conecte-se conosco


Rondonópolis

Saúde faz pit stop pelo fim da violência contra as mulheres na Campanha do Laço Branco

Publicado

 

Em alusão ao Dia Nacional da Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra Mulheres, instituído no Brasil pela lei 11.489/07 e destacado no calendário em 06 de dezembro, a Secretaria Municipal de Saúde, em parceria com o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (CMDM) e com a Vara Especializada de Violência contra a Mulher de Rondonópolis, realizou, nesta quinta-feira (6), na Praça Brasil, um pit stop com distribuição de cartilha com o tema “Homens que agradam não agridem” e de laços brancos aos homens e, também, às mulheres passantes para que entregassem a seus companheiros.

Foto: Assessoria

A data foi motivada por um crime ocorrido em 6 de dezembro de 1989, quando o jovem de 25 anos, Marc Lepine, invadiu uma sala da turma de engenharia da Escola Politécnica de Montreal, no Canadá, determinando que os alunos homens se retirassem do ambiente. Assim, permanecendo no recinto somente as 14 estudantes do grupo, Marc descarregou a arma que portava matando-as. Após cometer o homicídio, se suicidou, deixando uma carta em que justificava a atitude pelo repúdio que sentia em ver mulheres frequentando um curso, segundo ele, eminentemente masculino.

Sensibilizados com o fato, homens canadenses se uniram para refletir sobre desigualdades entre homens e mulheres e criaram a Campanha do Laço Branco, tendo como mote o alerta contra qualquer tipo de violência contra as mulheres e a necessidade de denunciá-la e combatê-la.

Veja Mais:  Fábio cobra prioridade na manutenção do Samu-192 em Rondonópolis

Abraçando a causa, homens brasileiros fundaram a Rede de Homens pela Equidade de Gênero (RHEG) que reúne várias organizações não governamentais e núcleos acadêmicos visando promover ações para divulgar a luta para acabar com a violência contra a mulher.

Ainda no ensejo da Campanha do Laço Branco, está programado para acontecer, no dia 13 de dezembro, na Câmara Municipal, a partir das 8 horas da manhã, um seminário sobre violência, mídia e direitos humanos.

Comentários Facebook
publicidade

Rondonópolis

Projeto Samuzinho forma em Rondonópolis neste ano quase sete mil aliados contra o trote

Publicado

Foto: Assessoria

Contribuir para a redução de acidentes, o número de trotes e promover a cidadania e o desenvolvimento sociocultural das crianças, transformando-as em multiplicadores em seus lares é um dos objetivos do Projeto Samuzinho, que na manhã desta quarta-feira (12) encerrou as atividades de 2018, em uma solenidade de formatura na Escola Municipal Rural da Gleba Dom Bosco. O projeto fecha o ano com quase sete mil crianças atendidas.

“Essas crianças serão multiplicadoras das informações de educação ambiental, cidadania e trânsito, assim como das ações que visam diminuir os trotes ao Samu, Corpo de Bombeiros e à Polícia Militar, que prejudicam constantemente o nosso trabalho de salvar vidas”, disse o médico do Samu, Pedro Ivo Maggi, que está assumido a coordenação do projeto, no lugar do também médico, Wellington Milhomen.

“Pretendemos no próximo ano dá continuidade nas ações desenvolvidas em 2018, tentar levá-lo para rede estadual de ensino também e ir aperfeiçoando. Queremos também fazer um trabalho de educação continuada com professores, principalmente no quesito de urgências básicas dentro das escolas”, completou o médico Pedro Maggi.

O projeto Samuzinho foi implantado pela Prefeitura de Rondonópolis este ano, por meio do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192), em parceria com diversas secretarias municipais, Serviço de Saneamento Ambiental de Rondonópolis (Sanear), Polícia Militar (PM) e a Polícia Militar Ambiental (PMA).

Veja Mais:  Fábio cobra prioridade na manutenção do Samu-192 em Rondonópolis

Segundo Pedro, este ano o Samuzinho capacitou 6.968 crianças de 25 escolas da rede municipal de ensino. O projeto levou ainda informações para motoristas da Secretaria Municipal de Educação (Semed), da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e funcionários de duas empresas privadas da cidade.

Nos encontros e palestras dos instrutores do Projeto Samu, as crianças aprenderam que realizar trotes ao 190 (PM), 192 (Samu) e 193 (Corpo de Bombeiros) traz prejuízos e atrasos na assistência no atendimento prestado para a população. Além disso, receberam noções básicas à prevenção de acidentes, informações sobre o serviço de urgência e emergência, assim como das regras de trânsito, afim de que se tornem multiplicadores e cidadãos mais conscientes quanto ao respeito a legislação.

Aluna do sétimo ano da Escola Municipal Rural da Gleba Dom Bosco, Eloá Vitória, de 11 anos, aprendeu a lição direitinho. “O Samu salva vida, por isso as pessoas não podem por brincadeira telefonar para passar trote”, frisa, ressaltando que o trote é crime e passível de multa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Parceria qualifica 45 pessoas para mercado de trabalho

Publicado

Foto: Assessoria

Uma parceria entre o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Instituto Matogrossense do Algodão (IMAmt), Secretaria Municipal de Promoção e Assistência Social, Caritas Diocesanas, Sindicato Rural de Rondonópolis e Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat) em três cursos ministrados qualificou 45 pessoas, em operadores de empilhadeira, colheitadeira e relação interpessoal.

Na última qualificação realizada pela parceria foi o a de operador de colhedeira, com 40 horas divididas em teoria e prática, onde os alunos receberam instruções sobre manutenção, regulagem e a colheita de grãos. O instrutor do Senar MT, Gilmar José da Silva elogiou o empenho dos participantes do curso e a rápida aprendizagem no decorrer das orientações. “O balanço é muito proveitoso, todos os participantes nesta fase do curso já conseguiram trabalhar com a máquina, onde eles entenderam o funcionamento da colhedeira e praticaram no campo, ou seja, eles já estão aptos a desenvolver a parte operacional, de manutenção e regulagem do equipamento”, disse.

O aluno Mauro Sergio Pereira Torres, 45 anos, que é eletricista viu no curso a oportunidade de aumentar sua qualificação. “Para mim foi muito bom este curso de operador de colhedeira, porque pude melhorar meu currículo com mais essa qualificação, porque minha área é elétrica residencial, por isso agarrei a oportunidade que recebi e estou muito feliz com o curso”, concluiu.

Segundo o mobilizador do Senar MT, Fábio Borges as parcerias são as soluções para disponibilizar estes cursos para pessoas que não tem condições de arcar os custos. “Poder oferecer qualificação para estas pessoas que vieram em busca de uma oportunidade de trabalho e puderam melhorar seu currículo com um dos cursos disponibilizados. Só temos agradecer as entidades que participaram deste projeto muito bonito que tem a tendência de continuar no próximo ano”.

Veja Mais:  Abertura oficial da campanha Outubro Rosa em Rondonópolis acontece nesta quarta (03)

A responsabilidade social do projeto também é destacada pelo presidente da Aprosmat, Gutemberg Silveira que avaliou de forma positiva esta primeira etapa de cursos. “A  Aprosmat não poderia ficar de fora desta ação, onde entidades se uniram para poder qualificar pessoas que não tem condições financeiras de pagar cursos deste nível. Desta forma exercemos cidadania e ajudamos a melhorar a vida dos participantes dos cursos”, finalizou. Os cursos também contaram com o apoio do Sindicato Rural de Rondonópolis.

Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Moradores recebem títulos de propriedade em Rondonópolis

Publicado

Foto: Assessoria

Os moradores da região dos bairros Estrela Dalva, Alvorada e parte do Jardim Morumbi e Rosely receberam na noite desta terça-feira (11), títulos de propriedade definitivos. A entrega foi feita pelo prefeito Zé Carlos do Pátio, o secretário de Habitação e Urbanismo, Paulo José Correia e pelos vereadores Adonias Fernandes e Batista da Coder.

O secretário de Habitação destacou que a documentação dos imóveis no local é uma garantia para os moradores e lembrou que este processo se fosse feito de forma individual teria um custo superior a R$ 8 mil, dependendo do caso. “Conseguimos para a população desta região sem custo algum, pois sabemos das condições de quem mora aqui”, disse Paulo José.

Ele ainda explicou que a regularização fundiária, além da construção de casas populares, tem sido uma das metas do setor. Para essa região foram entregues, de acordo com o secretário, 91 títulos.  Paulo José explicou que foi um trabalho de quase dois anos e que servidores da habitação foram ao bairro para facilitar o atendimento aos moradores.

O prefeito Zé Carlos do Pátio destacou que acompanha a situação desta região há mais de 20 anos e que o momento é de comemoração pela conquista. “Não tenho como me esquecer que estava aqui no início destes bairros e dar esse título para esses moradores é dar dignidade e a garantia de um grande futuro para os que moram aqui”, declarou .

Veja Mais:  Reforma do telhado do Hospital Regional de Rondonópolis é finalizada

O presidente do Estrela Dalva e Alvorada, Sebastião Moreira Neto, explicou que somente as pessoas que não se interessaram de fato, ficaram de fora do processo. “O pessoal veio aqui e atendeu todo mundo, apenas quem não procurou ficou de fora, foi feito um grande trabalho, agora quem quiser vai ter que ir na Habitação”, disse.

Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana