conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Esportes

Maradona aconselha Messi a se aposentar da Argentina: “A culpa é sempre dele”

Publicado


Para Maradona, Messi deveria se aposentar da seleção argentina
FIFA/ Divulgação
Para Maradona, Messi deveria se aposentar da seleção argentina

Depois do fracasso na Copa do Mundo com a seleção argentina, o atacante Lionel Messi
decidiu que não jogaria mais pela equipe nacional no restante do ano de 2018. Mas para Diego Maradona, esse afastamento do camisa 10 teria que ser definitivo.

Leia também: Ex-auxiliar de Maradona diz que Messi fica deprimido jogando pela seleção

Em entrevista concedida ao diário “Clarín”, Maradona
 aconselhou Messi a se aposentar de vez da Argentina. E ele explicou os motivos para isso.

“Se Messi deve sair da seleção? Sim, porque se a seleção sub-15 perde, a culpa é de Messi. Se o calendário coloca o Racing contra o Boca, quem tem a culpa é o Messi. A culpa é sempre dele. Eu dira a Messi para não voltar à seleção argentina
. É uma loucura”, disse o ex-jogador.

Leia também: Moradores de condomínio proíbem mudança de Maradona no México

“Eu gostaria que ele tivesse mandado todos nós à m****. Porque ele não é culpado por não ser campeão mundial. Ok, nós tínhamos todas as esperanças nele, mas quando você vai para a pista de corrida, você tem a esperança de que seu cavalo vença, e ele fica em oitavo lugar. Na Fórmula 1, Vettel tem um ótimo motor, mas quem e vence é o Hamilton”, continuou.

Veja Mais:  Ninho do Urubu sem alvará: Flamengo já havia recebido quase 30 multas

Maradona atualmente trabalha como treinador do Dorados, do México
Divulgação/Fifa
Maradona atualmente trabalha como treinador do Dorados, do México

Atualmente trabalhando como treinador do Dorados, clube da segunda divisão do México, “El Pibe” disse que não fica mais empolgado com a seleção do seu país.

“Hoje, a seleção não desperta em mim absolutamente nada. Nós perdemos isso. A paixão. Não podemos jogar com a Nicarágua, não podemos jogar com Malta. Não mesmo. Estamos jogando todo o prestígio que ganhamos na privada”, disse Diego Maradona.

Leia também: Em entrevista, Ronaldinho Gaúcho coloca Messi como o ‘melhor da história’

Independente da torcida ou não de Maradona
, a seleção argentina já tem dois amistosos agendados para esse mês de outubro: enfrenta o Iraque no dia 12, em Riad, na Arábia Saudita; e depois encara o Brasil do técnico Tite no dia 16, na cidade de Jidá.

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Coluna – A desordem das organizadas

Publicado

source

São muitas as versões para a origem das “torcidas organizadas” no Brasil. A primeira delas teria sido feminina, com as mulheres dos jogadores do Atlético Mineiro indo para os estádios com bandeirinhas para apoiarem os maridos. Isso em 1929. Dez anos depois, grupos de torcedores do São Paulo se reuniam para irem juntos aos estádios, prática que se estendeu a grupos do Internacional e do Fluminense.

Em 1942 surge a Charanga Rubro-Negra fundada por Jayme de Carvalho. Unia os torcedores e ainda organizava a festa, com os instrumentos musicais. O termo “organizada” aparece pela primeira vez em 1944, quando é fundada a Torcida Organizada do Vasco (TOV).

Os tempos são outros, assim como as “organizadas”. Muitas delas, inclusive, são até proibidas de irem aos estádios por conta da violência. E apesar de parecer que elas são maioria nos jogos, as pesquisas apontam que, muito pelo contrário, esses grupos formam uma parcela bem reduzida dentro do que chamamos de torcida.

O sociólogo Mauricio Murad é um especialista em estudar torcidas de futebol no Brasil. E os dados são dele. Atualmente, as torcidas organizadas totalizam em seus quadros cerca de 2,5 milhões de torcedores – se considerarmos que só Flamengo e Corinthians, juntos, têm 60 milhões de torcedores, vemos que o número realmente é pequeno. Nessas organizadas, 85% são homens e das cerca de 700 torcidas no país, 130 respondem pela maioria dos episódios de confronto.

Veja Mais:  Brasil vai com seus melhores atletas para São Silvestre; veja mais informações

E por que fazem tanto barulho então? Porque faltam prevenção e repressão, em especial nos jogos onde há rivalidade estadual. Basta ver os últimos episódios no Brasileirão – três brigas em Botafogo x Flamengo, Cruzeiro x Atlético-MG e Fortaleza x Ceará. Gerados pelo histórico, pelo momento dos clubes no campeonato e, acreditem, por provocações feitas antes dos jogos por dirigentes e profissionais do futebol. A mesma pesquisa diz que essa atitude acirra os ânimos – foi o que disseram 72% dos chefes dessas organizadas.

A única “boa” notícia do ano, se é que podemos falar assim, é que dos 151 episódios de violência grave registrados nas primeiras 32 rodadas do Brasileirão – isso mesmo, cinco por rodada, muitos nem noticiados pela imprensa – tivemos um caso de morte de torcedor – em 2013 foram 30.

É difícil o combate, mas é possível. Inteligência no acompanhamento das redes sociais, policiamento preventivo em locais reconhecidamente usados para a marcação de confrontos, repressão ao comércio ambulante e à venda de bebidas perto dos estádios, cadastro das torcidas e identificação no acesso aos estádios, de forma a impedir que os já punidos pela justiça possam voltar aos jogos. É caro, mas é mais barato que a repressão e os custos dos danos causados pela violência.

Edição: Verônica Dalcanal

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Vasco aposta em personalidade e intensidade para superar Flamengo

Publicado

source

O Vasco ainda não venceu o Flamengo em 2019. Foram cinco jogos, com dois empates e três vitórias rubro-negras. Mas o zagueiro colombiano Oswaldo Henriquez afirmou em entrevista coletiva realizada nesta terça (12) que chegou a hora de o time de São Januário virar esta história e vencer um campeonato à parte, o Clássico dos Milhões: “É um bonito desafio e o Vasco, por ser o maior rival, tem a expectativa de surpreender nesta partida. Seria uma vitória muito especial e, dentro de nosso planejamento, é um jogo que poderia representar um título. E vamos encarar assim”.

Na entrevista o zagueiro Henriquez também falou sobre Vanderlei Luxemburgo (técnico que acaba de completar seis meses à frente do comando da equipe carioca): “É um dos maiores nomes do Brasil e tem toda a inteligência para reestruturar o futebol do Vasco. É uma questão para a diretoria, mas acho que o trabalho dele tem sido muito bom”. 

Para a partida desta quarta o Vasco tem problemas na zaga. Leandro Castán está suspenso e o substituto Ricardo Graça corre contra o tempo para se recuperar de uma pancada na coxa esquerda, recebida na vitória de 3 a 0 sobre o CSA no último domingo em Maceió.

“O conjunto é o mesmo. Sempre tem mudança na zaga, no meio e no ataque, mas sempre tentamos melhorar o sistema defensivo como um todo. Independente de quem esteja na posição, sempre temos coisas para corrigir”, afirma o defensor.

Veja Mais:  “É bonito ver o Santos jogar, mas já saiu de 3 competições”, diz Felipe Melo

Quem volta a estar à disposição de Luxemburgo é Marrony. O atacante cumpriu suspensão automática e pode começar o clássico entre os titulares ao lado de Rossi e Ribamar, ou de apenas um deles caso Luxemburgo opte pelo 4-4-2. Porém, mais do que tática, Henriquez prega personalidade e futebol para superar o arquirrival: “Requer intensidade, mas também personalidade, vamos colocar a bola no chão e jogar de igual pra igual”.

Você acompanha Flamengo e Vasco na Rádio Nacional (1130 AM), na próxima quarta (13) a partir da 21h, direto do estádio do Maracanã.

Edição: Fábio Lisboa

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Botafogo vence ansiedade e busca distância da zona do rebaixamento

Publicado

source

Após quatro derrotas consecutivas o Botafogo venceu a ansiedade e reencontrou a vitória diante do Avaí na última segunda (11).  O resultado tirou o clube da zona do rebaixamento, alcançando a 14ª posição com 36 pontos

O técnico Alberto Valentim admitiu que sua equipe não apresentou um bom futebol, mas valorizou o triunfo: “Infelizmente não formos brilhantes, mas era importantíssimo somar 3 pontos”.

Ouça na Rádio Nacional

Após a vitória no Estádio Nilton Santos, com a presença de cerca de 19 mil torcedores, o Botafogo vai a Curitiba no próximo domingo para encarar o Athletico-PR. E para o treinador, somar pontos é fundamental: “Temos que vencer os jogos que, às vezes, muitos não esperam. O Athletico é um time muito difícil de enfrentar na Arena da Baixada, mas precisamos dar uma boa resposta para nos afastarmos ainda mais daquele time [Fluminense] que hoje cairia”.

Edição: Fábio Lisboa

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Veja Mais:  Avião que transportava Emiliano Sala é encontrado no Canalda Mancha
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana