conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Portal Agro

Ministério divulga resultados de mais 11 lotes de cervejas Backer contaminadas

Publicado


O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) identificou a presença do contaminante dietilenoglicol em mais 11 lotes de cervejas Backer. Agora são dez produtos da Cervejaria Backer contendo as substâncias tóxicas. São eles: Belorizontina, Capixaba, Capitão Senra, Pele Vermelha, Fargo 46, Backer Pilsen, Brown, Backer D2, Corleone e Backer Trigo. Até o momento, as análises realizadas pelos Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária constataram 32 lotes contaminados.

Diante do risco iminente à saúde pública, o Mapa definiu em reunião com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a interdição das marcas de cerveja Backer com data de validade igual ou posterior a agosto de 2020. E acertou com a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacom) do Ministério da Justiça e Segurança Pública a realização dos procedimentos de intimação da empresa para recall dos produtos em que já foi constatada a contaminação, bem como dos produtos que ainda não tiveram a idoneidade e segurança para o consumo comprovadas para o consumidor. A medida é preventiva e vale para todo o Brasil.

O Ministério segue atuando nas apurações administrativas para identificar as circunstâncias em que os fatos ocorreram e tomando as medidas necessárias para mitigar o risco apresentado pelas cervejas contaminadas. Ressaltamos que a empresa permanecerá fechada até que existam condições seguras de operação. Reafirmamos que os produtos somente serão liberados para comercialização mediante análise e aprovação do Mapa.

Veja Mais:  Presidente da Aprosoja-MT fala sobre moratória da soja com Bolsonaro

 

 

Comentários Facebook

Portal Agro

Aprosoja promove evento sobre fungicidas biológicos no combate da ferrugem asiática

Publicado


Defesa Agrícola

Aprosoja promove evento sobre fungicidas biológicos no combate da ferrugem asiática

vento será realizado na próxima quarta-feira (26.02)

22/02/2020

O uso de fungicidas biológicos e com multissítios (não químicos) para o combate da ferrugem asiática na produção de grãos no Brasil, será tema de encontro promovido pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT). O evento será realizado na próxima quarta-feira (26.02), às 13h, na sede da entidade e contará com a presença de produtores rurais, especialistas no assunto e órgãos de controle estaduais e federais. 
 
Pesquisa sobre o uso desses insumos não químicos foi realizada no ano passado pela Fundação Rio Verde e Instituto Agris e será apresentada durante o encontro. O estudo mostra análise comparativa entre os plantios de dezembro e fevereiro, a viabilidade do cultivo em fevereiro e, principalmente, a significativa redução da aplicação de fungicidas químicos no plantio realizado nesse período. E apresenta também, dados sobre melhor eficiência no controle de ferrugem asiática com uso de fungicidas biológicos, proporcionando ainda mais sustentabilidade na produção.
 
Além dos técnicos da Aprosoja Mato Grosso e produtores que plantaram soja em fevereiro, estarão presentes outros três especialistas no tema, o professor doutor Erlei Melo Reis, Rogério Viana e Cassiano Seraguci. Também foram convidados para o encontro o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPMT), Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Casa Civil, Secretaria de Estado de Desenvolvimento (Sedec), e Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema). 
 
“Nossa intensão é mostrar para todos os órgãos de controle, bem como para a sociedade que a Aprosoja se preocupa com a sustentabilidade dentro das propriedades, que estamos preocupados e queremos a diminuição de insumos químicos na nossa produção, e que é possível produzir e ao mesmo tempo defender nossa produção com uso de biológicos. É importante que todos participem e conheçam os estudos que propõe essas mudanças”, explicou o produtor rural e presidente da Aprosoja, Antonio Galvan.
Fonte: APROSOJA

Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Estados Unidos reabrem mercado para carne in natura do Brasil

Publicado


O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) e o Serviço de Inspeção e Inocuidade Alimentar (FSIS) informaram nesta sexta-feira (21) ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a abertura de mercado para carne bovina in natura do Brasil para os Estados Unidos a partir de hoje.

“Hoje recebemos com muita satisfação uma notícia esperada há muito tempo: a reabertura do mercado de carne bovina in natura do Brasil para os Estados Unidos. Uma notícia que esperávamos com ansiedade há algum tempo e que hoje eu tive a felicidade de receber. É uma ótima notícia, porque isso traz o reconhecimento da qualidade da carne brasileira por um mercado tão importante como o americano”, disse a ministra Tereza Cristina. 

O Brasil poderá começar a enviar produtos de carne bovina in natura derivados de animais abatidos a partir de hoje. No comunicado encaminhado ao Mapa, o FSIS disse que o Brasil corrigiu os problemas sistêmicos que levaram à suspensão e está restabelecendo a elegibilidade das exportações de carne bovina in natura para os Estados Unidos a partir de hoje. Além disso, o FSIS encerrará os casos pendentes de violação de pontos de entrada associado à suspensão de 2017.

Antes da primeira remessa, o Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Mapa (Dipoa) deve enviar uma lista atualizada de estabelecimentos elegíveis certificados. 

As compras de cortes bovinos do Brasil foram suspensas pelos Estados Unidos em 2017, devido às reações (abcessos) provocadas no rebanho, pela vacina contra a febre aftosa.

Desde o início do ano passado, a ministra tem feito diversas reuniões com o secretário de Agricultura dos Estados Unidos, Sonny Perdue, para tratar do assunto. Em junho de 2019, uma missão veterinária dos Estados Unidos esteve no Brasil para inspecionar frigoríficos de bovinos e suínos. A missão retornou em janeiro deste ano. 

Veja Mais:  Valor Bruto da Produção Agropecuária de 2019 sobe para R$ 606,2 bilhões

Informações à Imprensa
imprensa@agricultura.gov.br

Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Rio Grande do Sul poderá antecipar a vacinação contra febre aftosa

Publicado


O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) autorizou o Rio Grande do Sul a antecipar a vacinação contra a febre aftosa de maio para março. A decisão do Ministério foi tomada nesta sexta-feira (21), atendendo a uma solicitação encaminhada pela Secretaria da Agricultura do Estado na última segunda-feira (17). Com isso, a campanha de vacinação será feita de 16 de março até 14 de abril de 2020. 

Essa ação visa manter a possibilidade de o estado, caso cumpra todos os requisitos e ações previstas do Plano Estratégico 2017-2026 do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), pleitear o reconhecimento de zona livre de febre aftosa sem vacinação perante à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em maio de 2021. 

Atualmente, o RS tem aproximadamente 13 milhões de bovinos e teve o último registro da doença em 2001. 

Mais informações relacionadas ao Plano Estratégico do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa podem ser visualizadas no portal do PNEFA. As informações sobre o calendário de vacinação nos estados e no Distrito Federal podem ser visualizadas aqui 

Informações à Imprensa
Janete Lima
imprensa@agricultura.gov.br

Comentários Facebook
Veja Mais:  Valor Bruto da Produção Agropecuária de 2019 sobe para R$ 606,2 bilhões
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana