conecte-se conosco


Nacional

Palocci diz que filho de Lula recebeu propina durante aprovação de MP

Publicado


Ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil, Antonio Palocci afirmou que filho de Lula recebeu propina em depoimento
Antonio Cruz/Agência Brasil

Ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil, Antonio Palocci afirmou que filho de Lula recebeu propina em depoimento

O ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil nos governos dos ex-presidentes Luis Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Russeff (PT), Antonio Palocci, afirmou, em depoimento nesta quinta-feira (6), que Luís Cláudio Lula da Silva, um dos filhos de Lula, recebeu propina em função das alterações de uma Medida Provisória (MP) editada por seu pai em 2009, quando este ainda era presidente da República.

Segundo Palocci , um esquema foi acertado para realizar o pagamento de R$ 2 milhões a R$ 3 milhões em propina a Luís Cláudio para a realização do torneio Touchdown, de futebol americano, através de sua empresa da área esportiva. As informações são do portal UOL .

O dinheiro teria vindo através da empresa Marcondes e Mautoni Empreendimentos, do lobista Mauro Marcondes Machado, que representava os interesses da CAOA (Hyundai) e da MMC Automotores (Mitsubishi no Brasil) que ofertaram ainda R$ 6 milhões a Lula e ao então chefe de gabinete do governo Gilberto Carvalho para financiar campanhas políticas do PT.

Em troca, as montadoras pediram a edição de uma MP, investigada na Operação Zelotes, que foi aprovada em 2009 e tinha como finalidade prorrogar incentivos fiscais dados a montadoras instaladas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

“Me foi relatado pelo ex-presidente Lula que ele havia tido entendimentos [para o pagamento de propina] com o seu Mauro Marcondes”, disse Palocci.

Veja Mais:  Eduardo Azeredo é internado para se submeter a cirurgia em Belo Horizonte

Em atualização

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Polícia do DF investiga casal que segurou menino de 6 anos para sofrer agressões

Publicado


Agressão a menino de 6 anos é flagrada por câmeras de segurança de condomínio
Reprodução

Agressão a menino de 6 anos é flagrada por câmeras de segurança de condomínio

Um garoto de seis anos de idade foi agredido por um casal durante partida de futsal entre crianças na quadra de um condomínio fechado, na Octogonal, em Brasília. O caso aconteceu no último domingo (9) e as câmeras de segurança do local flagraram o momento da ação, motivada por um simples mal-entendido.

Leia também: Governo cria plano nacional para combater a violência doméstica em mulheres

As imagens da agressão mostram as crianças na quadra jogando bola, às 17h25, quando um os meninos tenta fazer um drible e cai. Pouco tempo depois, o pai da criança ferida aparece e segura os braços de outro garoto, imobilizando-o, enquanto ordena que a criança que caiu bata no rosto do colega. Logo após, uma mulher surge e empurra o garoto imobilizado, que cai no chão.

As crianças ao redor ficam afastadas, próximas à grade – e algumas delas até chegam a chorar pelo ocorrido. A tia do menino que sofreu violência, Jucinea das Mercês Nascimento, de 43 anos, explicou ao jornal Correio Braziliense os pais do menino que caiu com o drible teriam achado que seu sobrinho havia batido na outra criança, após a última voltar ao apartamento no qual os pais estavam com inchaço e sangramento na boca.

Veja Mais:  Belivaldo e Valadares Filho disputarão segundo turno para o Governo de Sergipe

Leia também: Bolsonaro viaja de Brasília a São Paulo para passar por nova avaliação médica

De acordo com testemunhas que estavam no local, o pai teria descido até a quadra para tirar satisfação com o garoto agredido . Um boletim de ocorrência denunciando as agressões contra o garoto de seis anos foi prestado na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), que tem a posse das imagens gravadas pelas câmeras de segurança. A vítima foi encaminhada ao IML para exame de corpo delito.

O casal responderá pelo crime de lesão corporal, com pena prevista de três meses a um ano, com possibilidade de aumentar dependendo da idade da vítima. Os pais devem responder, ainda, pelo crime de ameaça e por submeterem o filho a constrangimento, crime previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Conselheiros tutelares do Distrito Federal compareceram ao local do acontecido para apurar o caso, que também está sendo observado pelo condomínio. Uma reunião no prédio será feita na sexta-feira (14), às 9h30, para debater o ocorrido. A demanda administrativa dos moradores é de que, enquanto a situação não for resolvida, os pais das crianças – que não moram no prédio – não acessem a área, para que não haja retaliação.

Leia também: Menina de oito anos que teve queimaduras após avião atingir sua casa recebe alta

Veja Mais:  Ex-ministro Guido Mantega vira réu pela primeira vez na Operação Lava Jato

Por mais que o garoto estivesse brincando no condomínio, ele não mora em Brasília , mas sim com os pais na Bahia. A vítima de agressão estava passando uma semana de férias na casa de Jucinea para comemorar o aniversário do primo, de nove anos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Candidato à presidência da Câmara defende salário maior para deputados

Publicado


Fábio Ramalho é vice-presidente da Câmara dos Deputados e candidato à presidência da Casa
Reprodução/Wikipedia

Fábio Ramalho é vice-presidente da Câmara dos Deputados e candidato à presidência da Casa

O deputado federal reeleito Fábio Ramalho (MDB-MG) defendeu aumento de 4% no salário dos parlamentares, o que elevaria os rendimentos mensais de deputados para R$ 39 mil. Ramalho é candidato à presidência da Câmara dos Deputados e atual vice de Rodrigo Maia (DEM-RJ), atual presidente da Casa. 

Leia também: Eduardo Bolsonaro diz que PSL não apoiará Rodrigo Maia à presidência da Câmara

“Nós precisamos que todos os deputados sejam reajustados como está sendo reajustado todos os outros poderes. Então, pediria ao senhor (presidente da Câmara, Rodrigo Maia) que tivéssemos uma reunião da mesa e que tratássemos do aumento que é constitucional, dentro da lei, para que todos os parlamentares tenham seu direito assegurado sobre tudo no salário”, disse Fábio Ramalho  nessa quarta-feira (12).

O deputado também ameaçou a demissão de quem fez o cálculo do orçamento para a Câmara sem levar em conta o reajuste. “O diretor-geral da Casa fez um erro sobre a questão do CNE, temos de tomar uma posição e, se for o caso, até demiti-lo”, defendeu. Maia respondeu que iria analisar a questão. 

Atualmente, o salário dos deputados é de R$ 33,7 mil, além do auxílio-moradia de R$ 3.800 e cota parlamentar que varia de R$ 30,7 mil a R$ 45,6 mil, dependendo do Estado de origem. Eles também têm direito a verba de gabinete para contratação no valor total de R$ 78 mil e auxílio mudança, que é equivalente ao salário e pode ser recebido em dobro por aqueles que forem reeleitos.

Veja Mais:  Eduardo Azeredo é internado para se submeter a cirurgia em Belo Horizonte

Leia também: Rodrigo Maia quer que governo não interfira na eleição para presidente da Câmara

O deputado anunciou sua candidatura à presidência da Casa há três semanas. Ele defende  dar prioridade a reforma da previdência no início do governo de Bolsonaro, mas defende mudanças no texto que tramita na Câmara. “Temos que aprovar uma reforma benéfica para o Brasil”, disse.

Em seu mandato, Fábio Ramalho votou a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), a favor da PEC do teto de gastos e da reforma trabalhista. Em agosto do ano passado, votou contra o processo que pedia a investigação do atual presidente Michel Temer por corrupção. 

Leia também: Pelo menos três deputados eleitos já se candidatam à Presidência da Câmara

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Prefeito de Mauá é preso em operação da PF por suspeita de desvios em contratos

Publicado


Defesa do prefeito de Mauá, Átila Jacomussi (PSB), classificou ordem de prisão como
Divulgação/Alesp

Defesa do prefeito de Mauá, Átila Jacomussi (PSB), classificou ordem de prisão como “arbitrária” e disse que medida reflete “momento policialesco”

Foi preso na manhã desta quinta-feira (13) o prefeito de Mauá, Átila Jacomussi (PSB). A prisão foi realizada nas primeiras horas do dia pela Polícia Federal no âmbito de operação que apura esquema de desvios a partir do superfaturamento de contratos da prefeitura do município do ABC Paulista.

Leia também: PF faz operação para apurar desvio de R$ 12 milhões no Ministério do Trabalho

 Além do prefeito de Mauá , também foi alvo de mandado de prisão preventiva o ex-secretário de governo João Eduardo Gaspar. A PF cumpriu ainda mandados de busca e apreensão nos gabinetes de 22 dos 23 vereadores da cidade, na Câmara Municipal.

Denominada Operação Trato Feito , a ofensiva da Polícia Federal nesta quinta-feira é um desdobramento da Prato Feito, deflagrada em maio deste ano e que apurou fraudes em contratos para o fornecimento de merenda escolar.

De acordo com a PF, foi identificado esquema envolvendo nove empresas de diferentes ramos que pagavam propina a agentes da Prefeitura e da Câmara Municipal de Mauá visando o superfaturamento de contratos. O inquérito policial para investigar esse esquema foi instaurado a partir da análise de materiais apreendidos durante a Operação Prato Feito.

Foram cumpridos nesta quinta-feira 54 mandados de busca e apreensão (em São Paulo e no Espírito Santo), por cerca de 230 policiais federais. A autorização judicial para as diligências foi dada por desembargadora do Tribunal Regional Federal da Terceira Região (TRF-3), que determinou ainda o afastamento de dois agentes públicos e a suspensão de um contrato com suspeita de fraude.

Veja Mais:  Eduardo Azeredo é internado para se submeter a cirurgia em Belo Horizonte

Leia também: “Muita coisa vai ser deflagrada em 2019”, diz coordenador da Lava Jato no Rio

As nove empresas suspeitas de distribuirem pagamento de propina a agentes públicos também foram proibidas de firmar novos contratos com a administração pública. 

Segundo a PF, os investigados pelo esquema responderão, na medida de suas condutas, pelos crimes de organização criminosa, fraude a licitações e corrupção ativa e passiva. As penas variam de 1 a 12 anos de prisão.

Em nota, a defesa de Átila Jacomussi garantiu que o político “não descumpriu qualquer das medidas de impostas” e classificou a ordem de prisão preventiva como um ato “arbitrário”. O advogado que representa o peessebista, Daniel Bialski, prometeu recorrer contra a medida. Confira íntegra da nota abaixo:


A defesa de Átila Jacomussi, prefeito de Mauá , representada por Daniel Leon Bialski, esclarece que “este novo e arbitrário decreto de prisão nada mais faz do que requentar fatos que já eram conhecidos e tinham motivado o decreto anterior que foi revogado pela Suprema Corte. Como o prefeito não descumpriu qualquer das medidas impostas, a defesa irá apresentar Reclamação perante o Supremo Tribunal Federal porque essa decisão afronta e desafia a Autoridade da medida antes concedida. Não é admissível dar uma nova roupagem para fatos pretéritos e conhecidos para se renovar o pedido de prisão. A medida além de ilegal, não possui lastro empírico e nem idônea motivação. Causa maior espanto quando verifica-se que o próprio Ministério Público Federal contestou a competência jurisdicional da Justiça Federal examinar a causa. Infelizmente, este é um triste sintoma do momento policialesco em que vivemos. Todavia, a defesa irá em todas as instâncias e graus combater essa arbitrariedade, buscando restabelecer a liberdade do Prefeito”.


Leia também: Bolsonaro está no caminho certo para 75% dos brasileiros, aponta CNI/Ibope


Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana