conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Economia

Ministério Público vai investigar morte de cachorro em Carrefour de Osasco

Publicado


No último dia 28 de novembro, um texto publicado no Facebook relatou que um funcionário de uma unidade da rede Carrefour teria envenenado e espancado um cachorro
Reprodução/Twitter

No último dia 28 de novembro, um texto publicado no Facebook relatou que um funcionário de uma unidade da rede Carrefour teria envenenado e espancado um cachorro

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) instaurou, nesta quarta-feira (5), um inquérito civil para investigar a ocorrência e os responáveis pelos maus tratos que levaram à morte de um cachorro numa loja da rede Carrefour em Osasco (SP). A iniciativa, segundo o MP, foi motivada pela ampla divulgação do caso, tanto pelos veículos de comunicação quanto por usuários nas redes sociais.

Leia também: Imagens flagram momento em que segurança do Carrefour agride cachorro

O promotor Marco Antônio de Souza, responsável pelo inquérito contra o Carrefour , disse ter levado em conta que, de acordo com a Constituição, é dever do Estado proteger todos os animais. Além disso, Souza destacou que pessoas físicas ou jurídicas que adotam condutas nocivas ao meio ambiente devem sofrer sanções penais e/ou administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados.

Relembre o caso



Reprodução/Facebook

“O cachorro foi morto a pauladas só porque pessoas importantes do Carrefour visitariam a loja. Não queriam o cachorro abandonado rodando por lá”, denunciou Isabela Marcelino no Facebook

No último dia 28 de novembro, um texto publicado no Facebook relatou que um funcionário da rede de hipermercados teria envenenado e espancado um cachorro. Segundo Isabela Marcelino, autora da postagem, o animal estava pelos arredores da loja há cerca de uma semana, e foi espancado por um dos seguranças do local a pedido de um superior. O vira-lata chegou a ser socorrido pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), mas não resistiu. 

Veja Mais:  “Oi, sou uma soja”: Animação chinesa tem como alvo agricultores dos EUA

“O cachorro foi quase morto a pauladas […] só porque pessoas importantes e diretores da matriz da empresa visitariam a loja. Para fazer ‘bonito’, não queriam o cachorro abandonado rodando por lá. Mandaram eliminar o animal como se não fosse nada e da pior forma possível!”, escreveu Isabela. O texto, até o momento da publicação desta matéria, já reunia mais de 26 mil compartilhamentos.

Leia também: Morte de cachorro em unidade do Carrefour gera onda de protestos

Ainda no dia 28, segundo a prefeitura de Osasco, o Departamento de Fauna e Bem-Estar Animal foi acionado para prestar socorro a um cachorro “ferido e sangrando”, possível vítima de atropelamento. Somente no sábado (1) o departamento recebeu a denúncia de que se tratava de um caso de maus tratos. 

Posicionamento do Carrefour

Leia também: Carrefour onde cão foi morto já teve suspeita de espancamento e racismo

Em nota oficial compartilhada em suas redes sociais, o Carrefour  afirmou que “reconhece que um grave problema ocorreu” na loja de Osasco e que “não vai se eximir de sua responsabilidade”. A rede de hipermercados também se disse triste com o ocorrido e que o funcionário foi afastado desde o início das investigações.

Comentários Facebook

Economia

Caixa vai avaliar capacidade de pagar contas para conceder Minha Casa Minha Vida

Publicado


Pedro Guimarães, presidente da Caixa
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Pedro Guimarães, presidente da Caixa, anunciou novas regras para concessão do Minha Casa Minha Vida

Após deficit de R$ 2,8 bilhões com a inadimplência no programa Minha Casa Minha Vida no último trimestre de 2018, a Caixa Econômica Federal passará a avaliar a capacidade de pagamento das contas de luz e água para conceder o benefício a quem requisitá-lo. A informação foi dada pelo próprio presidente do banco público, Pedro Guimarães, em entrevista à  Folha de S.Paulo .

Leia também: Sigilo prova que Previdência “não é justa e nem necessária”, diz Manuela D’àvila

Segundo o líder da estatal, 70 mil imóveis foram devolvidos e 80 mil obras, suspensas por conta da inadimplência. Para ele, a justificativa para isso é, justamente, não avaliar corretamente os riscos antes de conceder o benefício. Os gastos dos moradores com condomínio e outras contas relacionadas ao imóvel, como água e luz, não eram levados em consideração no Minha Casa Minha Vida .

“As pessoas que tomaram esse empréstimo tinham condição de pagar? Isso não estava colocado corretamente no risco de crédito”, justificou Pedro Guimarães . A intenção é levar beneficiários enquadrados como bons pagadores para faixas de operação mais atrativas para a Caixa.

Alinhado neste início de governo ao ministro da Economia, Paulo Guedes, Guimarães já disse estar preparando uma agressiva venda de ativos do banco público. Além disso, ele diz defender o papel da Caixa como financiadora de investimentos públicos e políticas de governo. “Somos um banco social e temos de ganhar dinheiro com isso”, afirmou.

Veja Mais:  Malásia abre mercado e vai receber exportações de gado do Brasil

Desde que assumiu, Guimarães conseguiu criar o cartão de crédito consignado , modelo que pretende expandir pelo País. Segundo ele, a meta é atingir 20 milhões de cartões em quatro anos. Atingir menos de metade desse valor (10 milhões) seria “um fracasso”, ele reforçou, dando indício da importância do projeto.

Minha Casa Minha Vida vai encolher? O que muda?


apartamentos do programa Minha Casa Minha Vida
Fernando Frazão/Agência Brasil

Corte de gastos do governo federal afeta diretamente o programa Minha Casa Minha Vida

De acordo com o presidente do banco público, “quem decide se vai ter dinheiro é o Ministério da Economia” e a ideia é tornar mais rígida a liberação do benefício, evitando a inadimplência . “Essas pessoas, muitas vezes, vinham de comunidades, não estavam acostumadas a pagar condomínio, água, luz, energia, esgoto, sem falar no transporte. Quando foram para esses imóveis, passaram a pagar. Isso [falta de condição para pagar todas as despesas com o imóvel] explica 70 mil imóveis devolvidos. O Minha Casa deveria incluir esses gastos extras no cálculo do risco”, afirmou.

“Não posso emprestar sabendo que não vou receber. A ideia é levar o bom pagador da faixa 1,5 para a 2 [que é mais elevada]”. Os imóveis têm valores parecidos, mas, para a Caixa, a parcela do financiamento sobe. “Só vamos retomar imóveis [por conta da inadimplência] depois de seis meses. Antes, com 59 dias, o banco já tomava, e esse custo é alto”, disse Guimarães.

Veja Mais:  Seis em cada dez trabalhadores atuam no mercado informal pelo mundo, diz OIT

Leia também: Caixa tem lucro recorde de R$ 12,7 bilhões em 2018, 40% maior do que o de 2017

“Quando há contingenciamento [de recursos], a gente não consegue emprestar. Essa regra vale para as faixas 1,5, 2 e 3. Em novembro, [o governo] já não estava pagando ao Minha Casa Minha Vida “, afirmou o presidente, ao citar o corte de gastos do governo federal.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Vendas de Páscoa sobem 1,29% neste ano

Publicado


Ovos de Páscoa no supermercado
Agência Brasil/Marcelo Camargo

Em 2019, vendas de Páscoa registraram alta de 1,29% ; no ano passado, houve recuo


Depois de um ano de recessão, as vendas de Páscoa resgistraram leve crescimento em 2019. De acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (22) pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), o volume de vendas subiu 1,29% neste ano.

Leia também: Preparado para a Páscoa? Chocolates estão 5,7% mais caros neste ano

Segundo as instituições, mesmo com o crescimento, o número indica que a recuperação da economia ainda segue “em ritmo moderado”. Para calular as vendas durante a Páscoa , a CNDL e o SPC Brasil consideraram a semana imediatamente anterior à data, ou seja, de domingo (14) até sábado (20)

Em 2018, as vendas haviam recuado -0,34%, após aprensentar um crescimento de 3,34% em 2017. Já entre os anos de 2015 e 2016, as vendas no período acumularam queda de -2,24% e -13,34%, respectivamente.

Confira o resultado das vendas de Páscoa durante os últimos anos:

  • 2011: -22,71%
  • 2012: +11,81%
  • 2013: -8,17%
  • 2014: +12,96%
  • 2015: -2,24%
  • 2016: -13,34%
  • 2017: +3,34%
  • 2018: -0,34%
  • 2019: +1,29%

Segundo um levantamento do SPC Brasil e da CNDL, os produtos mais procurados devem ter sido os ovos de chocolates industrializados (61%), caixas de bombons (50%), ovos de páscoa artesanais e caseiros (38%), barras de chocolate industrializadas (33%) e artesanais (25%), seguidos de colombas pascoais (13%) e bebidas, como vinho (13%).

Veja Mais:  Franchising no mundo: Franquias nacionais visam expansão internacional

Leia também: Previsão para crescimento da economia brasileira cai pela oitava vez seguida

Para o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, mesmo com o crescimento lento da economia, a alta da Páscoa  é um sinal positivo para a retomada do crescimento do varejo e serve como um termômetro para as próximas datas comemorativas, como o Dia das Mães. “O resultado é um alento para o varejo começar a dar sinais mais sólidos de recuperação, mas não é o suficiente para retornarmos ao patamar de crescimento anterior a recessão econômica”, explica. ” A Páscoa representa a primeira grande festa do ano para o comércio e pode funcionar como uma prévia não só para o Dia das Mães, como para o desempenho da atividade comercial ao longo deste ano”, completou.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

“Não sei se foi a melhor decisão”, diz Maia sobre sigilo da Previdência

Publicado


Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia
Agência Brasil/Marcelo Camargo

Para Rodrigo Maia, reforma da Previdência deve passar na votação da CCJ nesta terça-feira (23)


O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), comentou, nesta segunda-feira (22), a decisão do governo federal de tornar sigilosos os estudos realizados para construir o texto da reforma da Previdência. Segundo ele, a medida pode não ter sido boa.

Leia também: Sigilo prova que Previdência “não é justa e nem necessária”, diz Manuela D’àvila

“Não sei se foi a melhor decisão, mas quando a reforma chegar na comissão especial não tem jeito”, disse, acrescentando que o sigilo da Previdência foi algo “de curto prazo”. “Os dados vão estar abertos, senão não tem como começar a trabalhar”, completou.

Maia também comentou o atraso da votação da nova Previdência na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJ), que foi adiada para terça-feira (23) após uma sessão tumultuada na semana passada . De acordo com o presidente, o processo deve ser finalizado amanhã. “Acho que amanhã vai passar e a gente vai terminar este processo na CCJ, que levou tempo demais, infelizmente. A partir da semana que vem, a gente começa o trabalho na comissão especial”, declarou. “Está bem encaminhado e tem mais apoio do que no passado.”

“A Câmara precisa entender que há uma grande crise fiscal. O custo previdenciário é muito alto e aumenta rapidamente. Se não tiver uma solução para a previdência, certamente não terá uma solução de investimento para o Brasil nos próximos anos”, continuou.

Veja Mais:  Seis em cada dez trabalhadores atuam no mercado informal pelo mundo, diz OIT

Sobre a lentidão no processo, o presidente da Câmara dos Deputados disse que a reforma na Previdência divide a sociedade porque é “um tema polêmico”. ” A reforma tributária unifica a sociedade e divide a Federação, já que os interesses por uma boa reforma tributária precisa reorganizar as atribuições de cada um dos entes no sistema para que a gente possa ter de fato um sistema mais simples”, disse.

Leia também: Maia mostra otimismo por reformas, mas diz que Bolsonaro precisa aumentar base 

Além da reformada Previdência , Rodrigo Maia diz que a Câmara também deve seguir com a reforma tributária e outros temas importantes para a economia brasileira. ” A gente pode avançar o licenciamento ambiental, coisas como a relação CADE e Banco Central, que é muito importante para destravar alguns conflitos, a própria autonomia do Banco Central”, explicou. “Tem muitas pautas que podem tramitar independentes das pautas de emendas constitucionais que vão ajudando o ambiente econômico. São coisas assim que a gente vai trabalhando enquanto, de forma paralela, a gente trabalha as grandes reformas.”

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana