conecte-se conosco


Policial

Fiscalização apreende 196 kg de pescado irregular

Publicado

A equipe de fiscalização da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) apreendeu 196 kg de pescado irregular e quatro redes de pesca no município de Santo Antônio do Leverger (a 34 km de Cuiabá) na tarde desta terça-feira (18.04). Ninguém foi preso. A ação foi realizada em parceria com o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental (BPMPA).

Conforme o coordenador de Fiscalização de Fauna e Flora da Sema, Júlio Reiners, as espécies apreendidas eram de cachara, pacu e pintado e estavam escondidos em uma caixa térmica no meio do matagal próximo ao Rio São Lourenço. Os peixes foram encaminhados para a Perícia Oficial e Identificação Técnica do Estado do Mato Grosso (Politec), onde serão avaliados, e se estiverem em condição de consumo humano serão doados para instituições filantrópicas.

O coordenador explica que nos próximos dias serão lavrados os autos de infração que indicarão o valor da multa baseada no Decreto n° 6514, de 22 de julho de 2008, que estabelece punição de R$ 700 a R$ 100 mil para este tipo de pesca irregular.

Regras para pesca

Embora esteja fora do período de defeso da piracema, os pescadores profissionais e amadores precisam seguir algumas regras determinadas pela Lei Estadual nº 9.096/2009. Ela estabelece a proibição para uso de apetrechos de pesca como: tarrafa, rede, espinhel, cercado, covo, pari, fisga, gancho, garateia pelo processo de lambada, substâncias explosivas ou tóxicas, equipamento sonoro, elétrico ou luminoso.

Veja Mais:  Autor de furtos em série em Jauru é preso pela Polícia Civil

As medidas mínimas dos peixes constam na carteira de pesca do Estado e algumas delas são: piraputanga (30 cm), curimbatá e piavuçu (38 cm), pacu (45 cm), barbado (60 cm), cachara (80 cm), pintado (85 cm) e jaú (95 cm).

Denúncias

A pesca depredatória e outros crimes ambientais podem ser denunciadas por meio da Ouvidoria Setorial da Sema: 0800-65-3838; no site da Sema, por meio de formulário; ou ainda nas unidades regionais do órgão ambiental.

Comentários Facebook
publicidade

Policial

Quatro são identificados pela morte de professor em Juína, dois são presos

Publicado

 

Quatro homens foram identificados pela Polícia Judiciária Civil no assassinato do professor  Denis Alves Farias, 44 anos, ocorrido na madrugada desta segunda-feira (19), em Juína, Entre eles está um adolescente de 17 anos que segue foragido junto com outro suspeito maior de idade. Outros dois envolvidos foram presos em flagrante pelo crime de homicídio doloso e associação criminosa.

Em ação investigativa da Polícia Civil, com apoio da Polícia Militar, foram presos: Harisson Patricck de Oliveira Ferreira, 18 anos, e Vanderlei Justino Gonçalves, 21 anos. Um menor de 17 anos (J.M.C.F) e outro homem identificado apenas por Joabe estão foragidos.

O professor foi encontrado morto em sua casa, no bairro  Módulo 5. No local, os policiais encontraram o portão fechado e na residência havia sinais de sangue por toda a casa. O imóvel também encontrava-se revirado. Em um dos quartos, o corpo do professor foi encontrado (nu), deitado sobre a cama com vários sinais de perfurações.

A motocicleta da vítima havia sido levada assim como vários objetos da casa. A moto foi encontrada, após uma denúncia, no loteamento Flamboyam.

Segundo a apuração, o adolescente de 17 (J.M.C.F) e Harisson Patricck de Oliveira Ferreira estavam na casa da vítima e após consumo de bebida alcoólica e uso de entorpecentes executaram o professor com golpes de faca. Eles acabaram se ferindo também com cortes de faca.

Veja Mais:  Policia Militar prende suspeitos portando uma pistola e munições na MT-130

Os pegaram a motocicleta cor vermelha da vítima e foram até a casa da mãe de Harisson. Em razão dos ferimentos, o rapaz foi levado pelo Samu até o hospital e contou uma versão inverídica e completamente contrária do que havia ocorrido, ou seja, alegou que ele estava em companhia do menor e nas proximidades de um motel foi atacado por quatro rapazes.

A versão dada acabou desmascarada pela mãe e também pela irmã, que confirmaram que Harisson e o adolescente haviam matado o professor e, logo após, chegaram na casa com a motocicleta da vítima e um mochila com DVDs e um tênis de futebol que eram da vítima.

Um  notebook da vítima foi localizado enterrado no fundo do quintal debaixo de um fogão velho. O aparelho foi levado pelos, mas foi o equipamento quebrado porque, os suspeito acreditavam que no aparelho poderia haver imagens gravadas das câmeras de segurança da residência da vítima.  A ideia era vender o equipamento, no entanto notícias da morte da vítima tinham se espalhado pela cidade e então optaram por destruir e enterrar o aparelho visando apagar possíveis provas.

Na residência de Harisson foi localizado os documentos pessoais do menor,  os quais foram apreendidos. A equipe também localizou Vanderlei Justino Gonçalves, 21 anos. na UPA, que relatou que o menor  havia deixado em sua residência alguns pertences subtraídos da vítima. Ele levou os policiais até o local, onde foram apreendidos anéis e correntes pertencentes a vítima

Veja Mais:  Homem suspeito de estuprar criança de 4 anos é preso pela Polícia Civil em Sorriso

Os objetos apreendidos, as testemunhas e o suspeito Vanderlei foram conduzidos para a Delegacia e autuados em flagrante. O suspeito Harisson Patrick também está preso, mas encontra-se ainda em observação médica na UPA.

O menor e o quarto envolvido (Joabe) estão foragidos. Todos serão indiciados por homicídio doloso e associação criminosa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Marido de mulher esfaqueada em Rondonópolis já teria cometido outro crime no estado de MS

Publicado

Hugleice da Silva teria esfaqueado a mulher dele, Mayara Bianca Barbosa Rodrigues, em Rondonópolis — Foto: Facebook/Reprodução

De acordo com boletim médico, divulgado na manhã de segunda-feira (19), Mayara Bianca Barbosa, de 29 anos, que teria sido esfaqueada pelo marido, no domingo (18), está estável e sem previsão de alta. Ela está internada no Hospital Regional de Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá.

Hugleice da Silva, de 35 anos, suspeito do crime está foragido. Na segunda-feira, o advogado dele, José Roberto Rodrigues da Rosa convocou uma entrevista coletiva em Campo Grande (MS), para apresentar a versão do suspeito.

De acordo o relato da defesa, Hugleice disse ter perdido o controle e agredido a mulher depois de ver mensagens e fotos trocadas por aplicativo entre ela e um suposto amante. “Perdi a cabeça” teria dito ele ao advogado.

Ainda segundo advogado, ele deve ser apresentar à polícia ainda esta semana.

“Ainda estamos avaliando se a apresentação será feita na delegacia de Campo Grande ou Rondonópolis”, disse.

Hugleice é acusado de outro crime ocorrido em 2011. Ele seria o responsável pelo aborto, morte e ocultação do cadáver da cunhada dele, Marielly Barbosa Rodrigues, de 19 anos.

O Crime

O advogado dele disse que o cliente deve se apresentar à polícia nos próximos dias.

Mayara sobreviveu e foi encaminhada pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ao Hospital Regional de Rondonópolis. O marido dela é procurado, mas não foi encontrado até esta segunda-feira (19).

De acordo com a Polícia Civil, Hugleice não teria gostado das mensagens que encontrou no celular da mulher e passou a agredi-la. Mayara foi esfaqueada em várias partes do corpo. Depois, o marido ainda a amarrou e cortou o pescoço dela.

Hugleice deixou ela em casa, fugiu em um carro, modelo Pálio, e não foi mais encontrado.

Ainda conforme a Polícia Civil, Mayara conseguiu se soltar, foi até a entrada da residência e gritou por socorro. Ela foi socorrida pelo Samu e está internada em estado grave.

O marido, ao fugir, levou o celular da vítima. Familiares da vítima disseram que Hugleice ainda mandou mensagens os ameaçando.

O caso é investigado pela Delegacia da Mulher de Rondonópolis.

Da redação com G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Gari tem perna amputada em acidente quando trabalhava em Cuiabá

Publicado

Uma motorista alcoolizada, identificada como Luiza Siqueira de Farias, atropelou com o seu Jeep Renegade o gari Darliney Silva Madaleno na madrugada desta terça-feira (19) na Avenida Getúlio Vargas, em Cuiabá. O trabalhador está internado em estado grave no Pronto-Socorro Municipal de Cuiabá. A penar esquerda dele foi esmagada no acidente e terá de ser amputada.

De acordo com informações da Delegacia Especializada de Delitos de Trânsito (Deletran), Luiza dirigia seu Jeep na Getúlio Vargas, sentido Centro-bairro, quando bateu na traseira de um caminhão de coleta de lixo da Prefeitura de Cuiabá, que estava parado na faixa esquerda da Avenida, nas proximidades do cruzamento com a Rua Presidente Marques.

Darliney estava na parte de trás do caminhão no momento da batida e teve a perna esquerda esmagada com o impacto.

Luiza fez o teste do bafômetro, que acusou 0,66 mg de álcool por litro de ar expelido. A quantidade é duas vezes maior do que o permitido pela lei. Ela foi presa e encaminhada à Central de Flagrantes (Cisc) da Polícia Civil do bairro Verdão.

Em suas redes sociais, o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) lamentou o acidente envolvendo o funcionário a serviço da Prefeitura.

“Pessoal, com muita tristeza que informo sobre um grave acidente que aconteceu essa madrugada. Uma pessoa completamente alcoolizada atropelou nesta madrugada o trabalhador Darliney Silva Madaleno de 41 anos. Darliney é gari, da empresa terceirizada Locar, e no momento do acidente estava exercendo sua função. Ele foi atropelado e se encontra nesse momento na sala de cirurgia para a amputação de uma das pernas […]”, escreveu o prefeito ao prestar solidariedade à família do trabalhador.

Veja Mais:  Homem é perseguido e morto a tiros no Jardim Paulista em Rondonópolis

Fonte: Da redação com Repórter MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Colunista

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana