conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Política MT

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentária será discutido em duas audiências públicas

Publicado

Foto: Fablício Rodrigues / Secretaria de Comunicação Social

A Assembleia Legislativa já definiu as datas para realização de duas audiências públicas que discutirão o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias – (PLDO-2020). A primeira acontece no próximo dia 25 de junho, e a segunda no dia 2 de julho, ambas serão realizadas no auditório Milton Figueiredo, às 9 horas.

A Lei de Diretrizes Orçamentária serve como parâmetro para posterior elaboração do projeto de Lei de Orçamento Anual (PLOA/2020). O texto precisa ser votado em Plenário na Assembleia, no máximo, até o dia 18 de julho. A receita total estimada para o próximo ano é de R$ 19,155 bilhões, e a despesa em R$ 19,863 bilhões.

A primeira audiência pública será realizada pela Comissão de Constituição e Justiça e Redação (CCJR) e a segunda pela Comissão de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Orçamentária. Para explicar o PLDO/2020 aos deputados e à sociedade foram convidados o secretário de Estado da Fazenda (Sefaz), Rogério Gallo, e o secretário de Planejamento e de Gestão (Seplag), Basílio Bezerra.

O PLDO fixa as diretrizes para elaboração e execução do orçamento, estabelecendo as metas fiscais, os critérios à limitação de empenho e movimentação financeira e a margem de expansão das despesas obrigatórias de natureza continuada. O projeto avalia, ainda, os riscos fiscais e a situação atuarial e financeira dos regimes geral de previdência social e próprio dos servidores públicos.

Depois de realizada as audiências públicas, os deputados têm até o dia 5 de julho para apresentar emendas ao texto original do PLDO/2020. Depois disso, a Mesa Diretora encaminha a proposta e as emendas à CCJR para analisar, em cinco dias, seus aspectos constitucionais. Na CFAEO o prazo é de dez dias para manifestar sobre o mérito da proposição e das emendas.

Veja Mais:  Max Russi avalia proposta de concorrer a vice de Taques

Em Plenário, a proposta será colocada na Ordem do Dia à votação. Os deputados têm até 18 de julho para a aprovação do PLDO-2020. Antes disso, não podem entrar em recesso. É a LDO quem define as metas e as prioridades da administração estadual. É por meio dela que o executivo inicia o processo de planejamento orçamentário para o próximo ano.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), disse, na semana passada, que o Parlamento encaminhou cópias do PLDO/2020 os outros 23 deputados, ao Tribunal de Justiça e a Procuradoria-Geral de Justiça. “É preciso dar celeridade nas discussões e votações para não acontecer o mesmo, quando a LDO/2019 foi votada no final do ano passado”, disse Botelho.

Com o conhecimento das novas diretrizes orçamentárias apontadas no PLDO/2020 pelo Executivo estadual, os demais Poderes passam a ter a dimensão para a elaboração de suas propostas orçamentárias que serão sugeridas ao projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA/2020), que deve ser encaminhado até o dia 30 de setembro.

O calendário da tramitação do PLDO/2020 será da seguinte forma:

25/06 e 02/07 – audiências públicas
Até 05/07 – apresentação de emendas
Até 08/07 – parecer preliminar à LDO
Até 09/07 – parecer da Comissão de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Orçamentária – CFAEO e da Comissão de Constituição, Justiça e Redação – CCJR
Até 09/07 – primeira votação em Plenário
Até 10/07 – segunda votação em Plenário

Veja Mais:  Deputado presta homenagem a pastor José Genésio

Fonte: ALMT
Comentários Facebook

Política MT

Lei regulamenta uso de patinetes elétricas em MT

Publicado

Foto: Ronaldo Mazza

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) é o autor do projeto de lei nº 617/2019 em andamento na Assembleia Legislativa que regulamenta o uso e a disponibilidade de patinetes elétricas em Mato Grosso.

Pelo projeto de lei que será discutido pelo Parlamento até o dia 19 deste mês, será entendido como patinete elétrica todo equipamento de duas ou três rodas provido de motor de propulsão elétrica e cuja velocidade máxima declarada pelo fabricante não ultrapasse 30 km/h (trinta quilômetros por hora).

Ainda fica estabelecido que a circulação de patinete elétrica seja permitida somente em áreas distintas às de pedestres, ciclovias e ciclofaixas, atendendo aos critérios de o passageiro percorrer com velocidade acima de 20 km/h (vinte quilômetros por hora) em ciclovias e ciclofaixas.

As vias para patinetes elétricas ainda devem ter uso de indicador de velocidade e de sinalização noturna e dianteira. As empresas que comercializam ou venham a disponibilizar patinetes elétricas deverão reforçar o equipamento com farol dianteiro de cor branca ou amarela, lanterna de cor vermelha na parte traseira e velocímetro.

As empresas ainda deverão proporcionar e divulgar número de telefone ou outra forma para contato com a central de atendimento 24h (vinte e quatro horas), a fim de viabilizar o acesso a informações acerca dos equipamentos que estiverem estacionados de maneira irregular, devendo recolhê-los no prazo de 2h (duas horas).

Veja Mais:  Audiência pública debate aumento de casos de feminicídio em Mato Grosso

Em razão do baixo custo comparado aos veículos tradicionais, a utilização de patinetes elétricas está em ascensão, principalmente nos grandes centros do país como São Paulo e Rio de Janeiro. Em ambos os Estados, as Assembleias Legislativas se movimentaram para estabelecer critérios de utilização com o intuito de garantir a segurança de pedestres e motoristas no convívio diário do sistema de mobilidade urbana.

“Apesar das patinetes elétricas estarem sendo vistos como opção de mobilidade ágil e ecologicamente correta, se desperta, simultaneamente, preocupações que demandam a necessidade de regulamentação do seu uso pelas vias urbanas, sobretudo, em razão dos riscos envolvendo o uso, o trânsito e o convívio com diferentes modais. Nesse sentido, apresento esta proposta com base nas justificativas expostas e outras mais que se exponha no decorrer de sua tramitação, solicitando aos nobres pares que deliberem por sua aprovação”, diz um dos trechos da justificativa do projeto de lei.

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Assembleia Social repassa 1 tonelada de alimentos e ultrapassa 10 toneladas em 2019

Publicado

Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

A Assembleia Social (antiga Sala da Mulher) promoveu, nessa quinta-feira (13), nova entrega de alimentos não perecíveis, desta vez para quatro entidades filantrópicas, totalizando uma tonelada. Com o montante, o braço social da Assembleia Legislativa de Mato Grosso chega a 10.737 quilos de mantimentos arrecadados por meio ingresso social ao Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros e repassados a instituições com projetos sociais, apenas em 2019.

Cada entidade filantrópica (Obras Sociais Anália Franco, Associação dos Pequenos Produtores Rurais Monte Sinai, Associação Beneditina da Providência – Casa Irmã Faustina e Obras Sociais Espíritas Manoel Philomeno de Miranda) recebeu 250 quilos de alimentos. “A gente recebe, armazena, gera um montante e busca atender as instituições que nos provocam. Nossa assistência social faz a triagem e encontra projetos lindos”, explica a diretora da Assembleia Social e do Teatro Zulmira, Daniella Paula Oliveira.

As Obras Sociais Anália Franco atende a crianças jovens e adultos do bairro Doutor Fábio II, região periférica da Grande CPA, em Cuiabá. Os alimentos recebidos comporão cestas básicas a serem entregues para as famílias atendidas. “Esta é a nossa oportunidade de ganhar esses alimentos e distribuir para a nossa comunidade carente”, assegura o presidente Luiz Gonzaga.

A Associação dos Pequenos Produtores Rurais Monte Sinai congrega agricultores familiares no distrito de Barreiro Branco, de Cuiabá, comunidade bastante carente. “Vamos alimentar as famílias. Receber essas doações é uma bênção”, agradece a tesoureira Elessandra Barbosa da Costa Souza.

Veja Mais:  CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal vai ouvir mais dois convidados na tarde de hoje (25)

A Associação Beneditina da Providência – Casa Irmã Faustina acolhe semanalmente 130 meninas carentes do bairro Pedra 90 (também na capital), para atividades extracurriculares no contraturno escolar. A elas são oferecidas aulas de computação, de dança, de trabalhos manuais, de karatê e de esportes de equipe (como vôlei) e alimentação completa (café-da-manhã, almoço e janta). “Nós já estávamos sem arroz e aqui recebemos os mantimentos fundamentais, como arroz, açúcar, óleo”, comenta a religiosa Leontina Vitalino.

As Obras Sociais Espíritas Manoel Philomeno de Miranda repassarão os alimentos não perecíveis às 30 famílias atendidas, compondo as cestas de verduras, frutas e legumes semanalmente entregues. “Poderemos assistir às pessoas mais necessitadas do bairro Ribeirão do Lipa [Cuiabá]”, explicou o vice-presidente Rafael Martine.

“O que a gente faz aqui é de todo o coração, mas ainda um trabalho pequenino. Grandioso mesmo é o trabalho de vocês, que doa o que há de mais importante: o tempo”, enaltece e parabeniza a diretora Daniella Paula.

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Audiência pública debate greve dos trabalhadores da Educação em MT

Publicado

Foto: Karen Malagoli

Na segunda-feira (17), a partir das 13h30, uma audiência pública vai debater “A greve dos profissionais da Educação de Mato Grosso”, na Assembleia Legislativa. A audiência será promovida pela Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura e Desporto, e foi articulada pelo deputado estadual Lúdio Cabral (PT), que é suplente da comissão, a pedido do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público (Sintep).

“A audiência será uma oportunidade de encontro entre a Assembleia, os trabalhadores da Educação e o governo, pra juntos encontrarmos caminhos para colocar fim à greve. Fizemos questão de propor a audiência pela Comissão de Educação para que seja responsabilidade da Assembleia essa mediação”, explicou Lúdio.

O deputado criticou a reação do governo, que cortou ponto de todos os servidores da categoria, mesmo os que trabalharam, estavam de férias ou licença. “O governo tem se comportado de forma autoritária, cortando o ponto para desmobilizar a greve. Se a greve se prolongar, serão 40 mil famílias sem salário em junho e os estudantes terão que repor aulas no fim de semana. O governo precisa apresentar uma proposta de atendimento das reivindicações, mesmo que parcial, para encerrar a greve”, disse Lúdio.

Os trabalhadores da Educação cobram o cumprimento da Lei Complementar 510/2013, que prevê 100% de aumento real para a categoria no prazo de 10 anos. Para conceder o aumento de 7,69% previsto para este ano, o governo precisa de R$ 128 milhões. Lúdio Cabral defende que o governo estadual tem condições de cumprir a lei, em função do aumento de arrecadação ocorrido neste ano.

Veja Mais:  Max Russi avalia proposta de concorrer a vice de Taques

Segundo o balanço divulgado pela Secretaria de Fazenda (Sefaz), nos quatro primeiros meses de 2019 o governo estadual arrecadou mais de R$ 4 bilhões em impostos, um valor R$ 281 milhões a mais que no mesmo período do ano passado. Além disso, o Fundo de Transporte e Habitação (Fethab) superou as expectativas do governo e arrecadou R$ 706 milhões, ou seja, R$ 268 milhões a mais que o previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA) 2019.

Serviço:

Audiência pública sobre a greve dos profissionais da Educação de Mato Grosso
Local: Plenário da Assembleia Legislativa
Data: Segunda-feira, 17 de junho
Horário: 13h30

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana