conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Economia

Morte de cachorro em unidade do Carrefour gera onda de protestos

Publicado


Cachorro que morreu teria sido envenenado e espancado por um funcionário do Carrefour
Reprodução Twitter

Cachorro que morreu teria sido envenenado e espancado por um funcionário do Carrefour

Ativistas e protetores de animais tem se manifestado nas redes sociais e realizados protestos contra uma unidade da rede de hipermercados Carrefour de Osasco, na Grande São Paulo. Segundo relatos, um funcionário da loja teria envenenado e espancado um cachorro na última quarta-feira (28), causando sua morte.

Leia também: Foto do cachorro de ‘Bush pai’ deitado ao lado do seu caixão comove a internet

De acordo com a versão de Isabela Marcelino, que fez a denúncia em suas redes sociais, o animal estava pelos arredores da unidade do Carrefour há cerca de uma semana, quando foi espancado por um dos seguranças do local a pedido de um superior.

“O cachorro foi quase morto a pauladas por um segurança da loja a mando de seu superior responsável, só porque pessoas importantes e diretores da matriz da empresa visitariam a loja. Para fazer “bonito”, não queriam o cachorro abandonado rodando por lá. Mandaram eliminar o animal como se não fosse nada e da pior forma possível!”, escreveu Isabela no Facebook, em um post que já reúne mais de 22 mil compartilhamentos.

Carrefour culpa Centro de Controle de Zoonoses pela morte

O vira-lata chegou a ser socorrido pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ). mas não resistiu ao ferimentos e morreu. 

Veja Mais:  Economia tem crescimento de 1,74% no terceiro trimestre, aponta Banco Central

Em nota, o Carrefour afirmou que “repudia qualquer tipo de maus-tratos contra animais” e que afastou a equipe responsável pela segurança. A rede de hipermercados confirmou que o cachorro circulava pelo estacionamento da empresa há alguns dias, alegando que a tentativa de afastar o animal “pode ter ocasionado um ferimento na pata”. 

A empresa também diz que o CCZ foi acionado diversas vezes para retirar o cachorro do local, mas não compareceu, e culpa o Centro pela morte.  “No momento da abordagem dos profissionais do órgão para imobilização, o cachorro desfaleceu em razão do uso de um “enforcador”, tipo de equipamento de contenção”, diz a nota oficial do Carrefour.

Um inquérito foi aberto na Delegacia Especializada de Osasco para investigar o caso. O vereador da cidade, Ralfi Silva, e o delegado Bruno Lima, eleito deputado estadual pelo PSL, acompanham as investigações.

Leia também: Como funciona a participação de animais em produções do cinema e da televisão

No Facebook, Lima repudia o comunicado do Carrefour, afirmando que a loja tenta “jogar toda responsabilidade para a Zoonoses, emitindo um comunicado ridículo, sendo que testemunhas presenciaram e relataram a ação do segurança”.  O vereador Silva também defendeu o CCZ , com “repúdio e indignação à nota do Carrefour”. Também na rede social, Silva publicou um vídeo do momento em que os profissionais atendem o cachorro machucado “com muito respeito e carinho durante o resgate”.

Confira:

Veja Mais:  Promoçãode roupa na Black Friday pode te ajudar a renovar o guarda-roupa

A Prefeitura de Osasco informou que o Departamento de Fauna e Bem-Estar Animal foi acionado no dia 28 para prestar socorro a um cachorro ” ferido e sangrando”, possível vítima de atropelamento.  De acordo com a nota, somente no sábado (1) o departamento recebeu a denúncia de que 
” se tratava de um caso de maus tratos”. 

Ativistas protestam pela morte do animal

Leia também: Falta de planejamento para ter um pet atinge 60% dos consumidores do País

Além da repercussão do caso nas redes sociais, defensores dos direitos dos animais realizaram, ontem (3), um protesto na unidade do Carrefour que protagonizou a história. Confira:

$

Veja Mais:  Montadoras tiveram aporte de US$ 15 bilhões das matrizes em 2018

Comentários Facebook

Economia

Manifestantes fazem ato de protesto pela morte de jovem em supermecado

Publicado


Manifestantes fizeram ato em frente ao supermecado extra em que Pedro Gonzaga foi morto por segurança
Agência Brasil/ Fernando Frazão

Manifestantes fizeram ato em frente ao supermecado extra em que Pedro Gonzaga foi morto por segurança

Centenas de pessoas protestaram neste domingo (17) em diversos pontos do Brasil em repúdio à morte do jovem Pedro Gonzaga, de 19 anos , asfixiado na frente da própria mãe , por um dos seguranças do supermercado Extra, na Barra da Tijuca, no último dia 14. O chamado foi feito pelas redes sociais.

De iniciativa popular, a organização chamava “ativistas, jovens negros, pessoas empáticas à luta negra, todos os indignados” a comparecerem em unidades do Extra em diversas capitais do país em apoio a Pedro Gonzaga .

O jovem foi morto pelo segurança Davi Ricardo Moreira Amâncio, na última quinta-feira (14), por asfixia, diante de sua mãe, após ter sido imobilizado. O caso foi registrado na Delegacia de Homicídios para onde o segurança foi levado preso e liberado após pagar fiança de R$ 10 mil. Ele deve ser indiciado por homicídio culposo (sem intenção de matar).

O corpo do jovem foi enterrado nesse sábado (16), no Cemitério Jardim da Saudade, em Paciência, zona oeste do Rio.

 “Queremos Justiça: a rede Extra precisa atuar de alguma forma contra o genocídio da população negra, apoiando ações e instituições, para que jovens negros não sejam mais mortos como se suas vidas não valessem nada”, diziam no Facebook os organizadores da manifestação.

Veja Mais:  Montadoras tiveram aporte de US$ 15 bilhões das matrizes em 2018

Em frente ao Hipermercado Extra, na Barra da Tijuca, onde ocorreu o caso, faixas com as frases “Jovem Negro Vive!” e “Pedro, presente!”, eram erguidas pelos manifestantes.

Leia também: Câmeras registraram momentos antes de jovem ser imobilizado no Extra; assista

Já em São Paulo, manifestação no Extra Brigadeiro, na Avenida Brigadeiro Luis Antonio, na região da Avenida Paulista, reuniu centenas de pessoas em apoio à família do jovem.

O evento foi organizado por diversas entidades, principalmente do movimento negro e estudantil, entre eles, a União Nacional dos Estudantes (UNE) e da Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen). 

“Vidas negras importam” e “parem de nos matar” foram alguns dos gritos entoados pelos manifestantes em São Paulo.

“É um ato para poder denunciar o processo de genocídio da juventude negra porque o caso foi considerado como homicídio culposo, quando não há intenção de matar, mas entendemos que houve sim intenção de matar porque o racismo estrutural faz com que as pessoas vejam o corpo negro sempre como inimigo e com menos valor”, disse Marcos Paulo Silva de Jesus, um dos manifestantes do ato em São Paulo e integrante da União da Juventude Socialista (UJS).

Morte de Pedro Gonzaga foi gravada

Veja Mais:  Projeto de Bolsonaro prevê leilão de Congonhas e Santos Dumont em 2022

Um vídeo gravado por testemunhas mostra o segurança sobre o corpo de jovem, já imobilizado, mesmo depois que pessoas presentes ao supermercado o alertaram de que ele tinha parado de se mexer e estava ficando roxo.

Houve indignação nas redes sociais e internautas chegaram a afirmar que Pedro, por ser negro, havia sido vítima de racismo.

Em nota, a  rede de supermercados Extra repudiou, com “veemência” a ação do segurança ou qualquer ato de violência em suas lojas. O texto diz ainda que a empresa abriu investigação interna para apurar o caso e que os seguranças envolvidos na morte de Pedro Gonzaga foram afastados.

* Com informações da Agência Brasil

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Sem conseguir emprego, jovens com síndrome de Down abrem empresa própria

Publicado


A Los Perejiles começou com quatro funcionários; hoje, são mais de 20
Divulgação/Los Perejiles

A Los Perejiles começou com quatro funcionários; hoje, são mais de 20


Há pouco mais de dois anos, um grupo de jovens resolveu abrir um negócio por conta própria. Com dificuldade de encontrar emprego em Buenos Aires, na Argentina, por serem portadores da síndrome de Down, Mateo, Leandro, Mauricio e Franco inauguraram a Los Perejiles.

Leia também: Ex-jogador cria marca de roupa e vira “roupeiro” oficial de atletas e famosos

“Somos quatro amigos de Buenos Aires que, com dificuldade para encontrar emprego, abrimos nosso próprio empreendimento de pizzas”, diz a descrição do site da  Los Perejiles . Especializada em fazer pizzas para festas e eventos, a empresa foi inaugurada em junho de 2016 com corpo de funcionários de apenas quatro pessoas. Hoje, são mais de 20 jovens trabalhando com eles.

O primeiro evento da pizzaria aconteceu para 50 pessoas. Depois, com ajuda de divulgação nas redes sociais – a empresa mantém um Instagram e um Facebook ativos – o serviço dos rapazes viralizou e ficou conhecido em grande parte do país, recebendo diversos pedidos. De acordo com eles, em um ano de empresa, foram realizados mais de 250 eventos .

Ao contratar o serviço para uma festa , é possível escolher entre três tipos de menus diferentes. No primeiro, são servidos dez sabores diferentes de pizza: mussarella, caprese, napolitana, roquefort, fugazzetta, fugazza, calabresa, ovo, pimentão e pimentão e presunto. 

Veja Mais:  Três estados brasileiros já decretaram calamidade financeira em 2019

Ao segundo tipo de cardápio, além dos dez sabores de pizza, também são oferecidas “canastitas”, uma espécie de cestinho salgado, ou brusquetas. Já a terceira opção inclui tudo: as brusquetas, quatro tipos de canastitas (caprese, queijo e presunto, cebola e queijo ou milho) e dez sabores de pizza. Os preços vão entre $230 e $300 por pessoa, o equivalente a cerca de R$ 22 a R$ 29.

Confira imagens dos eventos realizados por eles:



Leia também: Analista de sistemas decide arriscar e abre hamburgueria em São Paulo

Para saber mais sobre os serviços da  Los Perejiles , basta entrar no  site da empresa e entrar em contato.




Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Câmeras registraram momentos antes de jovem ser imobilizado no Extra; assista

Publicado


Câmeras de segurança do hipermercado Extra registraram início da confusão com jovem
Reprodução YouTube

Câmeras de segurança do hipermercado Extra registraram início da confusão com jovem


Câmeras de segurança registraram os momentos que sucederam a imobilização de Pedro Henrique Gonzaga, de 25 anos, por um segurança da rede de hipermercados Extra da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. O rapaz foi acusado de tentar roubar a arma do funcionário do estabelecimento e acabou  morrendo depois de levar uma “gravata” na última quinta-feira (14).

Nas imagens, é possível ver o jovem se aproximando dos seguranças do Extra e conversando por alguns instantes. Uma mulher se aproxima e Pedro cai no chão. Ele é levantado pelos funcionários, mas depois de alguns segundos cai novamente.

Confira as imagens:




Em um outro vídeo, gravado por clientes do hipermercado , Pedro aparece rendido e pelo segurança Davi Ricardo Moreira. De acordo com testemunhas, o funcionário teria segurado o jovem por por cerca de dois minutos, até que ele desmaiou. Enquanto isso, pessoas no local tentavam convencê-lo a sair de cima do rapaz: “Tá sufocando ele. Ele tá com a mão roxa. Ele tá desacordado”,  diziam. O segurança respondeu que o desmaio seria uma simulação.

Também é possível escutar testemunhas dizendo que Pedro não estava roubando. “Ele estava no caixa com a gente ali”, diz uma mulher, que é rapidamente repreendida por um dos seguranças. “Você está mentindo”, repete ele.

Veja Mais:  Projeto de Bolsonaro prevê leilão de Congonhas e Santos Dumont em 2022


Leia também: Segurança reagiu a tentativa de furto, diz Extra sobre morte de jovem

Mesmo com a ajuda de Bombeiros, que foram até o hipermercado tentar reanimar o jovem, ele precisou ser encaminhado para o Centro de Emergência Regional da Barra da Tijuca, onde segundo a Secretaria Municipal de Saúde, deu entrada com quadro de parada cardiorrespiratória. Ele foi reanimado, mas sofreu outras duas paradas e não resistiu. Neste sábado (16), Pedro está sendo enterrado na cidade carioca.

O segurança chegou a ser preso em flagrante, mas pagou fiança e vai responder por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, em liberdade.

Resposta do Extra


Na foto, Pedro Henrique Gonzaga aparece ainda vivo, depois de ser imobilizado pelo segurança do hipermercado Extra
Reprodução/ Redes Sociais

Na foto, Pedro Henrique Gonzaga aparece ainda vivo, depois de ser imobilizado pelo segurança do hipermercado Extra


O Extra emitiu duas notas sobre o caso. Na primeira, afirma que afastou os seguranças envolvidos. Apesar disso, a rede tenta justificar a agressão do segurança , dizendo que a ação “tratou-se de uma reação a tentativa de furto a arma”.

Na segunda, declara que  “nada justifica a perda de uma vida” e também diz que a “companhia se solidariza com os familiares e envolvidos”. A empresa também chama o episódio de “lamentável e afirma ” que não aceita qualquer ato de violência”. O hipermercado promete não fugir de suas responsabilidades diante da situação e diz que está “contribuindo com todas as informações disponíveis”.

Veja Mais:  Três estados brasileiros já decretaram calamidade financeira em 2019

O advogado da empresa Group Protection (responsável pela vigilância no local) corroborou a versão de legítima defesa . De acordo com ele, o jovem tentou roubar a arma do segurança e que, em seguida, acreditou que o rapaz simulava um desmaio. Eles fazem a contenção, retiram a arma e o garoto desmaia. O que se acredita que tenha sido uma simulação naquele momento. O próprio segurança reporta. Ele está mentindo, ele está mentindo, ele está simulando um desmaio como anteriormente havia simulado”, disse.

Leia também: Imagens flagraram o momento em que segurança do Carrefour agride cachorro; veja

O delegado responsável pelo caso afirmou, no entanto, que o segurança do Extra se excedeu na ação, mas que existem poucos elementos que caracterizem a intenção de matar. 




Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana