conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Portal Agro

Feira nos Emirados Árabes pode render US$ 20 milhões em novos negócios

Publicado

O Brasil participa pela segunda vez consecutiva com um pavilhão organizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com o apoio do Ministério das relações Exteriores (MRE) e da Câmara de Comércio Árabe Brasileira (CCAB), da 9ª edição da SIAL Middle East, uma das principais feiras de alimentos e bebidas do Oriente Médio. A ferira começou na segunda-feira (10), na cidade de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

O Pavilhão Brasil, conta 108 m2 e tem toda a estrutura e serviços de apoio para 14 empresas brasileiras selecionadas a participar do evento. Carne bovina, frutas amazônicas, produtos apícolas, uva, manga, café, biscoitos, balas e confeitos são alguns dos produtos promovidos no evento. O estande brasileiro foi inaugurado pelo vice primeiro-ministro dos Emirados Árabes, Sheik Mansour Bin Zayed Al Nahyan, e pelo embaixador do Brasil em Abu Dhabi, Fernando Luís Lemos Igreja.

Pela primeira vez, o Brasil teve dois produtos selecionados a participar da SIAL Innovation, uma competição para alimentos premium, com a bebida de açaí, da ABN8 Trading e a Tapioca Express, da AE Negócios Internacionais. Esta última foi classificada como finalista e avaliada entre os oito melhores produtos da feira.

As estimativas para os primeiros dias do evento, segundo os expositores brasileiros, confirmam os números da edição passada de fechamento de negócios em torno de US$ 20 milhões.

Veja Mais:  Valor da Produção Agropecuária é de R$ 574,25 bilhões

No ano passado, o evento reuniu mais de 20 mil visitantes de 90 nacionalidades, 950 expositores de 47 países e mais de 30 pavilhões nacionais. Os Emirados Árabes funcionam como um importante centro de distribuição para toda a região. Na última edição, de acordo com dados fornecidos pelos próprios expositores brasileiros presentes, a expectativa inicial em novos negócios para os 12 meses subsequentes à realização da feira foi estimada em mais de US$ 20 milhões.

Em outubro deste ano, o Mapa também participou da Agriscape, feira internacional voltado a investimentos agrícolas, em Abu Dhabi. Na oportunidade, foi apresentado um portfólio de projetos agrícolas brasileiros abertos a investidores estrangeiros. A missão feira pretende, paralelamente, também retomar os contatos feitos naquela ocasião.

 

Mais informações à ImprensaCoordenação Geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br

Comentários Facebook

Portal Agro

Ministério intensifica vigilância para evitar entrada da peste suína africana no Brasil

Publicado

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento intensificou a vigilância contra a peste suína africana (PSA) com a distribuição de material informativo sobre a doença. O objetivo é evitar que o vírus entre no país e afete a agropecuária brasileira. No Brasil, a PSA foi erradicada em 5 de dezembro de 1984 e o país foi declarado área livre da doença.

De acordo com o Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), foram distribuídos 88 banners para aeroportos e portos de fronteira para alertar o viajante, sendo 44 em português e 44 em inglês.

Além disso, os aeroportos também emitem alertas sonoros para alertar os passageiros. Aqueles que visitaram fazendas, zoológicos, feiras agropecuárias, áreas rurais ou outros locais com presença de suínos ou javalis, ou que trazem produtos de origem suína, devem procurar o balcão da Vigiagro antes de deixar a  área de desembarque.

A peste suína africana é uma doença viral, não oferece risco à saúde humana, não sendo transmitida ao homem, mas pode dizimar plantéis de suínos, sendo altamente infecciosa, o que exige o sacrifício dos animais, conforme determina a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Os javalis também são atingidos. Não existe vacina para a PSA. O vírus é resistente, permanecendo nas fezes dos animais por até três meses e, em alimentos (produtos maturados), até nove meses.

Os sinais clínicos da PSA nos animais são febre alta (40 a 42 graus Celsius), hemorragia no nariz, orelhas, patas e abdômen, sangramento no reto, perda de apetite e depressão, além de problemas respiratórios. O período de incubação do vírus vai de cinco a 21 dias.

Veja Mais:  Tratamento natural garante exportação de manga para mercados exigentes

Mais informações à Imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Cooperação com União Europeia para boas práticas e bem-estar animal terá resultados divulgados na sexta-feira

Publicado

Na sexta-feira (28) serão apresentados resultados de projeto de cooperação com a União Europeia, no âmbito da iniciativa Diálogos Setoriais, de temas que compreendem boas práticas e bem-estar animal. Durante seminário, que acontecerá no Ministério da Agricultura, serão abordados sistemas alternativos de alojamento de aves de postura, rastreabilidade, identificação de rotulagem e o uso racional de antimicrobianos na pecuária leiteira.

Também serão divulgadas informações sobre a cooperação internacional, que inclui missão técnica na Espanha e Dinamarca, com o objetivo de troca de experiências e informações na área de antimicrobianos, além de reuniões com órgãos oficiais, setor privado e visitas a granja de suínos e aves de corte, para identificar estratégias de adoção das boas práticas.

Resultados do projeto sobre a insensibilização a gás de suínos ocorreu em parceria com a Embrapa Suínos e Aves, em evento já realizado em Concórdia (SC), em setembro do ano passado.

Para participar do seminário não é necessária inscrição prévia e o acesso é gratuito.
Será realizado no auditório Olacyr de Moraes, das 8h30 às 18 horas no edifício sede do Ministério.

Para mais informações: comissao.bea@agricultura.gov.br

 

 

Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.b

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Veja Mais:  Valor da Produção Agropecuária é de R$ 574,25 bilhões
Continue lendo

Portal Agro

Ministério alerta para perigos do consumo de leite cru

Publicado

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) alerta aos consumidores sobre os riscos à saúde com a ingestão de leite cru, sem pasteurização. Apesar de ser um alimento nutritivo e amplamente consumido por toda a população brasileira e mundial, o leite é um substrato ideal para o desenvolvimento de grupos de bactérias que podem causar alterações sensoriais e tecnológicas e, quando patogênicos, danos graves à saúde pública. Entre as doenças que podem ser transmitidas pelo consumo de leite cru estão a tuberculose, brucelose, listeriose, salmonelose, yersiniose, campilobacteriose, infecção por Escherichia coli, entre outras.

No Brasil, a venda de leite cru é proibida em todo o território nacional, pelo Decreto nº 923/1969. “O consumo de leite e seus derivados deve ser incentivado por se trata de um grupo de alimentos ricos em nutrientes que compõem a dieta da população. Contudo, deve ser observado se os alimentos adquiridos possuem selo de inspeção municipal, estadual ou federal que asseguram ter controle sanitário”, alerta a auditora fiscal da Secretaria de Defesa Agropecuária, Mayara Pinto. “É imprescindível a aquisição de leite que tenha sido submetido ao processo de pasteurização, que fornece segurança ao produto e aos derivados”, afirma.

Na pasteurização o leite é submetido à temperatura de 72ºC a 75ºC por 15 a 20 segundos, inativando eventuais agentes patogênicos, sem contudo, esteriliza-lo, mantendo parte da população bacteriana e preservando a sua qualidade nutricional.

Veja Mais:  Comitê Técnico de Programas de Autocontrole é instituído

Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana