conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Curiosidades

Por que a companhia dos cães aumenta a expectativa de vida das pessoas?

Publicado

Uma pesquisa Sueca, com 3,4 milhões de pessoas, demonstrou que os proprietários de cães tiveram menor risco de morte (1).

Os cientistas acompanharam o histórico médico destas pessoas durante 12 anos. O grupo dos não donos de cachorros tiveram mais doenças e mais mortes durante este período.

Foto: Assessoria

efeito protetor de compartilhar a vida com cães foi ainda mais significativo em pessoas que viviam sozinhas. Vários outros estudos já demonstraram que viver sozinho traz vários riscos para a saúde da pessoa. Principalmente, risco para a saúde mental. Pessoas que vivem sozinhas estão mais sujeitas à depressão, ansiedade e doenças cardiovascular do que pessoas que vivem em família com vários membros. Neste estudo ficou demonstrado que ter um cão reduziu em 33% o risco de morte dos solitários (durante os anos do estudo).

No Brasil, setenta milhões de pessoas moram sozinhas. Segundo o IBGE (Síntese de Indicadores Sociais de 2015) grande parte destas pessoas são idosas.

Imaginemos a situação: a idosa vai ao supermercado e compra comida para sua casa. Todos os dias, ela cozinha apenas para si mesma. Come sozinha, lava panelas sozinha. Será que ela terá motivação para continuar cozinhando para si mesma?

Uma grande dificuldade de quem vive sozinha é que não há com quem compartilhar. Ou seja, ela não divide o trabalho com ninguém. Não divide os resultados, os planos, o diálogo, etc. Falta para ela sentido para viver, motivos para se sentir útil, vínculos que lhe permita amar e ser amada.

Veja Mais:  "Passei até a ir pra boate gay", diz Popó sobre filho

O amor é um grande motivador

Se sentir útil é um ótimo motivador. Compartilhar incentiva a ter uma vida dinâmica. Durante a formação da raça humana, sobreviveram aquelas pessoas que criaram grupos fortes capazes de compartilhar, dividir, se protegerem mutuamente e viverem vínculos profundos entre si. Na alimentação, por exemplo: todos buscavam comida. Se um conseguia a comida, todos comiam. Como eram vários membros, sempre alguém conseguia alimentos para sustentá-los. Esta inter-relação reforçava os vínculos emocionais e gerava bem estar.

A vida comunitária foi sendo diminuída pelo desejo de autonomia das pessoas. Cada pessoa quer ter sua própria vida, com o mínimo de dependência. Quanto mais a pessoa quer ter a liberdade de decidir, menos espaço existe para o compartilhar. Afinal, viver em grupo exige abrir mão de parte de sua autonomia.

Se dois amigos combinam de sair, os dois devem estar de acordo com as escolhas. Se vários membros de uma família vão sair, também  deve haver uma decisão em comum. Tudo que é comum limita a autonomia. O problema é que a autonomia ao longo dos anos torna a vida humana mais cara, complicada e com menos motivação.

Aí que entram os animais de estimação. São formas de amar, compartilhar, dividir. Donos de cachorro possuem uma fonte extra de prazer, porque a existência do animal torna a vida da pessoa mais dinâmica e mais repleta do servir. Muita gente diz que é o cachorro quem leva o dono para passear; diz que o cão enche a vida de seu dono de atividades. Ao elevar o ânimo, eleva a resistência imunológica. Aumentam os exercícios, aumentam o bem estar.

Veja Mais:  Professora conta a crianças que Papai Noel não existe e relato de mãe viraliza

Seja a família, seja um animal doméstico, ter alguém para amar e cuidar muda a vida das pessoas. Presos tornam-se mais dóceis ao cuidar de um animal (2), crianças tornam-se mais sociáveis e idosos encontram no amor ao bicho uma forma de viver com mais sorrisos nos lábios. Isto significa viver com pensamentos mais positivos.

Concluindo:

“Enquanto cada um cuida da própria vida, os animais permitem que cuidemos deles.

Nossa biologia é preparadíssima para sentir ENORME prazer em cuidar.

Servir ao próximo dá energia, alegria, dinamismo, força e sentido para a vida.

Os animais deixam que façamos por eles o que não conseguimos fazer por outros da espécie humana.” (3)

O ser humano nasceu com a necessidade de ter o que ou quem amar. Ele precisa do amor para ter dinamismo, motivação e bem estar. Isto exige interação, vínculo e interligação, o que somente é possível vivendo em grupos (mesmo que seja só uma pessoa e um cão).

É a capacidade de vivenciar o amor o grande responsável pelo aumento da expectativa de vida de quem tem um cachorro de estimação.

Por Regis Mesquita é o autor do Blog Psicologia Racional e da coluna “Comportamento Humano” aqui no site Carta Campinas

Comentários Facebook

Curiosidades

“Depois de três anos casada, meu marido saiu do armário”, relata fisioterapeuta carioca

Publicado

Foto: Reprodução

Do site Maria Claire – “Sempre fui uma menina romântica, que sonhava em me casar e formar uma família. Fui criada pela minha avó com muita rigidez. Durante a adolescência, só tive namoros longos. No fim de 2009, quando me formei em fisioterapia, aos 22 anos, conheci Rafael, que era enfermeiro no hospital em que eu trabalhava. Ele era carinhoso e me pareceu uma pessoa boa, sensata. No início, não fiquei interessada, mas ele insistiu tanto para sair comigo que acabei cedendo — parecia realmente apaixonado por mim. Depois de alguns encontros, começamos a namorar.

Pouco depois, no entanto, comecei a ouvir comentários relativos à sua sexualidade. Muita gente dizia que ele parecia ser gay, mas não dei bola. Era muito nova ainda e não percebia nada demais nas atitudes dele. Mas como o povo não parava de fazer piadinhas maldosas, resolvi conversar com ele sobre o assunto. Ele negou de pé junto, disse que se tratava de pura inveja e intriga da oposição. Como já estava totalmente envolvida, acreditei nele

Em janeiro de 2010, na volta de uma viagem para praia, ele me pediu em casamento. Fiquei surpresa, nem estávamos a tanto tempo juntos… Ele alegou que nós dois já vínhamos de relacionamentos anteriores longos e por isso não deveríamos esperar muito tempo para subir ao altar. Quatro meses depois, nos casamos. Com vestido de noiva, igreja, festa e tudo mais que tínhamos direito. Passamos a lua de mel em Buenos Aires, foi um sonho. Tudo parecia perfeito no primeiro ano de casada. Vivíamos superbem, estávamos entrosados na cama e fora dela.

Exatamente um ano depois do nosso casamento, em maio de 2011, nasceu nossa primeira filha. Nessa mesma época, minha sogra faleceu de câncer. E os problemas começaram a aparecer.

Veja Mais:  A invenção das lentes de contato

A chegada de nossa segunda filha, em março de 2012, coincidiu com sua brusca mudança de comportamento comigo. Rafael dizia que eu havia engravidado de propósito, como se isso fosse algum castigo. Com isso, começaram as agressões verbais, as brigas, o descaso e o abandono. Ele começou a chegar muito tarde em casa, inventava mil plantões no hospital, falava que estava sempre trabalhando. Nessa época, pedi demissão para cuidar das meninas e mergulhei numa depressão profunda.

Nas duas gestações engordei bastante, desenvolvi hipertensão e hiperêmese gravídica (uma complicação da gravidez que causa vômitos e sensação de desmaio), chegando até a ficar internada muitas vezes. O descaso dele era tanto que, quando nossa segunda filha nasceu, ele não queria pegar a criança no colo. Dizia que seu choro era chato, irritante e ainda que ela era feia. Era uma total rejeição absoluta. Nossa relação ia de mal a pior, nem sexo nós fazíamos mais. Me lembro que ele me humilhava de todas as formas, vivi o caos!

Em dezembro de 2012, minha caçula teve uma pneumonia e ficou internada. Quando teve alta, ele pediu a separação. Até então, éramos da igreja e frequentávamos os cultos evangélicos. Desesperada, recorri ao pastor que fez com que ele voltasse atrás. Mantivemos o casamento, mas ele sempre inventava plantões atrás de plantões para justificar sua ausência em casa. E continuava sem me tocar. A relação homem e mulher já não mais existia. Eu suportava isso por causa das crianças, mas não era fácil.

Em fevereiro de 2013, após voltar de um culto na igreja, peguei seu telefone enquanto ele dormia — dias antes, vi Rafael digitando sua senha de bloqueio. Algo dentro de mim dizia que ali descobriria o que o fez se afastar de mim e da nossa família. Não deu outra. Haviam várias trocas de mensagens dele com outro homem. Fiquei chocada! Constatei que ele havia me traído com um cara e que, inclusive, os dois tinham viajado juntos para praia. Percebendo que eu estava demorando no banheiro e que seu telefone não estava mais ao lado da cama, ele começou a esmurrar a porta para que eu abrisse. Dei um ‘print’ em tudo, encaminhei para o meu celular e abri a porta.

Veja Mais:  Mulher fatura R$ 400 mil na loteria após comprar bilhete por engano nos EUA

Sem saída, Rafael confessou a traição. Disse então que aquela não tinha sido a primeira vez, mas que nunca havia tido coragem de me contar. Ainda teve a cara de pau de dizer que podíamos manter o nosso casamento, mas que continuaria saindo com outros homens. De acordo com suas próprias palavras, por causa da provável desaprovação da mãe, ele já havia reprimido esse desejo por muito tempo.

Fiquei em estado de choque. Passei dias sem comer nem tomar banho. Paralisada em frente à TV assistindo àqueles programas evangélicos, na esperança de que tudo aquilo fosse um pesadelo. Minha mãe teve que buscar minhas filhas, estava totalmente fora de mim, não tinha condição alguma de cuidar delas. Não conseguia aceitar. Depois de três anos casada, meu marido havia saído do armário.

Depois disso, ele me pediu um prazo para sair de casa, organizar sua vida e procurar um canto pra viver. Nesse período, foram sumindo várias coisas sem que eu percebesse. Os presentes que havíamos ganhado no casamento desapareceram. E, como se não bastasse toda a humilhação de ser trocada por um homem, o safado ainda começou a me difamar no Facebook, no hospital onde eu trabalhava… Dizia a todos que estávamos nos separando porque eu o havia traído com meu ex noivo, pode?

Se passaram dois meses até eu sair do choque, mas esse dia chegou. Aí dei um basta! Expulsei Rafael de casa. Ele foi, mas me deixou com as dívidas que fez em meu nome enquanto éramos casados. Algumas pago até hoje, seis anos depois de separada, como a de um carro que ele comprou e não pagou. Acredito que ele só pague a pensão das meninas por medo de ir preso. Raramente dá algum presente para elas.

Veja Mais:  Professora conta a crianças que Papai Noel não existe e relato de mãe viraliza

Elas sabem que o pai é gay, não gosto de esconder nada das minhas filhas. Já estão com sete e oito anos e passam os fins de semana com Rafael a cada 15 dias. Parece que agora ele se assumiu mesmo. Menos mal!

Há dois anos, descobri como é ser amada e respeitada por um homem. Reencontrei o Leonardo, meu primeiro namorado ainda da época escola. Ele é marceneiro e me adicionou nas redes sociais após minha separação. Na época, comprei um armário novo para o quarto das meninas e chamei ele para montar. Começamos a nos falar sempre, até que marcamos um jantar. Nunca mais nos largamos. Depois de dez meses, ele veio morar comigo.

Em dezembro de 2017, já estava divorciada e nos casamos no civil. De véu e grinalda, com festa, tudo como manda o figurino. Leonardo, meu atual marido, é um supercompanheiro, íntegro e sincero. E se dá muito bem com minhas filhas.  O filho dele Patrick, de 14 anos, também mora com a gente. Ele tem síndrome de ‘Gorlin-Goltz’, uma doença rara que atrapalha o desenvolvimento, e perdeu a mãe ano retrasado.

Também voltei a estudar, estou no terceiro período de direito. Quero ser advogada para ajudar todas as mulheres que passam por situações humilhantes, como eu. Tive alta da terapia, e não tenho mais vergonha do que vivi. Tudo foi muito doído, mas me fez crescer imensamente e me tornar a mulher forte e determinada que sou hoje.”

Comentários Facebook
Continue lendo

Curiosidades

Expulsa de casamento, madrinha envia cobrança de R$6,5 mil para noiva

Publicado

source

O que você faria se fosse madrinha de casamento da sua amiga, mas ela te expulsasse da festa de despedida de solteira? Uma internauta anônima de Nova Jersey, Estados Unidos, decidiu cobrar a noiva de todos os gastos que teve — inclusive com o evento que foi expulsa.

Leia também: Noiva surta com madrinhas, cancela casamento e caso tem desfecho inesperado

noiva chorando
shutterstock

A noiva expulsou a madrinha de despedida de solteira e, por isso, recebeu uma nota fiscal cobrando pelos ‘serviços’ dela

A madrinha compartilhou o caso em um grupo fechado no Facebook, contando como a festa de despedida de solteira foi “arruinada” pela noiva e que, depois, acabou sendo expulsa do cargo e de qualquer coisa que envolvia o casamento.

“Nós fomos para Maryland (320 km de Nova Jersey) e a noiva começou a agir como a maior ‘bridezilla’ de todas. Qualquer coisa a irritava e ela estava surtando por tudo, reclamando o tempo todo que seus sapatos a machucavam. Ela arruinou todo o final de semana com os comentários mais egoístas e materialistas. Nada era bom o bastante”, desabafou.

“Para mim, a gota d’água foi quando eu disse que todas nós gastamos muito dinheiro com a viagem e eu deixei meus dois filhos pequenos em casa para passar o fim de semana com ela. Ela me respondeu que também fez sacrifícios para estar ali, pois deixou o noivo e o cachorro em casa. Eu não estava acreditando que ela estava comparando um cão com duas crianças.”

Veja Mais:  Sologamia: mulher se “casa” com ela mesma para celebrar o amor próprio

Leia também: Noiva se sente ‘traída’ com noivado de madrinha meses antes de seu casamento

nota fiscal
Reprodução/Facebook

A madrinha fez uma nota fiscal listando todos os gastos que teve com o casamento da noiva

“Resumindo a história: ela foi embora da viagem às três da madrugada e nos deixou em outro estado. Então, já que eu não estou mais convidada para o casamento, enviei uma nota fiscal  .”

Ela compartilhou uma foto da cobrança que mandou para a noiva, totalizando US$1621 (cerca de R$6,489).

O valor inclui desde os gastos com o chá de panela, a despedida de solteira e o vestido que ela iria usar no dia do casamento.

Na nota fiscal, ela menciona os gastos com o buffet, decorações, camiseta e óculos de sol que usou na viagem, hotel e até corridas de táxi.

Ainda há um valor de US$45 (R$180) cobrado por cada hora que ela gastou organizando tudo, o que deu cerca de R$1621 no total.

“A noiva arruinar o fim de semana de todas com uma atitude egoísta e materialista: não tem preço”, escreveu no papel.

Leia também: Noiva neurótica faz amigos competirem por “vaga” de padrinhos em casamento

Nota fiscal de madrinha causa polêmica entre internautas

Enquanto alguns internautas apoiaram a madrinha e brincaram sobre enviar suas próprias notas fiscais para as “bridezillas” que tiveram que lidar, outros acharam que era ela quem estava “sendo horrível” sobre toda a situação.

Veja Mais:  Bebê ou E.T? Imagem de tomografia deixa todo mundo confuso

“Não sei o que é pior, o fato da noiva ter abandonado as meninas na festa ou dessa mulher ter anotado todos os centavos que ela gastou com o casamento, incluindo óculos de sol de US$6 (R$24) e corridas de táxi”, escreveu uma mulher. “Não acho que tenho uma necessidade de atenção tão grande para ser tão mesquinha”, disse outra. E você, leitora, o que acha?

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Curiosidades

Nada de flores! Noiva escolhe buquê de coxinhas e faz sucesso em casamento

Publicado

source

No que você pensa quando o assunto é buquê de casamento? Talvez, como a maior parte das pessoas, sua imaginação vá direto para um arranjo de flores tradicional. Porém, uma noiva de Pouso Alegre, Minas Gerais, substituiu o clássico por algo inusitado: coxinhas.

Leia também: Noivos substituem flores por filhotes de cachorros em ensaio de casamento

buquê de coxinha
Divulgação/Carol Coxinhas

O buquê de coxinhas que roubou a cena do casamento e foi escolhido pela noiva para representar seu amor pelo salgadinho

Flavia Loures, que se casou no dia  28 de julho com Matheus Castro , escolheu os salgadinhos em vez de flores para incluir sua personalidade ao casamento – que, no caso, ama coxinhas.  “Como a  coxinha é uma paixão, pensamos em uma forma de transformá-la em um presente e a ideia surgiu como meio de atribuir significado ao momento”, diz Carol Martinelli, fundadora da rede Carol Coxinhas, que produziu o buquê , ao Delas .

Segundo ela, é c ada vez mais comum que as noivas queiram colocar um toque pessoal na cerimônia ou na festa . “Atribuir suas paixões num momento tão especial é um jeito de fazer algo diferente e compartilhar isso com todos os convidados. C ada vez mais as pessoas querem ser únicas, então por que não decidir e querer algo diferente no casamento ?”, questiona.

Leia também: Flores? Donuts! Australiana inova com buquê doce para o próprio casamento

Veja Mais:  Sologamia: mulher se “casa” com ela mesma para celebrar o amor próprio

Buquê de coxinhas foi feito de forma artesanal 

buquê de coxinhas
Divulgação/Carol Coxinhas

O buquê foi feito de forma artesanal e tinha 30 unidades de coxinha. A cor e as forminhas foram escolhidas pela noiva

“O produto foi  montado de forma bem artesanal, respeitando até a temática da decoração do casamento.  No caso da Flávia, utilizamos 30 unidades do salgado”, explica Carol. A tonalidade de vermelho e as cores das formas intercaladas foram escolhidas pela noiva.

Além de ser uma “marca” de Flavia, os salgadinhos vão ficar na memória dos convidados por muito tempo e mostra que não há problema algum em fugir do básico. Então que tal se inspirar nessa ideia e escolher um buquê bem diferente para o seu casamento?

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana