conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Saúde

Mais de 500 cidades podem ter grande incidência de Aedes aegypti em 2019

Publicado

Mosquito Aedes aegypti é o transmissor da dengue, Zika e chikungunya
Shutterstock/Divulgação

Mosquito Aedes aegypti é o transmissor da dengue, Zika e chikungunya

Pelo menos 504 municípios brasileiros registram alto índice de infestação pelo Aedes aegypti e apresentam risco de surto para doenças transmitidas pelo vetor – incluindo dengue, zika e chikungunya.

Dados divulgados nesta quarta-feira (12) pelo Ministério da Saúde revelam que, das 5.358 cidades que realizam algum tipo de monitoramento do mosquito Aedes aegypti, 1.881 estão em situação de alerta, enquanto 2.628 apresentam índices considerados satisfatórios.

O mapa da dengue, como é chamado o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo mosquito (LIRAa), mostra que, das 27 capitais em todo o país, Palmas (TO), Boa Vista (RR), Cuiabá (MT) e Rio Branco (AC) estão em risco de surto não apenas de dengue, mas também de zika e chikungunya.

Outras 12 capitais, de acordo com o estudo, registram situação de alerta: Manaus (AM), Belo Horizonte (MG), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF), São Luís (MA), Belém (PA), Vitória (ES), Salvador (BA), Porto Velho (RO), Goiânia (GO) e Campo Grande (MS).

Já Curitiba (PR), Teresina (PI), João Pessoa (PB), Florianópolis (SC), São Paulo (SP), Macapá (AP), Maceió (AL), Fortaleza (CE) e Aracaju (SE) têm índices considerados satisfatórios. Natal (RN) e Porto Alegre (RS) fizeram a coleta de dados por armadilha – metodologia utilizada quando a infestação pelo mosquito é muito baixa ou inexistente.

Veja Mais:  Brasileiros do Mais Médicos devem se apresentar nos municípios a partir de hoje

Além de identificar onde estão concentrados os focos do mosquito em cada município, o levantamento revela quais os principais tipos de criadouros por região. No Nordeste, por exemplo, o armazenamento de água no nível do solo (doméstico), como tonel, barril e tina, foi o principal tipo identificado.

No Sudeste, o maior número de depósitos encontrados foi em domicílio, caracterizados por vasos e frascos com água e pratos e garrafas retornáveis. Já nas regiões Centro-Oeste, Norte e Sul, predominou o lixo, como recipientes plásticos, garrafas PET, latas, sucatas e entulhos de construção.

Dengue, chikunguya e zika neste ano

Zika, que tem o aedes aegypti como vetor, levou a quatro óbitos em 2018

shutterstock

Zika, que tem o aedes aegypti como vetor, levou a quatro óbitos em 2018

Dados do ministério apontam que, até 3 de dezembro, foram notificados 241.664 casos de dengue em todo o país – um pequeno aumento em relação ao mesmo período de 2017 (232.372 casos). A taxa de incidência, que considera a proporção de casos por habitantes, é de 115,9 casos para cada 100 mil habitantes.

Em relação ao número de óbitos causados pela doença, a queda é de 19,3% quando comparado ao mesmo período do ano anterior, passando de 176 mortes em 2017 para 142 neste ano.

No mesmo período, foram notificados 84.294 casos de chikungunya no Brasil – uma redução de 54% em relação ao mesmo período de 2017 (184.344 casos). A taxa de incidência da doença é de 40,4 casos para cada 100 mil habitantes.

Veja Mais:  Futuroministro da Saúde defende que médicos façam avaliação periódica no Brasil

Em relação ao número de óbitos, a queda é de 81,6% quando comparado ao mesmo período do ano anterior, passando de 191 mortes em 2017 para 35 neste ano.

Os números mostram ainda que, até 3 de dezembro, foram notificados 8.024 casos de zika em todo o país – uma redução de 53% em relação ao mesmo período de 2017 (17.025 casos). A taxa de incidência é de 3,8 casos para cada 100 mil habitantes.

Este ano, foram registrados quatro óbitos causados pelo vírus Zika, uma das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

*Com Agência Brasil

Comentários Facebook

Saúde

Lente de contato dental pode causar cáries nos dentes?

Publicado

Um sorriso perfeito é uma bela maneira de deixar uma boa primeira impressão  e sentir-se bem consigo mesmo. Se seus dentes não são tão bonitos como você gostaria, você pode estar pensando em colocar a famosa lente de contato dental. Elas são uma ótima maneira de cobrir as imperfeições e a cor amarelada dos seus dentes. No entanto, você pode se perguntar se elas são boas para os dentes. Elas podem aumentar as chances de você acabar com cáries?

Leia também: A importância da língua em nossa saúde bucal, por Bruno Puglisi


Lente contato dental é uma boa solução para ter os dentes perfeitos
shutterstock/Reprodução

Lente contato dental é uma boa solução para ter os dentes perfeitos

A lente de contato dental ou facetas são simplesmente capas de porcelana coladas na frente de seus dentes. Para que as lentes pareçam naturais, será necessário remover uma fina camada de esmalte dos dentes. No entanto, esse processo não aumenta as chances de você ter carie nessa parte desgastada porque a parte de seus dentes que perdeu o esmalte será protegida pela porcelana.

Mas os dentes com as porcelanas ainda podem acumular placa e tártaro, o que significa que eles podem eventualmente desenvolver pequenas infiltrações. Por mais bem adaptadas que essas lentes forem, sempre haverá uma união entre porcelana e dente, e ai que deve existir uma atenção especial, principalmente com a escovação .

Veja Mais:  Doença que causa sensação de embriaguez faz cérebro de jovem “cair” para coluna

Se cavidades se desenvolvem nesses dentes, eles podem não de suportar suas lentes.

Leia também: Você sabe os males que o cigarro traz para sua boca? Dr. Bruno Puglisi explica

Quando você começa o tratamento, seu dentista lhe dará algumas dicas sobre como cuidar dos dentes. Doutor Bruno Puglisi recomenda algumas para você:

·         Escove pelo menos duas vezes por dia – ou depois de cada refeição, se possível.

·         Não se esqueça do fio dental. Você não quer que pequenas partículas de alimentos fiquem alojadas entre os dentes e causem danos aos lados de seus dentes brancos.

·         Use enxaguatório bucal duas vezes por dia para combater as bactérias.

·         Não consuma muitos alimentos e bebidas ácidas, como frutas cítricas, café e refrigerante.

·         Cuidado com hábitos de morder canetas e outros que podem quebrar ou soltar as lentes

·         Cuidado com alimentos muito duros ao morder um osso por exemplo

·         A manutenção e limpeza no consultório é o mais importante para que o dentista possa avaliar algum, problema ainda no início, não prejudicando a lente colocada  

As lentes não são ruins para os dentes, elas são uma solução estética fantástica, desde que você tenha todos os cuidados para que ele permaneça por muitos e muitos anos.

Leia também: Dr. Bruno Puglisi diz como a diabetes pode afetar a saúde bucal

Veja Mais:  ANS suspende venda de 26 planos de saúde de 11 operadoras; veja lista

No entanto, se você ainda não tem certeza se deseja se submeter a esse tipo de procedimento com lente de contato dental , tire todas as suas dúvidas com seu dentista antes de iniciar o tratamento.

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Mais Médicos: Militares terão maior participação na parte logística do programa

Publicado


Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos
Divulgação

Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

O Ministério da Defesa autorizou o emprego das Forças Armadas em apoio a parte logística do Programa Mais Médicos. A decisão, que foi publicada no Diário Oficial da União(DOU) desta quarta-feira(16), vale para todo o território nacional e detalha a atuação do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, estará no comando das ações envolvendo os profissionais da saúde militares no Mais Médicos , de acordo com o texto publicado no Diário Oficial.

Na portaria publicada, na seção 1, página 19, os militares atuarão para a recepção, hospedagem, transporte e distribuição dos médicos intercambistas e supervisores nos municípios de atuação em apoio ao programa. Haverá um oficial de cada Força para assumir a função de ligação entre os demais e assim trocar informações e definir ações.

De acordo com os coordenadores do programa, os militares participaram do Mais Médicos na recepção dos integrantes do programa em aeroportos e no deslocamento aéreo para capitais e centros de capacitação. O apoio logístico será feito de forma integrada com os ministérios da Saúde e da Educação e Casa Civil.

Vagas do Mais Médicos não foram preenchidas

O último balanço do programa Mais Médicos , divulgado na última sexta-feira (11)pelo Ministério da Saúde, aponta que das 8.517 vagas abertas após a saída dos médico cubanos  1.462 ainda não foram preenchidas, número representa 17,2% dos postos de trabalho.

Veja Mais:  ANS suspende venda de 26 planos de saúde de 11 operadoras; veja lista

Na quinta-feira (10), o prazo para que médicos brasileiros com registro profissional no país se apresentassem nos locais onde escolheram atuar terminou. Nesta fase dos novos editais do Mais Médicos , dos 1.707 que se inscreveram nesta etapa de seleção, 1.087 compareceram aos municípios escolhidos.

As 620 vagas que não foram ocupadas foram somadas a outras 842 que também não tinham sido preenchidas após o fim da primeira etapa, encerrada em 18 de dezembro. Agora, as mais de 1,4 mil vagas serão oferecidas a médicos que têm diploma estrangeiro — mesmo sem a revalidação do documento.

Os brasileiros formados no exterior escolhem os locais de atuação nos dias 23 e 24 de janeiro. Em seguida, se sobrarem vagas, estrangeiros formados fora do país podem escolher municípios onde trabalhar, nos dias 30 e 31 de janeiro. De acordo com o Ministério da Saúde, 10.205 médicos brasileiros ou estrangeiros formados no exterior completaram a inscrição de participação no Mais Médicos .

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Mulher que acreditava estar “possuída” tinha  uma grave doença no cérebro

Publicado


A família da americana Lorina Gutierrez acreditava que ela estava possuída, mas a mulher desenvolveu uma rara doença no cérebro
Reprodução

A família da americana Lorina Gutierrez acreditava que ela estava possuída, mas a mulher desenvolveu uma rara doença no cérebro

A norte-americana Lorena Gutierrez, de 39 anos, começou a apresentar, aparentemente sem motivos, sintomas como alucinações, convulsões e paronoia. Ao longo de dois meses, o quadro da mulher foi piorando e ela começou a ficar muito errática e violenta, o que faz parte de sua família acreditar em causas sobrenaturais. “É como se ela estivesse possuída”, disse Stephen Gutierrez marido de Lorina.

Leia também: Fake news das antigas, movimento antivacina segue com força nas redes sociais

Primeiro, médicos desconfiaram do abuso de álcool ou drogas. Depois, ela foi internada na ala psiquiátrica de um hospital com suspeita de esquizofrenia. Mas o caso da mulher “possuída”  só foi resolvido após a descoberta de um tumor no ovário.

“Uma noite, quando voltamos do pronto socorro, ela não conseguia dormir, e ficava falando coisas incompreensíveis. Depois, ela dizia: ‘Nós temos que sair daqui’”, relembra Stephen. A partir disso, o quadro da mulher só piorou. “Durante a avaliação psiquiátrica , ela tentou me dar um soco. Isso é muito fora da personalidade dela”, conta o marido.

Após ser internada na ala psiquiátrica de um hospital, a mulher não respondeu ao tratamento e seu quadro continuou a piorar: ela perdeu as habilidades de falar, andar e de se alimentar sozinha. “Quando foi visitar minha esposa, joguei um pouco de água benta nela”, diz Stephen, que tem três filhos com Lorina.

Veja Mais:  Futuroministro da Saúde defende que médicos façam avaliação periódica no Brasil

A mulher foi, então, transferida para o Hospital Presbiteriano Kaseman, na cidade de Albuquerque, onde ela finalmente foi diagnosticada com  encefalite do receptor de NMDA, uma doença cerebral autoimune causada por anticorpos que interrompem canais de ligação no cérebro.

Leia também: Juíza nega a cubano escolha de cidade prioritária em edital dos Mais Médicos

A mulher acabou desenvolvendo a condição por conta de um tumor nos ovários. O cisto, de 15 por 15 cm, foi retirado e a mulher passou por um forte tratamento com esteróides e plasmaférese  para tentar “limpar” o organismo dos anticorpos que estavam atacando seu cérebro. 

“Eu não me lembro de quase nada desses três meses”, conta Lorina. “Mas foi uma experência muito traumática. Eu era uma mulher de 39 anos que não conseguia falar e estava utilizando fraldas”, relembra a mulher. “Eu posso sofrer um relapso a qualquer momento, pois essa doença não tem cura, é apenas tratável”, explica. Após o tratamento, a mulher ” possuída ” recebeu alta e foi liberada para ficar a família.

Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana