conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Economia

Mais da metade dos brasileiros não vai gastar o 13º salário em compras de Natal

Publicado


50,7% dos brasileiros afirmaram que não vão utilizar o 13º salário nas compras de Natal
Rovena Rosa/Agência Brasil

50,7% dos brasileiros afirmaram que não vão utilizar o 13º salário nas compras de Natal

Mais da metade dos brasileiros afirmou que não vai gastar o 13º salário em compras de Natal neste ano. A pesquisa, realizada pelo Reclame Aqui, foi divulgada nesta quarta-feira (5).

Leia também: Pagamento do 13º salário vai injetar mais de R$ 200 bilhões na economia

De acordo com o levantamento, 50,7% da população revelou que não pretende usar o 13º salário nas compras de fim de ano. Os outros 49,3%, no entanto, vai reservar pelo menos uma parte do pagamento para as comemorações de Natal e Ano Novo.

Entre eles, 27% pretende utilizar uma pequena parte do benefício nas compras. Outros 14% afirmaram que vão gastar uma grande fatia do pagamento, e 6% dos respondentes disseram que vão usar todo o salário nas festividades.

Grande parte dos brasileiros que resolveram poupar o 13° neste fim de ano resolveu adiantar as comprar para tentar economizar. Ainda segundo a pesquisa do Reclame Aqui, 34% dos consumidores anteciparam as compras natalinas durante a Black Friday , que aconteceu em 23 de dezembro neste ano

Dessa parcela que entrou de cabeça no dia de liquidações, 6,9% aproveitou a data e comprou todos os presentes de Natal . Outros 26,8% disseram que compraram na Black Friday, mas ainda devem adquirir mais produtos até o final do ano. 

Veja Mais:  Centrais sindicais anunciam protestos e pressão a deputados contra reforma

De acordo com o Reclame Aqui, a maioria dos consumidores deve gastaraté R$ 500 com as compras da época: 34,1% disse que vai desembolsar até R$ 200 e 23,7% afirmou que pretende gastar entre R$ 200 e R$ 500.

Os outros 17% querem gastar entre R$ 500 e R$ 1 mil, enquanto 12,7% devem optar por presentes que custam acima de R$ 2 mil. Os presentes que têm preço entre R$ 1 mil e R$ 2 mil estão na mira de 12,5% das pessoas.

Confira a lista dos produtos preferidos na hora de presentear:

  1. Roupas e acessórios – 21%
  2. Brinquedos – 12% 
  3. Calçados – 10,1%
  4. Produtos de beleza – 8,7%
  5. Livros –  7%

27% prefere poupar ou investir o 13º salário, diz pesquisa


11% das pessoas prefere não gastar e guardar o 13º salário para despesas de começo de ano
Divulgação

11% das pessoas prefere não gastar e guardar o 13º salário para despesas de começo de ano

Um levantamento Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) feito em novembro revelou que dois (23%) em cada dez trabalhadores que recebem 13º salário devem utilizar ao menos uma parte para comprar presentes de Natal. A maioria (27%), entretanto, prefete poupar ou investir a quantia recebida.

Outros 17% dos trabalhadores dizem que vão utilizar o dinheiro extra para quitar dívidas em atraso, enquanto 16% vão gastar o recurso durante as festividades de Natal e Ano Novo e 13% vão pagar despesas essenciais da casa, como contas de água e luz.

Veja Mais:  ODS 16: o acesso à justiça e a contribuição dos litigantes

Leia também: Quando deve ser pago o 13º? Veja calendário

A pesqisa ainda afirma que 11%  vai guardar o 13º salário para cobrir tributos e impostos típicos de início de ano, como IPTU e IPVA, por exemplo.

Comentários Facebook

Economia

Nova greve dos caminhoneiros será batizada de Lorenzoni, diz líder da categoria

Publicado


Pessoa enrolada em uma bandeira do Brasil em frente a uma rua, com caminhão passando atrás
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Nova greve de caminhoneiros pode acontecer ainda este mês

Irritado com as atitudes do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, a principal liderança dos caminhoneiros, Wanderlei Novaes, conhecido como Dedeco, disse que batizará a nova greve da categoria, que está programada para o próximo dia 29 de abril, de Lorenzoni.

Dedeco se irritou com o fato do ministro ter “negociado com as pessoas erradas”. O caminhoneiro, que foi o grande representante da categoria nas paralisações do ano passado, disse que dará o nome do ministro para a greve para que o governo “não esqueça com quem deve negociar”.

O ministro,  em um áudio envidado para um outro líder de caminhoneiros , havia garantido que o governo já deu uma “trava na Petrobras” em relação à periodicidade no aumento do diesel . A mensagem foi postada em um grupo de Whatsapp de lideranças da categoria no dia 27 de março, antes do presidente  Jair Bolsonaro intervir na política de preços da estatal.

“Nós estamos trabalhando muito, já demos um trava na  Petrobras  . Qualquer modificação de preço, no mínimo entre 15 e 30 dias de variação, não pode ter menos do que isso”, afirmou Onyx , reforçando que o presidente está “focado” e que tem “várias coisas bacanas” que estão sendo trabalhadas para categoria.

“Por outro lado, nós estamos resolvendo aquela questão dos postos e vamos pra cima da fiscalização. Eu venho insistindo muito nisso, o presidente entrou nisso. Tu vai (sic) ver, que muitas coisas vão acontecer já nesta semana”, ponderou.

Veja Mais:  Receita libera consulta ao quinto lote de restituição do Imposto de Renda

O áudio foi divulgado pela revista  Veja  nesta sexta-feira (19) e também obtido pelo jornal O Globo . Um dia antes da postagem no grupo dos caminhoneiros, a estatal havia anunciado mudança da periodicidade do aumento dos combustíveis .

Na mensagem, o ministro também adianta que  Bolsonaro  iria se manifestar em redes sociais, o que ocorreu no dia seguinte. Lorenzoni reforça ainda que as demandas da categoria serão atendidas.

Leia também: Petrobras já perdeu R$ 91 milhões desde interferência de Bolsonaro no diesel

“O capitão aqui não vai jamais abrir mão de defender e proteger os caminhoneiros”, garantiu, se referindo ao presidente. Procurada, a Casa Civil informou que não irá se manifestar sobre o áudio de Onyx. Apesar do pacote de “bondades” anunciado à categoria na última semana, lideranças dos caminhoneiros garantem que a greve segue firme para o final de abril.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Entenda como funcionam as criptomoedas

Publicado

As criptomoedas existem desde 2009 quando o Bitcoin foi criado pelo pseudônimo Satoshi Nakamoto, mas ainda geram muitas dúvidas. Por ter um formato inovador, o mercado sofre com desconfianças de quem não entende como funcionam as criptomoedas.

Leia também: Como declarar bitcoin e outras criptomoedas no Imposto de Renda

Diferente das moedas tradicionais, controladas pelo Banco Central, as criptomoedas são moedas virtuais descentralizadas que não possuem uma regulamentação específica. Entender como funcionam as criptomoedas pode ser ainda mais difícil devido a grande volatilidade que sofrem – picos de valorização podem ser seguidos de desvalorização e isso pode acontecer em poucos dias.


A imagem mostra o desenho de três criptomoedas diferentes
shutterstock

O entendimento de como funcionam as criptomoedas pode aumentar a confiança nesse mercado

Porém, é importante ficar de olho nesse mercado. Grandes entidades financeiras, como FMI e Banco Mundial, estão começando a dar uma atenção maior para as criptomoedas por acreditar que elas podem ser o futuro. Isso se explica pela falta de burocracia e segurança dada pelo sistema de blockchain, onde as transações com moedas virtuais são realizadas.

Blockchain na prática

A negociação de todas as criptomoedas – Bitcoin, Ethereum, Ripple, Litecoin, etc – se dá pela internet, nas redes blockchain. As redes são um sistema transparente que contabiliza todas as transações realizadas e que garantem o anonimato uma vez que os usuários não são identificados por dados, mas sim com códigos que representam o endereço da carteira.

Veja Mais:  Roberto Campos Neto é indicado por Bolsonaro para chefiar o Banco Central

Durante a transação, os dados ficam agrupados em blocos que possuem sua identidade denominada hash. Cada bloco carrega a sua identidade somada ao do bloco anterior e ficam encadeados um ao outro. Dessa forma, para modificar qualquer informação seria necessário quebrar a criptografia do bloco em questão, do anterior e assim por diante.

Essa complexa tecnologia de dados por trás do blockchain é o que garante a segurança das transações. A diretora geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, comentou que essa rede é  um sistema de armazenamento seguro de registros e proteção a direitos de propriedade. “Poderia ajudar os mercados financeiros a funcionar com mais eficiência”, pontuou.

Os usos das criptomoedas

Com o auge do Bitcoin no ano de 2014, graças à sua valorização histórica de aproximadamente 1900%, mais pessoas passaram a saber da existência das criptomoedas. A consequência disso foi um interesse maior por esse mercado.

Atualmente, as criptomoedas costumam ser utilizadas, principalmente, para quatro fins: investidores que entendem como funcionam as criptomoedas e apostam nas rápidas valorizações e desvalorizações para comprar e vender visando rentabilidade; pessoas que precisam fazer remessas de dinheiro internacionais e não querem sofrer com a burocracia ou altas taxas dos bancos; pessoas que desejam fazer uma compra em determinado site que aceita moedas virtuais; ou aquelas que compram para acumular por acreditar que a criptomoeda valerá muito no futuro.

Veja Mais:  Preço da gasolina sofre novo reajuste de 1,68% e acumula alta de 13,38% no mês

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Reforma da Previdência: “Quem ganha menos, pagará menos”, diz Bolsonaro

Publicado


Bolsonaro
Alan Santos/PR

Jair Bolsonaro comentou em seu Twitter a reforma da Previdência e indicou ferramenta para cálculo da aposentadoria

O presidente Jair Bolsonaro publicou nesta sexta-feira (19) uma mensagem em sua conta no Twitter sobre a reforma da Previdência. Na publicação, defende que a reforma garantirá que “quem ganha menos, pagará menos e quem ganha mais, pagará mais”.

Bolsonaro ainda cita o serviço disponível na página do Ministério da Economia que faz o cálculo da aposentadoria de acordo com as regras da reforma da Previdência .

Leia também: Adiamento da votação da Previdência faz Bolsa despencar e dólar subir

Na última quarta-feira (17), o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, confirmou que o governo aceitou negociar pontos da reforma da Previdência para facilitar a aprovação do texto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados.

Leia também: Centrão propõe mudar PEC da Previdência já na CCJ para acelerar votação

“Tivemos uma primeira conversa com membros de vários partidos, que têm algumas restrições ao projeto como ele se encontra. Iniciamos um diálogo, mas não existe meio acordo. O acordo tem que ser feito por inteiro. Vamos continuar a conversar”, declarou o secretário.

Veja Mais:  Aposentados pelo INSS sempre podem continuar trabalhando? Veja casos

Originalmente, a votação da reforma da Previdência na CCJ estava prevista para o dia 17, mas foi adiada para a próxima semana .

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana