conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Na Capital

Mitos e ritos africanos marcam espetáculo do grupo cultural Liberdade

Publicado

Luiz Alves

Em uma noite de muita cultura, a Prefeitura de Cuiabá trouxe à Capital o grupo Liberdade. Ao som do batuque dos tambores africanos, com uma mistura de mitos e ritos dos afrodescendentes, o Liberdade encantou os cuiabanos com o espetáculo “Quilombo da liberdade, origens”, na noite deste sábado (9), no Museu do Rio.

No palco, ao ar livre, os artistas de Brasília trouxeram a capoeira regional e da Angola, danças de puxada rede, de bastão e maculelê para a apresentação. A mistura dos elementos foi aplaudida por quem ali passou e parou para prestigiar a arte expressa pelos belos movimentos corporais.

Para a pedagoga Silvia Stering, a iniciativa do Município foi muito importante, pois resgata as raízes da cidade, que tem herança africana, como todo o Brasil, em um ano em que ela completa seu tricentenário.

“Cuiabá tem sua tradição e a cultura africana está arraigada nela. Trazer essas apresentações é promover um encontro de culturas e também uma forma de educar os mais jovens, que em sua maioria, não tem esse rico conhecimento”, ressaltou Silvia.

Responsável pela vinda do grupo a Cuiabá, o secretário-adjunto de Cultura, Justino Astrevo, destacou a luta da gestão atual em promover o resgate da cultura no Município.

“Mais um momento de arte oferecido ao cidadão cuiabano, totalmente gratuito, e com essa riqueza de elementos, que nos fazem lembrar nossa história. E para termos acesso a esse ensinamento, essa aula de conhecimento, o prefeito Emanuel Pinheiro vem colocando todos os esforços possíveis nos projetos que envolvam o âmbito cultural”, frisou o secretário.

Veja Mais:  “Sine e Você” leva serviços ao Cras do Pedregal; órgão oferece 75 vagas esta semana

Com mais de 20 anos de história, o grupo liberdade já percorreu várias regiões brasileiras. O espetáculo “Quilombo da liberdade, raízes” já foi apresentado em nove escolas pertencentes a duas cidades satélites do Distrito Federal – Gama e Ceilândia – assistido por mais de oito mil pessoas. O projeto também já foi apresentado nos estados da Bahia, Rio Grande do Norte e Pernambuco, onde foi visto por mais de 10 mil espectadores.

Idealizador do projeto, Roberto Oliveira, o mestre Cobra, agradeceu pela oportunidade e a expressou ressaltando a beleza da Capital e a alegria dos cuiabanos. “O grupo está muito feliz pela receptividade como foi acolhido. Cuiabá tem muito da arte que representamos. É uma cidade calorosa, que carrega em suas raízes uma bela história, cheia de cores, dança, música e amor. Isso agrega ao nosso trabalho, pois esse é o objetivo maior: em cada lugar que passarmos, levarmos um pouquinho de conhecimento, “finalizou o mestre.

O grupo faz sua última apresentação neste domingo (10), às 12h, na comunidade Quilombola de Mata Cavalo de Cima, em Nossa Senhora do Livramento.

 

 

 

Comentários Facebook

Na Capital

NOTA DE PESAR: pelo falecimento de Licarina Paula de Arruda

Publicado

Arquivo familiar

“É com grande tristeza que comunico o falecimento da nossa querida dona Licarina Paula de Arruda – a dona Roxa, como era conhecida. Licarina foi um exemplo de mãe, mulher e servidora do nosso Município. Aposentada pela Prefeitura de Cuiabá, teve inúmeros e valorosos trabalhos prestados para a população cuiabana. Dona Roxa é mãe do nosso amigo Valdomiro Arruda, também servidor municipal. Quero expressar minha gratidão e o meu profundo pesar aos familiares. Que Deus possa confortá-los nesse momento tão triste”, disse o prefeito Emanuel Pinheiro.

Licarina Paula de Arruda deixa três filhos e uma neta.

O velório será realizado hoje (24) a partir da 18h na sala Roseiras da Capela Jardins. O sepultamento está previsto para a manhã deste domingo (25) com saída às 9h.

Comentários Facebook
Veja Mais:  Prefeitura disponibiliza mais de 6 mil vagas para novos alunos de 04 a 14 anos
Continue lendo

Na Capital

Rua do Rasqueado mantém viva cultura cuiabana no Centro Histórico

Publicado

Davi Valle

Baixando a rua do calçadão, três senhoras no salto desciam logo a frente conversando animadas. Eram 18h, o comércio fechava e enquanto trancava a porta, uma jovem respondia pra colega ‘o som é do festival de lambadão’. Na praça Caetano Albuquerque o quadro de outrora começava a ser composto, as cadeiras de plástico em frente as casas antigas, o espetinho assando, a cerveja suada e o rasqueado tocando.

Primeiro: sua benção, São Benedito. O hino do santo negro ecoou do trombone. Mestre Bolinha ficaria orgulhoso. Mais de uma vez foi lembrado com saudoso carinho por músicos e plateia. Sua memória é vida, assim como o ritmo que dedicou seu dom musical foi na noite da última quinta-feira (22) na praça Caetano Albuquerque, no Centro Histórico de Cuiabá. Completando 26 anos, a via do ritmo, Rua do Rasqueado é como o filho que a casa torna.

“Hoje nesta praça, temos a oportunidade de resgatar este projeto, de trazer ao palco aquilo que nós temos de mais rico na nossa cultura, que é o rasqueado. Sem dúvida alguma, ter este projeto como projeto coletivo aprovado pelo Conselho, sendo referência na área da música para Cuiabá nos seus 300 anos, com a praça revitalizada pela gestão, com obras sendo executadas nos patrimônios históricos de Cuiabá, pra mim, para o Justino, para o prefeito Emanuel Pinheiro é muito importante”, disse o secretário de Cultura, Esporte e Turismo, Francisco Vuolo.

Veja Mais:  Projeto de intercâmbio entre Cuiabá e Itália avança e pode ser firmado nos 300 anos da capital

Não tem como falar da “Rua do Rasqueado” sem falar de Guapo. O autor do projeto, que hoje é executado via edital FUNDO/2019 da Prefeitura de Cuiabá, lembrou do primeiro baile dançante organizado por ele com apoio do ex-governador Dante de Oliveira.

“Tinha um bar ali do lado, foi ali que começou”, dizia Guapo apontando duas ruas acima, no calçadão do Centro Histórico, na Ricardo Franco, rua do meio como chamam. O bar em questão era o “Hora Extra” e o ano 1993. Depois de um hiato de 10 anos, o festival voltou ao Centro Histórico para a praça Caetano Albuquerque em 2004 e em 2019, após não ter sido realizado no ano passado, retorna como projeto aprovado pela Secretaria de Cultura, Esporte e Turismo.

“Guapo, você é um gigante, você é uma pessoa aguerrida, que não se rende, que sabe lutar por aquilo que acredita, e tudo aquilo que se faz com amor, ao final se sai vitorioso. Então em seu nome eu cumprimento a todos da família do rasqueado e do lambadão, que se junto numa grande corrente para fortalecer a cultura e a tradição cuiabana. E como cuiabano que sou, como o Prefeito cuiabano que é, com o Conselho que veste as nossas raízes, não poderíamos deixar de lançar esse projeto”, finalizou Vuolo.

Pra sapiar ou pra dançar? A arquitetura da praça é democrática, com pista de dança ao centro e com parapeito para os que querem observar o movimento. Sapiando das mesas estavam Vera-Zuleika, a dupla ‘Cuiaboca’ mais cultural da praça. Vera Baggetti é carioca da gema, deixou a praia pelo cerrado há mais de 30 anos. Zuleika Arruda é cuibana de tchapa e cruz, de família simbólica pra cultura local. As duas juntas são compositoras consagradas de rasqueado e cultura popular mato-grossense. Que cuiabano não conhece “eu tenho orgulho de ser cuiabano, de tchapa e cruz, confesso e não me engano, moro na pracinha, perto da prainha…danço rasqueado na casa de Bem-Bem, como bolo de arroz e de queijo também”?

Veja Mais:  Prefeito lamenta morte do professor Cuiabano Benedito Pinheiro Campos

“É uma grande importância [a Rua do Rasqueado], é a identidade do povo que tem que ser preservada. O povo que perde a identidade é sem memória. É igual o samba no Rio, o frevo em Olinda. Isso aqui é realidade. O rasqueado não é folclórico, é música popular brasileira. Se tiver uma constância o povo vem. Fica igual a lapa no Rio de Janeiro”, comentou Vera. Em 2007 Zuleica escreveu o livro “O que é o rasqueado?” com bibliografia brasileira. A dupla conta que foi doado um exemplar para cada biblioteca municipal de Mato Grosso.

A Rua do Rasqueado vai acontecer sempre às quintas-feiras até o dia 07 de novembro, em praças pelo Centro Histórico de Cuiabá. O projeto é o primeiro dentre os 51 projetos aprovados no edital FUNDO/2019 a ser executado. A Secretaria de Cultura publicou no último dia 09 de agosto o cronograma de desembolso em que se definiu para o mês de agosto o pagamento dos projetos de música e artes visuais para projetos coletivos. O cronograma será tratado como prioridade pela Secretaria de Cultura e também pela Secretaria de Fazenda, por determinação do prefeito Emanuel Pinheiro. Ele segue até novembro, totalizando R$ 2,1 milhões em investimento em cultura na capital mato-grossense.

Comentários Facebook
Continue lendo

Na Capital

Debates abordam importância da convivência e da solidariedade para o fortalecimento de uma educação mais inclusiva

Publicado

Jorge Pinho

Aconteceu no Hotel Fazenda Mato Grosso o Seminário Educação Étnico-racial: perspectiva inclusiva, diversificada e intercultural esta semana. Nesta sexta-feira (23) as conferências estão focadas na aprendizagem e desenvolvimento humano e na importância dos brinquedos e brincadeiras para o fortalecimento da educação inclusiva e a corporeidade no espaço escolar.

Durante todo o seminário, representantes dos fóruns de educação e diversidade étnico-racial se manifestaram em relação a convivência e a solidariedade, para o fortalecimento do processo dos direitos humanos e a educação. O presidente do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial de Mato Grosso, Manoel da Silva disse que existe um interesse legítimo da Prefeitura de Cuiabá em relação às questões que envolvem o negro, o índio e o imigrante, e a inclusão dos grupos, na promoção da educação. “Temos a Lei 10.639 e precisamos que o professor receba essa formação para que possa trabalhar o tema em sala de aula. O Brasil há muito tempo viveu a escravidão então é fundamental que os estudantes reconheçam a importância de continuar a luta por esse resgate histórico”, lembrou o ativista.

Da mesma forma, Edevander Pinto, representante do Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial de Cuiabá destacou questões ligadas ao negro que precisa ser valorizado em todas as suas frentes de lutas, a fim de resgatar seus direitos. “Para nós, do conselho, o seminário é de extrema importância, um espaço onde podemos promover as discussões e revisar a nossa história a fim de ampliar a luta do negro em Mato Grosso. Nesse processo, é fundamental o compromisso da gestão pública”, disse.

Veja Mais:  Projeto de intercâmbio entre Cuiabá e Itália avança e pode ser firmado nos 300 anos da capital

O líder indígena e conselheiro Escolar, Filadelfio de Oliveira, ao falar sobre diversidade e cenário político, disse que essa continua sendo a luta dos 43 povos indígenas ainda existentes em todo o estado. “Ficamos à mercê da história e no esquecimento. Precisamos, de fato, fortalecer o nosso povo, a nossa comunidade, principalmente as nossas crianças e a nossa cultura. A educação e o respeito são fundamentais nessa reflexão”, ressaltou o líder Umotina, ao lembrar que o povo índio vem sofrendo com ações que denigrem e aumentam o sofrimento das nações indígenas.

Em sua palestra sobre A Educação em Direitos Humanos e Cidadania, o professor doutor em Educação, Luiz Augusto Passos, disse que as questões da cidadania e educação não poderiam deixar de fazer parte dos debates e que, elementos fundamentais para entender as provocações da sociedade, num momento decisivo para a sociedade brasileira, que busca sua afirmação no tema. “Não existe cidadania fora da condição humana. Essa não é uma condição externa, não é algo que se põe nas pessoas, quem nasce em pele humana é humano, e tem direitos. Ter isso em mente implica toda dimensão de que a gente se põe na perspectiva de uma educação que se paute daquilo que é solidariedade, a convivência entre todos e os direitos humanos”, disse Luiz Augusto Passos, que vem trabalhando em diversas frentes de pesquisa voltadas ao tema na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Veja Mais:  Duas mil crianças caminharam contra o bullying em Cuiabá

Segundo o pesquisador, no atual estágio e cenário da educação pública brasileira, na qual está se construindo essa ponte de interesse social, há um esforço das populações negra, indígena, de migrantes e outros agentes sociais, que buscam essa justiça social por meio da boa convivência, da ternura e da esperança para todos. “Como trabalhar essas questões em sala de aula, no dia a dia da comunidade escolar, com alunos e professores, com servidores da educação e comunidade. Essa é o que a sociedade está nos perguntando. É mais difícil em sala de aula, por que pressupõe que os educadores corporifiquem aquilo que é da sua natureza humana, corporifiquem a sua dimensão política”, finalizou Passos.

Seminário

O evento, uma iniciativa do Ministério da Educação, promovido pela Prefeitura de Cuiabá, por meio da Secretaria Municipal de Educação, reuniu até sexta-feira (23), no Hotel Fazenda Mato Grosso, profissionais da Educação de 40 municípios do interior do Estado e da capital para discutir temas ligados aos direitos humanos e educação inclusiva.

Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana