conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Nacional

Sobe para 165 o número de mortos em Brumadinho; 160 ainda estão desaparecidos

Publicado


Os trabalhos em Brumadinho começaram às 8h; 11 aeronaves foram utilizadas, além de 35 máquinas e 19 cães farejadores
Ricardo Stuckert/Fotos Públicas

Os trabalhos em Brumadinho começaram às 8h; 11 aeronaves foram utilizadas, além de 35 máquinas e 19 cães farejadores

Com a ajuda de 19 cães farejadores, as buscas por vítimas do rompimento da barragem 1 da Mina do Corrégo do Feijão, em Brumadinho (MG), entraram no 17º dia neste domingo (10). Até o momento, 165 mortes foram confirmadas e 165 pessoas continuam desaparecidas.

Leia também: Em 2018, governo de MG aprovou obras que colocavam Brumadinho em risco

Os trabalhos em Brumadinho começaram às 8h. Onze aeronaves foram utilizadas, além de 35 máquinas. O efetivo, segundo o Corpo de Bombeiros mineiro, soma 352 militares, sendo 150 de Minas Gerais e 129 de outros estados, 64 da Força Nacional e nove voluntários.

Por ora, os trabalhos se concentram na usina ITM, na área administrativa, que engloba refeitório, casa e estacionamento. Buscas também estão sendo feitas na área da ferrovia, em áreas de acúmulo de rejeito e no Rio Paraopeba . Ao todo, ainda de acordo com os bombeiros, são 35 equipes em campo.

A área de buscas foi dividida em quase 200 “micropontos”. Segundo o tenente-coronel Eduardo Ângelo, do Corpo de Bombeiros, o objetivo é possibilitar o maior alcance possível dos trabalhos. “Nossa expectativa é que, dentro em breve, a gente consiga varrer toda área à medida que a gente for encerrando as quadrículas [micropontos]”, explicou

Veja Mais:  Eleitores de Bolsonaro levam armas para dentro da cabine de votação; assista

A tragédia


Após a tragédia de Brumadinho, dois engenheiros e três funcionários da Vale foram presos; os cinco, porém, já estão soltos
Isac Nóbrega/Presidência da República

Após a tragédia de Brumadinho, dois engenheiros e três funcionários da Vale foram presos; os cinco, porém, já estão soltos

No início da tarde de 25 de janeiro, a barragem 1 da Mina do Corrégo do Feijão, que pertence à Vale e está localizada em Brumadinho, cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte, se rompeu. O município foi invadido pela lama e pelos rejeitos de minério, deixando centenas de mortos e feridos.

Muitas das vítimas são funcionários ou terceirizados da própria Vale , que tinha um complexo administrativo no local. O refeitório da empresa ficava muito perto da barragem rompida e foi totalmente soterrado.

Integrantes do Governo Federal já admitiram que não será possível resgatar os corpos de todas as vítimas da tragédia. “Este é um episódio de muita gravidade. Algumas pessoas, triste e lamentavelmente, não serão recuperadas”, disse o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, após reunião do comitê de crise montado para acompanhar a situação.

Leia também: Inhotim reabre neste sábado e promete ajudar na recuperação de Brumadinho

Após a tragédia de  Brumadinho , dois engenheiros que atestaram a segurança da barragem, além de três funcionários da Vale, foram presos. Os cinco já foram soltos. O governo afirmou que “tomará medidas” para impedir tragédias parecidas e falou em aumentar a fiscalização. Ainda em recuperação no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) viajou à cidade mineira antes de ser internado.

Veja Mais:  Moro compara pacote anticrime a filmes: “Funciona lá fora, vai funcionar aqui”

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook

Nacional

Grande quantia de dinheiro é encontrada na casa de ex-ditador do Sudão

Publicado


ex-ditador do Sudão%2C Omar al-Bashir
Divulgação

Grande quantia de dinheiro foi encontrada na casa de ex-ditador do Sudão, Omar al-Bashir

O Ministério Público do Sudão abriu investigação por lavagem de dinheiro contra o ex-ditador do país, Omar al-Bashir, após a apreensão de uma grande soma de dinheiro na sua casa, indicou fonte do sistema judiciário sundanês à agência de notícias Reuters neste sábado (20).

Segundo a fonte, agentes da inteligência militar encontraram malas com mais de US$ 351 mil (cerca de R$ 1,4 milhão), 6 milhões de euros (R$ 26,5 milhões) e 5 milhões de libras sudanesas (R$ 415 mil) durante buscas na residência do ex-ditador do Sudão , que não teria justificativa legal para ter tamanha quantia.

“O promotor-chefe determinou a detenção do (ex-)presidente e rápido interrogatório em preparação para um julgamento”, disse a fonte. “O Ministério Público vai interrogar o ex-presidente na prisão de Kobar”.

De acordo com a fonte, Bashir ainda não foi ouvido oficialmente sobre o caso, tampouco dois de seus irmãos, também detidos sob acusações de corrupção. Parentes do ex-presidente, que governou o Sudão por 30 anos até ser derrubado no último dia 11 de abril , não foram encontrados para comentar sobre a investigação.

Bashir também é procurado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) sob acusação de genocídio pelas ações adotadas na região de Darfur, no Oeste do Sudão.

Veja Mais:  Eleitores de Bolsonaro levam armas para dentro da cabine de votação; assista

Enquanto isso, a procuradoria-geral do Sudão anunciou neste sábado a formação de um comitê para supervisionar as investigações de corrupção no país, informou a agência de notícias estatal Suna . Sem citar diretamente o caso de Omar al-Bashir , o comunicado do órgão menciona crimes envolvendo recursos públicos e corrupção relacionados aos eventos recentes no país.

Ainda de acordo com a Suna , o procurador-geral Al-Walid Sayed Ahmed também solicitou ao Serviço Nacional de Inteligência e Segurança do Sudão a suspensão da imunidade de oficiais suspeitos da morte de um professor sob sua custódia em fevereiro.

Hassan Bashir, professor de ciências políticas da Universidade de Neelain, diz que as medidas contra o ex-presidente são uma mensagem a outras figuras relacionadas ao seu regime de que ninguém está acima da lei.

“Este julgamento é um passo que a junta militar quer dar para satisfazer os manifestantes apresentando Bashir num tribunal”, resume.

Ao longo de suas três décadas no poder, o ex-ditador do Sudão de 75 anos enfrentou rebeliões armadas, crises econômicas e tentativas do Ocidente de torná-lo um pária, mas só caiu após uma onda de protestos desencadeada em dezembro passado por cortes nos subsídios do pão e dos combustíveis. As manifestações contra o aumento do pão cresceram e passaram a pedir sua saída até que o ministro da Defesa, Awad Mohamed Ahmed Ibn Auf, anunciou sua deposição em 11 de abril.

Veja Mais:  Pelo Twitter, Rodrigo Janot declara voto em Fernando Haddad

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Banco de dados de DNA ficará completo até final do governo, diz Moro

Publicado


Bolsonaro e Moro
Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) ao lado do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, disse neste sábado (20) que o banco de dados de DNA estará completo até o final do governo. Segundo ele, esta é uma das medidas mais importantes do projeto de lei anticrime , enviado ao Congresso Nacional.

O banco de dados de DNA é uma central onde estão, à disposição de autoridades e investigadores, os materiais genéticos coletados de criminosos condenados pela Justiça e os obtidos em cenas de crimes.

Moro afirmou que a ampliação do Banco Nacional de Perfis Genéticos “aumentará a taxa de resolução de investigação de qualquer crime, mas principalmente de crimes que deixam vestígios corporais”, em mensagem na rede social Twitter.

Ele lembrou que a coleta desse material não é invasiva – ou seja, sem necessidade de incisões. “Propomos a extração do perfil genético (DNA) de todo condenado por crime doloso no Brasil. Significa passar um cotonete na boca do preso e enviar o material ao laboratório. Isso passa a compor um banco de dados, como se fosse uma impressão digital”, argumentou.

Veja Mais:  Haddad promete ajuste no Bolsa Família e baixar preço do gás ao máximo de R$ 49

O ministro acrescentou que, diante de um crime, a polícia busca vestígios corporais no local, como fio de cabelo. A partir desse material é possível identificar o DNA do suspeito e cruzá-lo com o banco de dados. “Tem um potencial muito grande para melhorar as investigações, evitar erros judiciários e inibir a reincidência”.

Ele lembrou que já existe um banco de DNA no Brasil, mas que é “muito modesto”, reunindo de 20 mil a 30 mil perfis. No Reino Unido, país onde esse tipo de técnica investigativa está bastante desenvolvida, há cerca de 6 milhões de perfis. Nos Estados Unidos, 12 milhões.

Leia também: Governo vai liderar projeto para mudar tradição da impunidade, diz Moro

Peritos criminais federais

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF), Marcos de Almeida Camargo, o banco de DNA é integrado por cerca de 20 unidades federativas.

“O importante agora é integrar todos os estados e viabilizar a coleta de condenados. Hoje, a lei determina a coleta de perfil genético dos condenados por crimes hediondos e violentos contra a vida. Na proposta, isso acaba se estendendo para todos os condenados por crimes dolosos”, disse à Agência Brasil o perito criminal da Polícia Federal.

Camargo acrescenta que potencializar o emprego dos bancos de perfis genéticos “é medida mais do que necessária para melhorar a solução de crimes e reduzir a impunidade”.

Veja Mais:  Moro compara pacote anticrime a filmes: “Funciona lá fora, vai funcionar aqui”

Segundo a APCF, ao contrário do que determina a atual lei, apenas cerca de 2% dos condenados por homicídio e estupro possuem material genético inserido nos bancos.

Leia também: Sucessor de Moro enviou à PGR e-mail de Marcelo Odebrecht que cita Toffoli

A expectativa da entidade é de que, funcionando a pleno vapor, o banco de dados de DNA irá resultar em uma taxa de resolução de homicídios e estupros da ordem de 90%.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Supostos responsáveis por prédios que desabaram na Muzema estão foragidos

Publicado


Imagem aérea dos escombros dos prédios que desabaram na Muzema
Centro de operação da Prefeitura do RJ

Prédios que desabaram no Rio de Janeiro eram irregulares e estavam interditados

Os três suspeitos de serem os responsáveis pelos prédios irregulares que desabaram na comunidade da Muzema, na zona oeste do Rio de Janeiro, continuam foragidos. Eles tiveram a prisão temporária , com prazo de até 30 dias, decretada nesta sexta-feira (19) pela Justiça.

Os procurados são José Bezerra de Lima, o Zé do Rolo, Renato Siqueira Ribeiro e Rafael Gomes da Costa. Eles são acusados de homicídio com dolo eventual multiplicado 20 vezes, correspondendo ao número de mortos na tragédia da Muzema até o momento.

Leia também: Explosão em casas deixa dois mortos e três feridos em Pernambuco

De acordo com a Polícia Civil,  Zé do Rolo teria construído os prédios enquanto os outros dois seriam corretores informais encarregados da venda dos imóveis. Eles foram reconhecidos por testemunhas ouvidas na 16ª DP. Já a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) investiga o envolvimento deles com a milícia .

Os  bombeiros continuam as buscas por corpos e sobreviventes do desabamento dos dois prédios no condomínio Figueiras do Itanhangá. Uma equipe formada por 100 profissionais permanece no local onde três pessoas ainda estão desaparecidas.

Até agora, o número de mortos chega a 20 – 18 pessoas morreram na Muzema e duas morreram nos hospitais, após serem socorridas. Oito pessoas ficaram feridas.

Veja Mais:  Marcola ficará isolado em cela de 12 m² e não terá direito a visitas íntimas

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana