conecte-se conosco


Nacional

Sobrevivente do ataque de Las Vegas é uma das vítimas de atentado na Califórnia

Publicado


Telemachus Orfanus, sobrevivente do atentado de Las Vegas e vítima do ataque na Califórnia
Reprodução/Facebook

Telemachus Orfanus, sobrevivente do atentado de Las Vegas e vítima do ataque na Califórnia

No ano passado, Telemachus Orfanos, de 27 anos, sobreviveu ao tiroteio que deixou 59 mortos em um festival em Las Vegas, nos Estados Unidos. No entanto, nessa quinta-feira (8), Orfanos acabou morto no  ataque na Califórnia, onde um ex-fuzileiro naval matou 12 pessoas a tiros em uma boate. 

A mãe de Orfanus, vítima do ataque na Califórnia , afirmou que não quer orações, mas sim o controle de armas nos Estados Unidos. “Meu filho estava em Las Vegas com vários amigos, e ele voltou para casa. Ele não voltou na noite passada, e eu não quero orações. Eu não quero pensamentos [de solidariedade]. Eu quero controle de armas, e eu peço a Deus que ninguém me mande mais orações. Eu quero controle de armas”, disse Susan a BBC News

Nicholas Champion, um personal trainer do sul da Califórnia, também estava nos dois ataques, o de Las Vegas e o da boate. “É a segunda vez em um ano e meio que isso acontece. Eu estava no (festival country) Las Vegas Route 91 com provavelmente 50 ou 60 pessoas que estavam no estabelecimento (Borderline), como eu, esta noite”. 

O Borderline Bar se tornou um ponto de encontro popular para os fãs de música country, um lugar de consolo para dezenas de sobreviventes do massacre de Las Vegas se unirem para a música, para a cura e para a lembrança – “celebrar a vida”, nas palavras de um dos sobreviventes.

Veja Mais:  Eleitores de Bolsonaro levam armas para dentro da cabine de votação; assista

Leia também: Dois trens de Barcelona são evacuados por falsa ameaça de bomba

O atirador foi identificado como Ian David Long, de 28 anos, e se suicidou logo após o ataque. Long invadiu a boate Borderline Bar & Grill, na cidade de Thousand Oaks, Califórnia, durante a festa de música country “College Country Night”. Ele atirou nos seguranças e depois matou 12 pessoas com uma pistola calibre 45, comprada legalmente. 

O ataque de Las Vegas ocorreu em outubro do ano passado. Na ocasião, um homem atirou do 32º andar do Mandalay Bay, um famoso cassino e resort, contra multidão que estava em um festival de música country. Cinquenta e nove pessoas morreram e mais de 500 ficaram feridas. O tiroteio foi reivindicado pelo Estado Islâmico e considerado o maior ataque a tiros da história do país. 

Os ataques a tiros são muito frequentes nos EUA e suscitam o debate sobre a política do país para aquisição e porte de armas. Enquanto em 2017 foram apenas dois ataques que deixaram mais de 10 mortos, em 2018 já são quatro tiroteios deste tipo.

“Os americanos estão assistindo – e agora alguns até estão experimentando – versões desse mesmo horror repetidas vezes, na esperança de que alguém acabe descobrindo como quebrar o ciclo. Poderia esse herói ser o presidente Trump e os democratas da Câmara?” escreveu o jornal The New York Times , após o ataque na Califórnia

Veja Mais:  Fique atento: eleitores devem escolher dois candidatos para o Senado neste ano

Leia também: Trump sofre dura derrota na Câmara, mas amplia bancada republicana no Senado

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Bolsonaro deve escolher Mozart Neves como ministro da Educação; Instituto nega

Publicado


Mozart Neves, diretor do Instituto Ayrton Senna, é o favorito a assumir o ministério da Educação
Mozart Neves Ramos/Divulgação

Mozart Neves, diretor do Instituto Ayrton Senna, é o favorito a assumir o ministério da Educação

Atual diretor de articulação e inovação do Instituto Ayrton Senna, Mozart Neves é o favorito a ser o ministro da Educação a partir de 2019, como informa a Folha de São Paulo . O nome do ex-secretário de Educação de Pernambuco agrada o presidente eleito Jair Bolsonaro, que pode anunciá-lo ainda nesta quarta-feira (21). O educador é muito próximo de Viviane Senna, fundadora do instituto que leva o nome do irmão e que era a mais cotada para a pasta.

Com 63 anos, Mozart Neves já possui experiência em gestão na área de educação. Além de secretário da pasta em Pernambuco (de 2003 a 2006), foi reitor da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) e presidente executivo da organização Todos pela Educação.

Leia também: Gustavo Bebbiano é escolhido como miistro da Secretaria de Governo

Escritor da área educacional, já publicou três livros e em 2008 foi eleito pela Revista Época como uma das 100 pessoas mais influentes do Brasil. Amigo pessoal de Mendonça Filho (ministro da Educação nos primeiros anos do governo Temer), foi cotado para o ministério assim que o político do DEM largou o cargo para ser candidato ao Senado em 2018, mas acabou não sendo escolhido.

A ideia inicial da equipe de Jair Bolsonaro era convidar Viviane Senna para a pasta da Educação, mas após conversa com a presidente do Instituto Airton Senna, ficou decidido que a melhor opção é Mozart Neves.

Veja Mais:  Conselho do TSE está preocupado com notícias falsas no Whatsapp

O próximo ministro da Educação terá que enfrentar, logo de imediato, discussões a respeito da Escola Sem Partido . O projeto, que tramita nas comissões da Câmara dos Deputados, prevê que os professores sejam proibidos de fazerem qualquer doutrinação ideológica aos alunos na escola, ou seja, não transmitam opiniões políticas ou religiosas a respeito do assunto a ser estudado.

Instituto Ayrton Senna nega convite de Jair Bolsonaro a Mozart Neves


Mozart Neves chegou a ser cotado para o Ministério da Educação no governo Temer
Ricardo Matsukawa/Instituto Ayrton Senna

Mozart Neves chegou a ser cotado para o Ministério da Educação no governo Temer

Em nota, o Instituto Ayrton Senna esclareceu que Mozart Neves ainda não recebeu qualquer convite da equipe de Jair Bolsonaro, mas esclareceu que houve uma reunião com Onyx Lorenzoni, ministro extraordinário da transição, e que uma nova conversa com a presença do presidente eleito vai acontecer.

“Amanhã pela manhã (22), Mozart participará de mais uma reunião técnica em Brasília, agora com o presidente eleito Jair Bolsonaro, para dar continuidade à conversa com Onyx Lorenzoni na semana passada, na qual foram apresentados um diagnóstico e caminhos de melhoria para a educação brasileira”, explicou o instituto em nota.

Leia também: Ministro da Educação diz que Brasil não precisa do Escola sem Partido

A escolha de Mozart Neves tem forte influência da deputada federal eleita por São Paulo Joyce Hasselmann, que foi quem apresentou Viviane Senna a Jair Bolsonaro.

Veja Mais:  Fachin rejeita julgamento presencial de recurso de Lula no STF

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

General Heleno diz que aproximação de Bolsonaro com o DEM é “mera circunstância”

Publicado


General Heleno e Onyx Lorenzoni comentaram aproximação com o DEM, que causa polêmica no Congresso
Antonio Cruz/Agência Brasil – 6.11.18

General Heleno e Onyx Lorenzoni comentaram aproximação com o DEM, que causa polêmica no Congresso

O indicado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para o cargo de ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Heleno, e o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), comentaram nesta quarta-feira (21) a aproximação do futuro governo com o DEM e afirmaram que o partido não está sendo beneficiado por acordo partidário. 

O general Heleno disse que, apesar de já haver três indicações de filiados ao DEM para o cargo de ministros no governo de Bolsonaro, as escolhas não foram feitas por compromissos partidários. Segundo o general Heleno , o presidente eleito leva em conta os nomes e bancadas. 

“DEM é mera circunstância. Não é nada que o comprometa com o DEM. Ele [Bolsonaro] tem escolhido por nomes e, como disse ontem, por bancadas. É o que tem sido predominante nas escolhas. Não existe compromisso com partidos. O próprio Bolsonaro caracterizou como algo não planejado ser do DEM. Aconteceu”, afirmou o general. 

Onyx Lorenzoni, deputado pelo partido e também indicado ao cargo de ministro, negou que a sigla esteja sendo beneficiada. A resposta dos ministros ocorre em um momento que há críticas dos partidos aliados a Bolsonaro no Congresso devido à constatação de que a maioria dos nomes para os cargos pertence aos quadros do Democratas.

Veja Mais:  MPE defende proibição do slogan ‘Haddad é Lula’ e quer que o PT devolva recursos

Leia também: Planilha de delatores da JBS denuncia mais um caixa 2 para Onyx Lorenzoni

Os deputados do DEM que farão parte do novo governo são Onyx Lorenzoni, ministro da Casa Civil, Tereza Cristina, para a pasta da Agricultura, e Luiz Henrique Mandetta, que vai assumir o Ministério da Saúde. Com as reações do Congresso, temas como a reforma da Previdência podem ter dificuldades para aprovação. 

O general Augusto Heleno ainda disse que a expectativa é de que todos os ministérios sejam definidos após Bolsonaro fazer a cirurgia que retirará a bolsa de colostomia. “Mas essa é uma decisão dele e há muitas condicionantes [relativas à definição dos nomes para as funções]. A gente não fica pressionando para nomear. Ele tem o tempo dele e faz as coisas no tempo dele”. 

Leia também: Onyx Lorenzoni revela que Bolsonaro vai criar Ministério da Cidadania

Além dos três nomes do DEM e do general Heleno , já foram confirmados na equipe de Bolsonaro: Paulo Guedes como ministro da Economia, o juiz Sergio Moro no Ministério da Justiça e Segurança Pública, o general Fernando Azevedo e Silva na pasta da Defesa, Ernesto Araújo nas Relações Exteriores, Marcos Pontes como ministro da Ciência e Tecnologia, Tereza Cristina na pasta da Agricultura e Wagner Rosário na Controladoria-Geral da União. 

*Com informações da Agência Brasil

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Bernie Sanders convida Haddad para compor Frente Progressista Internacional

Publicado


Fernando Haddad foi convidado para participar do lançamento da Frente Progressista Internacional em Nova York
Ricardo Stuckert

Fernando Haddad foi convidado para participar do lançamento da Frente Progressista Internacional em Nova York

O candidato derrotado do PT à Presidência, Fernando Haddad, foi convidado a participar do lançamento de uma coalizão internacional progressistas que está sendo idealizada pelo senador americano Bernie Sanders e pelo ex-ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, no dia 1º de dezembro, em Nova York.

Leia também:  Futuro ministro da Saúde diz que Mais Médicos parecia convênio entre Cuba e o PT

A Frente Progressista Internacional, como já foi batizada por Sanders e Varoufakis tem a intenção de se contrapor ao avanço da extrema-direita “por toda a parte”. Na carta enviada a Haddad no último dia 16 de novembro, o ex-ministro grego afirma que “como alguém com imenso respeito por suas lutas no Brasil, ficaria muito feliz e honrado em encontrá-lo”.

O ex-prefeito de São Paulo prontamente aceitou o convite e estará presente na cerimônia que deve ser considerada um evento de fortalecimento do nome de Bernie Sanders como candidato à sucessão presidencial pelo Partido Democrata nas eleições de 2020 nos Estados Unidos. Senador pelo estado de Vermont, Sanders perdeu o direito de disputar o pleito nas prévias contra a ex-primeira dama Hillary Clinton, que acabou sendo derrotada pelo presidente Donald Trump.


Bernie Sanders tenta fortalecer seu nome para tentar desbancar Donald Trump nas próximas eleições presidenciais nos Estados Unidos
Reprodução

Bernie Sanders tenta fortalecer seu nome para tentar desbancar Donald Trump nas próximas eleições presidenciais nos Estados Unidos

Leia também: EUA elogiam postura de Bolsonaro com relação ao Mais Médicos

Veja Mais:  Polícia Federal descarta participação de mulher em ataque contra Bolsonaro

Do lado de Haddad, por sua vez, o convite para integrar a Frente Progressista Internacional vem a calhar justamente num momento em que o ex-ministro da Educação tenta se consolidar como liderança petista após ver sua popularidade aumentar mesmo após perder as eleições presidenciais e conquista um certo apelo internacional. Internamente, no entanto, Haddad terá que enfrentar muita resistência dentro do PT para conseguir se eleger presidente do partido em votação que está marcada para o primeiro semestre do ano que vem.

Ele deverá disputar espaço com outras importantes lideranças petistas, como a da ex-presidente Dilma Rousseff, e do senador pelo Rio de Janeiro, Lindbergh Farias, que perderam as eleições e ficarão sem cargo eletivo e, portanto, sem palanque a partir do ano que vem. Fora isso, Haddad também terá que enfrentar a concorrência da senadora e deputada federal eleita pelo Paraná, Gleisi Hoffmann, que certamente se candidatará a reeleição no comando do partido.

Leia também: Dima fez acordo com Cuba para criar Mais Médicos sem passar pelo Congresso

Comentários Facebook
Continue lendo

Colunista

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana