conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Economia

Gastos com infraestrutura chegam a 0,4% do PIB em 2018, o menor nível em 10 anos

Publicado


Por causa do rombo nas contas, o governo precisa cortar gastos discricionários, como os investimentos em infraestrutura
Arquivo/Agência Brasil

Por causa do rombo nas contas, o governo precisa cortar gastos discricionários, como os investimentos em infraestrutura

Os investimentos públicos em infraestrutura – rodovias, aeroportos e portos, por exemplo – somaram R$ 27,875 bilhões em 2018, o equivalente a 0,4% do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil, segundo dados corrigidos pela inflação e divulgados pela Secretaria do Tesouro Nacional. Patamar é o menor desde 2008, quando chegou a R$ 20,386 bilhões.

Leia também: Nove estados pedem autorização ao STF para cortar salários de servidores

Desde o início da vigência da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 241, também chamada de PEC do teto de gastos, o governo não pode permitir que as despesas totais (com algumas exceções) cresçam acima da inflação registrada até junho do ano anterior. Como os gastos obrigatórios estão cada vez maiores, é preciso cortar despesas discricionárias – como os investimentos em infraestrutura – para reequilibrar as contas.

Sancionado por Michel Temer (MDB), o teto de gastos tem como objetivo conter os sucessivos déficits anotados nos últimos anos. De 2014 a 2017, o rombo nas contas públicas superou os R$ 100 bilhões e, em 2018, o déficit primário, que não leva em consideração os juros da dívida pública, somou R$ 120 bilhões. Boa parte do resultado negativo é justificada pela Previdência, uma despesa obrigatória cujo rombo chegou a R$ 195 bilhões no ano passado.

Veja Mais:  Plataforma vende cursos online por R$ 19,99 na Black Friday

O governo de Jair Bolsonaro (PSL), assim como o de Temer, defende uma reforma da Previdência justamente para diminuir esse déficit e, assim, abrir espaço para outras despesas. O texto da reforma é prioridade da equipe econômica de Bolsonaro e deve ser apresentado ao Congresso Nacional nas próximas semanas, segundo divulgado por integrantes do governo.

Leia também: Governo estuda criar novas alíquotas de IOF para viabilizar adesão à OCDE

Para o Tesouro, os números referentes aos investimentos em infraestrutura “ilustram a importância de uma ampla revisão das despesas obrigatórias e da rigidez orçamentária”. “É importante também”, completa o órgão público, “o fortalecimento das instituições de gestão do investimento público e um esforço de priorização de projetos para adequação ao cenário fiscal”.

Avaliação do FMI


No período de 1995 a 2015, segundo relatório do FMI, o investimento público no Brasil foi, em média, de 2% do PIB
Reprodução

No período de 1995 a 2015, segundo relatório do FMI, o investimento público no Brasil foi, em média, de 2% do PIB

No fim do ano passado, o FMI (Fundo Monetário Internacional) divulgou um relatório com uma avaliação sobre a gestão do investimento público no Brasil. O estudo concluiu que o investimento público do Brasil ficou abaixo da média dos países emergentes e da América Latina nas duas últimas décadas.

Leia também: Inflação na Venezuela supera 2.600.000% em 12 meses, diz Assembleia Nacional

No período de 1995 a 2015, segundo o documento, o  investimento público  no Brasil foi, em média, de 2% do PIB. Os países emergentes, por sua vez, registraram média de 6,4% e os países da América Latina, de 5,5%.

Veja Mais:  Paulo Guedes fala sobre privatizações e reforma da Previdência em Davos

Em 2015, o estoque de capital público era de apenas 35% do PIB, enquanto a média das economias emergentes e latino-americanas ficou em 92% e 86%, respectivamente. “Ao longo das décadas, muitas iniciativas de investimento público foram lançadas para suprir essas necessidades, mas ainda existe uma carência significativa de infraestrutura no País”, explicou o FMI.

De acordo com a instituição internacional, a recente  recessão  econômica somada à grande diminuição das receitas são as grandes responsáveis pelo aumento do endividamento do Brasil, que ultrapassou a média dos outros emergentes. “Com a rigidez orçamentária e o aumento dos gastos obrigatórios, isso reduz o espaço fiscal para gastos de capital [investimentos]”, acrescentou.

Leia também: Brasileiros já pagaram mais de R$ 300 bilhões em impostos em 2019

No relatório, o FMI também faz sugestões para melhorar o nível dos investimentos públicos no Brasil. Entre elas, se destacam o (a):

  • Fortalecimento das instituições de gestão do investimento público;
  • Criação de um espaço fiscal para o investimento público por meio da revisão dos gastos obrigatórios;
  • Priorização estratégica do investimento público e desenvolvimento de uma carteira de projetos de alta qualidade, classificados por ordem de prioridade;
  • Aprimoramento da coordenação entre os governos federal, estadual e municipal no  planejamento  de investimentos e revisão dos mecanismos de financiamento;
  • Estabelecimento de um processo novo e rigoroso para a avaliação, aprovação e seleção de propostas dos principais projetos de investimento público;
  • Atualização da estrutura de aquisições dos principais projetos, removendo barreiras à participação estrangeira;
  • Melhora do quadro estratégico das PPP (Parcerias Público-Privadas) e concessões, aperfeiçoando a independência das  agências regulatórias  e desenvolvendo abordagens sistemáticas para planejamento de manutenção, orçamento e execução.
Veja Mais:  Buscando emprego? Confira as 50 cidades que maiscontrataram em 2019

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook

Economia

O que fazer com os R$ 500 do FGTS: pagar dívida, deixar parado ou gastar?

Publicado

source
Bolsonaro divulga liberação do FGTS arrow-options
Marcos Corrêa/PR

Governo anunciou em agosto a liberação dos saques do FGTS, visando aquecer a economia

A  data para fazer o saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), de contas ativas e inativas, com valor limite de R$ 500 está se aproximando e o consumidor já está planejanento qual é a melhor forma de aproveitar o recurso extra. Os saques começam a partir de 13 de setembro.

FGTS: Como fazer o saque emergencial  de R$ 500 de acordo com o seu banco

A liberação dos saques, anunciada pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) no início de agosto, foi pensada como uma forma de movimentar a economia a partir do estímulo ao consumo, em uma das primeiras sinalizações à microeconomia após foco total na reforma da Previdência no primeiro semestre.

Endividado deve priorizar organização e negociação da dívida

Para Fernanda Souza, business coach da SBCoaching, uma das empresas precursoras do coaching no Brasil, o primeiro ponto após sacar o dinheiro é pagar ou buscar negociar dívidas com altas taxas de juros, especialmente empréstimos de bancos.

“Entender sobre juros e saber qual a melhor opção de investimento para o dinheiro render mais é essencial para ter uma saúde financeira sustentável em um país como o Brasil. Utilizar os juros a seu favor é regra imprescindível para quem busca por tranquilidade quando o assunto é dinheiro.

E, quando necessário, quitar uma dívida ou pagar contas em atraso é a melhor forma de tirar proveito desses juros”, defende a business coach.

De acordo com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), a dívida média do brasileiro é de R$ 3.252,70, sendo que 41% da população adulta tem algum compromisso financeiro em atraso.

Veja Mais:  “O livro vive seus dias mais difíceis”, diz editor da Companhia das Letras

O saque de R$ 500 de uma conta, portanto, não seria suficiente para quitar o valor médio, o que, segundo Edemilson Koji Motoda, diretor do Grupo KSL, empresa de crédito e cobrança, não é impeditivo para buscar negociar com o credor.

“Essa novidade do  FGTS  é uma ótima oportunidade para colocar as contas em dia. Nesse sentido, é sempre bom entrar em contato com o credor e buscar negociar formas que visem a quitação da pendência, para poder – de forma mais estruturada e equilibrada – voltar a consumir”, argumenta o diretor.

A Acordo Certo, empresa brasileira de renegociação de dívidas online, preparou uma lista com dicas para aproveitar o saque do FGTS e saldar as dívidas com eficiência. Confira:

  • Veja com antecedência quais as dívidas estão em aberto

Quando se trata de contas, um dos comportamentos mais comuns é se “esconder” delas. Por isso, o ideal é fazer uma relação com as dívidas que possui e buscar informações sobre os valores atualizados e prazos de pagamento.

  • Negocie

Com as informações em mãos, o próximo passo é negociar. Dependendo do tempo em que a dívida está em aberto, as empresas podem oferecer descontos substanciais. Os valores da maioria das dívidas atuais são bem próximos ao teto do saque do FGTS, então negociar será sempre a melhor opção.

  • Procure os meios que oferecem mais descontos

As empresas normalmente oferecem facilidades no pagamento de dívidas, algumas possibilitam mais prazos e/ou parcelamentos e em outros casos há redução do saldo devedor. Um dos formatos com excelentes taxas de desconto são os canais digitais.

Veja Mais:  Amazon inicia a venda de novos produtos no Brasil; confira as novidades

Ao negociar online você pode comparar opções de pagamento, fazer contas com calma, sem ser pressionado, além de que normalmente os descontos fornecidos pelas empresas credoras são concedidos integralmente no site, sem a necessidade de negociação.

Leia também: Devedor de pensão alimentícia não poderá fazer saque emergencial do FGTS

Não tem dívidas? FGTS pode ser bom investimento

investimento arrow-options
shutterstock

Distribuição do lucro do FGTS anunciada pelo governo faz com que deixar dinheiro parado possa ser bom investimento

Por mais que pareça atrativo ter uma renda extra, nem sempre sacar o valor disponível do FGTS é a melhor opção.

Fabrizio Gueratto, financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira, assegura que, “se o trabalhador possui uma dívida de cartão de crédito ou cheque especial, que os juros são exorbitantes, ou precisa comprar algo que irá gerar uma receita imediata, como por exemplo um motorista de aplicativo que precisa colocar um kit gás no carro, nesses casos pode ser vantajoso. Caso contrário, vale a pena deixar parado o dinheiro”.

Gueratto explica que, como o FGTS rende naturalmente 3% e o governo deverá distribuir 100% do lucro do Fundo. Como garantiu o ministro da Economia, Paulo Guedes , há expectativa de que o rendimento possa chegar a até 6,44% em um ano. Isso porque, em 2017, quando o governo Temer liberou 50% do lucro, houve rendimento de 1,72% (além dos 3%).

Segundo ele, um rendimento com esse valor geraria uma rentabilidade extraordinária para um investimento de renda fixa e isento de imposto de renda .

“Não tem nenhum investimento de renda fixa que renderá mais do que o FGTS no prazo de um ano. Se não tiver dívidas com juros altíssimos, a melhor coisa a fazer é deixar o dinheiro parado e não mexer. Precisamos ser realistas e deixarmos os preconceitos de lado. FGTS já foi ruim e perdia para a poupança , mas com 100% do lucro distribuído passou a ser excelente”, disse.

Veja Mais:  Mais de 100 mil empregos formais foram criados no Brasil em agosto, afirma Temer

Leia também: Entenda por que as pessoas estão investindo em ouro

Ter R$ 500 a mais para gastar também é sempre bom, mas cuidado

A opção mais simples é aproveitar o valor disponível do FGTS para aproveitar o mês e gastar um pouco mais, afinal não é todo dia que a conta está no azul. 

Fernanda Souza, business coach da SBCoaching, defende que, caso a opção seja aproveitar o dinheiro para gastar, o ideal é sempre consumir com moderação, mantendo a organização financeira.

Números do governo

De acordo com cálculos da equipe econômica, a medida pode elevar o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no País, em até 0,3 ponto percentual, garantindo que a alta ultrapasse 1% neste ano.

As projeções apontam para um crescimento do PIB de 1,1% em 2019, mesmo número obtido nos dois últimos anos de governo de Michel Temer (MDB), 2018 e 2017. Isso ocorre após revisões para baixo feitas pelo governo Bolsonaro, já que a expectativa inicial era uma alta de 2,5%.

Abrangente, a liberação pode atingir até 96 milhões de trabalhadores, segundo números do governo. A equipe econômica divulga que, atualmente, há cerca de 260 milhões de contas entre ativas (emprego atual) e inativas (empregos antigos) do Fundo de Garantia, e, desse total, cerca de 211 milhões (80%) têm saldo de até R$ 500, valor limite por conta no saque emergencial.

Leia também: Não quer saque emergencial do FGTS? Saiba cancelar crédito automático na Caixa


Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Em busca de trabalho? Saiba quais cidades mais geraram vagas de emprego em 2019

Publicado

source
Gerar emprego arrow-options
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

Ao todo, Brasil gerou mais de 461 mil vagas de emprego neste ano, de acordo com o Caged

São Paulo fechou os sete primeiros meses de 2019 com um saldo de 50.251 novos empregos com carteira assinada, e é o município que mais ofereceu oportunidade de trabalho neste ano. As informações são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgadas na sexta-feira (23).

Só em julho o saldo da capital paulista foi de 20.204 vagas geradas na capital paulista, ou seja, o resultado do total de admissões menos o total de desligamentos. 

Atrás de São Paulo, vem Curitiba, no Paraná, com 15.632 empregos novos de janeiro a julho; em terceiro lugar está Brasília, Distrito Federal, que abriu 14.884 vagas. 

Além das capitais, Joinville (SC), Dourados (MS) e Santa Cruz do Sul (RS) tiveram destaque entre as cidades que mais ofereceu postos de trabalho neste ano. Veja abaixo a tabela com os 20 municípios do Brasil que mais colaboraram com o crescimento da economia gerando empregos.


Desligamentos

Entre as cidades que ficaram com o saldo negativo, o Rio de Janeiro foi a que mais sofreu. A capital carioca fica isolada na ponta da tabela: foram 16.733 postos de trabalho fechados de janeiro até julho.

Veja Mais:  Entenda o processo de aprovação do acordo entre Mercosul e União Europeia

Fortaleza, no Ceará, também perdeu oportunidades de emprego (4.806), seguido de Rio Formoso, em Pernambuco (4.040). Confira a tabela abaixo.


Emprego formal cresce no Brasil

Em linhas gerais, o emprego formal no Brasil cresceu pelo quarto mês consecutivo. Foram 43.820 vagas de trabalho com carteira assinada abertas só em julho, um crescimento de 0,11% em relação ao estoque de junho

“Consideramos que o mercado de trabalho tem apresentado sinais de recuperação gradual, em consonância com o desempenho da economia. O governo vem adotando medidas de impacto estrutural e esperamos reflexos positivos no mercado de trabalho, na medida do aprofundamento das reformas”, afirmou o secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo.

Também houve aumento no emprego se considerados os resultados dos sete primeiros meses deste ano. De janeiro a julho foram abertas 461.411 vagas formais, variação de 1,20% sobre o estoque. Em 2018, no mesmo período, as novas vagas tinham somado 448.263. 

Leia também: Brasil cria 408 mil vagas de emprego no 1º semestre, melhor resultado em 5 anos

Nos últimos 12 meses, o saldo ficou positivo em 521.542 empregos, variação positiva de 1,36%. Assim como no acumulado do ano, os últimos 12 meses tiveram crescimento maior do que no período anterior. Em 2018, o saldo tinha ficado positivo em 286.121 vagas.

Veja Mais:  Amazon inicia a venda de novos produtos no Brasil; confira as novidades

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Acordo entre Mercosul e EFTA aumentá PIB do Brasil em US$ 5,2 bilhões em 15 anos

Publicado

source
EFTA arrow-options
Reprodução/EFTA

Autoridades dos blocos econômicos comemoram novo acordo comercial

O acordo de livre comércio entre o Mercosul e a Associação Europeia de Livre Comércio (Efta, na sigla em inglês)—  formada pela Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein — irá elevar o PIB do Brasil em US$ 5,2 bilhões em 15 anos. A estimativa foi informada pelo Ministério da Economia, na tarde deste sábado.

LEIA MAIS: Bolsonaro divulgou dados sigilosos do BNDEs

O acerto entre Mercosul  e Efta foi fechado na sexta-feira, mesmo dia em que França e Irlanda disseram que não vão ratificar o acordo comercial entre a União Europeia e o bloco sul-americano, por causa da crise desencadeada pelas queimadas na Amazônia.

A Economia estima também que o acordo entre o Mercosul e a Efta irá aumentar as exportações brasileiras em US$ 5,9 bilhões e as importações em US$ 6,7 bilhões, em 15 anos. Espera-se um incremento substancial de investimentos no Brasil, da ordem de US$ 5,2 bilhões, no mesmo período.

LEIA MAIS: Brasil gera 43,8 mil empregos com carteira e atinge quarto mês no azul

“Espera-se um incremento substancial de investimentos no Brasil, da ordem de US$ 5,2 bilhões, no mesmo período”, diz a nota do ministério.

LEIA MAIS: Quem não ter emprego também pode ter aposentadoria

Segundo o ministério, com a entrada em vigor do acordo, os países da Efta irão eliminar imediatamente as tarifas de importação aplicadas “a 100% do universo industrial”.

Veja Mais:  Entenda o processo de aprovação do acordo entre Mercosul e União Europeia

Exportação para o bloco

Em 2018, o Brasil exportou US$ 1,7 bilhão para os países do Efta. Os embarques foram principalmente de ouro, produtos químicos como óxido de alumínio, café, soja, carnes e preparações alimentícias diversas. No mesmo ano, importou US$ 2,8 bilhões, com proeminência em produtos farmacêuticos e químicos orgânicos, máquinas e equipamentos, petróleo e gás, peixes e crustáceos.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana