conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Nacional

“Se não mudar, saímos fora”, diz Bolsonaro sobre Acordo de Paris

Publicado


Durante uma transmissão ao vivo, nesta quarta, Jair Bolsonaro falou sobre o Acordo de Paris e o pacto global de migração
Reprodução/Flickr

Durante uma transmissão ao vivo, nesta quarta, Jair Bolsonaro falou sobre o Acordo de Paris e o pacto global de migração

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), disse nessa quarta-feira (12), durante uma transmissão ao vivo em suas redes sociais, que pretende deixar o Acordo de Paris caso não sejam feitas as mudanças propostas pelo seu governo. Segundo ele, o Brasil pode não conseguir cumprir, até 2030, as exigências previstas no acordo. 

Leia também: Bolsonaro atira e faz flexão com terno e bolsa de colostomia em visita à PF

“Nós vamos sugerir mudanças no Acordo de Paris. Se não mudar, saímos fora”, disse Jair Bolsonaro . “Quantos países não assinaram esse acordo? Muitos países importantes não assinaram, outros saíram. Por que o Brasil tem que dar uma de politicamente correto e permanecer num acordo possivelmente danoso à nossa soberania? A nossa soberania jamais estará em jogo”, declarou. 

O presidente eleito ainda afirmou que o Brasil não conseguiria cumprir as metas exigidas pelo Acordo de Paris , e que passaria a correr riscos de sofrer “sanções até de força”. O documento, no entanto, não coloca qualquer punição para quem não obedecer às regras.

“Se exige que o Brasil faça o reflorestamento de uma área enorme, do tamanho do estado do Rio de Janeiro. Até 2030, se não fizer, as sanções vem aí. No primeiro momento, sanção política, depois econômica, e num terceiro momento tem a sanção da força”, completou o presidente eleito. 

Veja Mais:  Preso sob acusação de pedofilia, falso pastor diz ter recebido “ordem dos anjos”

Leia também: Ataque em Campinas não muda posição de Bolsonaro sobre posse de arma, diz Onyx

Ele também voltou a criticar o que chama de “indústria de multas abusivas e extorsivas do Ibama” e afirmou que a política ambiental não pode atrapalhar o desenvolvimento do País. “Isso atrapalha prefeitos, impede que se abra e até se faça manutenção de estrada, principalmente na Amazônia”, disse. 

Bolsonaro também falou sobre o pacto global de migração da ONU, assinado recentemente pelo governo Temer. Segundo ele, não podemos “escancarar as portas” para todos os migrantes e é preciso “ter cautela” com culturas diferentes. Nessa terça, o futuro Ministro das Relações Exteriores já havia dito que o Brasil deixaria o pacto no ano que vem

O Acordo de Paris foi assinado por 195 países em 2015 e tem como objetivo reduzir a emissão de gases do efeito estufa para controlar o aquecimento global. Jair Bolsonaro já disse, durante a campanha eleitoral, que poderia retirar o Brasil do pacto e,  depois de eleito, afirmou que pode seguir no acordo desde que haja mudanças. 

* Com informações da Agência Brasil.

Comentários Facebook

Nacional

“Desanimei de defender o governo”, diz líder da bancada da bala

Publicado

Capitão Augusto
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Líder da bancada da bala, Capitão Augusto, ficou chateado com o governo


O presidente da bancada da bala, Capitão Augusto (PR-SP), disse nesta terça-feira (25) ao GLOBO que a decisão do presidente Jair Bolsonaro de revogar os decretos de armas e reeditar outros três sobre o tema foi uma “afronta ao parlamento”.  

Até a manhã de hoje, o deputado diz que estava distribuindo cartilhas aos integrantes da bancada da bala para defender o governo, em votação que poderia derrubar, na Câmara, os decretos ameaçados. 

Leia também: Bolsonaro volta atrás e revoga decreto das armas para evitar nova derrota

Ele diz que ninguém da bancada foi consultado para tratar do assunto. 

“É muita desconsideração com a bancada da bala. A gente até desanima de defender no governo. Dos três líderes do governo, tanto Joice, quanto Vitor Hugo e Delegado Waldir (líder do PSL), ninguém sabia disso e nenhum deles avisou que isso ia acontecer”, disse Capitão Augusto

O deputado acrescentou “não existe” articulação do governo.

Leia também: Maia diz que governo deve revogar decreto editado hoje sobre porte de armas

 O presidente editou nesta terça-feira três novos decretos regulamentando a posse e a porte de armas no Brasil. Um dos atos, publicados em edição extra do Diário Oficial  da União, revogou os dois decretos anteriores, de maio, que foram contestados no Congresso.

Veja Mais:  Preso sob acusação de pedofilia, falso pastor diz ter recebido “ordem dos anjos”

O recuo ocorre no mesmo dia em que a Câmara dos Deputados poderia derrubar as medidas do governo, uma semana depois de o Senado aprovar decretos anulando os atos presidenciais.

Na mesma edição do DOU, há um despacho de Bolsonaro informando o encaminhamento ao Congresso de um projeto de lei que altera normas sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição e sobre o Sistema Nacional de Armas (Sinarm), além de definir crimes. O teor do texto ainda não foi divulgado.

Leia também: ‘Bancada da bala’ avalia que decreto das armas deve passar por modificações

Os decretos são assinados apenas por Bolsonaro e pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, enquanto os anteriores também tinham a assinatura dos ministros da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro. A bancada da bala apoiava o decreto anterior.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Requerimento de CPIM das Fake News será lido na próxima semana, diz Alcolumbre

Publicado

Davi Alcolumbre
Agência Senado / Divulgação

Presidente do Senado afirmou que CPMI das Fake News vai acontecer


O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), anunciou que fará na semana que vem a leitura do requerimento de criação da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito(CPMI) destinada a investigar o uso de fake news nas eleições de 2018, o que incluirá a campanha do presidente Jair Bolsonaro.

 O requerimento com assinaturas de 276 deputados e 48 senadores (bem acima do mínimo exigido, de 171 e 27, respectivamente) foi apresentado há três semanas. Como se trata de uma comissão mista, ou seja, formada por deputados e senadores, a leitura do requerimento contra fake news precisa ser feita em uma sessão do Congresso Nacional.

Leia também: Alcolumbre critica relação do governo Bolsonaro com o Congresso

Alcolumbre foi cobrado nesta terça, durante sessão plenária, pelo senador Humberto Costa (PT-PE), e informou que irá convocar uma sessão do Congresso na próxima semana, sem determinar a data.

“Eu, aproveitando essa oportunidade, informo ao plenário que estou convocando sessão do Congresso Nacional para a próxima semana, quarta-feira, para deliberarmos três PLNs que estão prontos para serem votados na sessão da Congresso Nacional, e informo a Vossa Excelência que farei a leitura da CPMI das Mídias, conhecida como CPI das Fake News”, afirmou o presidente do Senado .

Leia também: Alcolumbre quer devolver trecho de MP sobre demarcação de terras indígenas

Veja Mais:  Número de brasileiros barrados em Portugal mais que dobrou em 2018

A CPMI foi proposta pelo deputado Alexandre Leite (DEM-SP). No texto protocolado, pede-se a apuração de “ataques cibernéticos que atentam contra a democracia e o debate público”, além da “utilização de perfis falsos para influenciar os resultados das eleições de 2018”.  Na justificativa, há ainda o registro de que “a presença de perfis automatizados, ou robôs, representam um risco à lisura do debate público e do processo eleitoral”.

Na época da apresentação do requerimento, Alexandre Leite afirmou que a campanha de Bolsonaro estará entre as investigadas por possíveis usos de fake news .

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Deputado é acusado de homofóbico por chamar marido de Glenn de “parceiro sexual”

Publicado

José Medeiros
Agência Câmara

José Medeiros chamou David Miranda de “parceiro sexual” de Glenn Greenwald


Uma declaração do deputado José Medeiros (Pode-MT), da base governista, provocou forte reação de outros parlamentares durante depoimento do jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil, na Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Depois de fazer uma série de perguntas sobre dinheiro, relações políticas e espionagem, Medeiros questionou o jornalista sobre o “parceiro sexual” dele, o deputado Davi Miranda (PCdoB-RJ).

Leia também: Glenn Greenwald diz que nos EUA Moro teria sido afastado da magistratura

 — Parceiro sexual ? — reagiram, surpresos, deputados que participam da sessão.

— Parceiro sexual, não! Marido — gritou a deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ).

— Homofóbico! — gritaram outros deputados ao mesmo tempo

O presidente da Comissão, Helder Salomão (PT-ES), pediu a exclusão do termo “parceiro sexual” da ata da audiência. Greenwald é casado com Miranda .

Leia também: Deputado envia requerimento a Moro para “garantia de vida” a Glenn Greenwald

— Bota conge — sugeriu um outro deputado, no fundo da sala.

— Ele tem vergonha de ser casado com o Miranda ? Não — tentou se explicar Medeiros.

O clima, que parecia esfriar, voltou a ficar tenso momentos depois. Medeiros interrompeu uma das respostas de Greenwald com uma outra pergunta de cunho sexual.

— O senhor não transa com seu parceiro ?

Veja Mais:  Preso sob acusação de pedofilia, falso pastor diz ter recebido “ordem dos anjos”

A pergunta, em tom de deboche, irritou o presidente da Comissão.

— Deputado Medeiros, o senhor está faltando como decoro ! bradou Salomão.

Em resposta, Greenwald disse que não é a primeira vez que Medeiros faz abordagem sobre ele fazendo insinuações de caráter sexual. O jornalista lembrou que homofobia é crime e reafirmou que não há nada demais na relação dele com Miranda.

— Meu marido é meu marido — disse.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana