conecte-se conosco
Copyright © 2018 - Agência InfocoWeb - 66 9.99774262


Saúde

Uso de maconha medicinal provoca divergência entre autoridades e pesquisadores

Publicado

Agência Brasil

Pesquisador faz anotações sobre maconha medicinal
shutterstock
Algumas famílias têm autorização de plantio de maconha para uso medicinal

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados realizou nesta terça-feira (9) uma audiência pública sobre a regulação do uso da maconha medicinal. Nas exposições de autoridades, pesquisadores e representantes de pacientes, opiniões variaram entre uma maior abertura, incluindo o plantio por famílias para tratamento, e normas mais restritivas.

Leia também: Comissão do Senado votará projeto que concede meia-entrada a doadores de sangue

A regulamentação da maconha medicinal  é objeto de discussão no Parlamento e na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A agência reguladora está com consulta pública aberta para ouvir interessados sobre uma proposta de resolução voltada a definir “requisitos técnicos e administrativos de segurança e controle necessários para a autorização do cultivo, exclusivamente para fins medicinais e científicos, da planta Cannabis spp”.

No Congresso, diversos projetos de lei buscam regular o emprego medicinal. Na Câmara tramita o PL 399 de 2015, do deputado Fábio Mitidieri (PSD-SE), que cria condições para viabilizar “a comercialização de medicamentos que contenham extratos, substratos ou partes da planta cannabis sativa em sua formulação”. No Senado, o PLS 514 de 2017 inclui na legislação a “permissão de importação de sementes e plantas e descriminalizar o cultivo de cannabis sativa para uso pessoal terapêutico medicinal e científico”.

Debate

O deputado Eduardo Costa (PTB-PA) abriu a audiência lembrando que já há medicamentos com substâncias derivadas da cannabis sendo comercializados no Brasil, para tratamento de esclerosa múltipla, mas por um alto custo. “Mervatyl é utilizado para esclerose múltipla, mas tem custo unitário de R$ 2 mil, proibitivo para classes mais humildes. Temos que criar facilidades. Seria o melhor dos mundos ter o registro de medicamentos e que eles fossem utilizados pelo SUS, para que famílias tivessem mais segurança”, defendeu.

Veja Mais:  Mitos sobre o câncer de mama dificultam o diagnóstico alerta especialista

O presidente da Anvisa , William Dib, argumentou que hoje o tema está sendo decidido pela Justiça sem critérios claros. Ele explicou que a proposta de resolução da agência fixaria exigências para o plantio, como a sua realização dentro de prédios, com determinadas condições técnicas e de segurança.

“O registro será simplificado, sem precisar de estudo clínico. Precisaria de certificação de qualidade, de boas práticas. Isso é fundamental, segurança de que produto será produtivo positivamente, usado para saúde das pessoas, e não para uso qualquer que seja diferente de medicamento”, explicou.

Quirino Cordeiro, do Ministério da Cidadania, questionou as evidências científicas da efetividade do emprego de cannabis em tratamentos em diversas áreas. Ele discordou de pontos importantes da proposta da Anvisa e defendeu uma regulação mais restritiva, na qual seria liberada apenas o uso do canabidiol.

“Não podemos deixar que as famílias tenham que plantar o que seus filhos vão utilizar. Tanto o plantio por empresas quanto por famílias, o ministério avalia que são situações inapropriadas. Precisamos nos ater aonde estamos no presente momento no tocante ao embasamento científico para isso, o uso compassivo do canabidiol, mas vedando a prescrição da cannabis in natura para uso terapêutico”, opinou.


Controle e fiscalização

O representante do Ministério da Agricultura Carlos Goulart informou que o órgão não se opõe ao uso medicinal, mas sua preocupação está na “organização dos órgãos para definir quem iria controlar e fiscalizar se o uso proposto desses plantios”.

João Paulo Lotufo, do Conselho Federal de Medicina, manifestou preocupação do uso medicinal reforçar uma percepção na sociedade de que a cannabis não faz mal. “Podemos plantar e produzir o canabidiol? Acho que deve. Mas temos que esclarecer que não há maconha medicinal, há canabidiol. Essa é a preocupação do CFM. Precisamos de medidas de informação neste sentido”, disse.

O médico Leonardo Ramires, representante da Associação Brasileira de Pacientes de Cannabis Medicinal, contestou o representante do Ministério da Cidadania afirmando que o “canabidiol sozinho não existe”. Ele também contestou o argumento de que não haveria evidências científicas dos benefícios de tratamentos com produtos à base de cannabis, citando que mais de 900 médicos de 36 especialidades já teriam prescrevido tratamento com substâncias desse tipo.

Na avaliação de Ramires, o cenário atual, com a oferta de apenas um medicamento, é problemático porque a comercialização depende da safra da planta e o custo é alto. O Mervatyl, por exemplo, custa cerca de R$ 2.000. “Caro vai ficar para nós, pacientes. Há empresário abrindo empresa nos Estados Unidos para vender para brasileiro. Será que isso é para população brasileira? Precisa de associação para fornecer a preço justo”, disse.

Veja Mais:  Ministério da Saúde diz que 84% das vagas do Mais Médicos já foram preenchidas

Ricardo Ferreira, da Associação Brasileira do Estudo de Cannabis, reforçou que não se trata de liberação ou não da cannabis, mas de como ampliar o mercado, hoje monopolizado pela fabricante do Mervatyl, a empresa britânica GW.

“A questão é vamos continuar importando ou vamos produzir aqui? Vamos usar a regulamentação a nosso favor ou vamos importar insumos que uma empresa vai produzir lá fora para vender para cá. É isso que tem que ser discutido, e não se a cannabis pode ou não ser usada como medicamento. Isso já foi resolvido em 2017”, disse, lembrando do ano em que a Anvisa permitiu o início da comercialização do Mevatyl no país.

Leia também: Pesquisa indica que massagem pode ser uma grande aliada contra a dor

O deputado e ex-ministro da Saúde Ricardo Barros (PP-PR) defendeu que a regulação pode ajudar a baratear os custos do Sistema Único de Saúde no atendimento a pacientes em doenças e condições cujo uso de  maconha medicinal pode auxiliar. “Esse é o debate que interessa para o Brasil, e pode reduzir para o SUS o custo de determinados tratamentos, especialmente se tivermos liberdade de utilizar a planta adequada da forma mais simples”.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook

Saúde

Médico retira barata ainda viva de ouvido de paciente e filma procedimento; veja

Publicado

Uma  barata no ouvido causou muitos problemas para uma paciente que mora no Vietnã, cuja identidade não foi revelada. Após sentir dores insuportáveis, ela foi atrás de ajuda médica e teve de aguentar um procedimento de dois minutos para conseguir retirar o inseto, ainda vivo, de dentro de sua orelha.

Barata entalada no ouvido da mulher arrow-options
Reprodução/Daily Mail/Newsflare
A barata no ouvido estava causando dores agonizantes na paciente, que precisou de atendimento médico

Segundo o tabloide britânico Daily Mail , a mulher já suspeitava que tinha um bicho dentro da orelha quando acordou à noite com dor de ouvido, mas não suspeitava que fosse encontrar uma barata lá.

O médico que a atendeu no Hospital Can Tho, Dr. Trinh, capturou todo o procedimento de retirada da barata no ouvido em vídeo. Segundo ele, o inseto havia entrado no canal auditivo da mulher para abrigar-se do clima úmido. Os danos causados à  orelha interna da paciente podem levar vários dias para cicatrizarem.

Confira abaixo um trecho do vídeo da retirada do inseto:

Leia também: Barata é retirada de ouvido de americana após ficar dez dias presa no local

Por que foi encontrada uma barata no ouvido da paciente?

Médico usando equipamento para retirar a barata no ouvido arrow-options
Reprodução/Daily Mail/Newsflare
O procedimento para retirar a barata no ouvido da paciente demorou dois minutos e foi gravado do início ao fim

Em entrevista ao  Daily Mail , o presidente da Sociedade Britânica de Otologia, Philip Robinson, constatou que casos de insetos na orelha interna como o da mulher são muito raros.

Veja Mais:  Voos para levar cubanos a Havana começam a sair na quinta, informa organização

Segundo ele, acredite-se que os pelos e cera de ouvido sirvam como uma barreira contra insetos e dejetos. “O canal auditivo tem seu próprio sistema de limpeza [e] normalmente transportaria qualquer poeira ou dejeto para fora do ouvido em uma ou duas semanas”, explicou.

Leia também: Excesso de cera de ouvido pode causar diminuição da audição

No entanto, alguns insetos vivos podem ficar presos dentro do canal e não encontrarem uma maneira de sair, como no caso da barata no ouvido da paciente, causando complicações como as dores de ouvido que ela relatou a seu médico.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Será que é diabetes? Confira 8 sinais sutis de que você pode estar com a doença

Publicado

Women's Health

Preparado para uma estatística assustadora? Mais de 30 milhões de pessoas nos EUA têm diabetes, de acordo com os Centers for Disease Control and Prevention (CDC) . E pior: 25% nem imagina isso.

Leia também: Problemas de coração estão mais perto do diabetes do que você pode imaginar

Médica segurando quadro negro escrito arrow-options
shutterstock
O diabetes apresenta sinais bem mais sutis que os mais conhecidos que podem ajudar no diagnóstico da doença

E não acaba por aqui, não: 84 milhões de americanos têm pré- diabetes (quase diabetes, quando os níveis de açúcar no sangue são altos, mas não altos o suficiente para diabetes) e 90% dessas pessoas não sabem que têm também, segundo o CDC.

Me lembre o que é diabetes novamente

Diabetes não é apenas uma doença. Na verdade, existem três tipos de diabetes : tipo 1, tipo 2 e diabetes gestacional. A maioria das pessoas possui diabetes do tipo 2, que acontece quando o corpo não usa bem a insulina e não consegue manter seu nível de açúcar no sangue estável, de acordo com o CDC.

O diabetes tipo 1 é muito menos comum – apenas cerca de 5% dos diabéticos têm. Ele é essencialmente uma doença auto-imune em que o corpo deixa de produzir insulina (e, como tal, não consegue regular o açúcar no sangue).

E diabetes gestacional ocorre em mulheres grávidas. Ela geralmente vai embora depois que você dá à luz, mas pode aumentar a probabilidade de desenvolver o tipo 2 mais tarde, de acordo com o National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases (NIDDK).

Todos os três tipos de diabetes podem ser facilmente detectados através de um exame de sangue . O teste, essencialmente, verifica se a glicose no sangue (também conhecida como açúcar no sangue) está muito alta. Mas esteja avisado: você não pode diagnosticar a si mesmo – nem mesmo com um medidor de glicose no sangue OTC, de acordo com o NIDDK.

Veja Mais:  Imunobiótico: nova droga promete acabar com bactérias resistentes a antibióticos

“Infelizmente, muitas pessoas estão andando com diabetes ou pré-diabetes não diagnosticados. Isso porque os sintomas são super-sutis”, diz Poorani Goundan, endocrinologista do Boston Medical Center (EUA).

Esses sintomas sorrateiros de diabetes listados abaixo podem indicar que é hora de ir ao consultório do seu médico para um teste.

Leia também: Veja como a obesidade pode levar a diabetes do tipo 2

8 sinais que podem indicar que você tem diabetes

1. Você tem que fazer xixi o tempo todo

Mulher segurando a virilha com vontade de fazer xixi arrow-options
shutterstock
Se você passa o dia indo ao banheiro fazer xixi sem nenhum motivo, pode estar com diabetes

“Quando você tem excesso de açúcar correndo pela corrente sanguínea, seu corpo instintivamente tenta se livrar dele”, explica Mary Vouyiouklis Kellis, endocrinologista da Cleveland Clinic (EUA). “A água segue o açúcar, então você acaba tendo uma grande perda de urina”, completa.

Se você perceber que, de repente, está fazendo muito xixi e com mais frequência, sem nenhum motivo real, é hora de conversar com seu médico.

2. Você não para de beber água

Homem com sede segurando garrafa d'água arrow-options
shutterstock
Sentir uma sede insaciável também pode ser um indicativo de que você está com diabetes

Com tudo isso, a desidratação é uma possibilidade muito real. E, para piorar a situação, “alguns pacientes que não sabem que têm diabetes saciam a sede com bebidas açucaradas como refrigerante ou suco, o que aumenta o açúcar no sangue”, diz Goundan. Os sinais de desidratação incluem urina de cor escura, queda no peso (da água) e sede extrema.

Soa familiar? Converse com seu médico sobre esse possível sintoma de diabetes, especialmente se ocorrer em conjunto com muitos intervalos do banheiro.

Veja Mais:  Estado do Rio de Janeiro está em alerta contra o sarampo

3. Você está com mau hálito

Mulher cobrindo a boca arrow-options
shutterstock
O mau hálito causado pela desidratação é outro sinal sutil de diabetes que pode passar batido

A desidratação relacionada ao diabetes contribui para a secura da boca e para o mau hálito que pode acompanhá-lo. “Afinal, com a boca seca, não há cuspe suficiente para lavar as bactérias e equilibrar o pH da boca”, diz Kellis.

Além disso, diabetes não diagnosticada ou descontrolada pode desencadear cetose. Trata-se de um processo no qual o corpo usa gordura, em vez de glicose, como energia. “A cetose libera um subproduto químico chamado cetonas, que pode fazer seu hálito cheirar desagradavelmente doce ou frutado”, ela diz. Às vezes pode até cheirar a acetona, já que é um tipo de cetona.

A menos que você esteja em uma dieta cetogênica (que é projetada para colocá-lo em cetose), vale a pena conversar com seu médico.

4. Sua visão está ficando cada vez mais embaçada

Mulher esfregando os olhos em frente a computador arrow-options
shutterstock
A visão embaçada pode ser causada pelo excesso de açúcar e é um possível sinal de que você tem diabetes

A visão embaçada é um sintoma comum e freqüentemente ignorado em mulheres. O que diabete tem a ver com a sua visão? Kellis explica que um fluido pode se formar na lente do olho quando os níveis de açúcar aumentam. Esse fluido pode borrar a visão, causar miopia e a necessidade de usar óculos ou lentes de contatos. “Felizmente, controlar os níveis de açúcar no sangue pode clarear a visão turva”, acrescenta.

Leia também: Mãe de criança com diabetes fala sobre impacto da hipoglicemia; veja dados

5. Suas mãos e pés adormecem muito

Mulher segurando a mão adormecida arrow-options
shutterstock
Mãos e pés que adormecem demais são problema comum para quem tem diabetes tipo 2, devido à redução do fluxo sanguíneo

Neuropatia – uma condição caracterizada por dormência ou sensações estranhas, como alfinetes e agulhas em seus braços, pernas, mãos e pés – ocorre em mais da metade das pessoas com diabetes tipo 2, de acordo com uma revisão da Diabetes Care 2017 .

Veja Mais:  Mitos sobre o câncer de mama dificultam o diagnóstico alerta especialista

Por que tão comum? “Diabetes reduz o fluxo sanguíneo para suas extremidades e, ao longo do tempo, danifica seus vasos sanguíneos e nervos”, diz Kellis.

6. Seus machucados levam uma eternidade para sarar

Mulher colocando lupa sobre cicatriz arrow-options
shutterstock
A dificuldade em cicatrizar ferimentos é outro sinal de diabetes que não deve ser ignorado

Sensação reduzida em suas extremidades torna você mais propenso a lesões. “É menos provável que você perceba um corte porque não consegue senti-lo. Isso significa que é menos provável que você cuide dele e mais provável que seja infectado”, diz Goundan.

Então, uma vez que você tenha uma lesão, o diabetes não controlado pode dificultar a cura. “Os altos níveis de açúcar no sangue fornecem um bom ambiente para o crescimento das bactérias”, aponta a profissional.

Isso porque o diabetes também é frequentemente acompanhada de pressão alta e colesterol alto, e o acúmulo de placa resultante pode reduzir os vasos sanguíneos, reduzindo o suprimento de sangue e levando a uma cicatrização lenta.

O diabetes também pode enfraquecer as células que compõem o seu sistema imunológico – a defesa do corpo contra infecções. “Quando você tem açúcar elevado no sangue, é como atrasar o exército do seu corpo para ir para a ferida para curá-lo”, diz Kellis.

7. Você está perdendo peso sem razão

Mulher decepcionada sentada no chão ao lado de balança arrow-options
shutterstock
Outro sinal de diabetes é a perda de peso sem explicação aparente, causada pela resistência à insulina

Perda de peso inexplicável pode acontecer por muitas razões, e diabetes é um deles. Goundan explica que a insulina ajuda seu corpo a mover o açúcar do sangue para as células. Com isso, quando você tem uma resistência à insulina, não obtém energia suficiente nas células, apesar de todo o açúcar que flui pelo seu corpo. “Como você não consegue obter energia suficiente a partir do açúcar, seu corpo queima sua própria gordura e músculo para obter energia”, diz Kellis. “A perda de peso pode ser bastante significativa.”

Geralmente, os médicos recomendam a visita ao médico se você perder involuntariamente entre 5 a 10 por cento do seu peso corporal ao longo de seis meses.

Leia também: Qual insulina causa menos hipoglicemia em quem tem diabetes tipo 2?

8. Você dorme o suficiente, mas ainda está cansado

Homem e mulher cansados dormindo com a cabeça apoiada na mão arrow-options
shutterstock
A sensação de cansaço mesmo após uma boa noite de sono é outro sinal de diabetes que não deve ser ignorado

“Os carboidratos são a principal fonte de energia do seu corpo. Mas seu corpo não pode efetivamente usar essa fonte de energia quando você tem a doença”, explica Goundan. Além disso, a desidratação relacionada ao diabetes também pode causar fadiga.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Casos de HIV no Brasil aumentaram 21% entre 2010 e 2018, diz UNAIDS

Publicado

Segundo dados da UNAIDS, iniciativa global da Organização das Nações Unidas (ONU) para o combate ao vírus HIV, os casos de HIV no Brasil apresentaram um aumento de 21% entre os anos de 2010 e 2018.

Leia também: Falta investimento para conter epidemia de HIV no mundo, diz pesquisadores

Pessoa segurando laço de prevenção contra o HIV arrow-options
shutterstock
Os casos de HIV no Brasil tiveram aumento de 21% em 8 anos, superando índices de vizinhos como Argentina e Uruguai

O número de novos casos de HIV no Brasil  supera os índices de vizinhos como Argentina (aumento de 2%), Uruguai (aumento de 9%) e Paraguai (redução de 11%) e fica abaixo apenas da Bolívia, que apresentou um aumento de 22% e do Chile, cujo índice viu um aumento de 34%, o maior da América Latina .

Nem todos os países do continente, porém, apresentaram aumento nas infecções pelo vírus HIV . Além do Paraguai, El Salvador (redução de 48%), Nicarágua (queda de 29%) e Colômbia (diminuição de 22%) apresentaram progresso significativo no combate e prevenção contra a doença.

Leia também: Vacina do HIV fica mais próxima de testes em humanos após novas descobertas

A demografia dos casos de HIV no Brasil e na América Latina

De acordo com a UNAIDS , 40% dos novos casos de HIV no Brasil e em outros países da América Latina ocorreram entre homens homossexuais e outros homens que têm relações sexuais com homens.

Veja Mais:  Imunobiótico: nova droga promete acabar com bactérias resistentes a antibióticos

Além desse grupo, os clientes de profissionais do sexo respondem por 15% dos novos casos de infecção pelo vírus HIV no continente, enquanto as mulheres transexuais, usuários de drogas injetáveis e profissionais do sexo correspondem, cada um, por menos de 5% dos novos diagnósticos.

Leia também: HIV e onda anti-vacina são algumas das principais ameaças para a saúde em 2019

O restante da população, por sua vez, corresponde a 35% dos novos infectados, segundo a UNAIDS. E para combater esse avanço dos casos de HIV no Brasil , as Nações Unidas apoiam projetos como o Viva Melhor Sabendo Jovem, que conscientiza os jovens a respeito da importância da prevenção e diagnóstico da doença. 

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana