conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Policial

Operação da Polícia Civil do DF prende funcionário de empresa e apreende veículos em Rondonópolis

Publicado

Assessoria | PJC-MT

Um funcionário de uma empresa de assessoria de cobrança foi preso, em Rondonópolis (212 km ao Sul), na operação “Crédito Desviado”, deflagrada na manhã desta quinta-feira (09), pela Polícia Civil do Distrito Federal em oito estados e o DF, para prender suspeitos investigados no desvio de  R$ 26 milhões do Banco do Brasil, entre os anos de 2017 e 2018. As investigações são da Coordenação de Combate a Corrupção e Combate ao Crime Organizado (Cecor).

Na cidade de Rondonópolis, uma equipe da Polícia Civil de Brasília, coordenada pelo delegado Marcelo Guerra, com apoio de policiais da Delegacia de Roubos e Furtos e do Grupo Armado de Resposta Rápida (Garra) da Polícia Civil de Mato Grosso, cumpriram três mandados de busca e apreensão e efetuaram a prisão do funcionário de uma empresa de assessoria de cobrança. Um advogado, ligado a essa empresa, também teve o mandado de prisão, mas não foi localizado e é considerado foragido.

O delegado de Brasília, Marcelo Guerra, informou que a empresa de assessoria de cobrança de Rondonópolis desviou mais de R$ 1,9 milhão do Banco do Brasil, entre os anos de 2017 e 2018, por meio da manipulação do sistema do banco.  

Nas buscas, foram apreendidos três veículos, sendo uma caminhonete SW4, um Corola e automóvel Polo. Os mandados foram cumpridos em duas residências e na empresa de assessoria de cobrança.

Veja Mais:  Polícia Civil prende autor de furto de cabeamento de telefonia em VG

Foram cumpridos 28 mandados de busca e apreensão e 17 mandados de prisão temporária, expedidos em desfavor de funcionários do Banco do Brasil e empresários vinculados a empresas de cobranças e dívidas da instituição financeira. Os mandados foram cumpridos no Distrito Federal, Goiás, São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso e Rio de Janeiro. As ações resultaram na prisão de 15 pessoas envolvidas no esquema de desvio de valores. Dois acusados ainda continuam foragidos.

De acordo com as investigações, nos anos de 2017 e 2018, o grupo investigado subtraiu do Banco do Brasil mais de R$ 26 milhões. Os envolvidos são investigados pelos crimes de organização criminosa — com aumento de pena em virtude da participação de funcionário público —, peculato e lavagem de dinheiro. Segundo o coordenador da Corf, R$ 15 milhões desviados do Banco do Brasil já foram bloqueados pela Justiça e deverão ser restituídos à instituição bancária.

Segundo o delegado Wenderson Teles, responsável pelas investigações, dois funcionários do banco, que atuavam diretamente na movimentação de valores altos e comissões destinadas às empresas de cobrança, aproveitavam-se dos cargos executivos e das transações de pagamento manuais para aumentar o valor das comissões dos empresários em troca de reembolsos ilegais.

Com informações da PC do DF

Veja mais

PCDF desarticula grupo que desviou R$ 26 mi de banco

 

Veja Mais:  Polícia Civil prende suspeito de esfaquear vítima e largar ao lado de Pronto Socorro de Várzea Grande

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook

Policial

ALERTA: Polícia Civil não envia intimações por e-mail

Publicado

Assessoria | PJC-MT

A Polícia Judiciária Civil alerta que não envia intimações por e-mail. São enviados por e-mail apenas boletins de ocorrências registrados pela Delegacia Virtual da PJC-MT. 

Estão circulando e-mails recebidos por terceiros com o assunto DELEGACIA VIRTUAL, com anexo de intimações, que foram identificados como vírus. A Polícia Civil alerta que qualquer pessoa que receba mensagem nesse sentido não abra, pois pode causar danos ao computador ou celular e ainda capturar dados do destinatário. 

A Gerência de Crimes de Alta Tecnologia da PJC está apurando a origem da mensagem.

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Veja Mais:  Aristóteles Cadidé deixa a superintendência da PRF em MT
Continue lendo

Policial

Governo de Mato Grosso cria Delegacia de Especializada de Combate à Corrupção

Publicado

Raquel Teixeira/PJC-MT

O Governo do Estado de Mato Grosso, por meio da Polícia Judiciária Civil, tem a partir de agora uma unidade que atuará exclusivamente com investigações de fraudes ou modalidades de corrupção praticadas na administração pública e ações de agentes que atuem de forma isolada ou em grupo na lavagem ou ocultação de bens. O decreto criando a Delegacia Especializada de Combate à Corrupção foi publicado nesta sexta-feira (18.10), no Diário Oficial do Estado. 

O secretário de Estado de Segurança Pública, Alexandre Bustamante dos Santos, destaca o alinhamento de Mato Grosso com as diretrizes do Ministério da Justiça e Segurança Pública que tem como um das prioridades o reforço nas ações de combate à corrupção. “Em consonância com a orientação do MJSP para que os Estados reforcem as atividades investigativas criamos essa estrutura que trabalhará nesse foco específico, com as atividades centralizadas nessa nova estrutura, que atuará em parceria com órgãos de controle externo”, reforçou Bustamante. 

Em julho deste ano, o Ministério da Justiça publicou os critérios para rateio entre os Estados dos recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública. O fortalecimento da Rede Integrada de Banco de Perfis Genéticos, a Proteção das Fronteiras e a Criação de Unidades Especializadas das Polícias Civis específicas para o combate à corrupção são alguns dos indicadores definidos por serem considerados estratégicos e de ganhos substanciais na produção de provas e no enfrentamento às organizações criminosas.

Veja Mais:  Polícia Civil prende homem que aplicou golpe de R$ 34 mil em vítima de São Paulo

O delegado-geral da PJC-MT, Mário Dermeval Aravéchia de Resende, pontua que a  criação da nova Delegacia, permite à Polícia Civil atuar numa linha de trabalho investigativo nos moldes da força-tarefa da Operação Lava Jato, seguindo uma tendência de todos os Estados, conforme as premissas adotadas pelo Ministério da Justiça. “A Polícia Civil, mesmo com a crise de efetivo e escassez de recursos conta com apoio do governo para ter uma estrutura que possa atuar de maneira bastante rigorosa no combate aos crimes de corrupção e que as ações investigativas permitam ao Estado ter de volta recursos que porventura sejam desviados”, afirma o delegado-geral. 

Mário Dermeval acrescenta ainda que o trabalho da DECCOR será em conjunto com órgãos de controle. “Nossa prioridade nessa estrutura é atuar com base em uma boa relação com o Ministério Público, pois são todos engrenagem de um mesmo sistema que tem como resultado o zelo com recursos públicos”. 

Estrutura 

Conforme estabelece o Decreto 267/2019, a Delegacia Especializada de Combate à Corrupção ficará subordinada à Diretoria de Atividades Especiais e terá atuação em todo o Estado de Mato Grosso. 

O diretor de Atividades Especiais, delegado Fernando Vasco Spinelli Pigozzi, explica que a nova Delegacia ocupará, por enquanto, o mesmo prédio da Delegacia Fazendária, e que no futuro passará para outro local. “O próximo passo agora, a partir da criação é estruturar as equipes que atuarão na DECCOR, em conformidade com o que estabelece o Decreto”. 

Veja Mais:  Aristóteles Cadidé deixa a superintendência da PRF em MT

O coordenador-geral do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Internacional do MJSP, Duílio Cardoso, pontua que a criação das Delegacias nos Estados demostra o comprometimento dos governos em fortalecer o trabalho policial investigativo no combate à corrupção para que no futuro, as Polícias Civis sejam os principais atores nesse processo. “A criação e estruturação das DECCOR fortalecem internamente as instituições e o processo de maturação para conquistar resultados efetivos nas investigações. Com essa resposta por parte dos estados está sendo criado um cenário que não permitirá retrocessos nas ações de combate à corrupção e o ganho é para toda a sociedade”, atesta Duílio Cardoso.

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Polícia Civil prende homem que tentou matar companheira queimada em Cuiabá

Publicado

Assessoria | PJC-MT

A Polícia Judiciária Civil, através da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher (DEDM) de Cuiabá, cumpriu nesta sexta-feira (18.10), o mandado de prisão preventiva contra Geanderson Áureo de Campos (28), pelo crime de tentativa de feminicídio. O suspeito é acusado de jogar álcool e atear fogo no corpo da companheira motivado por ciúmes.

O crime ocorreu no dia 21 de setembro quando o suspeito exigiu que a sua companheira lhe mostrasse o celular. Ao ter a ordem negada, ele agrediu passou a agredi-la com socos e esganaduras por aproximadamente 40 minutos e a prometeu de morte.

Não satisfeito com as agressões, o suspeito jogou álcool no corpo da companheira e em seguida, utilizando um palito de fósforo ateou fogo na vítima, que ficou em chamas em frente do suspeito.

Após o fogo apagar, Geanderson manteve a companheira presa em casa, impedindo-a de buscar atendimento médico. Somente após ele dormir, a vítima conseguiu fugir do local, e teve que caminhar por cerca de dois quilômetros até chegar a um hospital onde recebeu atendimento.

Além das diversas queimaduras pelo corpo, a vítima ainda perdeu a audição de um dos ouvidos devido à gravidade da lesão.

Segundo a delegada, Nubya Beatriz Gomes dos Reis, o suspeito apresenta extensa lista de antecedentes criminais, e responde pela prática de outro homicídio.

“Desde a data do crime, Geanderson estava foragido e com apoio da Diretoria de Inteligência a prisão foi cumprida com sucesso em um assentamento. Agradeço imensamente a todos policiais da DEDM envolvidos nas investigações e ao apoio da Diretoria de Inteligência que tornou possível a prisão do autor de um crime tão bárbaro”, disse.

Veja Mais:  Polícia Civil prende autor de furto de cabeamento de telefonia em VG

 

 

 

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana