conecte-se conosco


Nacional

Imagens flagraram o momento em que segurança do Carrefour agride cachorro; veja

Publicado

Momento em que cachorro foi agredido por segurança do Carrefour foi registrado
Reprodução Facebook

Momento em que cachorro foi agredido por segurança do Carrefour foi registrado

Imagens de câmeras de segurança registraram o momento em que um segurança da rede de hipermercados Carrefour agride o cachorro que faleceu após ser resgatado. O caso aconteceu em uma unidade da loja em Osasco, na Grande São Paulo, na quarta-feira da semana passada (28).

No vídeo,  é possível ver o segurança do Carrefour correndo atrás do animal com o que parece ser uma barra de alumínio. As imagens foram divulgadas nas redes sociais pela ativista e protetora dos animais, Luisa Mell, e pelo vereador de Osasco, Ralfi Silva, que acompanham o caso.

Confira o momento da agressão:

Os dois ativistas estiveram na Delegacia do Meio Ambiente e compartilharam a fala da delegada sobre o caso. “A agressão, com essas imagens que conseguimos agora, ficou comprovada. Não tem mais dúvidas que esse segurança realmente agrediu o cachorro ”, afirmou a delegada no stories do Instagram de Luisa Mell.

De acordo com declarações do vereador Silva, o agressor já foi identificado e as investigações continuam.

Em nova nota oficial emitida pela rede de hipermercados, o Carrefour disse que “reconhece que um grave problema ocorreu” na loja de Osasco e que “não vai se eximir de sua responsabilidade”. A empresa afirmou que está triste com o ocorrido e que o funcionário foi afastado desde o início das investigações.

Veja Mais:  Bolsonaro cresce e obtém 30% das intenções de voto após facada, diz BTG Pactual

O Carrefour também se comprometeu a criar uma nova política para a proteção e defesa dos animais. Veja a nota na íntegra:

Entenda o caso

Cachorro morreu após sofrer maus tratos de funcionário do Carrefour

Reprodução Twitter

Cachorro morreu após sofrer maus tratos de funcionário do Carrefour

Um relato publicado no Facebook no dia 28 de novembro relatou que um funcionário da rede de hipermercados teria envenenado e espancado um cachorro, causando sua morte.

 De acordo com a versão de Isabela Marcelino, que fez a denúncia em suas redes sociais, o animal estava pelos arredores da unidade do Carrefour há cerca de uma semana, quando foi espancado por um dos seguranças do local a pedido de um superior.

O cachorro foi quase morto a pauladas por um segurança da loja a mando de seu superior responsável, só porque pessoas importantes e diretores da matriz da empresa visitariam a loja. Para fazer “bonito”, não queriam o cachorro abandonado rodando por lá. Mandaram eliminar o animal como se não fosse nada e da pior forma possível!”, escreveu Isabela no Facebook, em um post que já reúne mais de 25 mil compartilhamentos.

O vira-lata chegou a ser socorrido pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), mas não resistiu ao ferimentos e morreu.

Segundo a Prefeitura de Osasco, o Departamento de Fauna e Bem-Estar Animal foi acionado no dia 28 para prestar socorro a um cachorro ” ferido e sangrando”, possível vítima de atropelamento. Somente no sábado (1) o departamento recebeu a denúncia de que ” se tratava de um caso de maus tratos”.

Veja Mais:  Macri confirma presença na cerimônia de posse de Bolsonaro em janeiro

Carrefour acusou Centro de Zoonoses pela morte

Em nota emitida na terça-feira (4), o Carrefour disse que o CCZ foi acionado diversas vezes para retirar o animal do local, mas não compareceu, e culpa o Centro pela morte. “No momento da abordagem dos profissionais do órgão para imobilização, o cachorro desfaleceu em razão do uso de um ‘enforcador’, tipo de equipamento de contenção”.

Na segunda-feira, ativistas e defensores dos direitos do animais realizaram um protesto na unidade do Carrefour que protagonizou a história.

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

MP-GO pede prisão do médium João de Deus após acusações de abuso sexual

Publicado


Pela primeira vez depois das denúncias de crimes sexuais, João de Deus apareceu hoje (12) na Casa Dom Inácio de Loyola
Marcelo Camargo/ABr

Pela primeira vez depois das denúncias de crimes sexuais, João de Deus apareceu hoje (12) na Casa Dom Inácio de Loyola

O Ministério Público Estadual de Goiás (MP-GO) pediu nesta quarta-feira (12) a prisão do médium João de Deus,  alvo de uma série de denúncias por abusos sexuais contra frequentadoras da Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO).

O pedido de prisão foi protocolado após a promotoria goiana receber 206 denúncias de mulheres que se apresentaram como vítimas de João de Deus , somente até essa terça-feira. Segundo o órgão, as vítimas se identificaram como naturais de nove estados e do Distrito Federal, e também há na relação de supostas vítimas uma moradora dos Estados Unidos e outra da Suíça.

João de Deus esteve hoje no centro de atendimentos espirituais  de Abadiânia pela primeira vez desde que começaram a surgir denúncias contra ele, na última sexta-feira (7). O médium permaneceu no local por apenas 10 minutos e se disse inocente.

“Meus queridos irmãos e minhas queridas irmãs. Agradeço a Deus por estar aqui. Ainda sou irmão de Deus, mas quero cumprir a lei brasileira porque estou na mão da lei brasileira. João de Deus ainda está vivo”, declarou. 

Além do Ministério Público de Goiás, promotores de Minas Gerais e de São Paulo já abriram canais para denúncias contra o médium João de Deus .

Veja Mais:  Bolsonaro cresce e obtém 30% das intenções de voto após facada, diz BTG Pactual

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Juíza aceita queixa de Doria e Ciro Gomes responderá por calúnia e difamação

Publicado


Ciro Gomes tem prazo de dez dias para responder às acusações
Divulgação/PDT

Ciro Gomes tem prazo de dez dias para responder às acusações

O ex-presidenciável e ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), tornou-se réu em ação penal movida pelo governador eleito em São Paulo, João Doria (PSDB), por calúnia e difamação. A abertura do processo foi determinada pela juíza Simone de Faria Ferraz, da 16ª Vara Criminal do Rio de Janeiro.

Leia também: Com seis ex-ministros de Temer, Doria define equipe de governo; conheça os nomes

Os advogados que representam Doria alegaram no processo que Ciro Gomes cometeu crime contra a honra tucano em diversas declarações. Dentre elas, é destacada afirmação feita pelo pedetista durante palestra realizada em maio do ano passado na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, na qual Ciro chama Doria de “farsante”.

“Toda a fortuna dele, toda a fortuna dele vem de ‘lobby’, tráfico de influência e dinheiro público dos governos do PSDB de São Paulo e de Minas Gerais. Esses piqueniques de barão que ele promove tudo é financiado por dinheiro público”, disse.

A defesa de João Doria argumentou na queixa-crime, apresentada à Justiça ainda em agosto do ano passado, que é “cristalina” a intenção de Ciro em atingir a honra do tucano, situação que teria se dado de forma “desavergonhada e reiterada”.

“Urge acrescentar que o querelado [Ciro] não guarda qualquer arrependimento quanto às ofensas feitas, tampouco demonstra se importar com a resposta judicial que pode sofrer por conta de suas condutas ilícitas, decerto por acreditar na impunidade de seus crimes”, diz a defesa.

Veja Mais:  Sobrevivente do ataque de Las Vegas é uma das vítimas de atentado na Califórnia

Leia tmabém: Governadores pedem que presos de facções sejam transferidos a presídios federais

Ao receber a queixa por calúnia e difamação , a juíza do Rio de Janeiro apontou que a denúncia “descreve o fato criminoso em todas suas circunstâncias, permitindo a completa compreensão da acusação e, consequentemente, o exercício da ampla defesa”.

A magistrada fixou prazo de dez dias para que Ciro apresente sua resposta à acusação, por escrito, bem como apresente pedidos de preliminares, apresentar provas e apontar testemunhas em sua defesa.

Se condenado, Ciro Gomes pode pegar pena de até dez anos e oito meses de prisão. O ex-governador cearense até o momento não se manifestou quanto à abertura do processo.

Leia também: “Muita coisa vai ser deflagrada em 2019”, diz coordenador da Lava Jato no Rio

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Bolsonaro atira e faz flexão com terno e bolsa de colostomia em visita à PF

Publicado


Bolsonaro visitou a COT e, de terno, participou de um exercício de flexões com os policiais
Divulgação

Bolsonaro visitou a COT e, de terno, participou de um exercício de flexões com os policiais

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), visitou na manhã desta quarta-feira (12) o Comando de Operações Táticas (COT) da Polícia Federal (PF), localizado em Brasília (DF). Na ocasião, Bolsonaro posou para fotos com os policiais e foi filmado por sua assessoria fazendo uma flexão junto com os policiais.

Leia também: Bolsonaro se reúne com bancada do DEM e visita tropa de elite da Polícia Federal

No vídeo, é possível ouvir o próprio Bolsonaro dizendo que “quando eu voltar a ter um saco só, daí eu faço com vocês”, se referindo à bolsa de colostomia que ainda carrega em consequência de uma das cirurgias de emergência que fez após ser esfaqueado durante um comício “corpo a corpo” nas ruas de Juiz de Fora (MG), ainda durante o período de campanha do primeiro turno.

A recuperação médica obrigou o então candidato à Presidência a cancelar seus compromissos de campanha e a recusar os convites para participar nos debates presidenciais no primeiro e no segundo turno.

Depois disso, o presidente eleito chegou a realizar exames pré-operatórios para realizar a cirurgia de remoção da bolsa de colostomia , mas a equipe multidisciplinar do Hospital Israelita Albert Einstein, responsável pelo caso clínico de Bolsonaro, identificou “inflamação do peritônio e processo de aderência entre alças intestinais” e preferiu adiá-la para 2019. A data, inclusive, poderá ser decidida nesta quinta-feira (13) quando o futuro presidente viajará novamente à São Paulo para realizar novos exames.

Veja Mais:  Temer e STF fechamacordo por aumento de salário do Judiciário

Leia também: Ataque em Campinas não muda posição de Bolsonaro sobre posse de arma, diz Onyx

Veja abaixo o vídeo divulgado pela assessoria que mostra Bolsonaro fazendo flexão e brincando com os oficiais presentes:

Além do exercício, um outro vídeo divulgado pelo filho do presidente eleito, Eduardo Bolsonaro (PSL), no Instagram, também mostra o pai praticando tiro, mesmo vestido de terno, durante a visita de pouco mais de uma hora ao COT.

Pouco tempo depois, o próprio Bolsonaro publicou mensagem na sua conta oficial no Twitter em que afirma se sentir “extremamante honraro em ser o primeiro Presidente eleito do Brasil a visitar ao COT (Comando de Operações Táticas da Polícia Federal) unidadade de operações especiais e Contra-Terrorismo da PF”.

Essa, no entanto, não foi a primeira vez que Bolsonaro visitou uma instalação militar e fez flexões com os oficiais. No passado, o então deputado federal, também divulgou vídeo fazendo flexões.

Em vídeos que circulam nas redes sociais, foram registrados pelo menos dois casos em que é possível ver Bolsonaro fazendo flexões com jovens militares. Veja o primeiro caso:

Veja Mais:  Bolsonaro cresce e obtém 30% das intenções de voto após facada, diz BTG Pactual

Já no segundo caso, o deputado do PSC, à época, visitou a Polícia Militar de Maringá, no Paraná, e fez exercícios junto com os oficiais da corporação.

Leia também: TSE decide arquivar pedido do PT que pede a cassação de Bolsonaro e Mourão

De qualquer forma, a disposição de Bolsonaro para fazer os exercícios demonstra que o presidente eleito está quase recuperado.

Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana