conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Policia Federal

PF prende casal em flagrante na BR 156

Publicado

Macapá/AP – A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira (27/12) um casal por porte ilegal de arma de fogo e munição de uso restrito e contrabando, na BR 156, com destino à Macapá/AP.

Policiais Federais abordaram um veículo que seguia sentido Macapá, na BR 156. No automóvel estavam um indivíduo, de 44 anos, que já tem passagem na polícia por porte ilegal de arma de fogo e trabalhava no garimpo do Suriname, e sua esposa. Os dois estavam indo para a cidade de Monção/MA.

Com o casal foram encontradas uma arma calibre 12, com 25 munições, um rifle calibre 30-30 Winchester, de uso restrit,o com 12 munições e uma pistola calibre 380, com 52 munições, além de 965 carteiras de cigarro contrabandeado.

Os presos foram encaminhados ao sistema prisional, onde permanecerão à disposição da Justiça. Se condenados, poderão cumprir pena de até 11 anos de reclusão.

 

 

Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá

cs.srap@dpf.gov.br | www.pf.gov.br

(96) 3213-7569

Comentários Facebook
Veja Mais:  PF investiga saques indevidos de precatórios

Policia Federal

PF investiga irregularidades em convênio firmado entre universidade e entidades em RS

Publicado

Porto Alegre/RS – A Polícia Federal deflagrou, nesta manhã (21/3), a Operação Alforje, para apurar desvios de recursos públicos relacionados a convênio firmado entre a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), através da Superintendência de Infraestrutura (SUINFRA), e a Fundação de Apoio à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FAURGS).

Cerca de 40 policiais federais cumprem 11 mandados de busca e apreensão, em Porto Alegre (9), Viamão (1) e Gravataí (1). A Justiça Federal determinou o afastamento cautelar de 05 (cinco) servidores públicos e medidas de bloqueio de contas e de veículos de pessoas investigadas.

De acordo com as investigações, o convênio estabeleceu o repasse de 11,4 milhões de reais à FAURGS, para elaboração conjunta de projetos nas áreas de engenharia e arquitetura, com vigência nos anos de 2015 a 2017. O inquérito apura pagamentos, com indicativo de irregularidades, em favor de beneficiários selecionados sem critérios técnicos e que, muitas vezes, já são vinculados à UFRGS ou à FAURGS. O esquema também funcionava para complementar a renda dos servidores da Universidade investigados, por meio do recebimento das bolsas. Há casos de profissionais com formação diversa da área objeto do convênio indicados como bolsistas do projeto. Os dados da execução e da prestação de contas também são mínimos ou inexistentes.

A suspeita é que mais de uma centena de pessoas pode ter sido indevidamente favorecida pela aplicação irregular dos recursos do convênio. Os investigados poderão responder por crimes como peculato, falsidade ideológica e associação criminosa.

Veja Mais:  PF reprime fraudes previdenciárias em Alagoas

Será concedida entrevista coletiva às 10 horas de hoje (23), na Superintendência da Polícia Federal no Rio Grande do Sul (Av. Ipiranga, 1365 – Porto Alegre).

 

 

 

*** Alforje é um tipo de bolsa composta por dois compartimentos, distribuídos de forma que o peso de um seja contrabalanceado pelo do outro.

 

Fonte: Polícia Federal
Comentários Facebook
Continue lendo

Policia Federal

Operação Skunk combate tráfico de drogas no Rio Grande do Norte

Publicado

Natal/RN – A Polícia Federal deflagrou, hoje, 21/3, na Região Metropolitana de Natal, a Operação Skunk com o objetivo de desarticular uma quadrilha envolvida no tráfico da substância entorpecente conhecida pelo mesmo nome. O Skunk é uma versão da maconha resultante da manipulação que aumenta o nível de concentração do seu princípio ativo (THC).

Cerca de 25 policiais federais participam do cumprimento das ordens judiciais (5 mandados de busca e apreensão e 4 mandados de prisão temporária) requeridas e deferidas pela 1ª Vara Criminal de Parnamirim/RN.

As investigações da PF tiveram início logo após uma prisão de um traficante ocorrida no final de 2018, na cidade de Parnamirim. Naquela oportunidade, um suspeito foi surpreendido quando recebia, via Correios, uma encomenda de Skunk, postada noutro estado. Após o fato, as investigações continuaram e mais envolvidos no crime de tráfico de drogas foram identificados.

Os presos serão conduzidos para a sede da Polícia Federal, onde permanecerão à disposição da Justiça.

 

 

Fonte: Polícia Federal
Comentários Facebook
Veja Mais:  PF apreende 600 kg de cocaína na Ilha do Marajó/PA
Continue lendo

Policia Federal

Operação Kepler investiga fraudes em contratações para gestão de unidades de saúde na Bahia

Publicado

Salvador/BA – A Polícia Federal deflagrou hoje (20/3), em conjunto com a Controladoria Geral da União–CGU, a Operação Kepler, com o objetivo de desarticular esquema criminoso de fraude à licitação, superfaturamento, desvio de recursos públicos, peculato e lavagem de ativos, na contratação de Instituto de Saúde para gestão complementar de unidades de saúde UPA e Multicentros, todas vinculadas à Secretaria Municipal da Saúde do Município de Salvador.

Cerca de 50 policiais federais, com apoio de 16 auditores da CGU, cumprem 10 mandados de busca e apreensão, em endereços vinculados aos entes envolvidos no esquema investigado, dentre eles órgãos públicos, empresas e residências.

Os mandados foram expedidos pelo Juízo da 17ª Vara Criminal Especializada da Seção Judiciária do Estado da Bahia, tendo por objetivo a localização e apreensão de elementos de provas complementares dos desvios na contratação pública investigada, participação de servidores públicos, pagamento de propinas e lavagem de dinheiro. Além de elementos de cunho probatório, a Justiça Federal determinou a apreensão de bens de valor e veículos, como forma de acautelar a reparação do prejuízo aos cofres públicos.

Conforme apurado durante as investigações, as licitações eram direcionadas a beneficiar um Instituto contratado, o qual terceirizava, através de contratos superpostos e genéricos, parcelas do serviço a empresas recém constituídas e vinculadas ao próprio Instituto, tudo como mecanismo de retornar os valores das subcontratações em benefício de seus representantes e para suposto pagamento de propina a servidores vinculados à SMS/PMS. Até o momento, foram identificados pagamentos, em razões dessas contratações fictícias, que ultrapassam R$ 2 milhões.

Veja Mais:  Operação Vintena reprime esquema de contrabando de cigarros

As investigações apontam para a existência de superfaturamento de cerca de R$ 8 milhões, com potencial de desvio ainda maior, vez que que os contratos continuam em vigência e plena execução.

 

 

*** O nome da operação faz referência ao astrônomo e astrólogo alemão, Johannes Kepler, tido como sucessor de Nicolau Copérnico, uma vez que é um desdobramento da Operação “Copérnico”, deflagrada pela Polícia Federal no ano de 2016, quando foi desarticulada uma organização criminosa enraizada no poder público, envolvendo servidores públicos e prefeitos.

Fonte: Polícia Federal
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana