conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Saúde

Homens representam 1% dos casos de câncer de mama no Brasil; veja sintomas

Publicado

O trabalhador autônomo Hélio Pepe, de 61 anos, foi diagnosticado com câncer de mama em 2012. Ele operou pela primeira vez em 2013 e, como a doença voltou, precisou operar novamente, em maio do ano passado. “Hoje, estou curado, não tenho mais nada”, diz em entrevista à Agência Brasil

Leia também: Câncer de mama também atinge os homens: entenda a doença do pai de Beyoncé

homem arrow-options
shutterstock
Você sabia? Homens também podem ter câncer de mama e representam 1% do total de casos da doença no Brasil

Dados mostram que, para cada 100 mulheres diagnosticadas com câncer de mama , existe um homem atingido pela doença. Isso significa que os homens representam 1% do total de casos de câncer de mama no Brasil.

A médica Fabiana Tonelotto, chefe do Serviço de Mastologia do Hospital do Câncer 3 (HC3), unidade do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), alerta que os homens devem estar atentos a qualquer mudança ou alteração nas mamas.

Sintomas do câncer de mama em homens

Retração de pele, aparecimento de nódulos ou caroços, secreção pela aréola (mamilo), gânglios ou ínguas nas axilas são os sintomas mais comuns de câncer de mama em homens, além de vermelhidão na área do peito e coceira.

De acordo com dados do INCA, outros fatores de risco para o câncer de mama em homens são condições que podem aumentar o nível de estrogênio no corpo, como obesidade, alcoolismo, doença hepática, síndrome de Klinefelter (quando uma pessoa do sexo masculino apresenta um cromossomo X a mais); e radioterapia prévia para a área do tórax.

Veja Mais:  Cidades de São Paulo recebem “Dia D” de vacinação contra o sarampo neste sábado

Leia também: Cardiologista indica exames preventivos cruciais para homens acima dos 30 anos

Fabiana explica que o tratamento para os homens é igual ao das mulheres, com radioterapia, quimioterapia e hormonioterapia. Ela destaca que, como a mama é pequena e atrofiada no homem, não tem tecido para que se faça uma cirurgia conservadora. E como o homem tem pouco tecido mamário, há mais facilidade de o câncer infiltrar na pele e no músculo posterior do peito, provocando metástase. 

“Por isso, esse tratamento é mais radical, com mastectomia [remoção da mama]”, conta a especialista. O tumor fica grande em relação ao tamanho da mama. “Toma uma proporção que não se pode poupar o tecido mamário”, completa.

Genética

A médica do INCA advertiu também que sempre que ocorre um caso de câncer de mama em homens, é preciso avaliar todas as mulheres da família, porque pode haver uma mutação genética de BRCA (família de genes), o que aumenta o risco de ter a doença. Em alguns casos, Fabiana disse que pode ser pedido um teste genético. “É uma avaliação bem importante que se faça”.

Segundo Fabiana, é quase desnecessário que o paciente faça uma reconstrução da mama, porque os homens não têm mamas grandes. O que pode ser feito é a tatuagem do mamilo ou aréola. Os casos de câncer de mama em homens não são frequentes no atendimento do INCA, porque são raros, uma vez que representam somente 1% do total de casos de câncer de mama. 

Veja Mais:  Brasileiros preencheram todas as vagas do Mais Médicos, diz Ministério da Saúde

Dados

De acordo com dados disponibilizados pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), do Ministério da Saúde, houve no país 16.724 mortes por câncer de mama feminino e 203 mortes por câncer de mama masculino no Brasil, em 2017. 

Leia também: Saiba quando é a hora certa para fazer o check-up e quais exames são indicados

Em 2016, foram 16.069 mortes por câncer de mama feminino no país e 185 mortes por câncer de mama masculino e, em 2015, ocorreram 15.403 mortes por câncer de mama feminino no Brasil e 187 mortes por câncer de mama masculino.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook

Saúde

Sente dor nos ombros com frequência? Saiba os principais problemas na região

Publicado

Em diversas situações, como nas tarefas diárias e nas práticas esportivas, a dor nos ombros pode vir à tona e causar extremo desconforto. De fato, muitas tarefas que exigem deslocamentos, força ou apenas a movimentação dos braços podem ser desgastantes e causar problemas na região dos ombros.

Leia também: Dor no ombro? Sem cuidados, lesão pode piorar em 40% dos casos, diz especialista

dor nos ombros arrow-options
shutterstock
Ortopedista explica duas condições que podem causar dor nos ombros e quais os tratamentos indicados em cada caso

Um dos problemas mais comuns de dor nos ombros é a síndrome do manguito rotador , que surge do desgaste dos músculos que rodeiam o ombro e dão a estabilidade e sustentação aos ossos da junção com o braço. Normalmente, essa lesão está associada à repetição de movimentos.

Conforme explica o ortopedista Layron Alves, pacientes com essa condição costumam apresentar sintomas como dor no ombro, fraqueza ou dificuldade para elevar o braço, além de diminuição da força. A prática de esportes, como natação, e o uso constante de celulares e computadores por muito tempo podem causar a lesão. 

Depois do diagnóstico, é importar seguir o tratamento correto. “Para o tratamento, costuma-se indicar repouso, fisioterapia, aplicação de gelo, anti-inflamatórios e, em alguns casos, procedimentos cirúrgicos”, ressalta o profissional, que é especialista em cirurgia do ombro e cotovelo e membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT).

Veja Mais:  Brasileiros preencheram todas as vagas do Mais Médicos, diz Ministério da Saúde

Leia também: Saiba se você tem escoliose e como tratar a coluna em forma de S

Alves destaca que outra patologia comum é a luxação recidivante , causada por impactos, choques ou uso incorreto ao fazer algum levantamento de peso. Nesse caso, a dor sentida é mais forte e, às vezes, pode exigir que o médico recoloque o ombro no lugar com manobras específicas ou através de cirurgia, como a artroscopia.

dor nos ombros arrow-options
shutterstock
No caso da luxação recidivante, a dor é mais forte e, geralmente, o problema atinge pessoas que são mais novas

“Apesar das luxações acontecerem após uma ação específica, há pessoas propensas por terem a articulação frouxa, facilitando o deslocamento e separação dos ossos. Independente do caso, o diagnóstico não deve ser postergado, pois a insistência na movimentação após a luxação pode resultar no desgaste de outras cartilagens, agravando o problema”, reforça.

Mesmo que as condições tenham gravidades diferentes, elas estão associadas ao enfraquecimento dos músculos que cercam os ombros. A lesão do manguito rotador afeta, geralmente, pessoas em idades mais avançadas e que fazem muito esforço no ombro. A luxação, por sua vez, é mais comum nos jovens, que são mais propensos a impactos. 

Leia também: Compressa quente ou fria? Saiba quando fazer cada uma delas

“É muito importante trabalhar em prol do fortalecimento e alongamento dos ombros, assim como de todas as regiões do corpo. É uma região fundamental para as práticas do cotidiano e não pode ser ignorada quando se busca mais rigor físico, tampouco quando surgem as primeiras dores”, diz Alves. Por isso, ao sentir dor nos ombros , procure um médico o quanto antes.

Veja Mais:  Presidente recebe cubanos que deixaram Brasil após ruptura com o Mais Médicos

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Menino com condição rara nasce sem pênis na Turquia e impressiona médicos

Publicado

Na Turquia, um menino, que não teve a identidade revelada, nasceu sem pênis. A condição, conhecida como agenesia gonadal, é rara e, segundo o Daily Mail , atinge apenas um em cada 30 milhões de meninos. Ainda de acordo com a publicação, apenas 80 casos foram registrados na literatura médica.

Leia também: Comer tomate realmente ajuda a aumentar o tamanho do pênis?

bebê arrow-options
shutterstock
Na Turquia, médicos ficaram impressionados após um menino nascer com uma condição rara que resulta na falta do pênis

A história foi publicada no Urology Case Reports por médicos. No caso, apesar da falta do membro, o escroto do menino era “bem formado”, os testículos desceram e ele não apresentada outras deformidades corporais visíveis. Especialistas de Konya, cidade na Turquia, disseram que a reconstrução peniana é uma boa alternativa para o garoto.

Cirurgiões pediátricos passaram a investigar a condição do  bebê logo no dia seguinte que ele nasceu. Testes mostraram que ele tinha uma conexão anormal entre a bexiga e o reto. Ele também apresentava outra condição que fazia com que a urina se acumulasse dentro dele, que os médicos capturaram durante um exame.

Leia também: Britânico sem órgão sexual ganha ‘pênis biônico’ após passar por 15 cirurgias

“Este é o primeiro relato de uma criança com a combinação de agenesia peniana , refluxo vesicoureteral e fístula vesicorretal”, dizem os médicos que compartilharam o relato. No caso da ausência do pênis, pensa-se que a falta do membro tenha sido causado durante uma complicação na gravidez.

Veja Mais:  Campanha de vacinação contra o sarampo começa nas escolas de São Paulo

O Dr. Richard Viney, urologista em Birmingham, na Inglaterra, descreveu a história como um “caso fascinante e complexo”. “É tentador pensar na falta de pênis como uma falha no desenvolvimento genital e, portanto, algum tipo de problema entre os sexos, mas é muito improvável que seja esse o caso”, pontua.

“A falha aqui é do desenvolvimento do trato urinário inferior e do intestino. No feto, eles compartilham uma cavidade comum chamada cloaca. A medida que o feto se desenvolve, a cloaca se divide na bexiga e no reto. A fístula é simplesmente onde a cloaca falhou em se dividir completamente na bexiga e no reto”, aponta.

Leia também: Depois de uma ereção de dois dias, homem precisou de cirurgia e acabou impotente

O especialista ainda destaca que a falta de pênis do menino pode ser corrigida com procedimentos cirúrgicos, mas não detalhou como isso poderia acontecer e nem quando.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Não tomou a vacina? “Dia D” de vacinação contra o sarampo acontece neste sábado

Publicado

Neste sábado (19), será realizado em todo o país o “Dia D de Vacinação contra o Sarampo”. A data é uma mobilização para estimular pessoas a se imunizarem contra a doença, cujos casos vêm crescendo nos últimos meses. Postos de saúde estarão abertos para receber os interessados em se proteger contra o sarampo ou que não tenham tomado todas as doses.

Leia também: Não é só doença de criança: sarampo em adultos também traz riscos à saúde

vacina contra sarampo arrow-options
Marcelo Camargo / Agência Brasil
O sarampo é uma doença que pode levar à morte e, por isso, é importante tomar a vacina e se protreger

O “Dia D” faz parte da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo , lançada no dia 7 de outubro pelo Ministério da Saúde, em parceria com secretarias estaduais e municipais. A mobilização nacional de amanhã integra a primeira fase da campanha, até 25 de outubro, voltada a crianças com idade entre seis meses e 5 anos.

Na segunda etapa, programada para o período entre 18 e 30 de novembro, o foco será em pessoas de 20 a 29 anos. Essa faixa inclui a maioria do número de casos confirmados da doença, com 1.694, embora com coeficiente menor (13,2 casos a cada 100 mil habitantes) devido ao número de brasileiros nessa faixa de idade.

Devem ser vacinados os bebês de seis meses a 1 ano, que tomarão a chamada “dose 0”. As crianças de 1 a 5 anos devem receber duas doses, uma aos 12 meses e outra aos 15 meses. Em caso de aplicação de apenas uma das doses, é preciso se dirigir aos postos para realizar o complemento da segunda.

Veja Mais:  Ex-alcoólatra conta os horrores causados pelo vício: “Sabia que estava morrendo”

Leia também: Fake news: 9 mitos sobre o sarampo nos quais você não deve acreditar

O objetivo é vacinar 39 milhões de pessoas ao longo da campanha, cerca de 20% dos brasileiros. Foram disponibilizadas neste ano 60,2 milhões de doses da tríplice viral, que imuniza contra sarampo, caxumba e rubéola. Para o próximo ano, o ministério anunciou a aquisição de mais 65,2 milhões de doses. O público-alvo será ampliado, abrangendo também as faixas de 50 a 59 anos.

Casos de sarampo pelo Brasil

Segundo o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde sobre Sarampo, de janeiro até outubro deste ano, foram confirmados 6.640 casos e seis mortes. No período de 7 de julho a 29 de setembro, foram registrados 5.404 casos confirmados, enquanto 22.564 ainda estão em investigação. Outras 7.554 suspeitas foram descartadas. O período concentrou 81% dos casos confirmados neste ano.

Esses episódios ocorreram em diversos locais, sendo a quase totalidade em São Paulo, com 5.228 casos (96,74%), em 173 cidades, principalmente na região metropolitana da capital paulista. Em seguida aparece o Paraná (39 casos, em 10 cidades), o Rio de Janeiro (28, em 9 municípios), Minas Gerais (25, em 8 localidades) e Pernambuco (24, em 8 cidades).

Como os registros estão em municípios específicos, quem quiser mais informações deve buscar a Secretaria de Saúde do estado para saber se a sua cidade está entre os locais de ocorrência da doença. Entre as mortes, cinco foram em São Paulo e uma em Pernambuco.

Veja Mais:  SUS ganha novo medicamento para auxiliar o tratamento da hepatite C

Postos volantes de vacinação em São Paulo

Segundo informações da prefeitura de São Paulo, todas as unidades básicas de saúde estarão abertas neste sábado, das 8h às 17h.  Além disso, a cidade contará com alguns postos volantes para ampliar a oferta de vacinação. Confira os endereços e horários:

  • Shopping Frei Caneca – Rua Frei Caneca, 569 – Consolação – 10h às 16h
  • Cei Frei Anibal di Francia – Rua Capitão Francisco Teixeira Nogueira, 383 – Água Branca – 8h às 17h
  • SESC Pompéia – Rua Clélia, 93 – Pompéia – 10h às 16h
  • Hortifruti OBA – Rua Domingos de Moraes, 2931 – Saúde – 9h às 15h
  • Mercado Clóvis – Rua Maciel Parente – Ipiranga – 9h às 16h
  • CEU Paralheiros – Rua José Pedro de Borba, 20 – Parelheiros – 8h às 17h

Entenda a doença 

Causado por vírus, o sarampo é uma doença infecciosa grave, que pode levar à morte. A transmissão ocorre por via aérea, ou seja, quando a pessoa infectada tosse, fala ou respira próximo de outras pessoas.

Mesmo quando o paciente não morre, há possibilidade de a infecção ocasionar sequelas irreversíveis. Quando a doença ocorre na infância, o doente pode desenvolver pneumonia, encefalite aguda e otite média aguda, que pode gerar perda auditiva permanente.

Os sintomas do sarampo são febre acompanhada de tosse, irritação nos olhos, coriza (nariz escorrendo ou entupido) e mal-estar intenso. Quando o quadro completa de três a cinco dias, podem aparecer manchas vermelhas no rosto e atrás das orelhas.

Veja Mais:  SUS perde 11 leitos hospitalares por dia, aponta levantamento da CMN

A prevenção ao sarampo, feita por meio da vacinação , é fundamental, já que não há tratamento para a doença. O tipo de vacina varia conforme a idade da pessoa e a situação epidemiológica da região onde vive, ou seja, é necessário levar em conta a incidência da doença no local. Quando há um surto, por exemplo, a dose aplicada pode ser do tipo dupla viral, que protege contra sarampo e rubéola.

Existem ainda as variedades tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) e tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela, mais conhecida como catapora). As vacinas estão disponíveis em unidades públicas e privadas de vacinação. Segundo o Ministério da Saúde, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece doses gratuitamente em mais de 36 mil salas de vacinação, localizadas em postos de saúde de todo o Brasil.

O governo brasileiro recomenda que pessoas na faixa de 12 meses a 29 anos de idade recebam duas doses da vacina. Para a população com idade entre 30 a 49 anos, a indicação é de uma dose.

Leia também: Quais os sintomas do sarampo? Como é a transmissão? Saiba tudo sobre a doença

Recentemente, o Brasil perdeu o certificado de eliminação da doença. Na semana passada, passaram a apresentar semelhante condição quatro países da Europa: o Reino Unido, a Grécia, República Tcheca e Albânia. De acordo com o ministério, no primeiro semestre deste ano, o Cazaquistão, a Geórgia, Rússia e Ucrânia concentraram 78% dos casos de sarampo registrados na Europa.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana