conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Saúde

Uso de maconha medicinal provoca divergência entre autoridades e pesquisadores

Publicado

Agência Brasil

Pesquisador faz anotações sobre maconha medicinal
shutterstock

Algumas famílias têm autorização de plantio de maconha para uso medicinal

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados realizou nesta terça-feira (9) uma audiência pública sobre a regulação do uso da maconha medicinal. Nas exposições de autoridades, pesquisadores e representantes de pacientes, opiniões variaram entre uma maior abertura, incluindo o plantio por famílias para tratamento, e normas mais restritivas.

Leia também: Comissão do Senado votará projeto que concede meia-entrada a doadores de sangue

A regulamentação da maconha medicinal  é objeto de discussão no Parlamento e na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A agência reguladora está com consulta pública aberta para ouvir interessados sobre uma proposta de resolução voltada a definir “requisitos técnicos e administrativos de segurança e controle necessários para a autorização do cultivo, exclusivamente para fins medicinais e científicos, da planta Cannabis spp”.

No Congresso, diversos projetos de lei buscam regular o emprego medicinal. Na Câmara tramita o PL 399 de 2015, do deputado Fábio Mitidieri (PSD-SE), que cria condições para viabilizar “a comercialização de medicamentos que contenham extratos, substratos ou partes da planta cannabis sativa em sua formulação”. No Senado, o PLS 514 de 2017 inclui na legislação a “permissão de importação de sementes e plantas e descriminalizar o cultivo de cannabis sativa para uso pessoal terapêutico medicinal e científico”.

Debate

O deputado Eduardo Costa (PTB-PA) abriu a audiência lembrando que já há medicamentos com substâncias derivadas da cannabis sendo comercializados no Brasil, para tratamento de esclerosa múltipla, mas por um alto custo. “Mervatyl é utilizado para esclerose múltipla, mas tem custo unitário de R$ 2 mil, proibitivo para classes mais humildes. Temos que criar facilidades. Seria o melhor dos mundos ter o registro de medicamentos e que eles fossem utilizados pelo SUS, para que famílias tivessem mais segurança”, defendeu.

Veja Mais:  Mais que um estalo de dedos, um estalo do maxilar

O presidente da Anvisa , William Dib, argumentou que hoje o tema está sendo decidido pela Justiça sem critérios claros. Ele explicou que a proposta de resolução da agência fixaria exigências para o plantio, como a sua realização dentro de prédios, com determinadas condições técnicas e de segurança.

“O registro será simplificado, sem precisar de estudo clínico. Precisaria de certificação de qualidade, de boas práticas. Isso é fundamental, segurança de que produto será produtivo positivamente, usado para saúde das pessoas, e não para uso qualquer que seja diferente de medicamento”, explicou.

Quirino Cordeiro, do Ministério da Cidadania, questionou as evidências científicas da efetividade do emprego de cannabis em tratamentos em diversas áreas. Ele discordou de pontos importantes da proposta da Anvisa e defendeu uma regulação mais restritiva, na qual seria liberada apenas o uso do canabidiol.

“Não podemos deixar que as famílias tenham que plantar o que seus filhos vão utilizar. Tanto o plantio por empresas quanto por famílias, o ministério avalia que são situações inapropriadas. Precisamos nos ater aonde estamos no presente momento no tocante ao embasamento científico para isso, o uso compassivo do canabidiol, mas vedando a prescrição da cannabis in natura para uso terapêutico”, opinou.


Controle e fiscalização

O representante do Ministério da Agricultura Carlos Goulart informou que o órgão não se opõe ao uso medicinal, mas sua preocupação está na “organização dos órgãos para definir quem iria controlar e fiscalizar se o uso proposto desses plantios”.

João Paulo Lotufo, do Conselho Federal de Medicina, manifestou preocupação do uso medicinal reforçar uma percepção na sociedade de que a cannabis não faz mal. “Podemos plantar e produzir o canabidiol? Acho que deve. Mas temos que esclarecer que não há maconha medicinal, há canabidiol. Essa é a preocupação do CFM. Precisamos de medidas de informação neste sentido”, disse.

O médico Leonardo Ramires, representante da Associação Brasileira de Pacientes de Cannabis Medicinal, contestou o representante do Ministério da Cidadania afirmando que o “canabidiol sozinho não existe”. Ele também contestou o argumento de que não haveria evidências científicas dos benefícios de tratamentos com produtos à base de cannabis, citando que mais de 900 médicos de 36 especialidades já teriam prescrevido tratamento com substâncias desse tipo.

Na avaliação de Ramires, o cenário atual, com a oferta de apenas um medicamento, é problemático porque a comercialização depende da safra da planta e o custo é alto. O Mervatyl, por exemplo, custa cerca de R$ 2.000. “Caro vai ficar para nós, pacientes. Há empresário abrindo empresa nos Estados Unidos para vender para brasileiro. Será que isso é para população brasileira? Precisa de associação para fornecer a preço justo”, disse.

Veja Mais:  Bolsonaro expõe temor sobre número de amputações de órgãos masculinos no País

Ricardo Ferreira, da Associação Brasileira do Estudo de Cannabis, reforçou que não se trata de liberação ou não da cannabis, mas de como ampliar o mercado, hoje monopolizado pela fabricante do Mervatyl, a empresa britânica GW.

“A questão é vamos continuar importando ou vamos produzir aqui? Vamos usar a regulamentação a nosso favor ou vamos importar insumos que uma empresa vai produzir lá fora para vender para cá. É isso que tem que ser discutido, e não se a cannabis pode ou não ser usada como medicamento. Isso já foi resolvido em 2017”, disse, lembrando do ano em que a Anvisa permitiu o início da comercialização do Mevatyl no país.

Leia também: Pesquisa indica que massagem pode ser uma grande aliada contra a dor

O deputado e ex-ministro da Saúde Ricardo Barros (PP-PR) defendeu que a regulação pode ajudar a baratear os custos do Sistema Único de Saúde no atendimento a pacientes em doenças e condições cujo uso de  maconha medicinal pode auxiliar. “Esse é o debate que interessa para o Brasil, e pode reduzir para o SUS o custo de determinados tratamentos, especialmente se tivermos liberdade de utilizar a planta adequada da forma mais simples”.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook

Saúde

Comer insetos pode te ajudar a evitar o câncer, diz estudo

Publicado

Women's Health

A alimentação sempre foi apontada como uma das formas de prevenir câncer. Agora, contudo, cientistas descobriram uma forma um tanto diferente de evitar a doença: comer insetos.

Leia também: Após ser picada por um carrapato, menina de cinco anos fica 12 horas paralisada

Salada com larvas de insetos arrow-options
shutterstock

Começar a comer insetos pode ser uma boa ideia caso você queira se prevenir contra o câncer

Ok, nós sabemos que não se trata de um ingrediente clássico, que costumamos ver em saladas ou smoothies , mas acredite, isso pode realmente ser benéfico para a saúde.

De acordo com uma pesquisa publicada na revista Frontiers in Nutrition, estudiosos da University of Rome (Itália) concluíram que alguns tipos de insetos , como formigas, larvas e gafanhotos, têm mais antioxidantes do que o suco de laranja. Sendo assim, reduzem o desenvolvimento de radicais livres potencialmente perigosos no corpo, protegendo contra danos no DNA.

Leia também: Proteja-se da dengue: saiba como e quantas vezes aplicar repelente de inseto

Como insetos podem prevenir câncer?

Os cientistas estudaram vários insetos mortos, incluindo formigas, gafanhotos e grilos. Eles, então, testaram o pó para descobrir quantos antioxidantes – compostos como as vitaminas A, C e E e beta-caroteno – estavam neles. Apenas as partes solúveis dos insetos foram usadas – suas asas e ferrões foram retirados primeiro.

Os testes revelaram as larvas, lagartas africanas e cigarras gigantes tinham o dobro de antioxidantes que o azeite de oliva. Já o grilo e gafanhoto tinham cinco vezes mais antioxidantes que o suco de laranja.

Veja Mais:  Atendimento a deficientes é ampliado com investimento de R$ 16,2 mi em furgões

“Os insetos comestíveis são uma excelente fonte de proteína, ácidos graxos poliinsaturados, minerais, vitaminas e fibras”, disse o cientista Mauro Serafini, de acordo com o Daily Mail. “No futuro, poderemos também adaptar os regimes alimentares para a criação de insetos, a fim de aumentar seu conteúdo antioxidante para consumo animal ou humano.”

Leia também: Barata é retirada de ouvido de americana após ficar dez dias presa no local

De acordo com Serafini, quase um quarto das pessoas no mundo já comem insetos . “O resto de nós precisará de um pouco mais de incentivo”, brincou.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Intenção de reintegrar cubanos ao SUS anima médicos que ficaram no País

Publicado

representante dos médicos cubanos arrow-options
Reginaldo Pimenta/Agência O Dia

Yalianys Cárdenas é representante da associação de médicos cubanos do Rio de Janeiro

Yoanis Infante Rodriguez, Manuel Miguel Tur Alvarez e Yalianys Cárdenas fazem parte de um universo de 700 médicos cubanos que seguiram por aqui mesmo após o fim do programa federal Mais Médicos porque constituíram família no Brasil. Desempregados desde o fim do acordo, desativado em novembro de 2018, eles agora nutrem a esperança de voltar a exercer a profissão no país. Nesta semana, o governo anunciou que pretende editar uma medida provisória para  reintegrar esses profissionais ao sistema de saúde.

Leia também: Uso de maconha medicinal provoca divergência entre autoridades e pesquisadores

Yoanis, de 38 anos, mora com a esposa brasileira em Mussoró, no Rio Grande do Norte. Quando o contrato entre Brasil e Cuba foi interrompido, um dos motivos que fizeram com que o cubano permanecesse no país foi a esperança de voltar a exercer a profissão. “Trabalhar para esse povo não tem preço. É gratificante ajudar famílias carentes e que dependem da saúde pública”.

Sem sucesso na busca por trabalho, Manuel Miguel, de 35 anos, passa por dificuldades. “Entreguei currículo em várias farmácias e universidades para poder trabalhar como balconista ou em uma sala de aula, como professor. Mas nunca me chamaram”, conta o morador de Jaboatão dos Guararapes, no interior do Pernambuco, que depende da esposa para garantir o sustento. Hoje, divide o tempo entre os estudos e a ajuda aos sogros nas atividades domésticas.

Veja Mais:  “Congresso Todos Juntos Contra o Câncer” terá debatesobre o futuro da Oncologia

Aqueles que conseguiram emprego trabalham fora da sua área de atuação. Foi o que aconteceu com Juan Carlos Salas Echemendia, de 51 anos, que hoje reside em Brasília. Desde o rompimento do Programa Mais Médicos , o cubano sobreviveu com o dinheiro obtido em bicos. Ele também trabalhou como garçom e como motorista de aplicativo. “Eu dormia no carro em Goiânia para trabalhar no dia seguinte porque eu morava no interior de Goiás, em uma cidade muito pequena e que não tinha emprego. Então, fui para Goiânia trabalhar como motorista de aplicativo”. Agora, Juan está trabalhando em uma clínica estética com procedimentos de medicina holística.

Também em Brasília, Niurka Valdes Perez trabalha com tarefas administrativas em um hospital de Cidade Ocidental, a cerca de 40 quilômetros da capital federal. “Tenho muitos colegas que estão trabalhando em diferentes funções. Alguns estão sobrevivendo de faxina. Outros, vendendo churrasco e comidas típicas cubanas”, conta.

Leia também: Pesquisa indica que massagem pode ser uma grande aliada contra a dor

Em fevereiro, a médica criou a Aspromed, uma associação com o objetivo de unificar a maior quantidade de médicos cubanos no Brasil desde a ruptura do contrato. “É a forma que encontramos para negociar com o governo brasileiro. Nós estamos totalmente disponíveis para assumir vagas que nunca ninguém foi capaz de assumir”, conta. Niurka é presidente da entidade, que conta com 1.869 associados, um representante por estado brasileiro e a esperança de que os cubanos voltem a trabalhar como médicos no país.

Veja Mais:  Idoso tem copo de metal preso ao ânus após ser assaltado e violentado na Índia

‘Expectativa de voltar a trabalhar’ 

Yalianys Cárdenas, de 34 anos, engrossa a lista de desempregados no Brasil. Representante da associação de médicos cubanos no Rio, ela trabalhava em um posto de saúde em São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos. Hoje, mora com o marido brasileiro, com quem se casou em 2017, e com o filho de 9 meses, que nasceu no país.

O marido trabalha como cabeleireiro em um salão alugado. Há um ano, sua mãe veio de Cuba para ajudá-la na gravidez. Mas já está de malas prontas para retornar ao país de origem. Mas a vontade de Yalianys é ficar por aqui mesmo. “A expectativa de voltar a trabalhar é grande. Já fico feliz só de poder exercer a minha profissão”, conta.

Assim como os outros colegas de profissão, ela espera a abertura do edital da prova que reconhece o diploma para voltar a trabalhar no Brasil. Yalianys já tentou procurar emprego em outras áreas, como lojas e supermercados, mas ainda não foi chamada.

Para a cubana, o maior problema do sistema público de saúde brasileiro é o atendimento. “É demorado. É difícil de dar um diagnóstico definitivo para os pacientes dessa forma. Em muitos lugares, também faltam médicos até para dar uma receita”, critica.

Veja Mais:  Desfralde do bebê – confira tudo que você precisa saber

Governo quer reintegrar cubanos

Na quarta-feira, o Ministério da Saúde informou que o governo elabora um novo programa para ampliar a assistência na atenção básica do Sistema Único de Saúde ( SUS ). A ideia é editar uma medida provisória até agosto, com alterações que preveem a reincorporação de cubanos desligados do programa Mais Médicos que ainda seguem no país.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que está discutindo soluções para auxiliar a permanência desses profissionais no país e alternativas para o seu exercício profissional. Após a saída dos cubanos, o governo federal passou a enfrentar dificuldades para preencher, com médicos brasileiros, as vagas direcionadas a regiões distantes dos grandes centros, principal foco do programa desde que foi criado, em 2013. Áreas pobres de grandes cidades também têm registrado dificuldades.

Leia também: Ministério da Saúde anuncia R$ 233 milhões para atenção primária

A reincorporação de cubanos tem sido estudada desde março. A informação foi dada pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em audiência no Senado. Os médicos cubanos tiveram que sair do programa com o rompimento do acordo de colaboração entre Brasil e Cuba, em novembro do ano passado.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Cartilha orienta pais sobre transporte correto de crianças em veículos

Publicado

Cadeirinha bebê arrow-options
Arquivo Agência Brasil

cartilha conta com orientações do Conselho Nacional de Trânsito e da Organização Mundial da Saúde

O Conselho Federal de Medicina (CFM), a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) lançam nesta semana uma cartilha para ajudar pais e responsáveis a colocar crianças no carro de maneira correta, sem prejuízos à saúde.

Leia também: Programa para substituir Mais Médicos pretende reincorporar cubanos

Segundo a cartilha, crianças devem sempre que possível ser transportadas no banco traseiro dos veículos automotores e preferencialmente ocupar a posição central nesse banco. Caso o veículo não tenha cinto de três pontos na posição central do banco traseiro, o dispositivo de retenção infantil deverá ser instalado nas posições do banco de trás onde houver esse cinto. O airbag do passageiro deverá ser desativado quando o veículo transportar crianças no banco da frente.

“Esses equipamentos foram projetados para dar mais segurança aos usuários em casos de colisão ou de desaceleração repentina. Conforme mostram os números, eles têm sido fundamentais para salvar milhares de vidas ao longo destes anos”, diz o primeiro vice-presidente do CFM, Mauro Ribeiro.

A cartilha conta com orientações do Conselho Nacional de Trânsito ( Contran ) e da Organização Mundial da Saúde ( OMS ). Segundo Antônio Meira Júnior, diretor da Abramet e um dos idealizadores do livreto, os médicos são profissionais fundamentais para recomendar a forma apropriada de conduzir uma criança em um veículo .

Veja Mais:  Idoso tem copo de metal preso ao ânus após ser assaltado e violentado na Índia

Leia também: Uso de maconha medicinal provoca divergência entre autoridades e pesquisadores

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana