conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Portal Agro

Financiamentos do Plano ABC somam R$ 1,03 bilhão desde julho

Publicado

Os financiamentos do Plano ABC (Agricultura de Baixo Carbono) no Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019 já atingiram R$ 1,03 bilhão entre julho e novembro deste ano, comparado com igual período de 2017. Foi registrado crescimento de 57% no número de contratos, alta de 104% no valor contratado e 74% maior em área financiada. A redução de 8% para 6,5% ao ano na taxa de juros da linha de crédito em relação ao ano anterior foi um estímulo aos produtores para a tomada de crédito, de acordo com o coordenador do Plano ABC, Elvison Ramos.

Nos cinco meses da safra atual, as tecnologias principais do Plano ABC, recuperação de pastagens degradadas, integração lavoura-pecuária -floresta, sistema de plantio direto e florestas plantadas, obtiveram incremento nos valores em quase todos os itens (contratos, valor financiado e área financiada), exceto na linha de florestas plantadas, que apresentou redução de 4% na sua área. Todos as outras modalidades apresentaram aumento de 20% a 266%, sendo este último em termos de valor contratado nos projetos de ILPF (Integração, Lavoura, Pecuária, Floresta). Faltando sete meses para acabar o atual plano safra, foi de 71% o crescimento no número de municípios que contrataram financiamentos, via Programa ABC, na comparação com os 12 meses do ano-safra 2017/2018.

Crescimento
Desde janeiro de 2013, até o mês passado a linha de crédito alcançou mais de 34 mil contratos, ultrapassou a marca de R$ 17 bilhões de reais e agregou mais de 9,1 milhões de hectares com as práticas conservacionistas. Essa área equivale a quase 13 milhões campos de futebol agregados com produção sustentável. Os números foram obtidos com financiamento realizado em mais da metade dos 5.570 municípios brasileiros, diferentes regiões e biomas do Brasil.

Veja Mais:  Aprosoja divulga lista de selecionados em programa de pesquisa

Todas as regiões registraram expansão no número de contratos do ABC, no valor financiado e na área atual safra. A região que obteve o maior incremento foi a Centro Oeste, seguida da região Sudeste. A região Nordeste foi a terceira em contratos e valor financiado e a região Norte, a terceira em área financiada. A região Sul foi a que apresentou os menores índices de crescimento, mas ainda assim, o menor incremento foi na área financiada, com aumento de cerca de 20%.

O desempenho dos estados no atual ano-safra foi bem distribuído entre as regiões brasileiras, com o Pará sendo o de melhor desempenho na variação percentual em relação ao ano safra passado nos contratos, valor financiado e área financiada, seguido do Espírito Santo, Mato Grosso e Pernambuco. As maiores expansões na área financiada foram para o Pará (aumento de 880%), Espírito Santo (aumento de cerca de 680%) e Mato Grosso (aumento de 500%).

Quanto ao valor contratado, o maior incremento foi novamente no Pará (mais de 825%), Pernambuco (quase 590%) e Espírito Santo (mais de 500%). O incremento no número de contratos, foi liderado também pelo Pará com 475% de aumento, após o Espírito Santo com 375% e Mato Grosso com 216%.

Contudo, quando se fala em números absolutos, Minas Gerais é o estado que mais contribuiu para os números obtidos neste atual ano-safra nos números de contratos, valor financiado e área financiada, com mais de 19% do nº de contratos, mais de 15% do valor contratado e quase 14% da área financiada. São Paulo é o que vem a seguir em número de contratos (mais de 14%) e Tocantins fecha a lista com mais de 9,6% neste quesito.

Veja Mais:  Ministro Maggi assina parceria com o Chile na produção de orgânicos

Quanto ao valor contratado, Minas Gerais é seguido da Bahia com mais de 10% e, logo a seguir, vem o Pará com 9,3%. E, quando se fala em área financiada, a lista das maiores participações, se completa com a Bahia (13,5%) e com Mato Grosso (11,6%).

Mais informações à ImprensaCoordenação Geral de Imprensa
Janete Lima
imprensa@agricultura.gov.br

Comentários Facebook

Portal Agro

Tereza Cristina diz a exportadores que governo vai melhorar o seguro-rural

Publicado

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) participou nesta quarta-feira (20) do 10º Encontro de Previsão de Safra, promovido pela Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec) e pela Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea), em Brasília. Ela afirmou que o grande desafio é discutir o tamanho dos recursos que o governo terá para o Plano Safra 2019/2020 e avançar na concessão do seguro-rural, para que todos os produtores tenham mais tranquilidade para trabalhar.

Tereza Cristina disse que entre suas maiores preocupações está a redução do custo do frete, que está encarecendo a produção e prejudicando a cadeia do agronegócio. Segundo ela, é preocupante o tabelamento instituído pelo governo Michel Temer após a greve dos caminhoneiros do ano passado.

Entre as maiores oportunidades para o mercado brasileiro, a ministra citou os possíveis novos mercados a serem abertos aos produtores de suínos na China e em outros países asiáticos, em decorrência da peste africana que afeta países produtores.

Além do problema do preço do frete, a ministra ouviu queixas em relação ao aumento de tributação de produtos agrícolas em estados, como o Mato Grosso, e aos problemas logísticos para armazenamento e escoamento.

O secretário-executivo do Ministério da Infraestrutura, Marcelo Sampaio Cunha Filho, fez uma ampla explanação dos projetos da pasta para concessão de rodovias, portos e ferrovias. Ele explicou que o objetivo é contar com a ajuda da iniciativa privada para resolver os gargalos de logística do país e, com isso, os custos da produção agropecuária, a fim de torná-la ainda mais competitiva no mercado internacional.

Veja Mais:  Cooperação entre Brasil e Emirados Árabe pode ampliar comércio

 

Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Ministra pede ao presidente do Supremo solução para as disputas entre produtores e indígenas

Publicado

Em reunião nesta quarta-feira (20) com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, e com dirigentes do agronegócio, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) propôs uma solução negociada para as disputas judiciais entre indígenas e produtores rurais no país. Para a ministra, o ministério, os representantes do Poder Judiciário e as demais partes envolvidas precisam se sentar à mesa para pacificar a questão e resolver os problemas.

“Nós temos ações de produtores e de indígenas, há mais de 20 anos, acho que é um jogo de perde-perde”, disse Tereza Cristina. Na semana passada, ela visitou a reserva dos índios Paresis, em Mato Grosso, e sugeriu alteração na legislação para que os agricultores indígenas possam produzir em larga escala em suas terras.

Em resposta, Dias Toffoli disse que é preciso respeitar o direito das minorias “sem desmerecer o direito dos produtores rurais que, muitas vezes, nem são grandes proprietários de terras, mas pequenos produtores”. Toffoli disse também que, nas questões relativas ao registro fundiário, o Judiciário precisa trabalhar para “dar segurança à posse (das terras) e ao proprietário rural”. Ele lembrou também das questões que dizem respeito a quilombolas, a indígenas e ao Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária).

No evento, o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, apresentou números que demonstram o avanço do agronegócio brasileiro nos últimos cinco anos. Entre os dados apresentados na reunião, Toffoli foi informado de que atualmente o agronegócio corresponde a 22% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e é responsável por 42% das exportações brasileiras para 190 países. Na última atualização, do ano de 2015, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), dos aproximadamente 100 milhões de empregados acima dos 16 anos, 32,3% pertencem ao mercado de trabalho agropecuário.

Veja Mais:  Cooperação entre Brasil e Emirados Árabe pode ampliar comércio

João Martins falou do desafio de tornar mais acessível o domínio de novas tecnologias a grande parte dos produtores e de ter um Plano Safra bianual. “É importante a criação de um plano de safra não anual, mas bianual, para o produtor saber que, para o ano seguinte, quando ele plantar, a regra do jogo será a mesma”, disse o presidente da CNA.

Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Brasil revela cenário da agricultura brasileira em fórum americano

Publicado

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento vai estar presente nos debates do 95º Fórum sobre Perspectivas da Agricultura (Agricultural Outlook Forum), nesta quinta (21) e sexta-feira em Arlington, na Virginia (EUA).

Com o tema Crescendo Localmente, Vendendo Globalmente, o encontro é promovido anualmente pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, sigla em inglês) e abordará questões e tendências atuais que afetam a produção agrícola e os mercados globais.

O coordenador geral de Avaliação de Políticas e Informação da Secretaria de Política Agrícola (SPA), José Garcia Gasques, apresentará os resultados do Estudo da Produtividade da Agricultura Brasileira do período de 1975 a 2017. O trabalho mostra que a taxa média de crescimento da produção agropecuária foi entre 3,8% e 4% ao ano no período. A produtividade do setor tem crescido nos últimos 42 anos graças à evolução da taxa média anual de 3,43%, superior ao da agricultura americana, de 1,38% ao ano.

Gasques mostrará que o aumento da produtividade brasileira foi decorrente do crescimento da quantidade produzida, e também da inclusão de produtos de maior valor agregado, como carnes, frutas, produtos do setor sucroalcooleiro e grãos.

O gerente de Produtos Agropecuários da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) fará palestra sobre a Perspectiva brasileira da soja e milho: principais oportunidades e desafios. A ideia é apresentar dados de produção, área e produtividade de soja e milho, a importância do milho 2ª safra, as oportunidades para a produção brasileira destas duas commodities, potenciais mercados e principais gargalos, como questões logísticas do Brasil. Também apresentará a evolução do Arco Norte como rota de escoamento.

Veja Mais:  Ceplac promove curso de Economia em Sistemas Agroflorestais

O fórum também terá a participação do assessor da SPA/Mapa, Sávio Pereira.

Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
Inez de Podestà
imprensa@agricultura.gov.br

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana