Queiroz, na época em que era deputado estadual.

Veja Mais:  Prefeitura divulga foto de asfalto ‘fake’ e imagem viraliza na internet



Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana