conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Portal Agro

No Paraná, a ministra adiantou que lançará novo programa de habitação rural

Publicado

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, anunciou na manhã desta sexta-feira (8) em Cascavel (PR) que irá lançar em breve um novo programa de habitação rural. “Nós vamos sentar com a Caixa Econômica, com o Ministério do Desenvolvimento Regional, para discutir esse assunto. Inclusive, esse financiamento é mais simples porque o próprio produtor pode construir sua moradia. O projeto já existe, dentro da Secretaria de Agricultura Familiar, mas está sendo melhorado para atingir uma gama maior de pessoas”, afirmou.

Durante entrevista após visita à feira Show Rural Coopavel no município paranaense, a ministra falou sobre as relações comerciais no setor do agronegócio com os outros países. Comentou que a aproximação política com os Estados Unidos “não tem nada a ver com a nossa condição de grandes parceiros comerciais da China, que a cada ano incorpora mais pessoas ao mercado consumidor”. Comentou sobre a importância de fechar mais negócios dentro da América do Sul e citou o exemplo do Peru, “é um país onde precisamos abrir mercado para carne. Estamos trabalhando isso. Enfim, precisamos manter os mercados que temos, mas também abrir novos para os produtos brasileiros”.

Tereza Cristina adiantou durante o evento sobre as negociações que tem feito em torno do seguro rural e de crédito agrícola, “uma coisa que aflige muito os produtores. E hoje me confirmaram R$ 1 bilhão já de proposta para compra de equipamentos negociados durante a feira. Isso mostra a confiança no governo e nas políticas públicas que serão implantadas”, afirmou.

Veja Mais:  Ministério cria câmara setorial para a cadeia produtiva da cerveja

Sobre o seguro, observou “Seguro nós já temos, mas ele ainda não atende uma massa maior de produtores. Estamos fazendo alguns estudos junto à Conab, junto à Secretaria de Política Agrícola, com instituições financeiras, para achar um modelo. Os Estados Unidos levaram 40 anos pra chegarem ao modelo de hoje. Se houve uma intempérie e o agricultor não produziu, o cheque chega pelo Correio. Esse é o mundo dos sonhos, a que não tenho pretensão de chegar em quatro anos. Mas temos como avançar”.

“Se não temos mais dinheiro no Tesouro para equalizar as nossas taxas, a gente precisa achar novas alternativas. E no seguro é possível diminuir a taxa de juros. Porque se há seguro, portanto, o risco é menor, e a taxa de juros deve cair”, afirmou.

A ministra participou do lançamento de novas tecnologias da Embrapa, como novas variedades de feijões e de um medidor de potássio, que permite verificar o teor no próprio local de plantio. Tereza Cristina destacou a importância da inovação para o setor. “Nós temos que ter uma agricultura que já está no 5.0 (em que os equipamentos ganham maior autonomia). Ontem, recebi uma empresa que têm 10 mil drones voando na China. Esse é o futuro da agricultura. A gente precisa estar antenado com o que vai acontecer”.

Tereza Cristina participou ainda do lançamento de livro infantil sobre o plantio direto, tecnologia utilizada para maior preservação do solo, e comentou sobre a retirada do antidumping que vigorava para o leite em pó importado da União Europeia e da Nova Zelândia.

Veja Mais:  Em 7 anos, triplica o número de produtores orgânicos cadastrados no ministério

Mais informações à Imprensa:Coordenação geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
publicidade

Portal Agro

Programa Agrosolidário atende 22 mil pessoas em 2019

Publicado

Fortalecimento Institucional

Programa Agrosolidário atende 22 mil pessoas em 2019

São 89 instituições atendidas

15/11/2019

“Esse projeto é um presente de Deus para minha vida! Porque só quem passa por um tratamento oncológico sabe a dificuldade que é para se alimentar. Durante a quimioterapia eu tinha reações adversas, não conseguia me alimentar, mas com a bebida de soja consegui controlar minha imunidade que é tudo no processo de cura”. Essas são palavras da paciente Vânia Silvério de Souza, do Hospital de Câncer de Mato Grosso (Hcan), uma das entidades assistidas pelo Programa Agrosolidário da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), que em 2019 aumentou aproximadamente 83% na quantidade de pessoas atendidas em comparação a 2018. Só neste ano, foram mais de 22 mil atendimentos, em 89 instituições localizadas em 36 município.

O programa de responsabilidade social dos cerca de 6 mil produtores de soja e milho, associados a Aprosoja Mato Grosso, atua em três frentes: distribuição de bebida de soja em seus mais variados sabores, palestras com orientação nutricional para mães de baixa renda e ajuda financeira para incentivo ao esporte, cultura, cidadania e manutenção de entidades não governamentais.

A gerente administrativa da Aprosoja-MT, Gisele Lima, explica que a iniciativa vai muito além dos números. “Eu costumo dizer que o Agrosolidário é mais que um programa de responsabilidade social dos produtores rurais. Esse programa é um ato de amor, doação, carinho e solidariedade”, pontuou.

Veja Mais:  Na Arábia Saudita, Tereza Cristina debate cooperação técnica e tem encontro com setor avícola

Por meio do Agrosolidário, os quase seis mil associados da Aprosoja-MT conseguem chegar aos quatro cantos do Estado colaborando com creches, Apaes, lares de idosos, centros de reabilitação, igrejas, escolas, hospitais, projetos esportivos, culturais, ente outros. Este ano um dos diferenciais foi a participação em eventos como o Pantanal Cozinha Brasil e a Semana do Deficiente no Centro de Reabilitação Integral Dom Aquino Corrêa (Cridac), em Cuiabá.

“São parcerias que mudam muitas vidas. E os recursos investidos em projetos sociais são importantes porque aumentam possibilidades para crianças carentes, de praticarem um esporte, aprenderem instrumento e ficarem fora da rua. É uma oportunidade de vida, e eu falo tanto de saúde quanto de oportunidade social”, enfatizou Gisele.

Já diretor administrativo da Aprosoja-MT, Lucas Costa Beber, destacou os principais avanços da ação que, no início de 2018, atendia 72 instituições e hoje trabalha com 89 instituições. “São 16 mil atendimentos diretos e outros 6.450 indiretos com a realização de eventos. Ajudamos tanto com a distribuição da bebida de soja, quanto com o aporte financeiro. Apoiamos projetos esportivos como Karatê, Vôlei Kids, e de incentivo à cultura como o Flauta Mágica. Portanto, a Aprosoja-MT tem dedicado grande parte de seus esforços e seus recursos ajudando a sociedade e promovendo trabalhos sociais”, enaltece.

Um dos maiores cases de sucesso do Agrosolidário é o Hospital de Câncer. Além de estar presente com trabalho social, como doação de bonecas para crianças e recursos financeiros para manutenção e reformas, também são entregues as bebidas de soja. Os pacientes em tratamento oncológico, crianças, adultos e idosos, ingerem o complemento alimentar inclusive via sonda. O que tem proporcionado a boa nutrição deles para continuarem os procedimentos como quimioterapia e radioterapia.

Veja Mais:  Tereza Cristina vai a Bahia e Pernambuco na terceira etapa de sua viagem ao Nordeste

Para a presidente da Associação Mato-grossense dos Cegos (AMC), Kelli Cristina Ramos de Oliveira, o apoio financeiro do Agrosolidário que é destinado a manutenção da associação, significa muito. “Somos uma instituição filantrópica e sobrevivemos de doações. E temos nos mantido de portas abertas graças a essa ajuda da Aprosoja. Agradeço a todos os produtores em nome dos 540 associados que têm no instituto uma porta de integração com a sociedade”, agradeceu.

Na AMC, os cegos recebem vários serviços nas mais diversas áreas como educação, esporte, lazer, cultura e saúde. Das pessoas com deficiência que chegam lá para se cadastrar, 98% precisam passar por uma reabilitação e aprender a ser independente. "E muitos são extremamente carentes e por isso também participam de cursos profissionalizantes, como informática. O investimento na área do esporte já trouxe resultado: o goalball feminino ficou em 3º lugar e os meninos do Futsal em 4º lugar em nível de Brasil”, comemorou Keli.

Entre os 36 municípios atendidos pelo programa em 2019 estão Cuiabá, Várzea Grande, Alto Garças, Campo Novo do Parecis, Canarana, Cláudia, Confresa, Cocalinho, Ribeirão Cascalheira, Santa Rita do Trivelato e Vila Rica.

“Esse projeto significou para mim um afeto, um carinho muito bem-vindo num momento tão difícil que é passar por um tratamento oncológico, só tenho a agradecer”, finaliza Vânia Silvério de Souza.

Veja Mais:  Valor da Produção Agropecuária é estimado em R$ 564,3 bilhões para 2019

 

Fonte: Ascom Aprosoja

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: comunicacao@aprosoja.com.br

Fonte: APROSOJA
Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Declaração de líderes do Brics reforça importância da sustentabilidade no setor agrícola

Publicado

Reunidos durante a XI Cúpula do Brics, os chefes de Estado dos cinco países aprovaram a nesta quinta-feira (14) a Declaração de Brasília, com as principais decisões do grupo. Na área da agricultura, o documento reconhece a importância da cooperação entre os países e da gestão sustentável dos recursos naturais e destaca que o comércio no bloco deve se basear na ciência e na tecnologia. 

“Na condição de líderes mundiais na produção de produtos agrícolas e lar de grandes populações, destacamos a importância da cooperação do Brics na agricultura.Reconhecemos a importância da agricultura de bases científicas e do uso de TICs para essa finalidade. Sublinhamos a necessidade de garantir segurança alimentar, qualidade sanitária dos alimentos, combater a desnutrição, eliminar a fome e a pobreza por meio do aumento da produção agrícola, da produtividade, da gestão sustentável dos recursos naturais e do comércio agrícola entre os países do Brics”, diz o documento.

A Declaração de Brasília também traz o comprometimento em implementar os resultados da COP 14 da Convenção das Nações Unidas para o Combate à desertificação (UNCCD) para alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 15.3 (uso sustentável dos ecossistemas terrestres) até 2030, de combate à desertificação, recuperação de terras e solos degradados, e “lutar para alcançar um mundo neutro em termos de degradação da terra”. 

Os líderes se comprometeram com a implementação do Acordo de Paris e pediram o apoio dos países desenvolvidos para ampliar a prestação de assistência financeira, tecnológica e de capacitação aos países em desenvolvimento para apoiar ações de mitigação e adaptação. Outro resultado foi a criação da Aliança Empresarial de Mulheres do Brics, que visa a aumentar o papel das mulheres como impulsionadoras do crescimento econômico, contribuindo para o empoderamento econômico das mulheres nos cinco países. 

A Declaração conjunta também cita a 9ª Reunião de Ministros da Agricultura do Brics, realizada em setembro, em Bonito (MT), que reconheceu a importância da agricultura sustentável e o papel da biotecnologia para o aumento da produtividade,

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) participou das sessões plenárias, encontros bilaterais e fórum empresarial. Ontem (13), o Brasil e a China firmaram acordos sanitários para que o Brasil exporte melão para o país asiático, que poderá vender pera para o mercado brasileiro. 

Veja Mais:  Tereza Cristina vai a Bahia e Pernambuco na terceira etapa de sua viagem ao Nordeste

Presidida pelo presidente Jair Bolsonaro, a XI Cúpula do Brics foi realizada em Brasília nesta quarta-feira (13) e quinta-feira (14). O evento reuniu o presidente Vladimir Putin (Rússia), o primeiro-ministro Narendra Modi (Índia), o presidente Xi Jinping (China) e o presidente Cyril Ramaphosa, da África do Sul. Ao final do encontro, o Brasil entregou a presidência rotativa do bloco para a Rússia. 

Informações à imprensaimprensa@agricultura.gov.br

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Portal Agro

Universidades da Amazônia firmam compromisso de desenvolver pesquisas em bioeconomia

Publicado

Reitores de diferentes universidades da região amazônica brasileira assinaram uma carta de compromissos pelo desenvolvimento de pesquisas em bioeconomia para benefício do país e, principalmente, dos estados que abrigam a Amazônia.

O ato marcou o encerramento do 1° Encontro de Bioeconomia e Sociobiodiversidade da Amazônia, realizado nos dias 12 e 13 de novembro, na Universidade do Estado do Amazonas, em Manaus. O evento foi promovido pela Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Na carta, os reitores se comprometem a atuar de forma colaborativa para produzir conhecimento e propor políticas públicas voltadas para bioeconomia.  O objetivo da rede é criar alternativas inovadoras baseadas em novas tecnologias e estratégias que possam valorizar e proteger os ecossistemas da Amazônia e melhorar a qualidade de vida das populações que vivem no bioma.

 

Foto: Nelson Ponce/Copronat

“As universidades têm o papel estratégico na geração e aplicação de novos conhecimentos científicos, tecnológicos, culturais e humanísticos, consolidando parcerias interinstitucionais brasileiras e internacionais em áreas estratégicas da bioeconomia”, diz trecho da carta.

O documento foi assinado por representantes das seguintes instituições: Universidade do Estado do Amazonas, Instituto Federal do Amazonas, Fiocruz Amazônia, Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa), Centro de Biotecnologia da Amazônia e as universidades federais do Amazonas, do Acre, do Oeste do Pará, de Roraima, do Amapá,  do Tocantins e Rural da Amazônia.

Veja Mais:  Governo reajusta preços mínimos de café, trigo e laranja

Workshops

Nesta quarta-feira, o Encontro também promoveu quatro workshops que discutiram de forma prática como desenvolver escolas de negócios sustentáveis, diálogos da sociobiodiversidade e castanha, cadeia produtiva de ervas medicinais, aromáticas, condimentadas, azeites e chás especiais, além de definir encaminhamentos do Plano Estratégico para a Bioeconomia do Amazonas.

Em um dos grupos,  as chefs de cozinha Teresa Corção e Maria do Céu, conhecidas como ecohefs, realizaram uma dinâmica de reconhecimento sensorial de ingredientes da Amazônia e de outras regiões do país.

Informações à imprensaDébora Brito
imprensa@agricultura.gov.br

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana