conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Saúde

Hemorróidas: saiba quais os sintomas, as causas e os tratamentos disponíveis

Publicado

Women's Health

Este pode até ser um assunto que não te deixe tão confortável, mas se você chegou até aqui, provavelmente precisa se informar sobre os principais sintomas e causas das hemorroidas. De acordo com André Augusto, cirurgião geral do Instituto Endovitta (SP), a vergonha em falar sobre esse tema é um dos principais motivos pelos quais a doença costuma ter diagnóstico demorado, tornando o tratamento mais difícil.

pessoa no banheiro arrow-options
shutterstock
Sente dor quando vai ao banho? Você pode ter hemorroidas; veja quais as causas, os sintomas e os tratamentos da condição

Mas não existem motivos para isso! Pesquisas realizadas nos Estados Unidos apontam que 10,5 milhões de pessoas sejam portadoras de hemorróidas . Além disso, estima-se que apareça 1 milhão de casos novos ao ano. Abaixo, o profissional esclarece os principais tópicos sobre o assunto. Confira!

Sintomas das hemorróidas

André explica que essa patologia se caracteriza pela inflamação no tecido que reveste o canal anal, impedindo o sangue de passar nessa região: “Isso faz com que a veia fique dilatada, inchada, dolorida e sangrando.”

Com isso, os principais sintomas da doença são o sangue no papel higiênico após a limpeza, dor ao evacuar e inchaço ao redor do ânus. “É possível também que a pessoa sofra com coceira, dificuldade para defecar e dor anal, que pode surgir ao andar ou sentar”, indica.

Veja Mais:  Precisa dirigir muito? Veja como evitar danos à coluna e problemas de saúde

Vale ressaltar que existem dois tipos de hemorroidas. A interna acontece quando as veias ficam dentro do ânus ou na parte inicial do reto. Já a externa é quando o inchaço se projeta para fora, podendo ser identificada facilmente.

Causas e diagnóstico das hemorróidas

Estas são algumas das causas consideradas responsáveis pelo aparecimento da doença: genética ou hereditariedade, esforço para evacuar, esforço físico excessivo, infecções anais, permanecer por longo período sentado e dietas pobres em fibras. Fatores como idade, gravidez, obesidade, prática do sexo anal e histórico familiar também podem facilitar seu aparecimento.

Geralmente, o diagnóstico é feito a partir da análise da região anal do paciente, onde são observadas as anormalidades no canal anal e no reto. “Em muitos casos, pedimos um exame de sangue oculto nas fezes. Outros testes como anuscopia, retossigmoidoscopia e colonoscopia também podem ser solicitados”, explica André.

Possíveis tratamentos

Em alguns casos, é possível tratar as hemorroidas com métodos caseiros como banhos de assento com água morna de 10 a 15 minutos, uso de roupas íntimas de algodão, evitar segurar a vontade de evacuar, não fumar, evitar coçar a área e ingerir bastante fibras e água. Além disso, o uso de analgésicos, anti-inflamatórios e pomadas com corticóides para redução de dor e inchaço pode ajudar.

“Contudo, caso os sintomas da doença persistam, é necessária a intervenção cirúrgica minimamente invasiva”, indica André. “Existem, ainda, os tratamentos alternativos como a coagulação infravermelha e a ligadura elástica”, completa.

Veja Mais:  Roséola é comum durante a infância; saiba os sintomas e quais cuidados ter

A coagulação infravermelha é um tratamento não-cirúrgico. Nele, é introduzida uma pequena sonda acima da hemorróida, por onde e a luz infravermelha é aplicada. Inicia-se, assim, o processo de coagulação dos vasos que levam sangue a região, fazendo com que elas encolham.

O processo de diminuição dos tecidos pode levar algumas semanas. A ligadura elástica, por sua vez, é um procedimento para diminuir o calibre das veias com melhora dos sintomas das hemorróidas .

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook

Saúde

De cigarro a narguilé: veja o que os vários tipos de tabagismo fazem com você

Publicado

O tabagismo já não é mais sinônimo de cigarro. Cada vez mais, produtos como o tabaco orgânico, o narguilé e o cigarro eletrônico tomam o lugar dos maços vendidos em padarias e bancas de jornal. Mas só porque estas alternativas não são convencionais, não quer dizer que façam menos mal à saúde.

Leia também: Jovem americano fica com “pulmão de 70 anos” após uso de cigarro eletrônico

Homem engasgando com fumaça de cigarro após tragar arrow-options
shutterstock
O tabagismo traz problemas sérios para o organismo, seja através do cigarro, seja através de outros produtos

“Tanto o uso do narguilé quanto o do tabaco decorrem praticamente nos mesmos riscos de quem fuma cigarro: pode causar dependência, levar a doenças cardiovasculares e risco aumentado de câncer”, adverte Fausto Nakandakari, otorrinolaringologista do Hospital Sírio Libanês, a respeito do tabagismo .

Ele lembra também que, apesar da falta de estudos que comprovem os danos dos cigarros eletrônicos, casos de mortes e doenças pulmonares graves dentre os jovens adultos nos EUA – e até mesmo no Brasil – já levantaram suspeitas quanto ao uso desse dispositivo.

E os danos do vício ao fumante não são apenas físicos. Como lembra Luiz Scocca, psiquiatra do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo e membro da Associação Americana de Psiquiatria, o cigarro e outros produtos com tabaco também gera uma dependência química difícil de ser superada.

“Estudos mais realísticos mostram que o número de tentativas de parar de fumar pode chegar a dezenas de vezes”, observa, acrescentando também que não há um nível “seguro” para o consumo de tabaco.

Dito isso, é hora de ver quais os principais  problemas de saúde que acometem quem fuma cigarros (eletrônicos ou não), narguilés e/ou tabaco orgânico.

Veja Mais:  Precisa dirigir muito? Veja como evitar danos à coluna e problemas de saúde

Os riscos do tabagismo com cigarro

Homem acendendo cigarro arrow-options
shutterstock
Embora tenha visto uma queda de popularidade, o cigarro continua a ser maléfico, causando alergias, câncer, AVCs etc.

Os problemas decorrentes do uso de cigarros talvez sejam os mais conhecidos pela população. Embora a taxa de fumantes tenha apresentado queda constante ao longo dos últimos anos, 9,3% da população afirmou ter o hábito de fumar em 2018, segundo o Ministério da Saúde.

Mas só porque menos pessoas estão fumando, isso não significa que os efeitos do cigarro ficam menos nocivos ou que o vício não seja mais um problema. Veja quais os principais riscos trazidos por esse tipo de tabagismo:

  1. Maior risco de acidentes vasculares cerebrais (AVCs) – segundo o clínico geral Roberto Debski, isso se deve em grande parte devido à nicotina, que atua como vasoconstritor;
  2. Risco aumentado de câncer no trato respiratório superior – como lembra Fausto, isso significa que partes do corpo como boca, língua, faringe, laringe e cordas vocais ficam comprometidas no fumante de cigarro;
  3. Aumento da probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares;
  4. Quadros agudos e crônicos de rinite alérgica, sinusite, asma, faringite, laringite, rouquidão etc., segundo Jamal Azzam, membro titular da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial;
  5. Desenvolvimento do vício no tabaco, doença causada em grande parte, segundo Roberto Debski, pela nicotina, mas também por outros dos mais de quatro mil produtos usados para a fabricação do cigarro.
Veja Mais:  Sobe para 21 o número de casos suspeitos de febre maculosa em Contagem

Leia também: Tabagismo pode matar 8 milhões de pessoas ao ano até 2030, alerta OMS

Os riscos do tabagismo com narguilé

Narguilés sobre uma cômoda em um café arrow-options
shutterstock
Quando o assunto é tabagismo, o narguilé é extremamente nocivo: uma sessão de 1h equivale a fumar 100 cigarros

Popular entre os mais jovens, o narguilé não só faz mal, como também é ainda mais nocivo que o cigarro convencional. Segundo Franco Martins, pneumologista da Faculdade de Medicina do ABC, uma sessão de 1h com o narguilé equivale a tragar 100 cigarros.

“Quando uma pessoa fuma um cigarro, ela demora, em média, 8 minutos; porém, essa pessoa não fuma o tempo todo. Já com o narguilé, ela fica várias horas fumando”, explica.

No caso do narguilé, o culpado não é apenas o tabaco e sua composição específica para este produto, mas também as essências e o carvão, utilizado para aquecer a mistura.

As essências, segundo Franco, contém metais pesados e substâncias químicas que são evaporadas e vão direto para o pulmão do fumante, causando, junto do tabaco e do carvão, vários problemas de saúde, como os listados abaixo:

  1. Inflamações das vias aéreas, principalmente devido às essências;
  2. Queima de células do trato respiratório, relacionada à combustão do carvão;
  3. Dores de cabeça e alterações vasculares, segundo Roberto Debski;
  4. Alterações vasculares;
  5. Falta de ar e crises de bronquite;
  6. Dores de estômago;
  7. Risco aumentado de câncer, segundo Fausto Nakandakari.

Segundo Jamal Azzam, porém, os efeitos dos modelos mais novos dos narguilés ainda não são totalmente conhecidos, pois os produtos utilizados são muito diferentes dos antigos e tradicionais.

Mesmo assim, vale ficar de olho, já que, como lembra Roberto, os tabacos utilizados nestes produtos “contém cerca de quatro vezes mais nicotina, onze vezes mais monóxido de carbono e cem vezes mais alcatrão do que o cigarro”.

Veja Mais:  Programa para substituir Mais Médicos pretende reincorporar cubanos

Os riscos do tabagismo com tabaco orgânico

Tabaco orgânico bolado em cima de uma mesa arrow-options
shutterstock
O tabaco orgânico traz problemas muito semelhantes ao cigarro, como doenças cardiovasculares e respiratórias

De todas as formas de tabagismo, a praticada com o tabaco orgânico talvez seja a mais semelhante ao cigarro. Segundo Fausto, os problemas de saúde causados pelos dois são praticamente os mesmos, indo de dependência a doenças respiratórias, cardiovasculares e a diversos tipos de câncer.

No entanto, por não conter filtro – a não ser que se compre um pacote separadamente -, ele pode ser considerado mais prejudicial que o cigarro, de acordo com o otorrinolaringologista.

Os riscos do tabagismo com cigarros eletrônicos

Jovem exalando fumaça de cigarro eletrônico arrow-options
shutterstock
Muito popular entre os jovens, o cigarro eletrônico pode ser tão ou mais nocivo que os tipos tradicionais de tabagismo

Por fim, os cigarros eletrônicos, que estão cada vez mais populares no Brasil e no mundo, também são, de sua própria forma, nocivos à saúde. Tal e qual o narguilé, a essência usada nos vapes traz danos à saúde do fumante, segundo Franco Martins.

Apesar disso, os reais efeitos destes produtos sobre a saúde dos usuários ainda não são totalmente conhecidos, mesmo que os recentes casos de mortes e doenças respiratórias nos EUA e no Brasil associadas a eles tenham ajudado a levantar suspeitas contra os cigarros eletrônicos.

“Existe unanimidade na classe médica condenando o uso dos cigarros eletrônicos e certamente a correlação com o câncer será brevemente solidificada pela ciência, conforme todos os caminhos dos estudos atuais”, prevê Jamal Azzam.

Leia também: Publicitário é internado em SP após uso de cigarro eletrônico e faz alerta

Portanto, embora seja muito cedo para descrever quais são os verdadeiros danos dos vapes ao organismo, é possível dizer que eles são tão, se não mais, nocivos que os cigarros convencionais – então sempre tenha isso em mente quando pensar em experimentar uma das formas de tabagismo .

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Pesquisadores descobrem estágios iniciais do mal de Parkinson; entenda a doença

Publicado

Agência Brasil

Pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da University of Virginia School of Medicine, dos EUA, descobriram os estágios iniciais da doença de Parkinson. O estudo com a conclusão foi publicado no jornal  Communications Biology . A pesquisa levou três anos para ser concluída.

Leia também: Mal de Parkinson pode ser tratado com vírus que reprograma células no cérebro

mal de Parkinson arrow-options
shutterstock
Cientistas, incluindo pesquisadores brasileiros, descobriram os estágios iniciais do mal de Parkinson

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Veja Mais:  Campanha de vacinação contra o sarampo começa nas escolas de São Paulo
Continue lendo

Saúde

Após queda de cavalo, jovem fica com rosto destruído e passa por reconstrução

Publicado

A inglesa Emily Eccles, de apenas 15 anos, precisou passar por uma delicada cirurgia de reconstrução facial após cair do cavalo que montava. “Foi horripilante, como num filme de terror”, disse Emily à rede ITV

montagem mostra raio x e adolescente arrow-options
Reprodução/ITV
Emily Eccles precisou de reconstrução facial após acidente em cavalo

O acidente aconteceu quando cavalo se assustou com um carro e galopar desenfreadamente, fazendo com que a jovem se chocasse contra um poste na queda. Após recuperar a consciência, a garota conta que “olhou para baixo e pôde ver dentes e ossos”. 

Leia mais: Adolescente que já pesou 25kg supera anorexia e inspira seguidores

Segurando o queixo de forma muito diferente do normal, ela – que mais tarde descobriu ter a mandíbula unida ao corpo apenas por um centímetro de pele – foi encaminhada para o hospital infantil de Sheffield. Além da reconstrução da mandíbula e recuperação dos dentes, Emily recebeu cerca de 160 pontos. 

Felizmente, a garota já consegue realizar a maioria das atividades cotidianas apenas um mês após o acidente. Segundo os médicos que cuidaram do caso, daqui a cerca de um ano poucas pessoas vão reparar que algo aconteceu. 

“No primeiro momento, eu achei que não voltaria a ter a mesma vida que eu tinha. Achei que não pareceria mais comigo. Mas me sinto muito grata pela minha recuperação ”, diz a adolescente, que se sente satisfeita com a reconstrução  e já pensa em voltar a montar. 

Veja Mais:  SBP lança campanha de sensibilização para prevenir gravidez precoce

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana