conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Nacional

Gleisi ataca postura do governo Bolsonaro e vai à Venezuela para posse de Maduro

Publicado

Gleisi Hoffmann (PT-PR) é presidente nacional do Partido dos Trabalhadores
Paulo Pinto/AGPT – 21.10.17

Gleisi Hoffmann (PT-PR) é presidente nacional do Partido dos Trabalhadores

A presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), deputada federal eleita Gleisi Hoffmann, foi a Caracas para acompanhar a cerimônia de posse de Nicolás Maduro para seu segundo mandato como presidente da Venezuela. O evento ocorre nesta quinta-feira (10) e não conta com a presença de nenhum representante oficial do governo brasileiro.

Em nota divulgada pelo PT, Gleisi Hoffmann explica seu gesto afirmando que seu partido “reconhece o voto popular” que reelegeu Maduro “conforme as regras constitucionais vigentes, enfrentando candidaturas legítimas da oposição democrática”.

O entendimento da petista contraria o de oposicionistas do governo chavista na Venezuela , que alegaram ter havido fraude e uso do aparato do Estado por parte de Maduro para se garantir no poder por mais um mandato, que vai até 2025. A reeleição do presidente não foi reconhecida por diversos países, dentre eles os Estados Unidos, o Canadá e os 13 integrantes do Grupo Lima, que inclui o Brasil.

“Estarei em Caracas para deixar claro que não concordamos com a política intervencionista e golpista incentivada pelos Estados Unidos, com a adesão do atual governo brasileiro e outros governos reacionários. […] É inaceitável que se vire as costas ou se tente tirar proveito político quando uma nação enfrenta dificuldades. […] Impor castigos ideológicos aos venezuelanos também resultará em graves problemas imigratórios, comerciais e financeiros para os brasileiros”, explicou Gleisi.

Veja Mais:  Bolsonaro entrega pessoalmente na Câmara projeto com mudanças na CNH

A presidente nacional do PT também disse que seu gesto visa manifestar que o governo de Jair Bolsonaro (PSL) “tem forte oposição no Brasil”. Gleisi condena o que chamou de “posição agressiva do governo Bolsonaro contra a Venezuela” e diz que essa postura “contraria nossa tradição diplomática”.

Bolsonaro e seu ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, são críticos ferrenhos do regime de Nicolás Maduro na Venezuela, que nos últimos anos têm enfrentado escalada da pobreza, violência e do desemprego, além da alta inflação e falta de insumos básicos. Em novembro, ainda antes de tomar posse, Bolsonaro disse que, caso pudesse, “já teria tomado providências contra a Venezuela há muito tempo”.

A posição de Gleisi e do PT em relação ao governo de Maduro trouxe problemas para a campanha de Fernando Haddad nas eleições de 2018. O então candidato sofreu diversos ataques por parte de seus adversários e foi questionado sobre sua posição pessoal quanto ao tema.

Em entrevista ao Jornal da Globo, em setembro, Haddad concordou que a Venezuela “não vive um processo de normalidade” e ponderou que, embora o PT veja o país como um “exemplo de democracia”, o governo brasileiro deve reconhecer “que as coisas não andam bem por lá”.

A visita a Caracas nesta quinta-feira e a nota do PT citando o “exemplo de democracia” não foram as primeiras demonstrações de estima de Gleisi Hoffmann ao regime chavista. Ainda em 2017, durante encontro do Foro de São Paulo, a petista manifestou “apoio e solidariedade” a Maduro frente ao que chamou de “violenta ofensiva da direita contra o governo”.

Veja Mais:  Operação prende 29 suspeitos de desviar R$ 30 milhões de contas bancárias

Comentários Facebook

Nacional

Bolsonaro diz que Moro no governo é “motivo de honra para brasileiros de bem”

Publicado

Moro e Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR – 11.6.19

Bolsonaro volta a defender Moro no governo: “Motivo de honra para brasileiros de bem”

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, nesta segunda-feira (17). Segundo Bolsonaro, é motivo de “honra, satisfação e orgulho” ter o ex-juiz em seu governo.

“Eu quero dizer ao prezado Sergio Moro que é motivo de honra, satisfação, orgulho… não pra mim, mas para todos brasileiros de bem, tê-lo nessa função que se encontra”, afirmou Bolsonaro ao abrir sua fala sobre a assinatura da medida provisória (MP) que facilita a venda de bens apreendidos do tráfico de drogas , sob aplausos dos presentes, entre eles, o próprio ministro.

“Pra mim foi um motivo de honra e satisfação um homem que é um símbolo que quer mudar o seu País. Que em cima daquilo que ele aprendeu, naquilo que se propôs a servir a pátria como juiz estava fazendo e nos orgulhava a todos. E após essa conversa lá em casa ele falou da sua vontade, e era meu interesse também, de ocupar o Ministério para poder, por mais meios, combater o crime organizado, a lavagem de dinheiro e a corrupção”, acrescentou.

Direcionando sua fala ao general Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o presidente ainda disse que passou a ser alvo “por parte do inimigo” por conta do trabalho de Sergio Moro . “Quando se tem a verdade e Deus ao se lado, ninguém nos atinge”.

Veja Mais:  Bolsonaro entrega pessoalmente na Câmara projeto com mudanças na CNH

O texto assinado por Bolsonaro prevê que a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad) seja dotada de instrumentos legais para transformar os produtos apreendidos ou confiscados em recursos para aplicar em políticas públicas.

Em pronunciamento, o ministro disse saber que medidas provisórias só devem ser editadas em “casos excepcionais”, mas disse que essa é bastante simples e considerá-la muito “relevante e urgente”.

De acordo com o Ministério da Justiça , as novas regras sobre itens confiscados devem dar mais eficiência e racionalidade na gestão de bens apreendidos. Além disso, o documento assinado pelo presidente deve autorizar a contratação temporária de engenheiros em projetos de contrução de presídios.

Leia também: Moro quer usar bens confiscados de criminosos para construir mais cadeias

Em nota, o Ministério afirmou ainda que, com a assinatura da MP, “será possível transformar, mais rapidamente, os bens apreendidos em recursos financeiros para aplicação em investimentos sociais”.

“Os valores arrecadados com a venda já poderão ser utilizados em políticas públicas antes mesmo do fim do processo judicial”, afirma o comunicado emitido pela pasta do governo Bolsonaro .

Decreto das armas

O presidente também aproveitou seu pronunciamento para pedir o apoio de parlamentares no que classificou de “batalha do decreto das armas “. “Quer desarmar o povo quem quer o poder absoluto”, declarou.

No sábado, durante cerimônia militar em Santa Maria (RS), o presidente defendeu que o povo tenha o direito de andar armado “para que tentações não passem na cabeça de governantes para assumir o poder de prova absoluta”.

Veja Mais:  Convidado de Trump, menino dorme durante discurso e viraliza nas redes sociais

“A nossa vida tem valor. Mas tem algo muito mais valoroso que nossa vida, que é nossa liberdade. Além das Forças Armadas, defendo o armamento individual para nosso povo para que tentações não passem na cabeça de governantes para assumir o poder de prova absoluta”, disse o presidente, durante evento em memória ao marechal Emilio Mallet, o patrono da Artilharia.

Leia também: Após derrota, Bolsonaro renova apelo para Congresso manter decreto das armas

No sábado, ele também publicou em suas redes sociais um pedido para que a população cobre dos senadores a manutenção de seu decretos que flexibilizaram o porte de armas.

Na semana passada, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado votou pela revogação dos atos do presidente. A decisão, porém, ainda precisa ser referendada pelo plenário da Casa. 

O governo foi derrotado na CCJ , na última quarta-feira, por 15 votos a nove. Senadores aliados de Bolsonaro admitem preocupação com a possibilidade de o resultado contra os decretos seja mantido no plenário da Casa. A votação seria na própria quarta, mas o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), em acordo com os líderes, decidiu adiar para esta semana e deve acontecer na terça-feira (18).

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Sem Carlos Bolsonaro, Mourão é homenageado na Câmara do Rio

Publicado

Mourão
Divulgação

Mourão é homenageado na Câmara de Vereadores do Rio

O vice-presidente Antônio Hamilton Martins Mourão recebeu nesta segunda-feira (17) a medalha Pedro Ernesto e o título de cidadão honorário do Rio de Janeiro na Câmara de Vereadores da capital. A homenagem ocorreu sem a presença do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro.

Leia também: Bolsonaro diz que Moro no governo é “motivo de honra para brasileiros de bem”

Ele saiu no meio da tarde antes mesmo do vice chegar e não falou com a imprensa. A homenagem foi solicitada por Jimmy Pereira, integrante do mesmo partido de Mourão, o PRTB. Ele é suplente do vereador Paulo Messina (PROS). Em fevereiro deste ano, Carlos chegou a assinar a moção de homenagem. No entanto, meses depois ele fez duras críticas públicas ao vice. Em especial, após a viagem de Mourão aos EUA.

Ao lado da mulher, Paula, o vice-presidente discursou e fez elogios ao Rio.

“Venho trazer a grande mensagem do governo do presidente Bolsonaro . A mensagem de fé, de que não temos que estar em depressão, que vamos superar as dificuldades”, disse o vice.

“Considero desde muito tempo essa cidade como minha segunda terra. Quem anda pelo Centro respira história”, comentou o general.

Mourão lembrou que veio morar na cidade em 1961. Lembrou de vitórias e derrotas do Flamengo e de sua experiência no Maracanã. “Torcedor é torcedor. Nossa família foi muito feliz aqui”, disse. Há poucos dias, Mourão também recebeu o título de Cidadão Emérito de Porto Alegre.

Veja Mais:  Bolsonaro entrega pessoalmente na Câmara projeto com mudanças na CNH

A imprensa teve diversas restrições para acompanhar o evento na Câmara de Vereadores e, segundo a assessoria da vice-presidência, apenas oito cinegrafistas e fotógrafos puderam acompanhar a cerimônia pública no plenário. Alguns jornalistas que tentaram credenciamento para o evento tiveram o pedido negado com a justificativa de que só iriam ser autorizados cinegrafistas ou fotógrafos.

Leia também: Relação entre juízes e partes é comum, mas não pode influenciar processos

O repórter do jornal “Folha de S. Paulo” foi o único autorizado a entrar no plenário. Mesmo os pedidos para acompanhar a cerimônia de homenagem a Mourão da galeria foram negados. A assessoria alegou que faltava espaço para que outros jornalistas pudessem acompanhar o evento. No entanto, as imagens feitas durante a homenagem mostraram espaços vazios no plenário. 

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Relação entre juízes e partes é comum, mas não pode influenciar processos

Publicado

Moro
José Cruz/Agência Brasil

Relação entre juízes e partes é comum, mas não pode influenciar processos, dizem juristas

A divulgação das conversas entre o procurador da Lava-Jato Deltan Dallagnol e o então juiz do processo e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, trouxe à tona a discussão sobre o limite ético da relação entre promotores, procuradores, advogados e juízes . Para o professor de Direito da Uerj e desembargador aposentado do TJRJ Luis Gustavo Grandinetti relações de amizades entre esses profissionais são comuns, mas não devem influenciar nos processos.

Leia também: PGR contesta ato de Gilmar que tirou ação contra Aécio Neves da Justiça Federal

“É muito comum promotores, juízes e advogados serem mais que colegas de trabalho. Serem amigos, saírem juntos. Isso é mais que comum e normal. O anormal é quando essas relações são transportadas para dentro de um processo e com o objetivo de prejudicar a outra parte. Isto ofende a moral, a ética, a legislação e a Constituição. Mas ser amigo do promotor, do juiz, ou do advogado não interfere. Quando o Ministério Pública postula uma causa pública e o promotor é amigo do juiz não há problema. O problema é transportar essa amizade para o processo e agir no interesse de uma das partes”, afirma.

O coordenador do Centro de Justiça e Sociedade da FGV, Michael Mohallem afirma que as relações pessoais entre esses profissionais são difíceis de mapear e fazem parte da sociedade .

Veja Mais:  Voluntários se revezam e formam ‘corrente humana’ para evitar suicídios em ponte

Leia também: Ministério da Infraestrutura identifica 23 possíveis casos de irregularidade

“Como em vários campos da sociedade, existe a relação formal que é conhecida do público e visível, e em muitos outros setores existe outros tipos de relações que são pessoais. Como por exemplo, de juízes e advogados que foram colegas de faculdade, isto é muito difícil de mapear, e faz parte dessas relações profissionais”, destaca.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana