conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Nacional

Loja pede desculpas a Damares Alves por comportamento de vendedor

Publicado

Damares Alves, ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, diz que, agora, 'meninos vestem azul e meninas, rosa'
Reprodução/Youtube

Damares Alves, ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, diz que, agora, ‘meninos vestem azul e meninas, rosa’

Uma loja de roupas em um shopping de Brasília pediu desculpas nesta quinta-feira (10) à ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, que teria sido constrangida pelo vendedor Thiego Amorim, de 34 anos, após a polêmica fala sobre “meninos vestem azul e meninas vestem rosa” .

Na semana passada, o vendedor questionou por que Damares Alves estava vestindo uma camisa azul, e a ministra respondeu que estava sendo constrangida. Thiego entrou com uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a ministra alegando que houve constrangimento, vias de fato e ameaça na ocasião.

No entanto, segundo a loja, a ministra não foi atendida corretamente e sustenta que não houve agressão por parte de Damares. “Gostaríamos de pedir desculpas pelo atendimento inadequado de um de nossos funcionários da loja localizada no Brasília Shopping no último dia 02.01.2019, reconhecemos que não houve por parte de V.Sa. qualquer tipo de agressão no interior da loja”, diz a nota da loja, que é uma franquia da marca de roupas Cantão.

“Reforçamos aqui nossa constante preocupação em oferecer um atendimento respeitosos que preza pela gentileza, simpatia e educação com todos os nossos clientes. Esclarecemos ainda que o ocorrido está sendo usado como uma oportunidade para reiterar, ainda mais, nossos valores com todos os funcionários e garantir que situações como essa não voltem a acontecer.”

Veja Mais:  Bolsonaro se reúne com embaixadores e equipe de transição em Brasília

Segundo o jornal O Globo, Thiego afirmou que, na última sexta-feira, a ministra teria dito que vai “acabar com a ideologia de gênero nas escolas brasileiras”. O vendedor contou ainda que Damares teria colocado a mão em seu pescoço. De acordo com o relato de Thiego, a assessora que acompanhava a ministra no shopping teria dado um tapa na sua mão, enquanto Amorim pegava o celular para começar a gravar.

A reportagem ouviu também a dona da franquia em Brasília, Carolina Puga, que disse ter analisado os fatos e o vídeo da câmera de segurança,  junto ao departamento jurídico da loja, e não constatou agressão.

Ao O Globo, Thiego disse que não foi repreendido pela gestão da loja e que também não foi avisado sobre o pedido de desculpas, mas que planeja se desligar do estabelecimento, porque sabe que “não estão por mim”.

Segundo o vendedor Damares Alves “sabe o que fez”. “Existem maneiras diferentes de tocar em alguém, e a gente sabe quando é feito de forma rude, para agredir. Eles são bem legais na loja mas, desde que tudo isso aconteceu, outras portas se abriram para mim, e não preciso mais ficar ali”, afirmou.

Comentários Facebook

Nacional

AGU é contra suspensão de inquérito aberto para investigar ofensas ao STF

Publicado


Ministros do Supremo
Carlos Moura/ SCO/ STF

Ministros do Supremo recebem apoio de entidades jurídicas do Brasil

A Advocacia-Geral da União ( AGU ) se manifestou contra o pedido da Associação Nacional dos Procuradores da República ( ANPR ) para suspender o inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal ( STF ) para investigar ofensas à Corte. Foi nesse processo que o ministroAlexandre de Moraes determinou e depois recuou da censura aos sites “Crusoé” e “O Antagonista” , por reportagem que citava o presidente do STF, Dias Toffoli. No mesmo processo, Moraes mandou fazer busca e apreensão em residências de pessoas que criticaram o tribunal nas redes sociais.

Leia também: Líder do governo na Câmara critica Olavo de Carvalho e articulação de Bolsonaro

O inquérito foi aberto mediante portaria do presidente do STF, ministro Dias Toffoli  , sem manifestação da Procuradoria-Geral da República (PGR), como é a praxe na Corte. Na terça-feira da semana passada, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu o arquivamento do inquérito , mas Moraes preferiu mantê-lo vivo. Para o ministro da  AGU , André Mendonça, o presidente da Corte tem a prerrogativa de abrir o inquérito quando se trata de defesa das prerrogativas do STF, mesmo sem pedido da PGR.

“De início, a atribuição para instaurar o inquérito em defesa das prerrogativas desse Supremo Tribunal Federal é do seu Presidente, que poderá, como o fez na espécie, delegar essa atribuição a outro Ministro. Por se tratar de hipótese de delegação, trata-se de autorização normativa para a transferência de função originariamente atribuída à Presidência da Corte para outro de seus Ministros, o que ocorreu na espécie”, escreveu Mendonça.

Veja Mais:  As maiores descobertas do Opportunity

O regimento interno do STF estabelece que, “ocorrendo infração à lei penal na sede ou dependência do Tribunal, o Presidente instaurará inquérito, se envolver autoridade ou pessoa sujeita à sua jurisdição, ou delegará esta atribuição a outro ministro”. Críticos do inquérito dizem que ele não trata de fatos ocorridos nas dependências da Corte.

Mendonça refutou também o argumento de que o tribunal, responsável por julgar um processo, também estaria usurpando a função de acusador que cabe ao Ministério Público Federal ( MPF ). Isso porque “não há qualquer indício de que essa Corte teria a pretensão de oferecer denúncia criminal”, etapa que dá início à ação penal. Essa tarefa deverá ficar com a PGR, órgão máximo do MPF. Dodge já disse que não fará isso.

O ministro da AGU também rechaçou o argumento de que, nessa fase, os investigados precisam ter foro privilegiado na Corte, caso, por exemplo, de parlamentares. Até agora, os alvos de decisões no inquérito foram pessoas sem foro.

“Muitas vezes, apenas no decorrer das diligências realizadas pela autoridade responsável pela condução do inquérito é que os indícios de autoria do crime vêm à tona, de modo que seria ilógico condicionar a abertura de inquérito pelo Supremo Tribunal Federal apenas quando houvesse ciência prévia de que o investigado se submete à sua jurisdição”, escreveu Mendonça, que também defendeu a possibilidade de manter o inquérito em sigilo.

Veja Mais:  Bolsonaro se reúne com embaixadores e equipe de transição em Brasília

A ANPR pediu a suspensão do inquérito para garantir aos procuradores liberdade de expressão e segurança em seu trabalho “sem sofrerem o risco de, a qualquer momento e sem conhecerem os motivos, tornarem-se investigados sem a supervisão” do Ministério Público. Mendonça se manifestou no caso por determinação do ministro Edson Fachin, relator deste e de outros processos que questionam o inquérito ou pares dele no STF.

Leia também: Traficante morre após explosão de fuzil: “Acidente de trabalho”

AGU  argumentou que o tipo de processo escolhido pela ANPR — um mandado de segurança — não é o apropriado para fazer o pedido. Tanto que a ANPR fez solicitação semelhante por meio de um habeas corpus. Afirmou também que a ANPR não tem legitimidade para fazer o pedido de suspensão do inquérito, uma vez que o inquérito não delimita o rol de investigados para dizer expressamente que os procuradores estão entre eles.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Alesp vai instalar CPI para frear ‘aparelhamento de esquerda’ em universidades

Publicado


Deputado Wellington Moura
Reprodução/PRB

Wellington Moura, vice-líder do governo na Alesp

Os deputados da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) criaram uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para intervir em universidades públicas paulistas. O objetivo, de acordo com os parlamentares, é discutir a escolha da reitoria e os “gastos excessivos” com funcionários e professores. As informações são do jornal O Estado de São Paulo .

Leia também: Servidores da Unesp fazem protesto por falta de pagamento no Centro de SP

A chamada CPI das Universidades Públicas foi apresentada pelo vice-líder do governo na Alesp, Wellington Moura (PRB), e será instaurada nesta semana. Divulgado no Diário Oficial nesta segunda-feira (22), o projeto teria como objetivo ir contra o “aparelhamento de esquerda” e “investigar irregularidades na gestão das universidades públicas”. Além disso, a Comissão também sugere cobrar mensalidade nas universidades públicas.

Entre as justificativas, o deputado afirmou que a USP, Unesp e Unicamp recebem 9,57% da arrecadação do ICMS do Estado. “Vamos analisar como as questões ideológicas estão implicando no orçamento. Eu percebo um predomínio da esquerda nas universidades. Infelizmente, muitos professores levam mais o tema ideológico do que o temático para a sala de aula”, disse Moura ao jornal.

Desde 1989, essas instituições tem a chamada “autonomia universitária”, que permite que elas façam a gestão de seus próprios recursos. A Constituição de 1988 também prevê que a responsabilidade de escolher dirigentes, colegiados, currículos e programas é das próprias universidades

Veja Mais:  Bolsonaro se reúne com embaixadores e equipe de transição em Brasília

O reitor é escolhido pela lista tríplice, com três nomes escolhidos pela comunidade universitária. Depois, ela é enviada ao governador do estado, que escolhe um dos nomes. Para os deputados, o Conselho Universitário também é dominado pela esquerda e a forma de escolher a reitoria deve mudar.

Leia também: MEC prepara material para explicar nova política de alfabetização

“Depois da CPI , muitas ideias vão surgir.  Um projeto de decreto legislativo pode alterar a forma de escolher os nomes da lista tríplice. Pode ser um nome indicado pelo governo, outro pelos deputados e um terceiro pela universidades”, sugeriu Moura.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Recorde mundial de permanência no espaço será quebrado por uma mulher astronauta

Publicado


Christina Koch
Divulgação/Nasa

A astronauta Christina Koch já bateu uma série de recordes na Nasa e agora está pronta para bater mais um

A astronauta Christina Koch, da Agência Espacial Norte-Americana (Nasa), teve sua permanência estendida na Estação Espacial Internacional até fevereiro de 2020. Com isso, ela ficará 328 dias no espaço, o que supera o recorde de 288 dias de Peggy Whitson.

Leia também: Nasa pagará R$ 73 mil a voluntários que ficarem deitados por dois meses

Cristina foi integrada à tripulação que está na órbita da Terra em março deste ano. Apesar de não ter conseguido protagonizar a primeira caminhada espacial totalmente feminina por falta de traje ideal, a astronauta terá seu nome marcado na história da exploração espacial.

No entanto, Peggy é detentora de diversos recordes da  Nasa , incluindo o de maior número de caminhadas espaciais, além de ser a primeira astronauta mulher a liderar a Estação Espacial.

O recorde que será batido por Cristina também não está distante do estabelecido por astronautas homens, como Scott Kelly, que atualmente conta com a marca de 340 dias no espaço.

Leia também: Nasa cancela saída espacial só com mulheres por falta de traje

“Astronautas demonstram incrível capacidade de recuperação e adaptabilidade em resposta à longa duração de voos espaciais .

Isso permitirá missões de exploração bem-sucedidas com astronautas saudáveis e prontos para um bom desempenho”, afirmou Jennifer Fogarty, chefe do programa de Pesquisa Humana da Nasa, em Houston.

Veja Mais:  Palocci presta depoimento sobre supostos desvios em fundos de pensão

Leia também: Sonda pousa em Marte após sete meses de viagem e Nasa comemora; veja a 1ª imagem

Segundo a pesquisadora, a Nasa está planejando futuras missões de exploração da Lua e de Marte com base nos estudos da astronauta . Cristina fará parte das expedições 59, 60 e 61, uma das quais terá o astronauta italiano Luca Parmitano, da Agência Espacial Europeia (ESA) como protagonista.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana