conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Saúde

Perdi a minha carteira de vacinação, e agora? Veja o que você deve fazer

Publicado

A carteira de vacinação é um documento extremamente importante para o cidadão. Ela comprova que o indivíduo está com a imunização em dia e deve ser guardada junto a outros documentos pessoais, tal qual uma certidão de nascimento.

Leia também: Entenda o que pode acontecer se as pessoas deixarem de se vacinar

Seringa e curativo sobre uma carteira de vacinação com a dose de sarampo assinalada arrow-options
shutterstock

Caso perca a sua carteira de vacinação, é preciso recuperá-la num posto de saúde ou tomar as vacinas novamente

Mas o que fazer se você perder a carteira de vacinação ? Segundo o Ministério da Saúde, basta ir ao posto no qual você foi vacinado para resgatar o histórico de imunização e obter a segunda via do seu documento.

Isso é possível graças à implantação do Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI) nas salas de vacinação de unidades de saúde municipais por todo o país.

No caso de pacientes que obtiveram uma ou mais vacinas na rede de saúde privada, a recomendação do Ministério da Saúde é semelhante. Só é preciso se dirigir ao hospital ou clínica no qual você tomou a dose da vacina  e resgatar o seu histórico.

Leia também: Campanha de vacinação contra sarampo é prorrogada até 31 de agosto em São Paulo

O que fazer se não conseguir recuperar sua carteira de vacinação

Mas nem sempre você se lembra ou sabe todos os lugares onde tomou vacina ao longo da vida e, com isso, acaba se tornando impossível recuperar todos os registros. Quem não conseguir resgatar o histórico de vacinação  deve atualizar a sua situação vacinal. Isso significa que a pessoa deve ir a uma das unidades de saúde que conhecer e tomar todas as vacinas recomendadas para sua faixa etária no Calendário Nacional de Vacinação .

Veja Mais:  Chá, respiração e mais: 8 dicas caseiras para aliviar dor de cabeça

Leia também: Fake news das antigas, movimento antivacina segue com força nas redes sociais

Adotando essas medidas, você volta a ter sua carteira de vacinação em mãos e atualizada. 

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook

Saúde

Grávida morre em banheiro de hospital na Zona Leste de São Paulo

Publicado

Uma mulher grávida faleceu no último sábado, no banheiro do Hospital Público Santo Antônio, no bairro da Penha. De acordo com reportagem divulgada pela Record TV, a vítima, Tatiane da Silva, faria o parto na última quarta-feira (11), mas passou mal. 

mulher grávida em cama de hospital arrow-options
Reprodução/TV Record

Grávida,Tatiane da Silva daria à luz na última quarta-feira

Leia mais: Quando é necessário fazer cesariana? 

Segundo a família de Tatiane, o hospital foi negligente. A principal acusação é a de que a equipe médica recusou uma cesariana, mesmo após solicitações da gestante , cuja gravidez já contava com mais de 40 semanas. A espera pelas condições ideias do parto natural, porém, teria causado sua morte. 

Ainda de acordo com a emissora de TV, as enfermeiras aconselharam que ela tomasse um banho para aliviar o desconforto, mas a mulher morreu no banheiro do hospital. A cesariana foi feita às pressas e o bebê encaminhado para a UTI neonatal do hospital. 

Leia mais: Alesp aprova projeto que permite que mães optem por cesárea no SUS

No mês passado, foi aprovado em São Paulo o Projeto de Lei que permite que gestantes a partir da 39º semana de gravidez escolham a cesárea no SUS. Apesar disso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma recomendar a modalidade apenas “quando medicamente necessárias ”.

Procurada pela reportagem do iG , a Beneficência Portuguesa de São Paulo, responsável pela administração do Hospital Santo Antônio, ainda não divulgou um posicionamento sobre o assunto.

Veja Mais:  Brasileiros preencheram todas as vagas do Mais Médicos, diz Ministério da Saúde

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Entenda o melanoma, câncer de pele que matou o cantor Roberto Leal

Publicado

O cantor Roberto Leal morreu no domingo (15) depois de um melanona maligno ter evoluído e atingido órgãos do corpo, como o fígado. Este câncer de pele é uma variante rara da doença, mas extremamente agressiva e letal. 

Leia também: Entenda a importância do diagnóstico precoce no combate ao câncer

Médico apontando para pinta nas costas de uma mulher arrow-options
shutterstock

O melanoma, tipo raro de câncer de pele, parece uma pinta nas fases iniciais, mas leva à morte em 30% dos casos

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Veja Mais:  Casos de sarampo chegam a quase 1,8 mil em São Paulo; veja os sintomas da doença
Continue lendo

Saúde

Vape mata! Com 6 casos fatais nos EUA, produto é ainda mais perigoso no Brasil

Publicado

Os uso de cigarros eletrônicos é assunto frequente nos últimos meses. Popular nos Estados Unidos e com enorme venda clandestina no Brasil, os chamados vapes estão relacionados a seis mortes e mais de 450 internações notificadas nos EUA. Por aqui, os primeiros casos de doença pulmonar reforçam o alerta: o vape pode ser letal. Saiba mais sobre o dispositivo e os riscos que ele oferece. 

menino com vape e essencias arrow-options
Yago Sales/IG

Conhecido como vape, mercado dos cigarros eletrônicos cresce no Brasil

Leia mais: Uso de cigarro eletrônico deixa jovem com ‘pulmão de 70 anos’

“O maior risco é o fato de que a maioria dos jovens ainda não entende que o cigarro eletrônico é perigoso”, afirmou a pneumologista norte-americana Melodi Pizarda em entrevista ao Fantástico, veiculada no último domingo (15). Com cerca de 2 milhões de jovens em idade escolar que fazem uso dos cigarros eletrônicos, o governo norte-americano trata o hábito como uma epidemia. 

Por ser um produto utilizado há muitos anos que só agora apresenta casos de doenças relacionadas ao seu uso, a principal suspeita é de que haja uma nova substância entre as inaladas com o vape. Até o momento, as entidades acreditam que seja o acetato de vitamina E, muito usado em essências – ou juices – de THC

“O acetato é um óleo que, quando aquecido, assume a forma de vapor. Após inalado, porém, ele resfria ao chegar nos pulmões e condensa, o que prejudica o funcionamento do órgão”, explica Pizarda. 

Veja Mais:  Ministério da Saúde traça medidas para eliminar a hepatite C até 2030

Os sintomas da inflamação pulmonar envolvem febre alta, fadiga, tosse, dores abdominais, náusea e vômitos. No primeiro momento, a doença é facilmente confundida com uma pneumonia bacteriana. 

Por enquanto, as entidades de saúde dos Estados Unidos recomendam que todas as pessoas suspendam o uso dos vaporizadores, independente da “essência” utilizada. O país também discute banir permanentemente o dispositivo, que já foi utilizado pelo menos uma vez por 75% dos adolescentes  nos EUA, de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). 

No Brasil, mercado clandestino multiplica os riscos 

Apesar de recentemente ter aberto espaço para um possível liberação, o Brasil ainda proíbe  a venda dos vapes desde 2009. A determinação da Anvisa, porém, não impede o mercado clandestino, de fácil acesso tanto pela internet quanto nas ruas das grandes cidades, onde o vape costuma aparecer como uma alternativa menos prejudicial que os cigarros tradicionais. 

Na semana passada, o país registrou o primeiro caso de internação relacionada ao dispositivo. Diagnosticado com uma inflamação pulmonar , o publicitário Pedro Ivo, de 29 anos, precisou ser submetido a uma cirurgia por vídeo e a colocação de um dreno por conta de um derrame de líquido na pleura, membrana que recobre o pulmão.

Leia mais: Produção, venda e consumo. Cigarro eletrônico pode ser liberado no Brasil 

Após a recuperação, Pedro alertou os amigos em um post no Instagram . “Me embalei nessa onda social quase por um descuido pautado em “tendências” … Parei não por conta própria e sim porque essa mesma vida me ligou um sinal vermelho e disse: CHEGA! Obedeci. Um pouco tarde, mas ainda em tempo”, disse. 

Veja Mais:  Pacientes flagram ratos circulando dentro de hospital, no Tocantins; veja fotos

De acordo com a médica oncologista Lara Fonseca, a falta de regulação do  vape no Brasil pode permitir a entrada de substâncias ainda mais nocivas à saúde. “Assim como acontece com a maioria das drogas ilícitas, a falta de conhecimento sobre quais substâncias químicas são inaladas dificulta o diagnóstico e pode tornar o tratamento quase impossível”, diz. 

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana