conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Rondonópolis

Representantes do DSEI-Cuiabá, se reúnem com administração municipal para futuras parcerias Interfederativas

Publicado


 Representantes do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Cuiabá (MT), órgão subordinado a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), estiveram reunidos no auditório da prefeitura com diversos secretários da administração municipal na manhã desta quinta-feira (13), para estabelecer parcerias institucionais ‘Interfederativas’ quanto a projetos de atenção à saúde da população indígena da região, incluindo ações psicossociais.

Mas, o que o coordenador do DSEI, Audimar Rocha Santos desconhecia, é que o município de Rondonópolis, já realiza há muito tempo ações de proteção e atenção à saúde médico-odontológica e psicossocial, educacional e, ainda, apoio prático e técnico na produção e transformação de alimentos às sete comunidades indígenas integrantes da Aldeia Tadarimana, da etnia ‘Boe Bororo’ existente na região.

A propósito, esta obrigatoriedade de cuidar e proteger as comunidades indígenas, por lei, é uma atribuição e responsabilidade dos governos: federal e estadual! Mas, o prefeito, atento e sensível às questões relativas às comunidades indígenas locais, tem se adiantado e procurado fazer a sua parte, assumindo inclusive, responsabilidades que não são originalmente do município.

Conforme relato do odontólogo Fabricio Amâncio do Carmo, coordenador do Departamento de Odontologia da Atenção Básica à Saúde da SMS; no final de 2018, o município identificou uma alta demanda de atendimento à saúde dos indígenas, com registros e procura de muitos atendimentos na sede do município. O problema estava sendo gerado pela rescisão contratual do atendimento à saúde indígena, e estava refletindo na demanda do município, que ao final acaba bancando tudo sozinho, sem a contrapartida dos Governos; Federal e do Estado.

Veja Mais:  Prefeito reúne com lideranças da Unisal e define mutirão para este fim de semana

Então a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) foi até a aldeia conhecer o problema, e de forma emergencial, disponibilizou médicos, dentistas e enfermeiros, para atender as comunidades. Hoje o município mantém uma equipe dentro da aldeia indígena realizando os atendimentos básicos. Mas, no que se refere ao atendimento médico de especialidades, os indígenas são atendidos no CEADAS e na UPA. Mas o município cobra a contrapartida do governo federal para fazer frente a estas demandas.

Além dessa ajuda à saúde e educação, a prefeitura construiu uma escola na aldeia, iniciou um processo de industrialização da produção agrícola, através de uma farinheira, uma panificadora, e está perfurando tanques de psicultura para que eles possam ter uma atividade, produtiva que gere renda e alimentos. Além disso, o prefeito, através da Secretaria de Agricultura, mecanizou (arou e gradeou), mais de 20 hectares de roça para os índios, cultivarem milho, cana e mandioca.

SURPRESO
Audimar Rocha se mostrou bastante surpreso com o que viu aqui em Rondonópolis, e propôs, uma parceria na forma de um “Termo de Cooperação Técnica” oficial entre o município e o Governo Federal, normatizando estas ações, onde o município passaria a receber uma contribuição governamental como compensação financeira pelos serviços prestados às comunidades indígenas.

Todavia, uma das preocupações do DSEI, diz respeito ao problema do alcoolismo, bastante presente na maioria das comunidades, e cujo enfrentamento deverá ser feito através de ações reparativas/curativas e, preventivas. Em princípio, cuidando dos que já se encontram na dependência alcoólica (química), tratando e atendendo o vício e os problemas decorrentes, e, também com ações orientativas/preventivas, sobre os males da doença do alcoolismo e das drogas, nos jovens e adolescentes.

Veja Mais:  Reginaldo comemora assinatura para ordem serviço para revitalização do asfalto da Vila Operária

“Nós viemos a Rondonópolis após termos contatado o Secretário de Cultura Humberto Campos e ele intermediou esse encontro, disponibilizando e nos apresentando várias secretarias envolvidas nesse trabalho de atenção as comunidades indígenas locais. Ficamos realmente surpreendidos com o que vimos aqui, e vamos levar para Cuiabá estas informações e fazer chegar ao Governo Federal estas iniciativas da prefeitura local. Rondonópolis está de parabéns por tudo o que tem feito pelos nossos índios. De agora em diante nós vamos estar aqui como parceiros nessa ação Inter federativa, unindo forças para cuidarmos, mas, como tem feito a administração municipal, respeitando as tradições e a cultura dos “Boe Bororos”, assegurou o dirigente do DSEI.  

Fonte:

Comentários Facebook

Rondonópolis

Saúde entrega carteirinha a portadores de fibromialgia em palestra motivada pelo Fevereiro Roxo

Publicado


Inspirada pelo slogan “Se não houver cura que, no mínimo, haja conforto” do Fevereiro Roxo, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) embarcou na campanha nacional, que salienta os cuidados com a fibromialgia. Dessa forma, com o escopo de divulgar as providências necessárias para reduzir as mazelas desencadeadas por essa doença e chamar a atenção do público em geral sobre a relevância do diagnóstico precoce para que se possa aplacar ao máximo seu impacto na qualidade de vida das suas vítimas e, ainda, de apontar os sintomas para que a patologia seja identificada o mais cedo possível e difundir os tratamentos disponíveis, a SMS desenvolveu o projeto FibroRondonópolis.

Culminando com a entrega de carteirinhas produzidas pela Saúde aos portadores de fibromialgia, o FibroRondonópolis realizou, na tarde desta quinta-feira (20), no auditório do Paço Municipal, um encontro que contou também com a palestra do reumatologista do Centro de Especialidades, Apoio e Diagnóstico Albert Sabin (Ceadas) Maurício Raposo, que falou sobre o tema traçando os distúrbios que a fibromialgia acarreta e as medidas de que se pode lançar mão para administrá-la.

Expedida pela SMS, a carteira de identificação para os pacientes de fibromialgia tem como fundamento a lei municipal 10.303/2019, que estabelece que empresas privadas e públicas, órgãos e concessionárias de serviços públicos e, ainda, aquelas que executam atividades comerciais devem conceder atendimento preferencial aos que sofrem de fibromialgia assim como o dispensam a idosos, gestantes, lactantes, pessoas com crianças de colo e portadores de deficiência.

Veja Mais:  No Novembro Azul, Saúde orienta sobre práticas necessárias para prevenção e diagnóstico do câncer de próstata

Unidos na campanha e somando forças para ofertar um tratamento adequado e específico em sociedade aos portadores de fibromialgia, estiveram no seminário o prefeito de Rondonópolis, Zé Carlos do Pátio, o vereador Silvio Negri – que é o autor da lei -, a secretária de Saúde, Izalba Albuquerque, e a gerente do Departamento de Ações Programáticas da SMS, Mariúva Valentim.

Zé do Pátio ressaltou que a lei 10.303/2019 é providencial ao momento que o município vive. “O que está acontecendo em Rondonópolis é um aprimoramento das políticas públicas na área da saúde. Nós estamos ampliando os serviços prestados nesse setor e não medimos esforços para ofertá-los com qualidade”, afirmou o prefeito e completou: “Essa lei vem a calhar com nosso governo e eu peço rigor no seu cumprimento”.

Izalba mostrou-se solidária às vítimas dessa enfermidade que, mesmo não apresentando marcas visíveis no corpo, causa dores físicas, emocionais e psicológicas àqueles que são acometidos pela síndrome. “Só sabe o que é conviver com fibromialgia quem tem a doença. Nossa intenção, ao entregar as carteirinhas, é facilitar as condições de vida dessas pessoas”, compartilhou.

Patologia cujo maior número de vítimas são mulheres, a fibromialgia tem como principal sinal indicativo dor crônica no corpo e percepção exacerbada a um estímulo físico. Para dar uma ideia o quadro clínico e explicar a hipersensibilidade que toma conta dos fibromiálgicos, Maurício fez analogias: “Na fibromialgia falta produção de determinadas substâncias químicas em estruturas específicas do cérebro. Com isso, a sensação de dor é potencializada. Podemos comparar a um diabético que não tem insulina”, observa o médico ao fazer um paralelo com a falta de elementos necessários no organismo.

Veja Mais:  Mulher é encontrada morta com fio de carregador enrolado no pescoço em Rondonópolis

Ele ainda cita outra situação para demostrar a dimensão da resposta do organismo a um simples toque ou pressão muscular nos que são afetados por essa enfermidade: “Podemos imaginar um microfone com o botão de volume no nível mais alto. Ele, certamente, vai captar o som ambiente que está em um tom normal e reproduzi-lo de maneira superamplificada. Essa situação se assemelha à reação dos fibromiálgicos aos estímulos recebidos em seu corpo”.

Esses e outros fatores ensejam um tratamento específico aos portadores de fibromialgia que, não apenas merecem receber atendimento preferencial, mas, principalmente, atenção e diálogo, já que, como enfatizou o reumatologista, como a doença não se manifesta com marcas concretas, é comum que, ao relatar seus sintomas ele seja desacreditado.

“O paciente fibromiálgico, muitas vezes, vai sendo isolado e cai no descrédito pelos que convivem com ele por causa da falta de evidências. Então, até receber o diagnóstico, ele já foi desamparado e frustrado. E, de acordo com seu quadro clínico, ele fica extremamente vulnerável”, alertou o doutor.  

Além da exposição do reumatologista, na ocasião também estiveram presentes a equipe do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf), profissionais de psicologia e fisioterapia prestando atendimento e ofertando auriculoterapia e massoterapia aos participantes do evento. 

Fonte:

Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Mais de 600 pessoas se divertiram no Baile Carnavalesco da 3ª Idade

Publicado


Mais de 600 pessoas integrantes dos Grupos de Convivência dos sete Centros de Referência e Assistência Social (CRAS) da cidade, participaram na tarde desta quinta-feira (20), do Baile Carnavalesco da 3ª idade promovido pela Secretaria Municipal de Promoção e Assistência Social, nas dependências da Vila Olímpica.

Músicos da Banda Musical de Rondonópolis, animaram a festa que começou por volta das 13h e se estendeu até por volta das 17h, quando então os foliões foram transportados para casa.

Durante o Baile de Carnaval, a banda animou a festa tocando sambas e marchinhas antigas que animaram os velhos carnavais de salões; e que para muitos foliões, proporcionou uma viagem no tempo, despertando velhas reminiscências de outrora, na trilha sonora de suas juventudes.

Durante a festa, os participantes degustaram deliciosos caldos de feijão e de frango, com refrigerantes, que reanimaram as baterias e os ânimos de cada um, completando a festa.

De acordo com a secretária Iriana Aparecida Cardoso, equipes da secretaria, da própria Vila Olímpica e, dos sete CRAS da cidade trabalharam durante 15 dias organizando a festa, que foi um sucesso!

A confirmação, podia ser vista facilmente através da alegria estampada nos rostos das pessoas que se divertiram a valer durante o baile de carnaval.

Fonte:

Comentários Facebook
Veja Mais:  Câmara convoca sessão extraordinária nesta segunda
Continue lendo

Rondonópolis

Saúde reforça atendimento na UPA e mantém as unidades de Terceiro Turno abertas na segunda e terça de feriado

Publicado


Em função do aumento na demanda de atendimento de casos de urgência e emergência no feriado de Carnaval, a Secretaria Municipal de Saúde de Rondonópolis, irá reforçar o serviço médico na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e manterá o atendimento nas cinco unidades de terceiros turnos na segunda-feira (24) e terça-feira (25).

O município conta hoje com os terceiros turnos na Policlínica Itamarati e nos Posto de Saúde da Família (PSFs) Cidade de Deus, Vila Olinda, Nossa Senhora do Amparo e Vila Rica. As cinco unidades estarão abertas na segunda e terça das 18 às 24h para atendimentos de urgência e emergência. Assim, pacientes que necessitem de atendimento médico podem procurar o terceiro turno mais próximo de casa com maior comodidade.

Os terceiros turnos funcionam normalmente de segunda a sexta-feira, das 18 às 24h, com equipe para atendimentos de urgência e emergência. Aos sábados e domingos, as urgências e emergências são atendidas exclusivamente pela UPA.

Além do reforço no atendimento por meio das unidades de terceiro turno, a coordenação da UPA irá aumentar a quantidade de médicos plantonistas como o objetivo de garantir maior rapidez no atendimento, já que o período tem aumento na demanda de casos de emergência.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) também dará suporte para as unidades de terceiro turno, bem como à UPA e ao Pronto Atendimento Infantil, que funciona normalmente.

Veja Mais:  Mulher é encontrada morta com fio de carregador enrolado no pescoço em Rondonópolis

A coordenação do Samu explica que os pacientes dos terceiros turnos que necessitarem de transporte em casos de solicitação do médico para transferências entre unidades de saúde para casos graves, serão atendidos normalmente no feriado. Casos menos graves, mas que ainda precise de transferência são feitos pela central de ambulâncias.

Postos de saúde fechados

Na segunda e terça de Carnaval, as unidades básicas de saúde não funcionam. O atendimento médico volta ao normal na quarta-feira (26).

Fonte:

Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana