conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Nacional

Flávio Bolsonaro não vai ao MP para depor sobre caso Queiroz

Publicado

Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, também não compareceu ao depoimento no Ministério Público
Reprodução/Facebook

Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, também não compareceu ao depoimento no Ministério Público

O senador eleito Flávio Bolsonaro não compareceu ao Ministério Público nesta quinta-feira (10). O filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL) era esperado para dar esclarecimentos sobre a  movimentação financeira atípica de funcionários de seu gabinete no relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Em nota, Flávio Bolsonaro afirma que foi notificado apenas na segunda-feira (7), e que tem todo o interesse em esclarecer o caso, apesar de não ser investigado por qualquer crime. Como portador de foro privilegiado, ele pode escolher data, horário e local.

“Como não sou investigado, ainda não tive acesso aos autos, já que fui notificado do convite do MP/RJ apenas no dia 7/Jan, às 12:19. No intuito de melhor ajudar a esclarecer os fatos, pedi agora uma cópia do mesmo para que eu tome ciência de seu inteiro teor. Ato contínuo, comprometo-me a agendar dia e horário para apresentar os esclarecimentos, devidamente fundamentados, ao MP/RJ para que não restem dúvidas sobre minha conduta. Reafirmo que não posso ser responsabilizado por atos de terceiros, como parte da grande mídia tenta, a todo custo, induzir a opinião pública”, diz a nota, que foi publicada nas redes sociais do senador eleito em 2018.

Na última terça-feira, familiares de Fabrício Queiroz, ex-motorista de Flávio e cuja movimentação financeira registrou R$1,2 milhão em sua conta, segundo o COAF, também não foram ao Ministério Público . Ao MP, os familiares alegaram que não compareceram pois estão em São Paulo acompanhando o pós-operatório de Queiroz. O ex-assessor parlamentar passou por uma cirurgia no Hospital Israelita Albert Einstein, na zona sul de São Paulo, para a retirada de um tumor no intestino no início do ano.

Veja Mais:  Donald Trump assina ordem contra interferência estrangeira nas eleições dos EUA

O Ministério Público quer esclarecer as movimentações financeiras atípicas nas contas de Fabrício Queiroz identificadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Segundo o órgão responsável por esse tipo de investigação, o ex-assessor recebia sistematicamente transferências bancárias e depósitos feitos por oito funcionários que trabalharam ou ainda trabalham no gabinete parlamentar de Flávio na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).

Os valores suspeitos giram em torno de R$ 1,2 milhão. Entre as movimentações financeiras atípicas registradas pelo Coaf, há também a compensação de um cheque de R$ 24 mil pago à primeira-dama, Michelle Bolsonaro, além de saques fracionados em espécie no mesmo valor dos depósitos suspeitos feitos na véspera.

Em entrevista, o novo presidente afirma que o cheque é parte do pagamento de uma dívida de R$ 40 mil e que era possível que mais depósitos surgissem. Já o ex-assessor que faltou duas vezes ao depoimento marcado no Ministério Público alegando que está com câncer, disse, em entrevista ao SBT dois dias depois da segunda data marcada, que o valor em dinheiro que movimentou em suas contas é fruto da compra e venda de veículos usados e que ele é um “homem de negócios”.

Além do gabinete de Flávio Bolsonaro, funcionários de outros 21 deputados também apareceram no relatório do Coaf. A movimentação financeira total entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, segundo o documento, foi de mais de R$ 207 milhões. No total, foram identificados 75 servidores e ex- servidores da ALERJ que apresentaram movimentação financeira suspeita registrada em contas de suas titularidades.

Veja Mais:  Polícia abre inquérito para apurar cabeça de porco enviada a Joice Hasselmann

Comentários Facebook

Nacional

“Alguns não querem largar a velha política”, diz Bolsonaro sobre atritos

Publicado


Jair Bolsonaro disse que, mesmo estando
Marcos Corrêa/Presidência da República

Jair Bolsonaro disse que, mesmo estando “calado” e fora do Brasil, ocorrem atritos no país

O presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado (23) que “infelizmente” no Brasil há algumas pessoas que “não querem largar a velha política”. Durante um café da manhã com empresários no Chile, organizado pela Sociedade Fabril do país, Bolsonaro comentou os recentes atritos políticos e a necessidade das reformas brasileiras.

O presidente tem sido criticado pela falta de articulação política para aprovar a reforma da Previdência. Apesar disso, Jair Bolsonaro evitou mencionar o Congresso e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, com o quem tem tido desavenças. “Temos chance de sair dessa situação em que nós nos encontramos com as reformas. E a primeira delas, a mais importante, é essa, da Previdência”, afirmou.

E acrescentou, “os atritos que acontecem no momento, mesmo eu estando calado e fora do Brasil, acontecem na política lá dentro porque alguns, não são todos, não querem largar a velha política, que infelizmente nos colocou nesta situação bastante crítica em que nos encontramos”, disse o presidente. Ele disse ainda que, mesmo estando “calado” e fora do Brasil, ocorrem atritos no país.

Na última quinta-feira (21), Maia ameaçou deixar a articulação política da reforma da Previdência . O presidente da Câmara teria ligado para o ministro da Economia, Paulo Guedes, depois de ler uma publicação na rede social do vereador Carlos Bolsonaro a seu respeito.

Veja Mais:  Unesco declara reconhecimento de união homoafetiva patrimônio da humanidade

Na publicação em questão, Carlos comentou o embate entre Maia e o ministro da Justiça. Os dois divergem em relação a votação do pacote anticrime apresentado pelo ministro e Carlos se posicionou ao lado de Moro, criticando a decisão do deputado de priorizar a Previdência em detrimento do pacote.

Maia vem demonstrando irritação com a maneira como o governo está lidando com a tramitação da reforma da Previdência . Ele também parece descontente com a ofensiva contra ele nas redes sociais, principalmente depois das  desavenças com Sergio Moro sobre o pacote anticrime.

Apesar do embate com o governo, o presidente da Câmara disse que vai trabalhar pela aprovação da reforma da Previdência a partir de segunda-feira (25). Maia afirmou que irá fazer as articulações políticas necessárias para dar encaminhando à proposta e conversar com os integrantes do governo federal.

“Na próxima semana, a gente precisa voltar a trabalhar pela reforma da previdência. Eu, dentro da Câmara, junto com os partidos, com os deputados, e o presidente da República assumindo de forma definitiva o seu papel: a articulação em torno do governo”, afirmou Rodrigo Maia ao chegar para o congresso nacional extraordinário do PPS, em Brasília.

As articulações em torno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que altera regras do sistema previdenciário no país, ficaram paralisadas ao longo da semana após impasses no Congresso Nacional envolvendo parlamentares de distintos partidos políticos.

Veja Mais:  Genivaldo Inácio da Silva, irmão de Lula, morre de câncer em São Paulo

Maia afirmou ainda que o impasse em torno da reforma da Previdência foi superado. O parlamentar atribuiu o desgaste entre Legislativo e Poder Executivo às pessoas “do entorno do governo”. “Do meu ponto de vista, ela nunca deveria ter sido criada. Mas, ela foi criada pelo entorno do governo.”

Para o presidente da Câmara, a crise com o governo Jair Bolsonaro foi debelada e o momento é de seguir em frente. “Para mim já acabou [a crise]. Falei o que eu tinha para falar. Agora quero focar naquilo que eu acredito que é fundamental: ajudar o Brasil, reorganizar o Estado brasileiro para que o Estado brasileiro deixe de servir à poucas corporações públicas e privadas e passe a servir à sociedade brasileira”, ressaltou Rodrigo Maia.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Bolsonaro diz que Brasil não tem “qualquer intenção” de intervir na Venezuela

Publicado


Em viagem ao Chile, Bolsonaro garantiu:
Marcos Corrêa/Presidência da República

Em viagem ao Chile, Bolsonaro garantiu: “O Brasil não tem qualquer pretensão de ingressar militarmente na Venezuela”

Em viagem a Santiago, no Chile, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que o Brasil não tem intenção de intervir militarmente na Venezuela, que vive intensa crise política, econômica e social. A declaração foi feita nessa sexta-feira (22), em entrevista exclusiva à TVN/24 horas, emissora pública de televisão chilena.

Leia também: “Será necessário o uso da força na Venezuela”, defende Eduardo Bolsonaro

Durante a transmissão, Bolsonaro relembrou a conversa sobre a crise na Venezuela que teve no início da semana com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em que o norte-americano disse que “todas as possibilidades estavam sobre a mesa”. O presidente brasileiro, porém, afirmou que o Brasil não trabalha com a hipótese de intervenção militar na Venezuela.

“Não se mencionou [durante a conversa com Trump] a palavra ‘militar’”, afirmou Bolsonaro. “O Brasil não tem qualquer pretensão de ingressar militarmente na Venezuela”, reiterou, destacando que parte do diálogo com o presidente norte-americano não será revelada porque se trata de “questões estratégicas”.

Questionado sobre a atuação da ex-presidente chilena Michelle Bachelet como alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Bolsonaro fez elogios, mas sugeriu que adote uma posição mais forte sobre a crise venezuelana. “[Michelle Bachelet] tem uma política muito parecida com a nossa, que é a defesa dos direitos humanos. Acredito que ela precisa ter uma posição mais contumaz. Precisa de um pouco mais de força”, avaliou.

Veja Mais:  Genivaldo Inácio da Silva, irmão de Lula, morre de câncer em São Paulo

Críticas da oposição


Bolsonaro desmentiu críticas feitas por adversários políticos quanto às suas posições discriminatórias sobre minorias
Marcos Corrêa/Presidência da República

Bolsonaro desmentiu críticas feitas por adversários políticos quanto às suas posições discriminatórias sobre minorias

Quanto às críticas de adversários sobre posições discriminatórias contra homossexuais, mulheres e imigrantes, Bolsonaro afirmou que, se tais opiniões fossem verdadeiras, não poderia ter sido eleito no ano passado. “Isso não é verdade. Eles [oposição] me acusam de muitas coisas, que eu não gosto de mulheres, negros ou gays . Se alguém age assim, como poderiam votar em mim?”, reagiu.

Leia também: Políticos chilenos recusam almoço com Bolsonaro: “Perigo para a democracia”

Em relação às informações sobre diferenças de salário entre homens e mulheres, Bolsonaro afirmou que não são procedentes. “Nossas leis trabalhistas garante igual realidade para homens e mulheres”, disse. “Eu acho que isso não é verdade, as pessoas recebem seu salário pelo seu nível profissional e temos uma grande expressão de mulheres trabalhadoras.”

Questionado sobre o movimento feminista , o presidente disse que não aceita a imposição de ideias de grupos em escolas e na formação dos estudantes. “O que não posso permitir é que certos ativistas busquem impor esses comportamentos nas escolas, às crianças de cinco anos”, ressaltou. “Esse tipo de comportamento não será mais admitido no Brasil.”

Elogios a Piñera e Prosul


Bolsonaro ainda reiterou o interesse do Brasil em estreitar relações com Chile e elogiou o presidente Sebastián Piñera
Marcos Corrêa/Presidência da República

Bolsonaro ainda reiterou o interesse do Brasil em estreitar relações com Chile e elogiou o presidente Sebastián Piñera

Durante a entrevista, Bolsonaro ainda reiterou o interesse do Brasil em estreitar relações com Chile e elogiou o presidente Sebastián Piñera por sua liderança. “Eu conheci Piñera no episódio dos mineiros [quando os 33 trabalhadores ficaram presos em uma caverna e foram resgatados com vida, na gestão anterior de Piñera, em 2010]”, disse. “O Chile é muito importante porque é o nosso segundo aliado comercial, atrás da Argentina.”

Veja Mais:  Termina hoje o prazo para eleitores justificarem ausência no segundo turno

O presidente foi ao Chile para participar do lançamento do Fórum para o Progresso da América do Sul (Prosul) , formado por 12 países da América Latina. O acordo foi assinado ontem, na presença de oito presidentes da região. Neste sábado (23), pelo Twitter, Bolsonaro destacou que os pilares do novo fórum serão “a democracia, a prosperidade e o respeito às soberanias”.






*Com informações da Agência Brasil

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Barragem da Vale em Minas entra em alerta máximo para risco de rompimento

Publicado


A barragem da Vale em Barão de Cocais é do mesmo tipo da de Brumadinho, cujo rompimento matou 210 pessoas
Divulgação/Prefeitura de Brumadinho

A barragem da Vale em Barão de Cocais é do mesmo tipo da de Brumadinho, cujo rompimento matou 210 pessoas

Uma barragem da Vale localizada em Barão de Cocais, Minas Gerais, entrou em alerta máximo para risco de rompimento na noite dessa sexta-feira (22). Pela segunda vez em pouco mais de um mês, as sirenes nas proximidades da barragem Sul Superior, da mina de Gongo Soco, foram acionadas e moradores foram retirados de suas casas.

O nível de segurança da Sul Superior estava em 2, mas foi alterado para 3, que significa “rompimento ou risco eminente de romper”. A orientação para a mudança partiu na Agência Nacional de Mineração (ANM). Essa barragem da Vale em Barão de Cocais é do mesmo tipo da de Brumadinho, que rompeu há quase dois meses e deixou mais de 200 mortos .

Em nota, a mineradora informou que a medida é preventiva e foi tomada após um auditor independente ter relatado a “condição crítica de estabilidade da barragem”. A Vale ainda lembrou que a Sul Superior é uma das dez barragens a montante já desativadas pela empresa e “faz parte do plano de descaracterização” anunciado anteriormente.

Leia também: Sobrevivente de tragédia em Mariana é encontrado entre vítimas de Brumadinho

Em outro posicionamento, a empresa confirmou que, além das sirenes em Barão de Cocais, também foi disparado o sistema de alerta da barragem Sul de Brucutu, em São Gonçalo do Rio Abaixo. Os moradores da região chegaram a ser evacuados, mas, segundo a Vale, o alerta se tratou de um “erro técnico” e “não há situação de emergência nessa localidade”. 

Veja Mais:  Bolsonaro deve receber alta do hospital nesta semana, diz Onyx Lorenzoni

Segunda evacuação


A área mais próxima à barragem em Barão de Cocais foi evacuada em 8 de fevereiro, após sirenes serem acionadas
Divulgação/Corpo de Bombeiros de Minas Gerais

A área mais próxima à barragem em Barão de Cocais foi evacuada em 8 de fevereiro, após sirenes serem acionadas

A área mais próxima à barragem já foi evacuada no dia 8 de fevereiro, após sirenes serem acionadas pela primeira vez. Todos os moradores das comunidades de Piteiras, Socorro e Tabuleiro, localizadas na zona de autossalvamento, foram retirados de suas casas. As 452 pessoas foram levadas para hotéis em cidades da região.

Na noite de ontem, em pronunciamento, o prefeito de Barão de Cocais , Décio Geraldo do Santos (PV) assegurou que os moradores que continuam na área secundária “não têm motivo para entrar em pânico”. “Não houve rompimento da barragem, mas todos precisam ficar alertas”, esclareceu.

Leia também: Mesmo com tragédia de Brumadinho, Vale deve lucrar em 2019

Por precaução, a Defesa Civil e a Tropa de Choque foram deslocadas para Barão de Cocais para ajudar na evacuação, se necessária, daqueles que moram na chamada área 2, onde há cerca de 3 mil casas. Neste fim de semana, segundo a Defesa Civil, será feito um treinamento de evacuação com os moradores.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana