conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Economia

Greve dos Correios não paralisa serviço por completo, mas pode afetar sua vida

Publicado

Correios arrow-options
Divulgação

Greve dos Correios não paralisa serviço da empresa por completo, mas pode afetar sua vida

Os funcionários dos Correios estão, desde a madrugada desta quarta-feira (11), em greve nacional por tempo indeterminado . Anunciada pela Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) e o Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares de São Paulo, Grande SP e Sorocaba (Sintect-SP) e confirmada pela empresa, a paralisação é parcial e, segundo a estatal, não afeta os serviços prestados.

De acordo com nota divulgada pelos Correios , 82% do efetivo total da empresa no País está trabalhando regularmente nesta quarta mesmo após o anúncio da greve . A empresa diz já ter colocado em prática seu plano de continuidade de negócios para minimizar os impactos à população.

Medidas como o deslocamento de empregados administrativos para auxiliar na operação, remanejamento de veículos e a realização de mutirões já estão sendo adotadas, segundo posicionamento oficial.

Segundo funcionários, o governo e a direção da estatal querem reduzir salários e benefícios para diminuir custos e facilitar a privatização dos Correios . Além de ser contra o reajuste salarial proposto, de 0,8%, a categoria também critica a retirada de pais e mães do plano de saúde, a exclusão do vale cultura, a redução do adicional de férias de 70% para 33% e o aumento da mensalidade do convênio médico e da coparticipação em tratamentos de saúde.

Veja Mais:  Mais de 2 milhões ainda não sacaram abono salarial ano-base 2017

“A empresa quer retirar benefícios que vão trazer um prejuízo anual ao trabalhador entre 7 e 8 mil reais. Não estamos nem pedindo aumento real do salário, apenas a reposição da inflação e a manutenção dos benefícios”, diz Pedro Alexandre, diretor de imprensa dos sindicato dos Correios no Rio.

A empresa defende o “plano de saneamento financeiro” em curso para “garantir competitividade e sustentabilidade” e cita que, desde o início de julho, a empresa participa de reuniões com os representantes dos empregados, nas quais foi apresentada a real situação econômica da estatal e propostas para o acordo dentro das condições possíveis, considerando o prejuízo acumulado, atualmente na ordem de R$ 3 bilhões. Segundo os Correios, as federações fizeram propostas que superam até mesmo o faturamento anual da empresa.

Procon-SP dá dicas em relação à greve dos Correios

O consumidor que contratar serviços dos Correios, como a entrega de encomendas e documentos, e estes não forem prestados, tem direito a ressarcimento ou abatimento do valor pago. Nos casos de danos morais ou materiais pela falta da prestação do serviço, cabe também a indenização por meio da Justiça.

Em casos de ter adquirido produtos de empresas que fazem a entrega pelos Correios, essas são responsáveis por encontrar outra forma para que os produtos sejam entregues ao consumidor no prazo contratado.

Empresas que enviam cobrança por correspondência postal são obrigadas a oferecer outra forma de pagamento que seja viável ao consumidor, como internet, sede da empresa, depósito bancário, entre outras.

Veja Mais:  Dólar opera em alta nesta segunda, a R$ 4,13; Bolsa avança aos 104 mil pontos

Leia também: Mais ou menos Estado: os dois lados da privatização

Não receber a fatura, boleto bancário ou qualquer outra cobrança, que saiba ser devedor, não isenta o consumidor de efetuar o pagamento. Se não receber boletos bancários e faturas por conta da greve, o consumidor deverá entrar em contato com a empresa credora, antes do vencimento, e solicitar outra opção de pagamento, a fim de evitar a cobrança de eventuais encargos, negativação do nome no mercado ou ter cancelamentos de serviços.

Comentários Facebook

Economia

Guedes sobre Davos: “Não esperavam nada da gente e agora nos dão reconhecimento”

Publicado


source
paulo guedes arrow-options
World Economic Forum/Ciaran McCrickard

Participação de Paulo Guedes no Fórum Econômico Mundial

Em um balanço de seus quatro dias de atividades no Fórum Econômico Mundial , o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a elite política e empresarial reunida em Davos fez um “reconhecimento” do Brasil como nova fonte de crescimento para a economia global.

Ele fez uma comparação com o ambiente visto na edição do ano passado e assegurou que a abordagem dos investidores com o país agora é outra.

Tributos: Paulo Guedes afirma em Davos que avalia criar “imposto do pecado”; entenda

“A descrença era tão grande, botaram a gente tão lá embaixo, que a expectativa era zero” – afirmou Guedes, antes de se despedir do fórum e iniciar a viagem de volta para Brasília.

Segundo o ministro, a reforma da Previdência e o cumprimento da meta para privatização de ativos foram sinais bem recebidos.

Para ele, na edição do ano passado, a imagem do Brasil ainda estava arranhada por causa da corrupção e havia preocupação com eventuais “excessos” do presidente Jair Bolsonaro.

Governo estuda mudar período usado para corrigir salário mínimo

 “Não esperavam quase nada da gente e agora olham para gente como fonte de crescimento “, observou Guedes, relatando conversas com autoridades do Fundo Monetário Internacional (FMI), que lhe falaram sobre a “desaceleração sincronizada” da economia mundial.

Veja Mais:  Informações sobre maiores clientes do BNDES já estavam disponíveis desde 2015

“A América Latina está estagnada. A Argentina está ferrada, a Venezuela está ferrada. Quando a gente olha para a América Latina, só o Brasil aparece”, declarou.

O ministro garantiu que nenhum investidor em Davos levantou com ele questões ambientais , mas ouviu elogios ao “bom funcionamento da democracia brasileira” e fez questão de “dividir a responsabilidade [pela recuperação econômica do país] com o presidente e com o Congresso”.

Saiba mais: Arrecadação federal passou R$ 1,5 trilhão, entenda porque isso é uma boa notícia

“O resultado disso é que as reformas estão avançando e o Brasil virou a nova fronteira de investimentos”, celebrou Guedes.

“Só Estados Unidos, China e Cingapura receberam mais investimentos diretos estrangeiros do que o Brasil em 2019. Graças à aprovação das reformas, estamos virando a última fronteira de investimentos. E vamos fazer reformas até o último dia deste governo”, garantiu.

Brasil foi o quarto país que mais recebeu investimentos estrangeiros em 2019

A partir das discussões em Davos, Guedes relatou ainda sua percepção de que “vão existir moedas regionais fortes” dominando o mundo daqui a 15 ou 20 anos.

E aproveitou a abordagem do assunto para dizer que esclareceu, às autoridades americanas, que o Brasil não faz nenhuma manipulação cambial .

O assunto foi lembrado por conta da ameaça feita pelo presidente Donald Trump de taxar as exportações brasileiras de aço e alumínio para os Estados Unidos. Isso ocorreu quando o dólar ultrapassou a barreira de R$ 4,20 no Brasil.

Veja Mais:  Previdência terá idades mínimas de 65 anos para homens e 62 para mulheres

“Vamos ter que nos acostumar com juros baixos e câmbio mais alto”, avaliou o ministro.

Guedes contou ter conversado, por telefone, com os secretários americanos do Tesouro, Steve Mnuchin, e do Comércio, Wilbur Ross, para desfazer o mal entendido e evitar sobretaxa ao aço e ao alumínio.

“Eu disse que estavam dando um tiro em algo errado, que nós fizemos tudo certo”, afirmou o ministro brasileiro. “E o que eles responderam? Pode deixar, nós vamos falar com o (Donald) Trump aqui”, concluiu.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Mega-Sena acumulada: veja os números sorteados nesta quinta-feira

Publicado


source
aposta arrow-options
iG São Paulo

Ninguém acertou as seis dezenas da Mega-Sena em 2020; confira os números sorteados nesta quinta-feira

Mega-Sena  sorteou nesta quinta-feira (23) o concurso 2.227 com um prêmio estimado em R$ 35 milhões. As seis dezenas foram sorteadas no Espaço Loterias Caixa, em São Paulo.

São elas:  06, 09, 12, 27, 32, 57

O concurso faz parte da Mega-Semana de Verão, que oferece uma chance extra ao apostador ao realizar três concursos semanais , ao invés de dois. A Caixa ainda não informou se houve ganhadores nesta quinta-feira. 

A Mega-Sena está acumulada há  seis concursos , desde a Mega da Virada, que foi sorteada no último dia de 2019.

Já imaginou ganhar a Mega-Sena? Veja como prêmios são pagos com segurança

O último sorteio da semana especial ocorre neste sábado (25), concluindo os três concursos da semana especial. 

Como funciona

O concurso é realizado pela  Caixa Econômica Federal  e pode pagar milhões ao sortudo que acertar as seis dezenas. Os sorteios ocorrem ao menos duas vezes por semana – normalmente, às quartas-feiras e aos sábados.

Bolão vale a pena? Matemático dá dicas para ter mais chances na Mega-Sena

O apostador também pode ganhar prêmios com valor mais baixo caso acerte quatro ou cinco números, as chamadas Quadra e Quina, respectivamente.

Na hora de jogar, o apostador pode escolher os números ou tentar a sorte com a  Surpresinha  – nesse modelo, o sistema escolhe automaticamente as dezenas que serão jogadas. Outra opção é manter a mesma aposta por dois, quatro ou até oito sorteios consecutivos, a chamada  Teimosinha .

Veja Mais:  Previdência terá idades mínimas de 65 anos para homens e 62 para mulheres

Premiação

Os  prêmios iniciais costumam ser de aproximadamente R$ 3 milhões para quem acerta as seis dezenas. O valor vai acumulando a cada concurso sem vencedor.

Também é possível ganhar prêmios ao acertar quatro ou cinco números dentre os 60 disponíveis no volante de apostas. Para isso, é preciso marcar de seis a 15 números do volante.

Leia também: Dinheiro da aposta não serve só para premiar: quem ganha com recurso da loteria?

O prêmio bruto da Mega-Sena corresponde a 43,35% da arrecadação.

Desse total, 35% são distribuídos entre os acertadores dos seis números sorteados; 19% entre os acertadores de cinco números (Quina), 19% entre os acertadores de quatro números (Quadra), 22% ficam acumulados e distribuídos aos acertadores dos seis números nos concursos de final zero ou cinco e 5% ficam acumulado para a primeira faixa (Sena) do último concurso do ano de final zero ou cinco.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Governo estuda mudar período usado para corrigir salário mínimo

Publicado


source

Agência Brasil

Waldery Rodrigues Júnior arrow-options
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Waldery Rodrigues Júnior, secretário especial de Fazenda, explica mudança no cálculo do reajuste do salário mínimo em análise

O projeto de lei com a nova política de correção do salário mínimo incluirá uma mudança no período usado para definir os reajustes.

Em vez do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior fechado, de janeiro a dezembro, o governo pretende usar o índice entre dezembro do ano anterior e novembro do exercício atual para calcular o valor do mínimo para 2021 .

Dá para viver? Desvalorizado, salário mínimo é insuficiente para brasileiros

A informação foi passada pelo secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues.

Em reunião com jornalistas, ele explicou que a medida tem como objetivo prevenir situações como a deste ano, em que o salário mínimo primeiramente foi reajustado para R$ 1.039 e depois aumentou para R$ 1.045, porque a alta dos preços da carne fez o INPC fechar o ano além do previsto.

O sistema é semelhante ao do teto de gastos , em que o governo usa o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de julho do ano anterior a junho do exercício atual para corrigir o limite das despesas federais para o ano seguinte.

Veja também: Salário mínimo na Venezuela tem alta de 66%, para o equivalente a R$ 15

Veja Mais:  Inflação de aluguel de julho fica menor do que a do mês passado

Segundo Rodrigues, a mudança terá pouco impacto prático no valor final para o salário mínimo, mas dará mais transparência aos reajustes e dará mais previsibilidade para o governo e os trabalhadores.

O secretário assegurou que o governo preservará a reposição do salário mínimo pela inflação, como está determinado pela Constituição. “Vamos alterar a sistemática de correção do salário mínimo. O INPC só é divulgado dias após o fim do ano. Vamos mudar sem que haja perda”, declarou.

O governo tem até agosto deste ano , antes do envio do projeto de lei do Orçamento de 2021, para enviar o projeto de lei ao Congresso com a política para o salário mínimo. Rodrigues não especificou se o governo pretende definir o valor do mínimo ano a ano ou se o projeto terá uma política definitiva até o fim do atual governo.

Fontes de recursos

Ao todo, o reajuste do salário mínimo de R$ 1.039 para R$ 1.045 terá impacto de R$ 2,13 bilhões para o governo neste ano. Isso porque o mínimo está atrelado a 80% dos benefícios da Previdência Social , além de corrigir o Benefício de Prestação Continuada (BPC), o abono salarial e o seguro desemprego, entre outros.

Além disso, há um impacto de R$ 1,5 bilhão decorrente da elevação do valor do salário mínimo em relação ao valor original enviado no Orçamento de 2020, de R$ 1.031.

Segundo o secretário especial de Fazenda, o governo pode usar diversas fontes para bancar a correção do salário mínimo.

Veja Mais:  Reajuste da tabela do Imposto de Renda fará parte da reforma tributária

Além de prever maior pagamento de dividendos de estatais (parcela dos lucros que as empresas públicas federais destinam ao Tesouro Nacional), a equipe econômica conta com receitas não incluídas no Orçamento deste ano.

Ele citou os leilões das novas rodadas de partilha do pré-sal e de concessão do petróleo na camada pós-sal e os leilões dos excedentes da cessão onerosa dos campos de Atapu e Sépia, que não foram vendidos no leilão realizado em novembro.

Rodrigues mencionou ainda um eventual crescimento da arrecadação federal decorrente da recuperação da economia. Há cerca de dez dias, o governo aumentou a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2,4% em 2020.

Arrecadação federal passou R$ 1,5 trilhão, entenda porque isso é uma boa notícia

Segundo o secretário, o próximo Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas , a ser divulgado em março, deverá trazer uma estimativa maior.

Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana