conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Nacional

EUA e Rússia disputam apoio na ONU para resolver situação da Venezuela

Publicado


Os EUA pedem que a Venezuela facilite o acesso de ajuda humanitária internacional e realize novas eleições presidenciais
Reprodução/Flickr

Os EUA pedem que a Venezuela facilite o acesso de ajuda humanitária internacional e realize novas eleições presidenciais

Os Estados Unidos apresentaram uma projeto com medidas para resolver a situação na Venezuela ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). Os norte-americanos pedem que o país de Nicolás Maduro facilite o acesso de ajuda humanitária internacional e realize novas eleições presidenciais. Em resposta, a Rússia propôs outra resolução.

Leia também: Trump confirma reunião com Kim Jong-Un para o final de fevereiro

Na última sexta-feira (8), Moscou enviou aos membros do Conselho um “texto alternativo” ao apresentado por Washington, segundo diplomatas. A proposta russa expressaria preocupação com “tentativas de intervenção em questões que estão essencialmente sob jurisdição doméstica” e “ameaças de uso da força contra a integridade territorial e a independência política” da Venezuela .

O projeto apresentado pelos EUA, ao contrário, expressa “pleno apoio” do Conselho de Segurança à Assembleia Nacional Venezuelana, controlada pela oposição, definindo-a como a “única instituição democraticamente eleita no país”. Manifestando “preocupação com a violência e o uso excessivo da força contra manifestantes pacíficos”, o texto também pede um processo político que conduza a eleições presidenciais “livres, justas e credíveis”.

O projeto norte-americano ressalta a necessidade de evitar uma “deterioração adicional da situação humanitária” na Venezuela, assolada por grave crise econômica e política, e de facilitar a entrega de ajuda aos que necessitam.


A Rússia, que apoia Nicolás Maduro na Venezuela, deve utilizar seu direito de veto para barrar o projeto dos EUA na ONU
Divulgação/Kremlin

A Rússia, que apoia Nicolás Maduro na Venezuela, deve utilizar seu direito de veto para barrar o projeto dos EUA na ONU

Washington ainda não indicou uma data para que o texto seja votado. Fontes diplomáticas afirmam que a Rússia – que endossa a presidência de  Nicolás Maduro  e acusa os EUA de apoiarem um golpe de estado no país – utilizará seu direito de veto para barrar a resolução.

Veja Mais:  Dilma celebra vitória de chapa de Kirchner na Argentina: “Luz no fim do túnel”

Para ser aprovada, uma resolução do Conselho de Segurança da ONU precisa de nove votos entre seus 15 membros e não pode ser vetada por nenhum dos cinco integrantes permanentes do grupo: Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China.

Moscou e Washington estão em lados opostos na atual disputa pelo poder na Venezuela. Enquanto os EUA declaram apoio ao presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó , que se autoproclamou presidente interino em 23 de janeiro, a Rússia segue apoiando Maduro.

Leia também: Esquerda terá que engolir queda de Maduro, diz Ernesto Araújo

Além dos EUA, mais de 40 países já declararam apoio ao oposicionista Guaidó, entre eles Brasil, Alemanha e uma série de outras nações sul-americanas. Maduro ainda conta com o apoio não apenas de Moscou, mas também das Forças Armadas venezuelanas e da China, entre outros aliados.


*Com informações da Agência Brasil e da Deutsche Welle

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook

Nacional

G7 vai ajudar países que sofreram com as queimadas na Amazônia

Publicado

source

Reunida no sudoeste da França neste final de semana, a cúpula do G7, que reúne as sete grandes economias mundiais incluindo a Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, concordou em ajudar os países afetados pelos incêndios na Amazônia “o mais rápido possível”, conforme anunciou Emmanuel Macron, neste domingo (25).

Leia também: Protestantes entram em confronto com a polícia em encontro do G7

Macron arrow-options
Divulgação

Macron ressaltou a importância da Amazônia para países da América do Sul e comunidade internacional em reunião do G7

“Há uma convergência real para dizer que todos concordamos em ajudar os países afetados por esses incêndios o mais rápido possível”, declarou o presidente francês, anfitrião do evento que se encerra nesta segunda-feira (26) em Biarritz, no sudoeste do país.

As queimadas na Amazônia foram tema no G7 para que se chegasse a um acordo sobre a ajuda financeira para os países sul-americanos atingidos pelos incêndios a combaterem o desmatamento e conseguirem promover o reflorestamento.

Em seu discurso, Macron reconhece a importância da floresta para a América do Sul e para o mundo. “Respeitando a soberania, nós devemos ter um objetivo de reflorestamento. A importância da Amazônia para esses países e para a comunidade internacional é tão grande em termos de biodiversidade, oxigênio e luta contra as mudanças climáticas, que precisamos proceder o reflorestamento”, disse.

Leia também: Boris Johnson se junta a Macron e fala em ‘crise internacional’ na Amazônia

Veja Mais:  Bolsonaro toma café da manhã com governadores e senadores

Segundo ele, os diálogos nesse sentido vão continuar na cúpula. O presidente francês ainda lembrou que a Colômbia fez um apelo à comunidade internacional para conseguir superar o problema. “Nós devemos nos mostrar presentes. Devemos finalizar isso”, ressaltou, sinalizando que a França está entrando em contato “com todos os países da Amazônia”, para oferecer “meios técnicos e financeiros” de ajuda.

Neste sábado (24), o presidente francês pediu a “mobilização de todas as potências” em prol da Amazônia. Segundo ele, essa parceria entre os países é importante para combater o desmatamento e investir no reflorestamento. “A Amazônia é nosso bem comum. Estamos todos envolvidos, e a França está provavelmente mais do que outros que estarão nessa mesa, porque nós somos amazonenses. A Guiana Francesa está na Amazônia”, afirmou.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Salvini ganha força e diminui populismo na Itália

Publicado

source

IstoÉ

Matteo Salvini arrow-options
Reprodução/Facebook Matteo Salvini

Vice premier da Itália, Matteo Salvini vai ganhando força


Com a renúncia do primeiro-ministro Giuseppe Conte naufragou o governo do Movimento Cinco Estrelas (M5S), populista, e da Liga, de extrema-direita, que formaram uma coalizão desde as eleições de março do ano passado na Itália. A queda foi causada por Matteo Salvini, ministro do Interior e líder da Liga, que lidera a cruzada anti-imigração no país. Ele apresentou há duas semanas uma moção de desconfiança no Parlamento contra a sua própria coalizão. Seu objetivo é forçar eleições e conseguir o protagonismo em um novo governo.

Leia também: Partidos ganham 5 dias para formar novo governo na Itália

Essa pretensão, no entanto, pode não se realizar. A Liga tem boa popularidade e lidera com folga as pesquisas eleitorais. Venceu as eleições para o Parlamento Europeu, em maio. Porém, pode não conseguir votos suficientes e nem conseguir alianças para governar, principalmente com o Força Itália , de direita, comandado por Silvio Berlusconi. O M5S, por outro lado, pode se aliar ao Partido Democrático, de centro-esquerda, do ex-premiê Matteo Renzi, e formar um novo governo. Com isso, Conte poderia voltar ao posto.

Apesar de algumas diferenças, os dois partidos têm em comum uma atitude antiestablishment. Quando formaram o governo há 14 meses, o MS5 teve a maior proporção de votos — 33%, contra 17% da Liga. No último pleito europeu, esses índices praticamente se inverteram. Jurista sem militância partidária, Conte tinha sido chamado para ocupar a chefia do governo e arbitrar os interesses das duas forças políticas. Com a queda de braço, saiu atirando. Acusou Salvini de “irresponsável”, por colocar o país em risco e procurar “apenas interesses pessoais”. A deterioração econômica e a crise dos refugiados darão o tom da disputa. O presidente Sergio Mattarella fará consultas para decidir se dissolve ou não o Parlamento e convoca um novo pleito. É mais um imbróglio para o país mais instável da Europa.

Veja Mais:  Neto de Flordelis se negou a prestar primeiros socorros a pastor, revela médico

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Meta do Governo, educação integral será ampliada em São Paulo

Publicado

source

Oferecer educação em tempo integral em, no mínimo, 50% das escolas públicas, é uma das metas do Plano Nacional de Educação (PNE). O intuito é que pelo menos 25% dos alunos da educação básica sejam atendidos. Composto por 20 metas, o PNE foi sancionado em 2014 e estabeleceu diretrizes e estratégias para a educação brasileira em um período de dez anos.

estudantes na escola arrow-options
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Plano do governo é que 500 mil alunos estudem em tempo integral até 2022

O Ministério da Educação (MEC) anunciou a meta de atingir 500 mil novas matrículas em tempo integral até 2022 – hoje são 230 mil – por meio do Compromisso Nacional pela Educação Básica, apresentado em julho. A meta é revitalizar o programa Novo Mais Educação, diminuir a evasão e melhorar os indicadores educacionais. 

A proposta do programa é ampliar a carga horária do ensino médio de quatro para, no mínimo, sete horas diárias. O MEC já disponibilizou R$ 338 milhões para as instituições de ensino em 2019. Segundo o secretário de Educação Básica do MEC, Janio Macedo, a pasta mantém diálogo constante com o Conselho dos Secretários Estaduais de Educação (Consed) e com a União Nacional dos Dirigentes de Municipais de Educação (Undime) para formular políticas públicas que beneficiem a educação em estados e municípios.

Em São Paulo, cerca de 18 mil alunos do ensino fundamental e do ensino médio já permanecem em tempo integral na escola. Eles passam pelo menos sete horas por dia nas instituições e podem se integrar a projetos como Imprensa Jovem, Academia de Letras, além de aulas de dança e poesia.

Veja Mais:  Bolsonaro extrai dente e deve ficar sem falar por três dias

Leia também: Ministro da Educação debocha de protesto de estudantes: “Ache onde está o Wally”

Na capital paulista, a Secretaria Municipal de Educação implementou o Programa São Paulo Integral em 71 escolas municipais em 2016. O programa foi ampliado e chegou a 146 escolas em 2019 – um aumento de 43% em relação ao ano anterior.

As aulas são ministradas por professores da rede municipal de ensino e formuladas com a participação da comunidade escolar seguindo as diretrizes do currículo da cidade de São Paulo. Enquanto os alunos ficam sete horas na escola , uma jornada regular varia de quatro a cinco horas.

A rede municipal de São Paulo tem 243,8 mil alunos na segunda fase do ensino fundamental e 2.389 no ensino médio. No estado de São Paulo, Secretaria Estadual da Educação (Seduc) anunciou no último dia 21 de agosto a expansão do Programa de Ensino Integral (PEI) a partir de 2020. Para isso, as escolas terão de demonstrar interesse até o dia 13 de setembro. A expectativa da Seduc é atender cerca de 100 unidades escolares, que tenham, em média, 500 estudantes cada. O PEI é destinado às unidades que atendem a segunda fase do ensino fundamental (6º ao 9º ano) e o ensino médio.

Estudos realizados no estado apontam que o ensino integral ajuda a melhorar a aprendizagem dos alunos e aumenta a empregabilidade e renda dos egressos. De acordo com a secretaria, os alunos do ensino médio das escolas do PEI tiveram desempenho no último Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (Idesp) 1,2 ponto maior em relação aos estudantes das escolas regulares.

Veja Mais:  Maria do Rosário sofre derrota na Justiça em ação contra Bolsonaro

Outra vantagem do modelo, segundo a Seduc, é que ele permite que os professores atuem em regime de dedicação integral a uma escola, com mais tempo para estudo e preparação de aula. Para isso, recebem uma gratificação de 75% no salário-base. Hoje 417 escolas da rede estadual já funcionam nesta modalidade.

Federal

O Todos Pela Educação, movimento da sociedade civil que busca impulsionar a qualidade e a equidade na educação básica, afirma que já entregou um documento ao governo defendendo a manutenção e o crescimento do apoio do Executivo Federal aos estados para a ampliação do ensino médio em tempo integral. Segundo a presidente-executiva do Todos pela Educação, Priscila Cruz, a entidade também fez uma apresentação para o ministro da Educação, Abraham Weintraub, e para o secretário de Educação Básica do MEC, Janio Macedo.

Leia também: MEC não pode tratar universidade como uma repartição, diz presidente da Andifes

“Essa é uma pauta que a gente sempre defendeu, o nosso receio, e estamos monitorando a execução dessa política, é se o MEC vai ter os recursos, isso não está claro ainda. Nossa atenção agora é se realmente esse anúncio vai ter fôlego financeiro e de execução do ponto de vista de equipe, no MEC, capaz de conduzir essas políticas. Ficaremos de olho se realmente o governo federal vai conseguir executar. Como plano, como direcionamento está corretíssimo, tem mais é que apoiar os estados nessa ampliação da matrícula em tempo integral no ensino médio”, destacou o secretário de Educação .

Veja Mais:  Neto de Flordelis se negou a prestar primeiros socorros a pastor, revela médico

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana