conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Economia

No terceiro trimestre, bancos brasileiros crescem e tem maior lucro desde 2006

Publicado


Lucro somado entre Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Santander foi o maior desde 2006 no terceiro trimestre deste ano
shutterstock

Lucro somado entre Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Santander foi o maior desde 2006 no terceiro trimestre deste ano

O lucro líquido dos quatro maiores bancos em atuação no Brasil somou R$ 17,47 bilhões no terceiro trimestre deste ano. Esse é o maior valor registrado desde 2006, que também representa aumento de 28,5% em relação ao mesmo período de 2017.

Leia também: Duas em cada três operações bancárias são feitas via internet e telefone

Na comparação com o trimestre anterior, a soma dos crescimentos de  lucro do Itaú, Banco do Brasil, Bradesco e Santander apresentou alta de 3,5% no terceiro trimestre. Segundo dados da Economatica, o valor consolidado, que desconsidera a inflação, é o maior em 12 anos.

O levantamento leva em consideração os demonstrativos financeiros disponibilizados pelas instituições financeiras a cada três meses, desde o final de 2006, início da série disponibilizada pelo Santander na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

De acordo com os balanços divulgados por cada um dos bancos, o aumento dos lucros foi impulsionado especialmente pelo crescimento das receitas com tarifas e prestação de serviços, menores despesas com provisões para calotes e menor custo do crédito.

Levando em conta a inflação oficial do País , o lucro consolidado dos quatro maiores bancos no terceiro trimestre foi o maior desde o segundo trimestre de 2015 – R$ 20,5 bilhões ou R$ 17,47 bilhões líquidos. O valor é corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Veja Mais:  Secretário da Receita contradiz Bolsonaro e nega aumento do IOF

Entre 2017 e o terceiro trimestre de 2018, o menor valor foi obtido no cálculo realizado justamente no terceiro trimestre do ano passado – R$ 13,59 bilhões. Neste ano, em contrapartida, esse é o período de maior lucro dos bancos no Brasil.

Desde 2015, o pior resultado para as instituições financeiras foi notado no quarto trimestre de 2016 – R$ 11,63 bilhões.

Lucro do Itaú no 3º trimestre de 2018


Lucro do Banco Itaú foi o maior, de R$ 6,247 bilhões
Wikicommons/Creative Commons

Lucro do Banco Itaú foi o maior, de R$ 6,247 bilhões

O Banco Itaú registrou lucro líquido de R$ 6,247 bilhões no terceiro trimestre, número que indica crescimento de 2,8% na comparação com o mesmo período do ano passado. Na soma dos nove meses já contabilizados em 2018, o lucro líquido do banco foi de R$ 18,772 bilhões, o que representa um avanço de 3,5% ante os primeiros seis meses de 2017.

Os destaques citados no resultado deste ano são o menor custo do crédito e as maiores receitas com prestação de serviços aos clientes. A inadimplência acima de 90 dias entre as pessoas físicas permaneceu estável em 4,5% ante os três meses anteriores.

Lucro do Bradesco no 3º trimestre de 2018


Lucro do Bradesco foi o que registrou maior alta frente o mesmo período de 2017: 73,7% de aumento, chegando a R$ 5,009 bilhões
Wikimedia Commons

Lucro do Bradesco foi o que registrou maior alta frente o mesmo período de 2017: 73,7% de aumento, chegando a R$ 5,009 bilhões

O Bradesco  obteve lucro líquido de R$ 5,009 bilhões, o que representa uma alta expressiva de 73,7% na comparação com o mesmo período do ano passado (R$ 2,884 bilhões). No acumulado dos nove primeiros meses do ano, o banco registrou lucro líquido de R$ 14,004 bilhões, uma alta de 28,9% na comparação com o mesmo período de 2017.

Veja Mais:  Empresas e bancos tem até hoje para enviar comprovantes usados no IR

O índice de inadimplência acima de 90 dias ficou em 3,63%, 0,3 ponto percentual abaixo do índice do trimestre anterior e com queda de 1,2 ponto percentual ante o mesmo período do ano passado.

Lucro do Banco do Brasil no 3º trimestre de 2018


Lucro do Banco do Brasil no terceiro trimestre deste ano foi de R$ 3,175 bilhões
Wikimedia Commons

Lucro do Banco do Brasil no terceiro trimestre deste ano foi de R$ 3,175 bilhões

O Banco do Brasil reportou lucro líquido de R$ 3,175 bilhões, apresentando um aumento de 11,78% na relação anual (R$ 2,841 bilhões em 2017).  No acumulado no ano, o lucro líquido soma R$ 9,059 bilhões, com alta de 14,6% na comparação com os 9 primeiros meses do ano passado.

Segundo o banco, o resultado se deve ao “desempenho positivo das rendas de tarifas, qualidade do crédito e controle das despesas administrativas” e menores provisões para perdas com empréstimos. O índice de inadimplência acima de 90 dias diminuiu 0,5 ponto percentual no trimestre, caindo para 2,83%.

Lucro do Santander no 3º trimestre de 2018


Lucro do Santander foi de R$ 3,039 bilhões no terceiro trimestre de 2018
João Paulo Chagas/Wikipedia

Lucro do Santander foi de R$ 3,039 bilhões no terceiro trimestre de 2018

O lucro líquido divulgado pelo Santander foi de R$ 3,039 bilhões, o que indica um aumento de 2,2% em comparação com o mesmo período do último ano. Na soma dos primeiros nove meses, foi registrado lucro líquido de R$ 8,831 bilhões, alta de 60,6% em relação ao mesmo período de 2017.

Veja Mais:  Taxa de desemprego cai para 12,3%, mas ainda atinge 12,9 milhões de pessoas

O índice de inadimplência superior a 90 dias atingiu 2,9% no final de setembro, se mantendo estável: alta de apenas 0,1 ponto percentual em três meses.

Leia também: Copom mantém Selic em 6,5% ao ano na primeira reunião após as eleições

Ao todo, com R$ 6,247 bilhões do Itaú, R$ 5,009 bilhões do Bradesco, R$ 3,175 bilhões do Banco do Brasil e R$ 3,039 bilhões do Bradesco, o lucro  líquido total dos bancos foi de R$ 17,47 bilhões no terceiro semestre de 2018, maior valor em 12 anos.

Comentários Facebook

Economia

Para empresários dos EUA, Guedes anuncia: Brasil “está vendendo”

Publicado


Ministro da Economia, Paulo Guedes,, ressaltou interesse abrir mercado para investidores dos EUA
Alan Santos/PR – 18.3.19

Ministro da Economia, Paulo Guedes,, ressaltou interesse abrir mercado para investidores dos EUA


O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse a empresários norte-americanos que o Brasil está “vendendo”. Na esperança de atrair investidores e parceiros para o País, ele discursou, nesta segunda-feira (18), em uma conferência na Câmara de Comércio dos Estados Unidos, em Washington, que realizou o evento “Brazil Day”.

Leia também: Em entrevista a rede de TV, Bolsonaro fala de Venezuela, Marielle e polêmicas

Em sua fala, Paulo Guedes ressaltou que está em busca de parcerias econômicas, principalmente vindas do exterior, e que procura empresários que queiram investir em projetos brasileiros.

“Estamos abertos para negócios. Se vocês forem lá podem comprar várias coisas, podem comprar imóveis”, afirmou o ministro. Ele também ressaltou as privatizações de estatais: “Nós estamos vendendo. Sexta-feira passada nós vendemos 12 aeroportos. Daqui 3 a 4 meses nós vamos vender petróleo, o pré-sal. Estamos abertos para investimentos privados”, completou.


Reafirmando sua intenção de diminuir os gastos públicos , o ministro voltou a lembrar que o as contas altas são uma herança problemática para o Brasil. ” “A expansão descontrolada de gastos públicos durante 40 anos produziu a sequência de crises na taxa de cambio, inflação altíssima e, mais recentemente, o que podemos chamar de bola de neve do endividamento.” 

Veja Mais:  Arrecadação federal sobe 4,74% em 2018 e soma R$ 1,4 tri, maior valor em 4 anos

Segundo ele, é exatamente esse problema dos gastos que faz com que a equipe econômica esteja abrindo o Brasil para negociações e privatizações . “Temos que fazer como qualquer empresa faria, vender suas propriedades, reduzir a trajetória futura de gastos que aumentam”, disse.

Leia também: Bolsonaro bajula Trump e se apresenta como quebra de “tradição antiamericana”

Guedes ressaltou, ainda, que para ajudar na recuperação da economia vai reduzir impostos por meio de uma reforma tributária – “Nós temos mais de 50 impostos. Vamos fechar em 5, 6 ou 7 impostos, como em qualquer sistema ordinário” – e também diminuirá o número de funcionários públicos

De acordo com o ministro, 50% dos funcionários públicos vão se aposentar “nos próximos 5 ou 6 anos” e não serão encontrados novos trabalhadores para seus postos de trabalho. “E adivinha o quê? Nós não vamos recontratar novos no lugar”, afirmou. “Se eles se aposentarem, nós vamos digitalizar e nós vamos fazer encolher a economia do Estado”, afirmou.

Assim como Paulo Guedes, Bolsonaro também espera investimentos dos EUA


Jair Bolsonaro (PSL) desembarcou em Washington no fim da tarde do domingo (17)
Alan Santos/Presidência da República

Jair Bolsonaro (PSL) desembarcou em Washington no fim da tarde do domingo (17)


No mesmo evento, o presidente Jair Bolsonaro discursou, reiterando o convite de Guedes para que os norte-americanos façam parcerias com o Brasil. “Hoje os senhores têm um presidente amigo dos Estados Unidos que admira esse país maravilhoso, e quer, sim, aprofundar, não apenas laços de amizade, bem como as mais variadas negociações”, afirmou.

Veja Mais:  Boletim Focus: inflação sobe em 2018 e juros devem aumentar no ano que vem

Segundo o capitão reformado, que vai se encontrar pessoalmente com o presidente dos EUA, Donald Trump , nesta terça-feira (19), na Casa Branca, “o Brasil tem um potencial enorme”  e precisa de “bons parceiros”.

Leia também: Em seu último dia nos EUA, Bolsonaro se reúne com Trump na Casa Branca

Bolsonaro espera que a reunião entre ele e Trump renda bons frutos: “Temos, no mundo todo, alguns bons parceiros, mas acredito que, de forma especial, estou aqui  estendendo as minhas mãos, e tenho certeza que Trump fará o mesmo amanhã, para que essa parceria se faça cada vez mais presente em nosso meio”, disse.

“O Brasil tem muito a oferecer e eu gostaria muito de fazer parcerias, muito mais do que o assinado há pouco [sobre o Centro de Lançamento de Alcântara, que permitirá o uso comercial de Base de Alcântara, no Maranhão, para o lançamento de satélites norte-americanos], nas mais variadas áreas: mineralogia, agricultura, biodiversidade, temos uma imensidão a ser descoberta em nossa Amazônia. Gostaríamos, e muito, de ter a parceria desse Estado o qual eu admiro muito”, acrescentou.

Acordo para Base de Alcântara





Os governos do Brasil e dos Estados Unidos firmaram, também durante o evento, o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST) para uso comercial da base de lançamentos aeroespaciais de Alcântara. 

Veja Mais:  Com desemprego e eleições, confiança do consumidor fica estável em setembro

A medida, que ainda precisa ser ratificada pelo Congresso Nacional, visa proteger a tecnologia desenvolvida pelos países contra o uso ou cópia não autorizados. Segundo a Agência Espacial Brasileira (AEB), sem a assinatura do acordo com os Estados Unidos, nenhum satélite com tecnologia norte-americana embargada poderia ser lançado da base de Alcântara, pois não haveria a garantia da proteção da tecnologia patenteada por aquele país.

China e Eua

Na semana passada, o presidente já havia mostrado vontade em uma aproximação com os EUA, mas lembrou da China, atualmente o maior compradora de produtos brasileiros. “Como sempre disse na pré-campanha e na campanha, queremos nos aproximar do mundo todo. Os EUA podem ser, com toda certeza, um grande parceiro. [Mas] O nosso grande parceiro econômico é China; em segundo lugar, os EUA “, declarou.

Em seu discurso de ontem (18), apesar de també, demonstrar interesse na aproximação, Guedes reafirmou a opinião do presidente: “Os chineses querem dançar com a gente, eles são nosso parceiro número 1 hoje. Nós (Brasil e Estados Unidos) somos complementares, semelhantes, mas fazemos mais negócios com os chineses.”

O ministro também disse que, com a nova gestão, o Brasil merece um “tratamento diferente”, já que deixou de “pular com a perna esquerda” e passado a “pular com a perna direita”. “Merecemos um tratamento diferente daquele que tínhamos antes”, defendeu.

Leia também: Bolsonaro tira exigência de visto de cidadãos de EUA, Austrália, Canadá e Japão

“O presidente ama a América, eu amo a América. O presidente ama os americanos, e eu também, claro, estudei aqui. Adoro Coca-Cola, a Disneylândia”, afirmou Paulo Guedes .

*Com informações da Agência Brasil

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Sobre o caso Bettina, da Empiricus: Desconfie de quem promete um milhão

Publicado

Se você ainda não viu nas suas redes sociais ou no Youtube o caso da Bettina, da Empiricus, calma. Vai conhecê-la. De todo modo, vou antecipar do que se trata. Ela é uma moça, que alega ter 22 anos, e que teria transformado R$ 1.520 em R$ 1,042 milhão em três anos. Bettina Rudoplh existe. Ela não é um meme. Mas o que ela diz, talvez.

Aliás, o que era para ser um anúncio de uma empresa se tornou quase que uma aversão à figura da moça e do que ela promete. A peça publicitária trouxe à tona uma discussão sobre realidade versus promessa versus mentiras. E por que isso? 

Eu explico: Desconfie de quem prometer rentabilidade.  O mercado vive de risco então, ninguém, absolutamente ninguém pode garantir nenhuma rentabilidade sobre qualquer investimento.

O profissional de mercado, como eu e tantos outros colegas, ajuda você a se conhecer financeiramente. Ajuda a identificar suas vontades, seus objetivos e a traçar suas metas, galgar seu objetivo. Através desta modelagem, esse profissional é capaz de mostrar, apresentar e deixar as claras todas as opções existentes. E sim, existem várias, mas cada qual com seu diferencial.


Bettina Rudolph diz que tem R$ 1 milhão com 22 anos
DIVULGAÇÃO INTERNET

Bettina Rudolph diz que tem R$ 1 milhão com 22 anos

Assim, portanto, esse profissional oferece a você o suporte para tomar decisões com praticamente zero possibilidade de equivoco, erro, desvio. Essas decisões, aliás, precisam ser monitoradas e corrigidas ao longo da vida. Veja que, quando a rentabilidade é “garantida”, porque você precisa tomar decisão? Não faz sentido, não?

Veja Mais:  Secretário da Receita contradiz Bolsonaro e nega aumento do IOF

Cuidado com as promessas. Enriquecimento precoce não existe. A não ser que você seja de uma família rica, aonde seu salário nunca será utilizado para pagar uma conta.

“Olá, sou a Bettina, tenho 22 anos e 1 milhão na conta….”. Apenas faça a conta e verifique você mesmo essa viabilidade.

Se conseguir, deixe aqui um comentário explicando. Se não, idem. Precisamos compartilhar essas informações, sejá lá qual a possibilidade da mesma. #vemcomigo

Leia também:

Como fugir das armadilhas dos juros altos? Confira algumas dicas

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Em Washington, Guedes reitera compromisso com reformas e redução do Estado

Publicado


Em Washington, Paulo Guedes se mostrou otimista:
Valter Campanato/Agência Brasil

Em Washington, Paulo Guedes se mostrou otimista: “Temos um programa econômico muito sólido, na direção certa”

Acompanhando o presidente Jair Bolsonaro (PSL) em viagem oficial a Washington, nos Estados Unidos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, abriu o “Brazil Day in Washington” discursando sobre o cenário econômico do País. O chefe da equipe econômica do governo aproveitou a oportunidade para reforçar o compromisso com a aprovação das reformas e defender a redução do Estado, descentralizando seu poder.

Leia também: Mourão espera que Previdência seja aprovada até o início do segundo semestre

“Temos um programa econômico muito sólido, na direção certa. A reforma da Previdência, inclusive, que é uma medida muito dura, é um plano de crescimento futuro. [Propomos a] Redução e ressignificação das taxas, [além de] uma abertura da economia”, listou Paulo Guedes . “Nós vamos digitalizar e fazer encolher a participação do Estado. Nós vamos descentralizar o Estado.”

O ministro ainda exaltou a figura de Bolsonaro, traçando paralelos entra eleição  do presidente e de Donald Trump. “Ele [Bolsonaro] tem bons princípios. Exatamente como aconteceu com Trump aqui, Bolsonaro venceu as eleições falando diretamente com o povo por meio das redes sociais. Ele ganhou baseado em uma plataforma diferente”, comentou.

Para Guedes, Bolsonaro é determinado, o que é uma marca de “grandes lideranças”, e representa uma mudança em dois eixos, o econômico e o político. O economista também fez questão de rejeitar a fama de “autoritário” que o presidente ganhou durante as eleições. “Nossa democracia nunca esteve em risco. Nosso presidente tem 30 anos de experiência no Congresso e ele se recusou a jogar o jogo que contaminou nossa política”, disse.

Veja Mais:  Franquia de lavanderias aposta no conceito de multifranqueados

Aos norte-americanos, o ministro ainda criticou a política econômica adotada nos governos anteriores, atacando principalmente o que chamou de “expansão descontrolada dos gastos públicos”. Sem citar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Guedes fez críticas ao repasse de recursos para a construção da Arena Corinthians (Itaquerão) e aos investimentos em Cuba e na Venezuela, reiterando a importância da descentralização do poder público.

“O poder político deve ser limitado e descentralizado. Nós não chegamos lá ainda, mas estamos caminhando nessa direção”, prometeu. “Nós temos que criar o sonho brasileiro, e isso é exatamente o que o presidente Bolsonaro fez durante a campanha. É um momento muito importante.”

Leia também: Mercado reduz projeção para o crescimento da economia pela terceira vez 

Depois de Paulo Guedes , ainda discursaram o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o próprio presidente Bolsonaro. As três apresentações foram transmitidas ao vivo pelo Periscope da TV NBR, o canal oficial do Governo Federal, e podem ser assistidas novamente no link abaixo.


Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana