Saúde

1 milhão de mortos por covid-19: coronavírus se espalha sem sinais de parar

Publicado


source

BBC News Brasil

undefined
Reprodução: BBC News Brasil

Hospital de clinicas de SP
Reuters
Casos e mortes seguem em alta no mundo, e ainda não perspectiva certa sobre vacina contra covid-19

O mundo atingiu nesta segunda-feira (28/9) a impressionante marca de 1 milhão de mortos por covid-19 — uma doença que foi detectada pela primeira vez oficialmente no final do ano passado na China e que atingiu o status de pandemia global em março deste ano.

O dado é baseado em estatísticas reunidas pela universidade americana Johns Hopkins , que registrava precisamente 1.000.555 óbitos até as 21h47 de segunda-feira em Brasília. Mas a maioria das autoridades acredita que os números reais de casos e de mortes por coronavírus são muito maiores — e que a marca de 1 milhão de mortos já foi superada há várias semanas.

Desde o começo da doença, 33 milhões de casos de coronavírus foram registrados oficialmente no mundo — o que inclui pessoas atualmente doentes, pessoas que morreram e aqueles que se recuperaram.

Apesar de existir em alguns lugares uma sensação de que a pandemia está de alguma forma sob controle — com o fim da quarentena em diversos países e a retomada de grande parte das atividades econômicas — as estatísticas mostram que o coronavírus continua tão contagioso e tão letal como estava no começo da pandemia.

Primeira onda ainda

Em alguns países e cidades, fala-se em “segunda onda”, com os números voltando a subir em agosto e setembro, depois de uma queda nos meses anteriores.

Veja Mais:  Rússia anuncia pedido de registro de vacina à Anvisa

Mas do ponto de vista global, o mundo ainda vive a primeira onda da doença.

No último dia 24 de setembro, o mundo registrou 360 mil casos novos de coronavírus em um só dia, de acordo com dados da Johns Hopkins. Foi o recorde diário nas estatísticas da universidade desde o começo da pandemia.

O número de casos diários de covid-19 no mundo todo é hoje mais que três vezes maior do que a média diária de abril, período em que o Brasil, Europa e Estados Unidos, entre outros lugares no mundo, começaram a enfrentar medidas duras de quarentena.

Ou seja: o planeta nunca conseguiu diminuir a média diária de casos novos de coronavírus — ou “baixar a curva”, como falam os especialistas —, e a pandemia segue em aceleração.

Já com as mortes, houve uma desaceleração nos meses de maio e junho. Mas a quantidade de pessoas morrendo por covid-19 está crescendo de novo no planeta.

Nos últimos 30 dias, em média, 5,3 mil pessoas morreram diariamente de covid-19 no mundo. Esse número é inferior à média diária de abril (6,3 mil) mas superior ao que era registrado em junho (4,4 mil casos por dia).

Brasil no ‘top 4’ duas vezes

A covid-19 está presente na maioria dos países do mundo, mas apenas quatro deles concentram mais de 50% do 1 milhão de mortes: Estados Unidos, Brasil, Índia e México.

Veja Mais:  Fiocruz aponta aumento de casos de SRAG em dez capitais do Brasil

O mesmo padrão acontece em relação ao número de casos: mais de 50% dos 33 milhões de casos de coronavírus registrados no mundo foram em apenas quatro países: Estados Unidos, Índia, Brasil e Rússia.

No Brasil, houve desaceleração no número de casos e mortes por covid-19, que haviam atingido seu pico na última semana de julho. Ainda assim, o país segue em um platô alto, próximo aos mesmos níveis registrados em junho.

A covid-19 já matou mais gente no Brasil este ano (141 mil pessoas) do que homicídios e acidentes de trânsito somados (110 mil pessoas) mataram em 2017, último ano com registros atualizados.

O mundo segue sem vacina contra o vírus. Atualmente 11 experimentos estão na terceira fase de testes, em que a substância é testada com uma grande quantidade de pessoas.

China e a Rússia já aprovaram vacinas para o uso limitado nos seus países, sem esperar ainda o resultado dos exames da fase três — o que muitos especialistas dizem ser arriscado.


Mais sobre o coronavírus

BBC
Banner

BBC
Veja Mais:  Moderna prepara lançamento global de vacina contra Covid-19

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG SAÚDE

Saúde

Com média de mortes em queda, Brasil chega a 5,5 milhões de casos de Covid-19

Publicado


source
Mais de 45 milhões pessoas foram infectadas em todo o mundo
Foto: Reprodução/Olhar Digital

Mais de 45 milhões pessoas foram infectadas em todo o mundo

Nas últimas 24 horas, o Brasil registrou mais 508 mortes causadas pelo novo coronavírus  (Sars-CoV-2), fazendo o total subir para 159.477. Já o número de contaminações chegou aos 5.516.658 milhões. Desse total, 22.282 infectados só de ontem para hoje.

A média móvel de óbitos por Covid-19 continua em queda, com 430 mortes, menor patamar desde o dia 6 de maio, de acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). 

A contagem de casos realizada pelas Secretarias Estaduais de Saúde inclui pessoas sintomáticas ou assintomáticas; ou seja, neste último caso são pessoas que foram ou estão infectadas, mas não apresentaram sintomas da doença.

O ranking de número de mortes segue liderado pelo estado de São Paulo, que tem 39.255 óbitos causados pela Covid-19. O Rio de Janeiro continua em segundo lugar, com 20.565 mortes, seguido por Ceará (9.337), Minas Gerais (8.962), Pernambuco (8.609).

Os estados que registram maior número de casos são: São Paulo (1.113.788), Minas Gerais (357.347), Bahia (352.700), Rio de Janeiro (309.496) e o Ceará (273.552).

Veja Mais:  Rússia anuncia pedido de registro de vacina à Anvisa

Desde o início de junho, o Conass divulga os números da  pandemia da Covid-19 por conta de uma confusão com os dados do Ministério da Saúde. As informações dos secretários de saúde servem como base para a tabela oficial do governo, mas são publicadas cerca de uma hora antes.

Mais de 45 milhões pessoas foram infectadas em todo o mundo. Do total de doentes, mais de 1,1 milhão morreram, segundo a Universidade Johns Hopkins. O Brasil segue como o terceiro país do mundo em número de casos de Covid-19 e o segundo em mortes, atrás apenas dos Estados Unidos.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Fiocruz aponta aumento de casos de SRAG em dez capitais do Brasil

Publicado


source
Quase 98% dos casos de SRAG no país neste ano foram causados pelo novo coronavírus
Foto: Reprodução/Twitter

Quase 98% dos casos de SRAG no país neste ano foram causados pelo novo coronavírus

Dados do sistema de monitoramento da Fiocruz (InfoGripe) apontam que dez capitais brasileiras estão com tendência de alta nos casos de  Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). A análise é referente ao período de 18 a 24 de outubro e foi divulgada nesta sexta-feira (30).

Relatório mostra que Aracaju, Florianópolis, Fortaleza, João Pessoa, Macapá, Maceió e Salvador apresentam sinal forte de crescimento a longo prazo (seis semanas). Em Belém, São Luís e São Paulo, o sinal de crescimento é moderado a longo prazo.

SRAG é uma doença respiratória grave que exige internação e é causada por um vírus, seja ele o novo coronavírus, o influenza ou outro. Entretanto, segundo a Fiocruz, quase 98% dos casos no país atualmente têm o novo coronavírus (Sars-CoV-2) como causa.

No recorte geográfico dos casos de SRAG, todas as regiões brasileiras se encontram na zona de risco e com ocorrência de casos muito alta.

Aracaju, Florianópolis, Fortaleza, João Pessoa, Macapá, Maceió e Salvador têm probabilidade maior que 95% de alta a longo prazo. Já São Paulo, Belém e São Luís têm probabilidade maior que 75% de alta a longo prazo.

Veja Mais:  Com média de mortes em queda, Brasil chega a 5,5 milhões de casos de Covid-19

Curitiba, Campo Grande, Goiânia, Cuiabá, Distrito Federal, Vitória e Palmas têm probabilidade de queda maior que 75% a longo prazo. Rio Branco, Manaus, Boa Vista, Porto Velho, Porto Alegre, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Teresina, Recife e Natal registraram estabilidade/oscilação.

Fonte: Fiocruz

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Bélgica anuncia lockdown durante novembro para conter segunda onda da Covid-19

Publicado


source
Na terça-feira (20), o país bateu recorde de infectados: mais de 18 mil, quase 10 vezes o valor do pico da primeira onda da pandemia
Foto: Pixabay

Na terça-feira (20), o país bateu recorde de infectados: mais de 18 mil, quase 10 vezes o valor do pico da primeira onda da pandemia

O governo da Bélgica anunciou hoje (30) um lockdown para conter a segunda onda da pandemia da Covid-19, segundo a agência RTBF. A medida passa a valer a partir do dia 2 de novembro e se estenderá até o dia 13. A nova medida de isolamento foi anunciada pelo porta-voz do Ministério da Saúde do país, Yves Van Laethems.

Na terça-feira (20), o país bateu recorde de infectados ao registrar mais de 18 mil casos, quase 10 vezes o valor do pico da primeira onda da pandemia.

De acordo com Laethems, os hospitais no país estão à beira de um colapso.
Durante o lockdown, estão proibidos quaisquer eventos que tenham refeições compartilhadas. Os funerais poderão ocorrer, porém somente com 15 pessoas.

Desde o sábado (24), todas as instalações esportivas e culturais na região de Bruxelas estão fechadas. Um toque de recolher da meia noite às 5h vigora desde segunda-feira (26).

Em meio ao avanço da segunda onda na Europa, o país vê o número de pacientes em unidades de terapia intensiva dobrar a cada oito dias. “Até o final da semana, devemos ultrapassar a marca de mil pacientes em terapia intensiva”, afirmou Van Laethem. “Se a curva não mudar com o nosso comportamento, devemos atingir 2 mil pacientes em terapia intensiva em duas semanas, nossa capacidade máxima”, acrescentou.

Veja Mais:  Moderna prepara lançamento global de vacina contra Covid-19
Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

CAMPANHA COVID-19 ALMT

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana