conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Nacional

Imagens flagraram o momento em que segurança do Carrefour agride cachorro; veja

Publicado

Momento em que cachorro foi agredido por segurança do Carrefour foi registrado
Reprodução Facebook

Momento em que cachorro foi agredido por segurança do Carrefour foi registrado

Imagens de câmeras de segurança registraram o momento em que um segurança da rede de hipermercados Carrefour agride o cachorro que faleceu após ser resgatado. O caso aconteceu em uma unidade da loja em Osasco, na Grande São Paulo, na quarta-feira da semana passada (28).

No vídeo,  é possível ver o segurança do Carrefour correndo atrás do animal com o que parece ser uma barra de alumínio. As imagens foram divulgadas nas redes sociais pela ativista e protetora dos animais, Luisa Mell, e pelo vereador de Osasco, Ralfi Silva, que acompanham o caso.

Confira o momento da agressão:

Os dois ativistas estiveram na Delegacia do Meio Ambiente e compartilharam a fala da delegada sobre o caso. “A agressão, com essas imagens que conseguimos agora, ficou comprovada. Não tem mais dúvidas que esse segurança realmente agrediu o cachorro ”, afirmou a delegada no stories do Instagram de Luisa Mell.

De acordo com declarações do vereador Silva, o agressor já foi identificado e as investigações continuam.

Em nova nota oficial emitida pela rede de hipermercados, o Carrefour disse que “reconhece que um grave problema ocorreu” na loja de Osasco e que “não vai se eximir de sua responsabilidade”. A empresa afirmou que está triste com o ocorrido e que o funcionário foi afastado desde o início das investigações.

Veja Mais:  Damares diz temer ativismo do STF e avisa: “Aborto é tema do Congresso”

O Carrefour também se comprometeu a criar uma nova política para a proteção e defesa dos animais. Veja a nota na íntegra:

Entenda o caso

Cachorro morreu após sofrer maus tratos de funcionário do Carrefour

Reprodução Twitter

Cachorro morreu após sofrer maus tratos de funcionário do Carrefour

Um relato publicado no Facebook no dia 28 de novembro relatou que um funcionário da rede de hipermercados teria envenenado e espancado um cachorro, causando sua morte.

 De acordo com a versão de Isabela Marcelino, que fez a denúncia em suas redes sociais, o animal estava pelos arredores da unidade do Carrefour há cerca de uma semana, quando foi espancado por um dos seguranças do local a pedido de um superior.

O cachorro foi quase morto a pauladas por um segurança da loja a mando de seu superior responsável, só porque pessoas importantes e diretores da matriz da empresa visitariam a loja. Para fazer “bonito”, não queriam o cachorro abandonado rodando por lá. Mandaram eliminar o animal como se não fosse nada e da pior forma possível!”, escreveu Isabela no Facebook, em um post que já reúne mais de 25 mil compartilhamentos.

O vira-lata chegou a ser socorrido pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), mas não resistiu ao ferimentos e morreu.

Segundo a Prefeitura de Osasco, o Departamento de Fauna e Bem-Estar Animal foi acionado no dia 28 para prestar socorro a um cachorro ” ferido e sangrando”, possível vítima de atropelamento. Somente no sábado (1) o departamento recebeu a denúncia de que ” se tratava de um caso de maus tratos”.

Veja Mais:  Ex-governador Marconi Perillo ganha liberdade menos de 24 horas após ser preso

Carrefour acusou Centro de Zoonoses pela morte

Em nota emitida na terça-feira (4), o Carrefour disse que o CCZ foi acionado diversas vezes para retirar o animal do local, mas não compareceu, e culpa o Centro pela morte. “No momento da abordagem dos profissionais do órgão para imobilização, o cachorro desfaleceu em razão do uso de um ‘enforcador’, tipo de equipamento de contenção”.

Na segunda-feira, ativistas e defensores dos direitos do animais realizaram um protesto na unidade do Carrefour que protagonizou a história.

Comentários Facebook

Nacional

PSDB livra Aécio Neves e desafetos de Doria de processo de expulsão do partido

Publicado

Representação que pede a expulsão de Aécio Neves do PSDB foi arquivada pela direção nacional do partido
Arquivo/Agência Brasil

Representação que pede a expulsão de Aécio Neves do PSDB foi arquivada pela direção nacional do partido

A direção executiva nacional do PSDB decidiu arquivar sumariamente todos os processos que pedem a expulsão de filiados por suposta “infidelidade partidária”. A medida beneficia o  hoje deputado federal Aécio Neves (MG) e desafetos do governador de São Paulo, João Doria.

A decisão foi tomada durante reunião realizada – sem alarde – nessa quarta-feira (20), sob a regência do presidente do PSDB
, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin.

Em relação a Aécio, o pedido de expulsão foi  protocolado pelo deputado Wherles Rocha (AC)
em dezembro do ano passado. O tucano acusou o correligionário de ter incorrido em quebra de decoro parlamentar em razão de episódios envolvendo suposto pagamento de propina por parte do empresário Joesley Batista, do J&F, alvos de investigações pela Polícia Federal.

A executiva do PSDB rechaçou a representação sem ao menos encaminhar o caso ao Conselho de Ética
interno, considerando que o estatuto do partido prevê punição apenas quando um filiado é condenado em última instância. Alas do partido, no entanto, compreendem que o texto deve vir a ser atualizado, uma vez que o Supremo Tribunal Federal (STF) passou a entender que condenados na segunda instância já podem ser presos.

As representações por “infidelidade partidária” referentes a desafetos de João Doria decorrem de suposto apoio de tucanos ao ex-governador Márcio França (PSB), adversário de Doria no segundo turno das eleições em São Paulo no ano passado. Aliados de Doria acusaram o ex-governador Alberto Goldman o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, e o ex-secretário Saulo de Castro de terem boicotado a campanha do ex-prefeito.

Veja Mais:  Ministro das Relações Exteriores vai ao Peru para discutir crise na Venezuela

O arquivamento dos processos desagrada ao grupo liderado por Doria no ninho tucano. O partido, que busca se reinventar após o fraco desempenho de Alckmin nas eleições presidenciais de 2018, tem sido cobrado a punir integrantes de seus quadros para transmitir mensagem de combatividade ao eleitorado.

Além das suspeitas que cercam Aécio, o PSDB também teve a imagem fragilizada ao longo do último ano por episódios envolvendo três ex-governadores tucanos. No Paraná, Beto Richa já é réu em duas ações da Operação Lava Jato e chegou a ser preso por conta de suspeitas de corrupção. O mesmo aconteceu em Goiás, com Marconi Perillo,  preso por suspeita de caixa dois
logo após as eleições de outubro. Por fim, em Minas Gerais, o ex-presidente nacional do partido Eduardo Azeredo foi preso, em maio do ano passado, após condenação no chamado ‘mensalão tucano’.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Vale fecha acordo com moradores atingidos por rompimento de barragem

Publicado


Rompimento da barragem em Brumadinho está perto de completar um mês e 139 pessoas seguem desaparecidas
Isac Nóbrega/PR

Rompimento da barragem em Brumadinho está perto de completar um mês e 139 pessoas seguem desaparecidas

Nesta quarta-feira (20), a mineradora Vale, representantes dos atingidos por barragens e a Justiça fecharam um acordo para o pagamento de R$ 1 mil por adulto e R$ 300 por adolescente ou criança de Brumadinho. O acordo é válido para os moradores da região por um ano.

Leia também: Exames detectam excesso de metais em quatro bombeiros de Brumadinho

O Termo de Acordo Preliminar (TAP) também contempla moradores das margens do Rio Paraopeba, entre Brumadinho e a Hidrelétrica Retiro Baixo, no Centro-Oeste de Minas Gerais.

Além da Vale e representantes dos atingidos, participaram da audiência no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) na qual foi fechado o acordo a Advocacia Geral do Estado de Minas Gerais, o Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG), a Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais, a Advocacia-Geral da União (AGU), o Ministério Público Federal (MPF) e a Defensoria Pública da União (DPU).

Esta foi a quarta audiência entre representantes do poder público e a Vale . Uma próxima reunião está marcada para o dia 7 de março, quando serão tratadas questões que ainda não foram atendidas neste acordo.

De acordo com o diretor jurídico da Vale, Alexandre D’Ambrósio, os pontos acordados no termo foram os emergenciais e mais urgentes. Ele garantiu que as conversas não foram encerradas e disse que espera agora começar a construir um acordo definitivo.

Veja Mais:  Ninguém acerta as seis dezenas da Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 23 milhões

“Conseguimos construir um acordo emergencial, que representa um avanço bastante grande para a reparação. Trata-se de um acordo sem precedentes, que reforça a colaboração ativa entre a Vale e as autoridades”, afirmou Alex D’Ambrosio.

A partir de agora, os atingidos serão cadastrados por uma empresa que ainda será contratada. O acordo prevê também a contratação de uma assessoria independente que auxilie os atingidos a negociar suas indenizações individuais. Esta assessoria também vai negociar o reembolso ou custeio das despesas do Estado de Minas Gerais com despesas de transporte, alojamento e alimentação dos servidores envolvidos nos trabalhos de resgate e ações emergenciais na área atingida.

Desde o rompimento da barragem da Vale no Córrego do Feijão, que  matou pelo menos 171 pessoas em Brumadinho , já foram realizados cinco  processos de evacuação abaixo de outras oito barragens de rejeitos no estado.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Ministro do Turismo pede para que investigação sobre “laranjas” suba para o STF

Publicado


A defesa do ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio quer que a investigação sobre candidaturas laranjas do PSL suba para o STF
Valter Campanato/ABr

A defesa do ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio quer que a investigação sobre candidaturas laranjas do PSL suba para o STF

A defesa do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, entrou com um recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) para que a investigação envolvendo as supostas candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais suba para a Suprema Corte.

Leia também: Onyx descarta demissão do ministro do Turismo, mas diz que governo “observa”

Os advogados alegal que os supostos crimes ocorreram durante o mandato de Marcelo Álvaro Antônio, que era deputado federal pelo estado, e em função do mesmo, uma vez que o suposto desvio de verbas das candidaturas laranjas seria para bancar a reeleição do agora ministro do Turismo, que acabou sendo o deputado mais votado em Minas Gerais. Portanto, o político teria prerrogativa de foro especial. O relator do pedido será o ministro Luiz Fux.

Escolhido como ministro do Turismo por Jair Bolsonaro  , Marcelo Álvaro Antônio foi eleito deputado federal, sendo o mais votado em Minas Gerais. Segundo denúncias da Folha , o parlamentar foi beneficiado por candidatas laranjas do PSL, que repassavam o dinheiro do fundo eleitoral para a campanha do agora ministro. 

A professora aposentada Cleuzenir Barbosa disse ao jornal que o hoje ministro sabia do esquema de candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais. Ela foi uma das candidatas da sigla no estado.

Veja Mais:  Bolsonaro deve fazer sua primeira visita oficial aos Estados Unidos em março

“Era o seguinte: nós mulheres iríamos lavar o dinheiro para eles. Esse era o esquema. O dinheiro viria para mim e retornaria para eles”, disse. Ela ainda acusou assessores do ministro de ameaça.

“Me mudei [para o exterior] exclusivamente por causa dessa situação. Peço para as mulheres que denunciem. Não fiquem caladas, se exponham, sim. Eu vou entrar com pedido de proteção à vítima. Esse povo é perigoso. Hoje eu sei, eles são uma quadrilha de bandidos.”

Leia também: Agora é oficial! Exoneração de Bebianno é publicada no Diário Oficial da União 

Uma outra reportagem da  Folha de São Paulo   revelou que o ministro  teria repassado verbas de campanha a quatro possíveis candidatas laranjas de Minas Gerais. Os repasses também teriam sido autorizados pelo ex-presidente do PSL Gustavo Bebianno , que acabou sendo exonerado do cargo de secretário-geral da Presidência por Jair Bolsonaro. 

Marcelo Álvaro Antônio negou as acusações. “A denunciante foi chamada a prestar esclarecimentos em diversas ocasiões e nunca apresentou provas ou indícios que atestassem a veracidade das acusações”, disse o ministro. Ainda de acordo com o político, Cleuzenir foi “aposentada por sentença judicial que reconheceu distúrbios psiquiátricos incapacitantes total e permanentes.”

Apesar do escândalo, Marcelo Álvaro Antônio parece estar seguro no cargo. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse, em entrevista à Radio Gaúcha, que o governo não pensa em exonerar o ministro do Turismo . “A questão de Minas Gerais está sendo apurada. O governo observa. É preciso dar tempo que esclarecimentos apareçam e se tiver alguma coisa o presidente vai tomar uma decisão”, disse Onyx,

Veja Mais:  Damares diz temer ativismo do STF e avisa: “Aborto é tema do Congresso”

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana