conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Economia

Mineradora de Eike Batista, MMX tem falência decretada e vai recorrer

Publicado

Mineração da MMX arrow-options
Divulgação

MMX entrou em recuperação judicial há cerca de cinco anos e agora teve a falência decretada

A MMX, mineradora do empresário Eike Batista , que cumpre pena em prisão domiciliar, informou nesta quinta-feira (22) que vai recorrer da decisão da decisão da 4ª Vara Empresarial  da Comarca do Rio de Janeiro que decretou a falência da MMX Mineração e Metálicos S.A. e de sua subsidiária MMX Corumbá Mineração S.A., na quarta-feira (21).

Eike Batista deixa a prisão no Rio após obter habeas corpus

Segundo a nota divulgada pela MMX, a decisão da Justiça fluminense ainda “não é definitiva”, afirma. A empresa ainda declarou que ainda não foi formalmente informada da Decisão.

Ela alega ter sido surpreendida pela decisão da Justiça uma vez que na Assembleia Geral de Credores realizada em julho deste ano, o Plano de Recuperação Judicial apresentado foi aprovado. O pedido de recuperação judicial da MMX foi feito há cerca de cinco anos.

Eike Batista é multado em R$ 536 milhões por usar informações privilegiadas

Na sentença, porém, o juiz Paulo Assed Estefan salienta que o Plano foi reprovado pelos credores da classe III, que representam 99% do total da dívida.  Para o magistrado, houve “abusividade” na proposta da empresa apresentada na assembleia. Nela, os descontos nas dívidas da empresa chegavam a 97%.

Veja Mais:  “Mourão acabou de voltar da China. Lá também tem desemprego”, diz Bolsonaro

Os credores terão 15 dias de prazo, após a publicação do edital para apresentar seus créditos à Justiça.  Atualmente, a empresa conta com um administrador judicial, o escritório Marcello Macedo Advogados, que foi mantido pelo juiz na última decisão.

Comentários Facebook

Economia

Ambev registra lucro de mais de R$ 12 bilhões em 2019, alta de 7%

Publicado


source
No ano, o volume de cerveja vendido no Brasil cresceu 3,2%, alcançando 80,3 milhões de hectolitros arrow-options
Cristiano Sant’Anna/indicefoto.com

No ano, o volume de cerveja vendido no Brasil cresceu 3,2%, alcançando 80,3 milhões de hectolitros

A Ambev , maior fabricante de cerveja e refrigerantes da América Latina, registrou lucro líquido de R$ 12,188 bilhões em 2019. Número representa uma alta de 7,4% frente aos R$ 11,347 bilhões registrados em 2018.

Procon notifica Heineken sobre garrafas que podem soltar lascas de vidro

O lucro líquido ajustado, que exclui eventos extraordinários do resultado, foi de R$ 12,549 bilhões no ano passo, alta de 8,5% ante 2018.

No 4º trimestre de 2019, o lucro líquido foi de R$ 4,219 bilhões, o que representa um crescimento de 21,8% contra o mesmo período do ano passado. Já o lucro líquido ajustado somou R$ 4,635 bilhões, alta de 24,4%.

Vendas do Tesouro Direto caem 27,6% em janeiro

A receita líquida consolidada da companhia cresceu 7,9% em 2019, somando R$ 52,6 bilhões, enquanto o volume de vendas registrou alta de 2,7%.

Operação no Brasil

A receita líquida da operação brasileira cresceu 7,1% no ano e somou R$ 28,7 bilhões. O volume de cerveja vendido no Brasil cresceu 3,2%, alcançando 80,3 milhões de hectolitros, enquanto que a receita aumentou 5,6%. Já as vendas de bebidas não alcoólicas aumentaram 11,3% no volume e 16,1% em faturamento.

“No ano, as marcas premium do portfólio (Stella Artois, Budweiser, Corona e Becks) cresceram dois dígitos, desempenho que faz da Ambev a líder absoluta do segmento no país”, destacou a empresa.

Veja Mais:  INSS: Bolsonaro afirma que país se acostumou com a fraude

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Vendas do Tesouro Direto caem 27,6% em janeiro

Publicado


source
No ano passado, e no começo de 2020, o Banco Central promoveu uma série de cortes na Selic, a taxa básica de juros da economia, que em fevereiro chegou à mínima histórica de 4,25% ao ano arrow-options
Pixabay/Reprodução

No ano passado, e no começo de 2020, o Banco Central promoveu uma série de cortes na Selic, a taxa básica de juros da economia, que em fevereiro chegou à mínima histórica de 4,25% ao ano

A venda de títulos públicos a pessoas físicas somou R$ 2,047 bilhões em janeiro, informou hoje (26) o Tesouro Nacional. O valor vendido por meio do programa Tesouro Direto representa queda de 27,6% em relação a janeiro do ano passado, quando haviam sido vendidos R$ 2,829 bilhões, o maior valor para o mês.

Mega-Sena sorteia nesta quinta R$ 200 milhões, o 3º maior prêmio da história

O número de investidores ativos somou 1.211.123. Apenas no mês passado, 9.942 participantes passaram a investir em títulos públicos. O número de investidores cadastrados – ativos e não ativos – totalizou 5.945.793 pessoas.

No mês passado, os títulos mais vendidos foram vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia). Esses papéis concentraram 55,7% das vendas em janeiro. Em segundo lugar, vieram os papéis corrigidos pela inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que responderam por 29,9% das vendas.

Em terceiro, ficaram os títulos prefixados (com juros definidos antecipadamente), que responderam por 14,4% das vendas. Os investimentos de menor valor continuaram a liderar a preferência dos aplicadores. As vendas abaixo de R$ 1 mil concentraram 67,7% do volume aplicado no mês.

Veja Mais:  Parceria entre Instituto Êxito e prefeitura vai beneficiar mais de 20 mil alunos

Dólar fecha o dia perto de R$ 4,45, e bolsa cai 7% com coronavírus

Com o resultado de janeiro, o estoque de títulos públicos aplicados no Tesouro Direto teve leve queda de 0,59% em relação a dezembro, alcançando R$ 59,295 bilhões. Isso ocorreu porque, no mês passado, o Tesouro resgatou R$ 3,005 bilhões. A variação do estoque representa a diferença entre as vendas e os resgates, mais o reconhecimento dos juros que incidem sobre os títulos.

O Tesouro Direto foi criado em janeiro de 2002 para popularizar esse tipo de aplicação e permitir que pessoas físicas possam adquirir títulos públicos diretamente do Tesouro, via internet, sem intermediação de agentes financeiros. O aplicador só tem de pagar uma taxa à corretora responsável pela custódia dos títulos. Mais informações podem ser obtidas no site do Tesouro Direto .

A venda de títulos é uma das formas que o governo tem de captar recursos para pagar dívidas e honrar compromissos. Em troca, o Tesouro Nacional se compromete a devolver o valor com um adicional que pode variar de acordo com a Selic, índices de inflação, câmbio ou uma taxa definida antecipadamente no caso dos papéis prefixados.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Mega-Sena sorteia nesta quinta R$ 200 milhões, o 3º maior prêmio da história

Publicado


source
mega-sena arrow-options
Agência Brasil

Mega-Sena sorteia nesta quinta o 3º maior prêmio regular da história, de R$ 200 milhões

A Mega-Sena sorteia nesta quinta-feira (27) um prêmio de R$ 200 milhões, o terceiro maior da história dos concursos regulares. As seis dezenas do concurso 2.237 serão sorteadas, a partir das 20h (horário de Brasília), no Espaço Loterias Caixa, localizado no Terminal Rodoviário do Tietê, na cidade de São Paulo.

Leia também: Já imaginou ganhar a Mega-Sena? Veja como prêmios são pagos com segurança

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília), em qualquer casa lotérica credenciada pela Caixa em todo o país. O bilhete simples da  Mega-Sena , com seis dezenas, custa R$ 4,50.

Ninguém acertou as seis dezenas do concurso 2.236 da Mega-Sena, cujos números sorteados na última quarta-feira (19), foram: 07 – 20 – 38 – 43 – 45 – 53 , então o prêmio, à época estimado em R$ 190 milhões, acumulou.

Em 2020, ninguém conseguiu acertar todos os números em um concurso, então já são 17 sorteios sem vencedor do prêmio máximo. Com isso, a acumulação faz com que o prêmio desta quinta seja estimada em um valor expressivo, de R$ 200 milhões, a terceira maior prêmiação regular – isto é, que exclui a Mega da Virada – de toda a história da maior loteria do Brasil.

Veja Mais:  Nespresso lança máquina que permite criar a própria arte no café

Como funciona

O concurso é realizado pela  Caixa Econômica Federal  e pode pagar milhões ao sortudo que acertar as seis dezenas. Os sorteios ocorrem ao menos duas vezes por semana – normalmente, às quartas-feiras e aos sábados. O apostador também pode ganhar prêmios com valor mais baixo caso acerte quatro ou cinco números, as chamadas Quadra e Quina, respectivamente.

Na hora de jogar, o apostador pode escolher os números ou tentar a sorte com a Surpresinha – nesse modelo, o sistema escolhe automaticamente as dezenas que serão jogadas. Outra opção é manter a mesma aposta por dois, quatro ou até oito sorteios consecutivos, a chamada Teimosinha.

Premiação

Os prêmios iniciais costumam ser de aproximadamente R$ 3 milhões para quem acerta as seis dezenas. O valor vai acumulando a cada concurso sem vencedor. Também é possível ganhar prêmios ao acertar quatro ou cinco números dentre os 60 disponíveis no volante de apostas. Para isso, é preciso marcar de seis a 15 números do volante.

Leia também: Dinheiro da aposta não serve só para premiar: quem ganha com recurso da loteria?

O prêmio bruto da Mega-Sena corresponde a 43,35% da arrecadação. Deste valor:

  • 35% são distribuídos entre os acertadores dos seis números sorteados;
  • 19% entre os acertadores de cinco números (Quina);
  • 19% entre os acertadores de quatro números (Quadra);
  • 22% ficam acumulados e distribuídos aos acertadores dos seis números nos concursos de final zero ou cinco; e
  • 5% ficam acumulado para a primeira faixa (Sena) do último concurso do ano de final zero ou cinco.
Veja Mais:  Bolsonaro diz que hoje Brasil é um país favorável a se investir e gerar empregos

Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana