conecte-se conosco


Nacional

Geddel e Lúcio Vieira Lima são alvos de nova denúncia sobre bunker com R$ 51 mi

Publicado

Ex-ministro Geddel Vieira Lima foi denunciado pela segunda vez em razão de desdobramentos de investigação sobre bunker
Valter Campanato/Agência Brasil

Ex-ministro Geddel Vieira Lima foi denunciado pela segunda vez em razão de desdobramentos de investigação sobre bunker

O ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB) e o irmão, o deputado Lúcio Vieira Lima (MDB-BA), foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por crime de peculato. A mãe dos políticos, Marluce Quadros, também consta no ról de denunciados, que inclui ainda mais cinco pessoas. O pedido de abertura de ação penal contra os denunciados será analisado pelo relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Alexandre de Moraes.

A nova denúncia diz respeito à suposta prática de apropriação do salário de assessores parlamentares, o que teria dado prejuízo de R$ 5,2 milhões à Câmara dos Deputados. O esquema foi investigado a partir da descoberta do chamado bunker de Geddel  que escondia R$ 51 milhões, em setembro do ano passado. A apreensão do dinheiro já resultou na abertura de ação penal contra os irmãos por lavagem de dinheiro e associação criminosa .

De acordo com a PGR, parte do valor encontrado no apartamento usado pela família Vieira Lima em Salvador (BA) era produto da apropriação das remunerações pagas a funcionários da Câmara. O restante do dinheiro, segundo apontaram as investigações, teve origem em esquema de corrupção na Caixa Econômica Federal e em propina paga pelo Grupo Odebrecht.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, narra na denúncia protocolada nesta quinta-feira (5) que a família Vieira Lima embolsava até 80% dos salários destinados aos secretários parlamentares Job Ribeiro Brandão, Valério Sampaio Sousa Júnior, Cláudia Ribeiro Santana, Milene Pena e Paulo Cezar Batista. A acusação é embasada por provas documentais e testemunhais.

Veja Mais:  Ministro do TSE rejeita reclamação de Bolsonaro contra vídeo de Alckmin

As investigações revelaram ainda a existência de “funcionários fantasmas” no gabinete de Lúcio Vieira Lima bem como suposta relação criminosa estabelecida a partir de indicações para cargos em comissão pelo parlamentar.

De acordo com as provas coletadas, os assessores do emedebista “atuavam para suprir interesses domésticos, pessoais e de negócios” da família Vieira Lima. Entre as atividades desenvolvidas por esses  funcionários fantasmas estavam serviços de contabilidade, motorista e até de cuidador.

“Outros funcionários moravam em cidades distantes de Salvador e de Brasília e, confessadamente, nunca exerceram qualquer função relacionada à Câmara dos Deputados, órgão que por anos os remunerou”, pontua Raquel Dodge na denúncia.

Segundo a PGR, somente no caso de Job Ribeiro Brandão foram desviados R$ 4,3 milhões ao longo de 27 anos, período em que, mesmo ocupando o cargo de secretário parlamentar, Job teria se dedicado a prestar serviços que não tinha nenhuma relação com seu cargo.

A informação de que parte do salário era apropriada pelos parlamentares foi confirmada em depoimento por Job Brandão, que também confirmou jamais ter exercido as funções típicas de assessor parlamentar.

“Job tomou posse por procuração e nunca trabalhou nos gabinetes de Lúcio e de Geddel, em Brasília. Nunca trabalhou em sedes de partidos, nem em escritórios de apoio parlamentar no estado de origem (…) Não se dirigia nem interagia com o eleitorado ou lideranças políticas. Nunca teve sua jornada de trabalho ou frequência aferida ou informada à Câmara dos Deputados”, elencou a denúncia.

Veja Mais:  No Brasil, presidente sem experiência em cargos executivos é regra, não exceção

Além das informações fornecidas pelo próprio Job, outras testemunhas ouvidas pelos investigadores confirmaram que o assessor parlamentar prestava serviços domésticos e ajudava a gerenciar os negócios da família vieira Lima.

A cerca de Job Brandão, a PGR esclarece que não ofereceu denúncia quanto ao crime de peculato porque o assessor colaborou durante as investigações revelando aspectos do esquema, até então desconhecidos pelo MPF.

Dodge pede, além da condenação dos denunciados, que Geddel, Lúcio e os demais sejam obrigados a ressarcir os cofres públicos por danos materiais e que o valor a ser pago seja corrigido monetariamente desde a data do recebimento indevido. A PGR requer anda que seja decretada a perda da função pública dos acusados que ocupam cargo ou emprego público ou mandato eletivo.

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Polícia cumpre primeiros mandados de prisão ligados à morte de Marielle Franco

Publicado


Assassinato de Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, completa nove meses nessa sexta-feira (14)
Fernando Frazão/Agência Brasil – 10.5.18

Assassinato de Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, completa nove meses nessa sexta-feira (14)

A Polícia Civil do Rio de Janeiro cumpre nesta quinta-feira (13) os primeiros mandados de prisão e de busca e apreensão ligados às investigações sobre a morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes. O assassinato, a tiros, da parlamentar e seu motorista ocorreu na noite de 14 de março, na região central da capital fluminense.

De acordo com informações da TV Globo , agentes da Divisão de Homicídios da Polícia Civil visitaram 15 endereços em cidades do Rio de Janeiro e também em Juiz de Fora (MG) para tentar localizar suspeitos e apreender materiais que ajudem a elucidar o caso. Os alvos dos mandados são milicianos suspeitos de participação no assassinato de Marielle Franco .

O secretário de Segurança Pública do Rio, general Richard Nunes, havia confirmado no fim do mês passado que os investigadores identificaram alguns dos participantes do crime . À época, o general explicou que ninguém havia sido preso até aquele momento pois havia o temor de que, com a prisão de um dos envolvidos, outros poderiam fugir.


Mais informações em instantes

Comentários Facebook
Veja Mais:  Conselho do TSE está preocupado com notícias falsas no Whatsapp
Continue lendo

Nacional

Polícia do DF investiga casal que segurou menino de 6 anos para sofrer agressões

Publicado


Agressão a menino de 6 anos é flagrada por câmeras de segurança de condomínio
Reprodução

Agressão a menino de 6 anos é flagrada por câmeras de segurança de condomínio

Um garoto de seis anos de idade foi agredido por um casal durante partida de futsal entre crianças na quadra de um condomínio fechado, na Octogonal, em Brasília. O caso aconteceu no último domingo (9) e as câmeras de segurança do local flagraram o momento da ação, motivada por um simples mal-entendido.

Leia também: Governo cria plano nacional para combater a violência doméstica em mulheres

As imagens da agressão mostram as crianças na quadra jogando bola, às 17h25, quando um os meninos tenta fazer um drible e cai. Pouco tempo depois, o pai da criança ferida aparece e segura os braços de outro garoto, imobilizando-o, enquanto ordena que a criança que caiu bata no rosto do colega. Logo após, uma mulher surge e empurra o garoto imobilizado, que cai no chão.

As crianças ao redor ficam afastadas, próximas à grade – e algumas delas até chegam a chorar pelo ocorrido. A tia do menino que sofreu violência, Jucinea das Mercês Nascimento, de 43 anos, explicou ao jornal Correio Braziliense os pais do menino que caiu com o drible teriam achado que seu sobrinho havia batido na outra criança, após a última voltar ao apartamento no qual os pais estavam com inchaço e sangramento na boca.

Veja Mais:  Ministro do TSE rejeita reclamação de Bolsonaro contra vídeo de Alckmin

Leia também: Bolsonaro viaja de Brasília a São Paulo para passar por nova avaliação médica

De acordo com testemunhas que estavam no local, o pai teria descido até a quadra para tirar satisfação com o garoto agredido . Um boletim de ocorrência denunciando as agressões contra o garoto de seis anos foi prestado na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), que tem a posse das imagens gravadas pelas câmeras de segurança. A vítima foi encaminhada ao IML para exame de corpo delito.

O casal responderá pelo crime de lesão corporal, com pena prevista de três meses a um ano, com possibilidade de aumentar dependendo da idade da vítima. Os pais devem responder, ainda, pelo crime de ameaça e por submeterem o filho a constrangimento, crime previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Conselheiros tutelares do Distrito Federal compareceram ao local do acontecido para apurar o caso, que também está sendo observado pelo condomínio. Uma reunião no prédio será feita na sexta-feira (14), às 9h30, para debater o ocorrido. A demanda administrativa dos moradores é de que, enquanto a situação não for resolvida, os pais das crianças – que não moram no prédio – não acessem a área, para que não haja retaliação.

Leia também: Menina de oito anos que teve queimaduras após avião atingir sua casa recebe alta

Veja Mais:  Conselho do TSE está preocupado com notícias falsas no Whatsapp

Por mais que o garoto estivesse brincando no condomínio, ele não mora em Brasília , mas sim com os pais na Bahia. A vítima de agressão estava passando uma semana de férias na casa de Jucinea para comemorar o aniversário do primo, de nove anos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Candidato à presidência da Câmara defende salário maior para deputados

Publicado


Fábio Ramalho é vice-presidente da Câmara dos Deputados e candidato à presidência da Casa
Reprodução/Wikipedia

Fábio Ramalho é vice-presidente da Câmara dos Deputados e candidato à presidência da Casa

O deputado federal reeleito Fábio Ramalho (MDB-MG) defendeu aumento de 4% no salário dos parlamentares, o que elevaria os rendimentos mensais de deputados para R$ 39 mil. Ramalho é candidato à presidência da Câmara dos Deputados e atual vice de Rodrigo Maia (DEM-RJ), atual presidente da Casa. 

Leia também: Eduardo Bolsonaro diz que PSL não apoiará Rodrigo Maia à presidência da Câmara

“Nós precisamos que todos os deputados sejam reajustados como está sendo reajustado todos os outros poderes. Então, pediria ao senhor (presidente da Câmara, Rodrigo Maia) que tivéssemos uma reunião da mesa e que tratássemos do aumento que é constitucional, dentro da lei, para que todos os parlamentares tenham seu direito assegurado sobre tudo no salário”, disse Fábio Ramalho  nessa quarta-feira (12).

O deputado também ameaçou a demissão de quem fez o cálculo do orçamento para a Câmara sem levar em conta o reajuste. “O diretor-geral da Casa fez um erro sobre a questão do CNE, temos de tomar uma posição e, se for o caso, até demiti-lo”, defendeu. Maia respondeu que iria analisar a questão. 

Atualmente, o salário dos deputados é de R$ 33,7 mil, além do auxílio-moradia de R$ 3.800 e cota parlamentar que varia de R$ 30,7 mil a R$ 45,6 mil, dependendo do Estado de origem. Eles também têm direito a verba de gabinete para contratação no valor total de R$ 78 mil e auxílio mudança, que é equivalente ao salário e pode ser recebido em dobro por aqueles que forem reeleitos.

Veja Mais:  ONU envia carta ao Brasil cobrando postura sobre tragédia em Mariana

Leia também: Rodrigo Maia quer que governo não interfira na eleição para presidente da Câmara

O deputado anunciou sua candidatura à presidência da Casa há três semanas. Ele defende  dar prioridade a reforma da previdência no início do governo de Bolsonaro, mas defende mudanças no texto que tramita na Câmara. “Temos que aprovar uma reforma benéfica para o Brasil”, disse.

Em seu mandato, Fábio Ramalho votou a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), a favor da PEC do teto de gastos e da reforma trabalhista. Em agosto do ano passado, votou contra o processo que pedia a investigação do atual presidente Michel Temer por corrupção. 

Leia também: Pelo menos três deputados eleitos já se candidatam à Presidência da Câmara

Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana