conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Carros e Motos

Ford Galaxie Caltabiano: o requinte de um exemplar único

Publicado

Os leitores da coluna certamente já ouviram falar da Caltabiano. O grupo tem décadas de história no mercado de veículos e, para quem aprecia a arte automotiva, sabe também que ao longo desses anos prepararam vários projetos especiais, seja de rua ou de pista. Uma das customizações mais bem-sucedidas, inclusive, chegou a ser adotada pela Ford nos anos 70 e 80. Se trata do acabamento LDO, criado inicialmente pela Caltabiano para um projeto especial. O Ford Galaxie da matéria de hoje mostra exatamente algo do gênero.

LEIA MAIS: Aceleramos um raro Chevrolet Corvette Pace Car de 1978. Veja vídeo

O sedã foi o maior e mais luxuoso veículo já vendido no Brasil. Lançado por aqui em 1967, o Ford Galaxie trazia as características do irmão norte-americano. O primeiro Salão do Automóvel, realizado no Parque do Ibirapuera naquele ano, recebeu os visitantes com essa grande novidade, literalmente falando.

LEIA MAIS: Ford Del Rey Série Ouro foi referência de luxo nos anos 80

Mais de cinco metros de comprimento por pouco mais de dois de largura faziam – e ainda fazem – o modelo ser referência de mercado e nostalgia daquele período. Com o tempo foi sendo lapidado para se adequar ao gosto local, voltado sempre para um público que podia pagar caro por ele.

Veja Mais:  Veja quais são todos os indicados para o prêmio Carro Mundial do Ano

LEIA MAIS: Ford Corcel I: o Mustang brasileiro da década de 1970

Mecânica do Ford Galaxie


Ford Galaxie Caltabiano era, e ainda é, sinônimo de luxo, bom gosto e exclusividade
Renato Bellote/iG

Ford Galaxie Caltabiano era, e ainda é, sinônimo de luxo, bom gosto e exclusividade

A suspensão é um de seus pontos fortes. Com molas helicoidais se tornou referência na época e até hoje é algo sem paralelo no mercado. A dirigibilidade macia e as dimensões generosas também fizeram do carro um ícone de estilo e escolha de autoridades e famílias abastadas.

LEIA MAIS: Ford Del Rey Série Ouro foi referência de luxo nos anos 80

O modelo desenvolvido pela Caltabiano em parceria com a Ford, em 1975, trazia algo exclusivo para a linha: o motor 302 V8. Vale lembrar que na época o sedã trazia propulsores com 272 e 292 polegadas cúbicas. A opção de 5 litros daria mais vitalidade ao carro. Além disso o interior recebeu o padrão de acabamento da Caltabiano, com destaque para os bancos individuais – o padrão era inteiriço – e rodas de 15 polegadas com tala maior. Tecnicamente também vale destacar a barra estabilizadora na traseira, algo que faz diferença nas curvas, apesar de ser um carro de luxo .

LEIA MAIS: Opala e Caravan SS: uma história de paixão

Para fechar com chave de ouro o câmbio automático dá o toque final de conforto. Na época esse tipo de transmissão não era a preferência do consumidor mas a comodidade explica a riqueza de detalhes do projeto. O ano de 1971 marcaria a chegada do Landau e uma nova fase de luxo para a história do Ford Galaxie . Seu reinado terminou em 1983, com a versão à álcool, mas seu legado continua até os dias de hoje com centenas de fãs espalhados pelo país. Quem foi rei, como diz o ditado, nunca perde a majestade. Semana que vem estaremos de volta falando de outro símbolo de status e luxo: o Chevrolet Omega.

Veja Mais:  Chevrolet Prisma da nova geração aparece no primeiro teaser oficial

Comentários Facebook

Carros e Motos

Veja os 5 sedãs compactos que mais gostamos de dirigir até R$ 70 mil

Publicado

Nós defendemos que nem sempre o produto mais caro é o melhor. Quando a Apple lança uma nova geração do iPhone, o público fica em polvorosa para garantir o modelo mais caro, que normalmente surge com duas câmeras, muita capacidade de processamento e uma tela gigante. Mas poucos lembram que, junto dele, é lançado um aparelho muito mais barato e sem frescuras. O mesmo acontece no patamar dos sedãs compactos.

LEIA MAIS: Veja 5 modelos seminovos com sete lugares até R$ 80 mil

Enquanto todos enlouquecem com as versões mais caras de Virtus e Cronos, os modelos mais em conta ganham destaque. Partindo disso, a reportagem do iG Carros lista os cinco sedãs compactos mais legais que dirigimos recentemente até R$ 70 mil. E pasmem, nenhum é versão top de linha.

LEIA MAIS: Veja 5 carros que estão para mudar – ou sair de linha – e já surgem com descontos

1 – Fiat Cronos 1.3 Drive MT – R$ 65.170


O Fiat Cronos surge como uma das melhores opções de compra entre os sedãs compactos, na versão 1.3 manual
Divulgação

O Fiat Cronos surge como uma das melhores opções de compra entre os sedãs compactos, na versão 1.3 manual

É difícil defender o Fiat Cronos 1.3 com câmbio automatizado. Falta inteligência e suavidade nas trocas de marcha, além do consumo de combustível que é elevado. A boa notícia é que o mesmo motor, quando equipado com câmbio manual de cinco marchas, funciona como uma luva. O modelo parte de R$ 61.990, mas preferimos equipar o nosso com rodas de liga leve aro 15 e faróis de neblina. Isso faz o sedã pular para R$ 65.170.

Veja Mais:  Hyundai apresentará conceito de SUV compacto elétrico no Salão do Automóvel

LEIA MAIS: Veja os 5 seminovos mais defeituosos do Brasil, de acordo com levantamento

O motor 1.3 Firefly entrega 109 cv de potência e 14,2 kgfm de torque a 3.500 rpm, números suficientes para acelerar de 0 a 100 km/h em 11,5 segundos, com 183 km/h de velocidade máxima. De acordo com o Inmetro, o sedã compacto da Fiat faz 8,5 km/l na cidade e 10,3 km/l na estrada com etanol, enquanto os números na gasolina sobem para 12,4 km/l e 14,8 km/l, respectivamente.

2 – VW Virtus 1.6 MSI MT – R$ 69.920


O VW Virtus não é dos melhores com o câmbio automático. Sua versão manual entra para a lista dos sedãs compactos
Divulgação

O VW Virtus não é dos melhores com o câmbio automático. Sua versão manual entra para a lista dos sedãs compactos

Seguimos a mesma lógica do modelo acima quando tratamos do Virtus 1.6 automático. Apesar de não ser automatizado, falta certo fôlego ao Virtus 1.6. O modelo demora para responder aos comandos do motorista no acelerador, e carece de aletas para mudança de marcha atrás do volante. Por sorte, o modelo manual parte de R$ 63.440, chegando a R$ 69.920 com central multimídia, rodas de liga leve e controle de estabilidade e tração, que faz parte do chamado “Safety Pack”. 

LEIA MAIS: Veja os 5 carros mais confiáveis de se comprar no Brasil

Com motor 1.6 MSI gera 117 cv  e 16,5 kgfm de torque a 4.000 rpm. Com isso, o carro é capaz de ir 0 a 100 km/h em razoáveis 9,8 segundos antes de atingir os 195 km/h de velocidade máxima. Conforme divulgado pelo Inmetro, o modelo faz 8,2 km/l na cidade e 9,5 km/l na estrada com etanol. Na gasolina, 12,4 km/l e 13,8 km/l, respectivamente.

Veja Mais:  Honda começa a produzir o monovolume Fit 2019 em Itirapina (SP)

LEIA MAIS: Veja 5 compactos seminovos que valem a pena por até R$ 30 mil

3 – Ford Ka Sedan SE Plus 1.5 AT – R$ 63.690


O Ford Ka Sedan é barato e bem equipado, Destaque para a ótima central multimídia Sync 3 entre sedãs compactos
Caue Lira/iG

O Ford Ka Sedan é barato e bem equipado, Destaque para a ótima central multimídia Sync 3 entre sedãs compactos

Quer uma opção em conta com câmbio automático? O Ford Ka Sedan pode cumprir bem a função por R$ 63.690. O bom pacote de equipamentos traz sensores de estacionamento, chamada de assistência de emergência e central multimídia Sync 3. Se você procura apenas o básico, o modelo é bem mais barato que o inflacionado Titanium, de R$ 72.390.

O motor 1.5, de três cilindros, entrega bons 136 cv de potência e 16,1 kgfm de torque a 4.750 rpm. Com câmbio automático de seis marchas, vai de 0 a 100 km/h em 10,6 segundos, com velocidade máxima de 181 km/h. Conforme o Inmetro, faz 7,8 km/l na cidade e 10,1 km/l na estrada com etanol, bem como 11 km/l e 14,2 km/l, respectivamente, com gasolina.

LEIA MAIS: Conheça 5 mulheres que se destacaram na indústria e no automobilismo

4 – Toyota Yaris Sedan XL 1.5 AT – R$ 68.740


Quem está procurando um entre os sedãs compactos pode apostar no Toyota Yaris Sedan, com câmbio tipo CVT
Divulgação

Quem está procurando um entre os sedãs compactos pode apostar no Toyota Yaris Sedan, com câmbio tipo CVT

Se você é daqueles que sempre quiseram ter um sedã da Toyota, mas achava o Etios feio e não tinha grana para comprar um Corolla, o Yaris pode ocupar um bom lugar na sua garagem. Por R$ 68.740, o modelo já traz um conjunto bem completo e refinado, com controle de estabilidade e tração, faróis com regulagem de altura e central multimídia com todas as conexões. A suspensão que absorve bem as iiregularidades do piso é outro destaque do carro.

Veja Mais:  Veja 5 razões para levar a VW Saveiro e não a rival Fiat Strada, líder de vendas

LEIA MAIS: Veja os 5 SUVs seminovos mais econômicos por até R$ 50 mil

Sua unidade 1.5 (emprestada do Yaris) entrega 110 cv de potência a 5.600 rpm e 14,9 kgfm de torque a 4.000 rpm, indo de 0 a 100 km/h em 12 segundos e com velocidade máxima de 186 km/h. O câmbio do tipo CVT é capaz de simular sete velocidades, fazendo com que o Yaris Sedan marque 9 km/l na cidade e 10,6 km/l na estrada com etanol, bem como 13 km/l e 14,5 km/l, respectivamente, com gasolina, segundo o Inmetro.

LEIA MAIS: Veja os 5 hatches compactos que mais gastam combustível no Brasil

5 – Honda City DX 1.5 MT – R$ 62.500


Apenas uma versão do Honda City surge como opção entre os sedãs compactos abaixo de R$ 70 mil
Divulgação

Apenas uma versão do Honda City surge como opção entre os sedãs compactos abaixo de R$ 70 mil

A Honda disponibiliza cinco versões do City no Brasil: DX (R$ 62.500), Personal (R$ 68.700), LX (R$ 74.200), EX (R$ 79.900) e EXL (R$ 85.400) – porém, todas sem controle de estabilidade e tração. Portanto, não há muito o que fazer se você procura um sedã que ainda fique abaixo dos R$ 70 mil. Como a versão Personal é exclusiva para o público PCD, o jeito é apostar no City DX.

O mesmo motor 1.5 equipa todas as versões, entregando 116 cv de potência a 6.000 rpm e 15,3 kgfm de torque a 4.800 rpm. No modelo DX, o câmbio é manual de cinco velocidades entre os sedãs compactos . A aceleração de 0 a 100 km/h acontece em 10,2 segundos, antes de atingir os 180 km/h de velocidade máxima. De acordo com o Inmetro, o sedã marca 8,6 km/l na cidade e 10,3 km/l na estrada com etanol, enquanto o consumo na gasolina fica na casa dos 12,4 km/l e 14,6 km/l.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

Novo Porsche 911: lendário cupê beira a perfeição na linha 2020

Publicado


Porsche 911 da nova geração pode acelerar de 0 a 100 km/h em 3,5 segundos e atingir 308 km/h na versão Carrera S
Divulgação

Porsche 911 da nova geração pode acelerar de 0 a 100 km/h em 3,5 segundos e atingir 308 km/h na versão Carrera S

A chegada da nova geração do Porsche 911 precisava ser marcante. Os alemães montaram um grande esquema no Autódromo Vello Città, no interior de São Paulo, que inclui instrutores vindos da Europa, uma frota de vários modelos, entre uma série de outros aparatos. E a reportagem de iG Carros estava lá, no grupo de jornalistas que já iriam logo de cara para  a pista.

LEIA MAIS: Porsche revela nova geração do lendário 911. Saiba detalhes

Ainda bem. Precavido, deixei para forrar o estômago depois das voltas que teria direito ao volante do novo Porsche 911 , cujos preços que partem de R$ 679 mil (Carrera S), passam para R$ 719 mil no caso do Carrera 4S e atingem R$ 729 mil e R$ 769 mil nas respectivas versões Cabriolet. 

Nos boxes, depois de ter recebido as instruções de segurança, bati o olhos no esportivo e lembrei do memorável slogan que a Porsche chegou a usar em gerações anteriores do lendário 911: “o corpo evolui, mas a alma é a mesma”.  De fato, o carro ficou 45 mm mais largo na frente e 44 mm atrás, ganhou uma caida da traseira mais íngrime e aerofólio 45% maior.

A lista de novidades continua com os faróis full LED,  além de entradas de ar fronteiras ativas e independentes, abrindo e fechando para otimizar a aerodinâmica e a refrigeração.  O capô  do esportivo da Porsche ficou mais próximo do solo, os retrovisores mais angulares e as rodas passaram a ter 20 polegadas o eixo dianteiro e 21 no traseiro montadas em pneus Michelin 245/35R na frente e 305/30R atrás, desenvolvidos em conjunto com a Porsche por dois anos e meio, de acordo com a fabricante alemã. 

Veja Mais:  Veja 5 compactos seminovos, que valem a pena ter na garagem, por até R$ 30 mil

LEIA MAIS: Que tal um clássico Porsche 930, com motor de Fórmula 1, com mais de 1000 cv?

As maçanetas me lembraram as do rival Jaguar F-Type , nem tanto pelo desenho, mas por saltarem da carroceria ao encostar os dedos para abrir a porta do motorista. Como não podia deixar de ser, lá estava a chave de ignição do lado esquerdo, mas agora com desenho mais caprichado, feita de uma espécie de cromo escurecido. Viro o olhar para o lado direito e vejo que os designers da Porsche conseguem se superar a cada nova geração do 911.

Dessa vez, decidiram fazer uma homenagem ao primeiro 911 , com um painel de linhas mais retas e pelo tradicional contagiros central de estilo retrô. Além disso, o mesmo cromo escurecido da chave também está presente em outras teclas próximas do console central, que ficou bem mais elegante e sofisticado, com todos os comandos à mão.

LEIA MAIS: Porsche 911 Turbo S 993 é fabricado do zero, com peças originais

Prestes a acelerar, tive tempo apenas para ajustar os espelhos e acertar a posição dos bancos e do volante de três raios e com novos comandos, inclusive o botão giratório de muda o modo de condução. Seleciono o modo manual do novo câmbio PDK, de oito marchas e dupla embreagem apertando um botão no console, onde também fica a alavanca “shift by wire”.

Veja Mais:  Honda começa a produzir o monovolume Fit 2019 em Itirapina (SP)

 Acelerando o novo Porsche 911


Porsche 911 ficou mais largo,  ganhou aerofólio traseiro maior e rodas de aro 20 polegadas na frente e 21 atrás
Divulgação

Porsche 911 ficou mais largo, ganhou aerofólio traseiro maior e rodas de aro 20 polegadas na frente e 21 atrás

Aqueles instrutores alemães não estavam para brincadeira no GT3 pintado de laranja que seguia logo na frente puxando o comboio de três 911 Carrera . Então, melhor fazer as trocas pelas hastes atrás do volante. O “tiroteio” ia começar. Logo que saímos dos boxes e entramos na curva 1, o líder dispara e lá vamos nós. Uma pisada na forte no acerador e o novo Porsche responde rapidamente. Ao mesmo tempo, o cinto de segurança é apertado automaticamente.

LEIA MAIS: Porsche 718 Boxster GTS: coquetel molotov sobre rodas

Agora as duas turbinas de sobrealimentação têm valvulas de alívio elétricas, de funcionamento mais preciso. Bom também é que o intercooler foi reposicionado e ficou 14% maior. E os bicos injetores são do tipo Piezo para ajudar a criar um vortex na mistura ar-combustível na câmara de combustão. E efeito de tudo isso pode ser sentido na prática, principalmente a partir da segunda volta.


Porsche 911 passa  a ter contagiros com estilo retrô, numa homenagem à primeira geração do esportivo alemão
Divulgação

Porsche 911 passa a ter contagiros com estilo retrô, numa homenagem à primeira geração do esportivo alemão

O ritmo na pista ia apertando cada vez mais até baixar o espírito de Steve McQueen, quando o que se ouve é apenas o ronco burbulhante do motor e os pneus sendo moídos nas curvas. Buscando beliscar as chicanes, com a faca entre os dentes, coloco à prova a estabilidade do novo 911, que ficou 24 kg mais leve e ganhou 5% de rigidez torcional. Além disso, a direção passou a ser 11% mais direta e a suspensão controlada eletricamente recebeu novos componentes e ajustes.

Veja Mais:  Veja 5 razões para levar a VW Saveiro e não a rival Fiat Strada, líder de vendas

Para completar, agora o novo Porsche 911 vem com o chamado “wet mode”. Entre outros itens, o sistema conta até com sensores nas caixas de roda que detectam água. A partir disso, a nova multiplexagem entra em ação processando diversas informações ao mesmo tempo para manter o carro firme nas curvas em piso molhado. A eficiência é impressionante, como pudemos constatar na prática girando em círculos, felizmente, ainda antes do almoço.

LEIA MAIS: Porsche celebra 70 anos com exposição no Ibirapuera, em São Paulo

Não é à toa que os resultados do período de pré-venda do novo Porsche 911 estão superando as expectativas. Mas primeiras entregas serão feitas entre o fiunal de abril e o início de maio. Depois disso, no segundo semestre, chegam as versões cabriolet. Ainda não divulgaram quando chega o 911 híbrido. Mas isso ainda vai levar um tempo, lá por 2022, depois que vierem as outras  versões que faltam dessa nova geração 992. 

Ficha técnica 

Preço:a partir de R$ 679 mil

Motor: 3.0, biturbo, gasolina 

Potência: 450 cv a 6.500 rpm 

Torque: 54 kgfm entre 2.300 e 5.000 rpm 

Transmissão: automática, oito marchas, dupla embreagem (PDK)

Suspensão: Double Wishbone (dianteira), multibraço (traseira) 

Dimensões: 4,52 m (comprimento), 1,82 m (largura), 1,30 m (altura), 2,45 m (entre-eixos)

Freios: discos ventilados e traseira

Porta-malas: 132 litros 

Tanque: 64 litros 

Consumo: 8,2 km/l (cidade), 11 km/l (estrada) 

0 a 100 km/h: 3,5 segundos 

Vel. Máx: 308 km/h 


Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

Chevrolet Prisma: nova geração é revelada no mercado chinês

Publicado


Chevrolet Prisma 2019 é revelado oficialmente no site da marca na China, onde se chama Onix Sedan
Divulgação

Chevrolet Prisma 2019 é revelado oficialmente no site da marca na China, onde se chama Onix Sedan

A nova geração do Chevrolet Prisma foi revelada para a imprensa chinesa, onde o compacto é conhecido como Onix Sedan. O modelo ficará maior, mais elegante e próximo do sedã médio Cruze, apostando em lustres menores e a nova grade frontal com acabamento escurecido. Sua semelhança ao irmão Monza, exclusivo para o mercado asiático, também chama atenção.

LEIA MAIS: Novo SUV da Hyundai, menor que o Creta, será mostrado no Salão de Nova York

Conforme antecipado por nossa reportagem, o modelo já está sendo testado no Brasil há alguns meses. Sua estreia deverá acontecer no segundo semestre de 2019, ao lado do irmão Onix que também está em etapas avançadas do projeto. A nova plataforma do Chevrolet Prisma é o primeiro fruto da parceria com a SAIC, braço da GM na China, e equipará outros modelos da marca em todo o mundo (incluindo o Brasil).


A nova geração do Chevrolet Prisma já foi vista em testes no Brasil. Projeto está em etapas avançadas
Leonardo Gomes/Auto Aventura

A nova geração do Chevrolet Prisma já foi vista em testes no Brasil. Projeto está em etapas avançadas

Ao menos na China, o novo Chevrolet Prisma tem 4,47 metros de comprimento e 2,61 de entre eixos. Isso mostra um reposicionamento do modelo, que sai da categoria dos sedãs de entrada para ocupar o lugar de status na linha da Chevrolet. Este é um dos motivos pelos quais a GM também poderá manter o modelo atual como uma versão Joy mais em conta, da mesma forma que já ocorreu com Gol e Palio no passado – onde duas gerações coexistiram no mercado.

Veja Mais:  Honda começa a produzir o monovolume Fit 2019 em Itirapina (SP)

LEIA MAIS: Projeção antecipa futuro Fiat que chegará ao Brasil em 2021

Entre as novidades da nova geração do Prisma também se destacam os novos motores que vão sair da fábrica de Joinville (SC) a partir do terceiro trimestre de 2019. Entre os quais estará o 1.0, de três cilindros, que segue o projeto da Opel, marca alemã que era da GM e agora faz parte da Peugeot-Citroën. A novidade promete ser mais eficiente e moderna que o atual, uma vez que a linha Onix e Prisma tem alguns entre os motores mais defasados do mercado brasileiro.Vale dizer que o modelo chinês é equipado com 1.0 turbo, de três cilindros, capaz de render 116 cv e 1.3, que também deverá ser tricilíndrico, mas aspirado, de 103 cv.

Chevrolet Prisma terá novos rivais


O Renault Logan será o primeiro novo rival do Chevrolet Prisma a chegar ao Brasil. Será apenas uma leve renovação
Divulgação

O Renault Logan será o primeiro novo rival do Chevrolet Prisma a chegar ao Brasil. Será apenas uma leve renovação

Além do Prisma, três modelos estão engatilhados para os próximos três anos: Logan , HB20S e City. O sedã da Renault será lançado ainda no primeiro semestre deste ano, com uma reestilização leve e novo câmbio automático do tipo CVT.

LEIA MAIS: Novo EcoSport é visto com camuflagem antes da estreia

Em seguida, teremos o lançamento do HB20S em meados do primeiro semestre de 2020. O modelo acompanhará as mudanças do hatchback que será renovado ainda em 2019, possivelmente com os mesmos motores 1.0 e 1.6 da geração atual (considerando que o 1.0 turbo não foi bem aceito). O último rival do Chevrolet Prisma será o Honda City, que chegará em meados de 2021. Apesar de ainda não ter aparecido em fotos na internet, o site indiano Livemint divulgou que suas vendas começam no oriente ainda em 2020, possivelmente com uma versão híbrida.

Veja Mais:  Veja os 5 seminovos mais vendidos do Brasil

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana