conecte-se conosco


Nacional

Lula beneficiou montadoras em troca de propina para filho, afirma Palocci

Publicado


Ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil, Antonio Palocci afirmou que filho de Lula recebeu propina em depoimento
Antonio Cruz/Agência Brasil

Ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil, Antonio Palocci afirmou que filho de Lula recebeu propina em depoimento

O ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil nos governos dos ex-presidentes Luis Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT), Antonio Palocci, afirmou, em depoimento nesta quinta-feira (6), que Luís Cláudio Lula da Silva, um dos filhos de Lula, recebeu propina em função das alterações de uma Medida Provisória (MP) editada por seu pai em 2009, quando este ainda era presidente da República.

Leia também: PGR vai usar emails de Marcelo Odebrecht em inquérito contra Renan Calheiros

Segundo Palocci , um esquema foi acertado para realizar o pagamento de R$ 2,5 milhões em propina a Luís Cláudio para a realização do torneio Touchdown, de futebol americano, através de sua empresa de marketing esportivo, a LFT Marketing Esportivo.

O dinheiro teria vindo através da empresa Marcondes e Mautoni Empreendimentos, do lobista Mauro Marcondes Machado, que representava os interesses da CAOA (Hyundai) e da MMC Automotores (Mitsubishi no Brasil). Elas teriam ofertado R$ 6 milhões a Lula e ao então chefe de gabinete do governo Gilberto Carvalho para financiar campanhas políticas do PT.

Em troca, as montadoras pediram a edição de uma MP, investigada na Operação Zelotes , que foi aprovada em 2009 e tinha como finalidade prorrogar incentivos fiscais dados a montadoras instaladas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Veja Mais:  STF cancelou título de todos os eleitores sem biometria cadastrada? Entenda aqui

“Me foi relatado pelo ex-presidente Lula que ele havia tido entendimentos [para o pagamento de propina] com o seu Mauro Marcondes”, disse Palocci. O ex-ministro disse ainda que a Medida Provisória foi renovada em 2013, já pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT), ocasião na qual o esquema de propina teria se repetido.

Leia também: Nova fase da Lava Jato põe em xeque delação de ex-diretor da Petrobras

Segundo o depoimento de Palocci, ele tomou conhecimento do esquema em conversa com Lula após ter sido procurado pelo filho do ex-presidente, entre o final de 2013 e o começo de 2014. O ex-ministro afirmou que Luis Cláudio lhe pediu ajuda para conseguir recursos para fechar o orçamento do evento que organizaria em 2014. O valor pedido seria em torno de R$ 2 milhões a R$ 3 milhões. “Tenho testemunhas, registro de telefonema dele, agendas”, afirmou o ex-ministro.


Ex-ministro Antonio Palocci deu detalhes de como teria sido feita a operação para repassar propina à empresa de filho de Lula
Antonio Cruz/Agência Brasil

Ex-ministro Antonio Palocci deu detalhes de como teria sido feita a operação para repassar propina à empresa de filho de Lula

Na sequência, Palocci afirmou que foi consultar o ex-presidente Lula como fazia “sempre que alguém pedia algo em nome do ex-presidente” para saber se ele autorizava a fazer o repasse. Foi então que Lula afirmou “não precisa atender o Luís Cláudio, porque eu já resolvi esse problema com o Mauro Marcondes”.

Ainda segundo Palocci, na sequência, “eu perguntei inclusive: Mas então porque ele me procurou? Aí, o ex-presidente disse: porque ele não sabe que eu fiz isso. Mas pode esquecer porque eu já resolvi o problema”, completou.

Veja Mais:  “Se não mudar, saímos fora”, diz Bolsonaro sobre Acordo de Paris

Palocci também explicou que, depois, Lula “me contou que foi através da renovação da [MP] 471, que foi feita através de uma emenda parlamentar, na Câmara dos Deputados, que renovou os benefícios da Caoa e da Mitsubishi a partir daquele ano. E que tinha pedido para que Mauro Marcones pedisse uma contribuição [às montadoras] e essa contribuição seria transferida ao filho dele”, relatou.

A contribuição de R$ 2,5 milhões, por sua vez, teria sido repassada à empresa de Luís Cláudio Lula da Silva, através de uma consultoria “prestada” pela empresa de Mauro Marcondes. No entanto, segundo a Polícia Federal (PF), o conteúdo da consultoria foi copiado integralmente da internet.

O pagamento segue sendo investigado pela Operação Zelotes, deflagrada em 2015 pela PF, que investiga a compra de medidas provisória e também apura irregularidades em decisões do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), órgão vinculado ao Ministério da Fazenda que julga processos das empresas envolvendo questões tributárias.

Leia também: Palocci é chamado a depor ainda nesta semana em ação da Zelotes contra Lula

Com o depoimento de  Palocci , testemunha de acusação convocada pelo Ministério Público Federal (MPF) no processo em que Lula foi denunciado por corrupção passiva, a investigação ganha novo impulso. Além de Lula, também são réus no processo o então chefe de gabinete do governo Gilberto Carvalho, os empresários Carlos Alberto de Oliveira Andrade, do Grupo Caoa, e Paulo Ferraz Arantes, da MMC (Mitsubishi no Brasil).

Veja Mais:  Futuro ministro do Meio Ambiente questiona dados sobre desmatamento no país

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Polícia cumpre primeiros mandados de prisão ligados à morte de Marielle Franco

Publicado


Assassinato de Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, completa nove meses nessa sexta-feira (14)
Fernando Frazão/Agência Brasil – 10.5.18

Assassinato de Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, completa nove meses nessa sexta-feira (14)

A Polícia Civil do Rio de Janeiro cumpre nesta quinta-feira (13) os primeiros mandados de prisão e de busca e apreensão ligados às investigações sobre a morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes. O assassinato, a tiros, da parlamentar e seu motorista ocorreu na noite de 14 de março, na região central da capital fluminense.

De acordo com informações da TV Globo , agentes da Divisão de Homicídios da Polícia Civil visitaram 15 endereços em cidades do Rio de Janeiro e também em Juiz de Fora (MG) para tentar localizar suspeitos e apreender materiais que ajudem a elucidar o caso. Os alvos dos mandados são milicianos suspeitos de participação no assassinato de Marielle Franco .

O secretário de Segurança Pública do Rio, general Richard Nunes, havia confirmado no fim do mês passado que os investigadores identificaram alguns dos participantes do crime . À época, o general explicou que ninguém havia sido preso até aquele momento pois havia o temor de que, com a prisão de um dos envolvidos, outros poderiam fugir.


Mais informações em instantes

Comentários Facebook
Veja Mais:  Eleição no Amazonas terá segundo turno entre Wilson Lima e Amazonino Mendes
Continue lendo

Nacional

Polícia do DF investiga casal que segurou menino de 6 anos para sofrer agressões

Publicado


Agressão a menino de 6 anos é flagrada por câmeras de segurança de condomínio
Reprodução

Agressão a menino de 6 anos é flagrada por câmeras de segurança de condomínio

Um garoto de seis anos de idade foi agredido por um casal durante partida de futsal entre crianças na quadra de um condomínio fechado, na Octogonal, em Brasília. O caso aconteceu no último domingo (9) e as câmeras de segurança do local flagraram o momento da ação, motivada por um simples mal-entendido.

Leia também: Governo cria plano nacional para combater a violência doméstica em mulheres

As imagens da agressão mostram as crianças na quadra jogando bola, às 17h25, quando um os meninos tenta fazer um drible e cai. Pouco tempo depois, o pai da criança ferida aparece e segura os braços de outro garoto, imobilizando-o, enquanto ordena que a criança que caiu bata no rosto do colega. Logo após, uma mulher surge e empurra o garoto imobilizado, que cai no chão.

As crianças ao redor ficam afastadas, próximas à grade – e algumas delas até chegam a chorar pelo ocorrido. A tia do menino que sofreu violência, Jucinea das Mercês Nascimento, de 43 anos, explicou ao jornal Correio Braziliense os pais do menino que caiu com o drible teriam achado que seu sobrinho havia batido na outra criança, após a última voltar ao apartamento no qual os pais estavam com inchaço e sangramento na boca.

Veja Mais:  Suprema Corte derruba lei colonial que criminalizava homossexualidade na Índia

Leia também: Bolsonaro viaja de Brasília a São Paulo para passar por nova avaliação médica

De acordo com testemunhas que estavam no local, o pai teria descido até a quadra para tirar satisfação com o garoto agredido . Um boletim de ocorrência denunciando as agressões contra o garoto de seis anos foi prestado na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), que tem a posse das imagens gravadas pelas câmeras de segurança. A vítima foi encaminhada ao IML para exame de corpo delito.

O casal responderá pelo crime de lesão corporal, com pena prevista de três meses a um ano, com possibilidade de aumentar dependendo da idade da vítima. Os pais devem responder, ainda, pelo crime de ameaça e por submeterem o filho a constrangimento, crime previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Conselheiros tutelares do Distrito Federal compareceram ao local do acontecido para apurar o caso, que também está sendo observado pelo condomínio. Uma reunião no prédio será feita na sexta-feira (14), às 9h30, para debater o ocorrido. A demanda administrativa dos moradores é de que, enquanto a situação não for resolvida, os pais das crianças – que não moram no prédio – não acessem a área, para que não haja retaliação.

Leia também: Menina de oito anos que teve queimaduras após avião atingir sua casa recebe alta

Veja Mais:  PT processa Bolsonaro por ameaça após deputado falar em “fuzilar a petralhada”

Por mais que o garoto estivesse brincando no condomínio, ele não mora em Brasília , mas sim com os pais na Bahia. A vítima de agressão estava passando uma semana de férias na casa de Jucinea para comemorar o aniversário do primo, de nove anos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Candidato à presidência da Câmara defende salário maior para deputados

Publicado


Fábio Ramalho é vice-presidente da Câmara dos Deputados e candidato à presidência da Casa
Reprodução/Wikipedia

Fábio Ramalho é vice-presidente da Câmara dos Deputados e candidato à presidência da Casa

O deputado federal reeleito Fábio Ramalho (MDB-MG) defendeu aumento de 4% no salário dos parlamentares, o que elevaria os rendimentos mensais de deputados para R$ 39 mil. Ramalho é candidato à presidência da Câmara dos Deputados e atual vice de Rodrigo Maia (DEM-RJ), atual presidente da Casa. 

Leia também: Eduardo Bolsonaro diz que PSL não apoiará Rodrigo Maia à presidência da Câmara

“Nós precisamos que todos os deputados sejam reajustados como está sendo reajustado todos os outros poderes. Então, pediria ao senhor (presidente da Câmara, Rodrigo Maia) que tivéssemos uma reunião da mesa e que tratássemos do aumento que é constitucional, dentro da lei, para que todos os parlamentares tenham seu direito assegurado sobre tudo no salário”, disse Fábio Ramalho  nessa quarta-feira (12).

O deputado também ameaçou a demissão de quem fez o cálculo do orçamento para a Câmara sem levar em conta o reajuste. “O diretor-geral da Casa fez um erro sobre a questão do CNE, temos de tomar uma posição e, se for o caso, até demiti-lo”, defendeu. Maia respondeu que iria analisar a questão. 

Atualmente, o salário dos deputados é de R$ 33,7 mil, além do auxílio-moradia de R$ 3.800 e cota parlamentar que varia de R$ 30,7 mil a R$ 45,6 mil, dependendo do Estado de origem. Eles também têm direito a verba de gabinete para contratação no valor total de R$ 78 mil e auxílio mudança, que é equivalente ao salário e pode ser recebido em dobro por aqueles que forem reeleitos.

Veja Mais:  STF cancelou título de todos os eleitores sem biometria cadastrada? Entenda aqui

Leia também: Rodrigo Maia quer que governo não interfira na eleição para presidente da Câmara

O deputado anunciou sua candidatura à presidência da Casa há três semanas. Ele defende  dar prioridade a reforma da previdência no início do governo de Bolsonaro, mas defende mudanças no texto que tramita na Câmara. “Temos que aprovar uma reforma benéfica para o Brasil”, disse.

Em seu mandato, Fábio Ramalho votou a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), a favor da PEC do teto de gastos e da reforma trabalhista. Em agosto do ano passado, votou contra o processo que pedia a investigação do atual presidente Michel Temer por corrupção. 

Leia também: Pelo menos três deputados eleitos já se candidatam à Presidência da Câmara

Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana