Portal Agro

Agrocientista traz resultados do estudo de híbridos de milho suscetíveis a nematoides

Publicado


.

Sustentabilidade

Agrocientista traz resultados do estudo de híbridos de milho suscetíveis a nematoides

Nesse lote foram coletadas 26 amostras de híbridos

02/07/2020

O resultado preliminar do estudo “Híbridos de Milho Suscetíveis a “Nematoides”, que faz parte dos projetos de pesquisa financiado pelo Programa Agrocientista da Associação dos produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), indica que para diminuir as perdas em soja nas áreas infestadas é recomendado que o produtor utilize na rotação ou sucessão com a soja, genótipos de milho resistentes ou, pelo menos, moderadamente resistentes ao Meloidogyne incógnita, Meloidogyne javanica e ao Pratylenchus brachyurus.

O coordenador da Comissão de Sustentabilidade da Aprosoja, Fernando Ferri, afirma que esse é mais um estudo importante financiado pelo Agrocientista que traz resultado para auxiliar o produtor rural. “Agora com os dados dos testes de multiplicação nematoides do milho em mãos, o produtor poderá avaliar qual híbrido poderá comprar para próxima safra que não vai deixar desiquilibrar seu sistema de plantio. Por isso investimos em pesquisas como esta que traz os principais materiais plantados no ano passado e esse trabalho vamos continuar fazendo. Preste muita atenção, produtor! E acompanhe se o material que está querendo comprar não é um multiplicador de nematoide”, alertou.

A pesquisa sobre o manejo de nematoides, observados a caracterização da reação de híbridos e de cultivares de milho, comumente utilizados em rotação com a soja em Mato Grosso, é desenvolvida pela Embrapa Soja, por meio dos pesquisadores Rafael Soares e Waldir Dias.

Veja Mais:  Campanha de iniciativa da Aprosoja arrecada donativos para Hcan

Nesta etapa foram coletadas em diversos municípios do Estado, 26 híbridos diferentes. “Os resultados mostraram que existem boas opções de milhos resistentes e moderadamente resistentes, principalmente ao Meloidogyne incógnita, Meloidogyne javanica e também ao Pratylenchus brachyurus, embora que para esses dois últimos as opções sejam menores devido a dificuldade de controle deles”, ressaltou o pesquisador Rafael Soares.

O pesquisador também orienta que, caso o produtor tenha áreas identificadas com ocorrência desses nematoides, é importante priorizar o uso desses milhos apontados no estudo nessas áreas.  “Essa é uma informação muito útil ao agricultor porque o manejo de nematoides não é fácil e deve ser feito através de um conjunto de medidas, entre elas o uso de cultivares resistentes e a rotação de culturas adequadas. Então usar um milho que multiplique menos nematoide no solo pode favorecer a soja semeada na sequência”, explanou.

Os nematoides de galha e das lesões radiculares estão espalhados pelos campos do Brasil, causando problemas nas lavouras de soja e prejuízos ao produtor rural. A pesquisa continua e já coletou mais 37 materiais de milho que estão sendo testados pela Embrapa Soja e devem ter os resultados divulgados nos próximos meses. “A pesquisa ainda está em andamento, mas já podemos adiantar esses resultados do primeiro lote de teste aos nematoides de galha e das lesões radiculares no milho”, frisou a gerente de Sustentabilidade da Aprosoja, Marlene Lima.

Veja Mais:  Com obras de infraestrutura, Custo-Brasil vai "desabar" em cinco anos, diz ministro da Infraestrutura em live com Tereza Cristina

Ainda conforme a gerente, o Agrocientista acontece há mais de 10 anos e proporciona investimentos em projetos científicos que visam melhorar a produção e a produtividade de soja e milho, em Mato Grosso. “Ao longo desse tempo essa iniciativa trouxe vários resultados, favorecendo a aplicação de novas tecnologias, inovação, ajudando o produtor rural na tomada de decisão, proporcionando uma agricultura sempre alicerçada em pesquisa e sustentabilidade”, destacou Marlene.

Para conferir a tabela completa com os resultados do primeiro lote da pesquisa, clique aqui.

 

Fonte: Ascom Aprosoja

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

Portal Agro

Com obras de infraestrutura, Custo-Brasil vai “desabar” em cinco anos, diz ministro da Infraestrutura em live com Tereza Cristina

Publicado


.

Em live com a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse nesta quinta-feira (13) que o governo trabalha para melhorar a logística, principalmente para atender ao crescimento da produção agrícola brasileira, e prevê que as obras em andamento surtirão efeito em cinco anos quando “o Custo-Brasil irá desabar”.

“A gente precisa responder a esse desafio que o agro nos impõe, para acabar com aquela máxima de que ‘somos eficientes da porteira para dentro e ineficientes da porteira para fora’. Vamos ter que ser eficientes da porteira para fora também. Não temos alternativa, porque vamos cada vez mais sofrer a competição do resto do mundo e temos que melhorar muito nossa logística”, afirmou o ministro. Na live, a ministra Tereza Cristina perguntou ao colega sobre os projetos de infraestrutura. 

A ministra Tereza Cristina ressaltou que há muito tempo os produtores rurais esperam por um sistema de logístico mais eficiente, já que o escoamento da produção – da fazenda até o porto – é um dos principais desafios do agro brasileiro e o que eleva o custo do produto. “Os produtores rurais esperavam por isso, essa transformação da expectativa em realidade”, disse.

Tarcísio de Freitas citou diversas obras em andamento, como ferrovias e hidrovias.

Sobre cabotagem, o ministro disse que a estratégia é reduzir o custo da navegação. “É um absurdo não usarmos esse imenso potencial de costa que o Brasil tem. Vamos usar a navegação de cabotagem para fazer um transporte que é muito mais eficiente e barato”.

Veja Mais:  Campanha de iniciativa da Aprosoja arrecada donativos para Hcan

Ele explicou o projeto de lei do Programa de Incentivo à Cabotagem, chamado ‘BR do Mar’, apresentado pelo governo ao Congresso Nacional. O objetivo é aumentar em 40% a capacidade da frota marítima dedicada à cabotagem nos próximos três anos e dobrar o volume de contêineres transportados. A cabotagem é a navegação entre portos ou pontos da mesma costa de um país. Segundo o Ministério da Infraestrutura, é um modo de transporte seguro, eficiente e que tem crescido mais de 10% ao ano no Brasil, quando considerada a carga transportada em contêineres.

Tarcísio de Freitas lembrou que Medida Provisória 945, que altera a legislação portuária, também é um caminho para aumentar os investimentos no setor. De acordo com ele, a MP, que já foi aprovada pelo Congresso Nacional, simplifica o processo de arrendamento de terminais. “A nossa missão é dar infraestrutura para aqueles que têm cadeias verticalizadas, que precisam ter um cais e ter acesso portuário. Não faz sentido ter um processo super lento para viabilizar esse acesso portuário”, disse. Conforme o ministro, até o fim deste ano, o governo deve fazer 11 leilões de arrendamento portuário. No ano passado, foram realizados 13 leilões.

Outra meta, de acordo com o ministro da Infraestrutura, é dobrar a participação do modal ferroviário em oito anos no transporte de cargas. A primeira vitória ocorreu no ano passado, com o leilão da Ferrovia Norte-Sul, que ano que vem tem a obra concluída e operacional. “Vai ser uma grande coluna vertebral ferroviária”, disse, citando ações para Ferrogrão e Ferrovia de Integração do Centro-Oeste.  

Veja Mais:  Videoconferência irá avaliar o seguro agrícola de soja e milho no Centro-Oeste, Norte e Nordeste

A ministra Tereza Cristina ressaltou a importância da ampliação da capacidade de transporte das ferrovias e a interligação com os portos para o escoamento da safra de grãos, bem como fluxo de insumos e fertilizantes para os grandes estados produtores do país. “As oportunidades que vão surgir com tudo isso que será feito, o que vai gerar de emprego, de renda para quem vive no interior”.

Tarcísio de Freitas citou os investimentos em hidrovias, como na Hidrovia do Paraguai, que movimenta cerca de três milhões de toneladas de produtos, e irá receber serviços de dragagem, sinalização e balizamento. 

Os ministros lembraram a ação conjunta das pastas para garantir o abastecimento de alimentos para os brasileiros durante a pandemia. 

Informações à imprensa
[email protected]

Continue lendo

Portal Agro

Aprosoja apoia Projeto Monitor do Seguro Rural lançado pelo Mapa

Publicado


.

Política Agrícola e Logística

Aprosoja apoia Projeto Monitor do Seguro Rural lançado pelo Mapa

Entidade participará do encontro online no dia 21 de agosto

12/08/2020

Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) é uma das apoiadoras do Projeto Monitor do Seguro Rural lançado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Objetivo da ação é avaliar os produtos e serviços ofertados pelas seguradoras, propor melhorias na ferramenta de mitigação de riscos e disseminar a cultura do seguro rural.

Aprosoja Mato Grosso participará do encontro online no dia 21 de agosto, às 15h (horário de Brasília) e debaterá sobre temas relativos aos seguros para as culturas de soja, milho e milho 2ª safra – Centro-Oeste, Nordeste e Norte. A videoconferência será na plataforma TEAMS e poderá ser acessada pelo computador, tablet ou smartphone.

Conforme o consultor de política agrícola da entidade, Thiago Rocha, a atividade rural é altamente exposta a riscos decorrentes tanto das condições climáticas, quanto das oscilações de preços dos produtos, fatores que podem comprometer substancialmente sua renda e patrimônio. Por isso, a gestão de riscos por parte do produtor representa um “valioso instrumento para a mitigação de perdas, sendo o seguro rural uma importante alternativa para minimizar prejuízos ao recuperar o capital investido na lavoura, contribuindo para a estabilidade da renda e permanência na atividade”, pontuou.

Veja Mais:  Com obras de infraestrutura, Custo-Brasil vai "desabar" em cinco anos, diz ministro da Infraestrutura em live com Tereza Cristina

O consultor afirma que o seguro rural tem sido uma das prioridades na política agrícola do governo federal, a exemplo do Plano Agrícola 20/21, em que fora anunciado R$ 1,3 bilhão para subvenção ao prêmio das apólices, o maior montante desde a criação do programa, num aumento de 30% com relação ao plano anterior.

“A tendência é de ampliação do orçamento para os próximos anos, em vista da evolução do mercado de seguro rural no país. Dados recentes do Mapa mostram que a área coberta passou de 4.5 milhões de hectares em 2018 para 6.9 milhões em 2019”, pontuou Rocha.

Produtor rural e vice-presidente da Aprosoja Mato Grosso, Fernando Cadore, afirma que para que o seguro rural atenda os produtores da Região Centro-Oeste é necessário que os seguros sejam personalizados. “Cada região tem suas particularidades e vemos que a maioria das seguradoras estão mitigando os riscos das regiões que tem mais frustração, com as regiões que tem mais estabilidade, mas a equalização dos preços é a mesma”, pontua.

Ainda segundo Cadore, outro fator essencial é que o seguro cubra efetivamente a renda do produtor rural. “O que vemos hoje são seguros que amparam somente as instituições financeiras que alavancaram esses produtores e a renda fica a ver navios. Então os produtores precisam que os seguros cubram os custos e que garanta sua renda numa possível frustração, seja ela climática, por fogo ou outras situações”, asseverou o vice-presidente.

Veja Mais:  Contas de 2019 da Aprosoja são aprovadas sem ressalvas

Além de outras entidades representativas dos produtores e cooperativas, estarão presentes as revendas de insumos, companhias seguradoras, empresas resseguradoras, corretores, peritos e instituições financeiras. “Será uma oportunidade de o produtor entender mais sobre os aspectos relativos ao seguro rural, propor alternativas e colaborar com a construção de soluções de acordo com aspectos ligados à região e área a ser segurada”, finalizou Thiago Rocha.

As reuniões acontecem todas as sextas-feiras com as discussões voltadas as mais variadas culturas. Veja cronograma clicando aqui.

 

 

Fonte: Ascom

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

Continue lendo

Portal Agro

Agronegócio representou mais da metade das exportações brasileiras em julho

Publicado


.

As vendas externas do agronegócio em julho representaram 51,2% no valor total exportado pelo país, somando US$ 10 bilhões no mês passado, alta de 11,7% em relação ao valor exportado em julho de 2019. 

De acordo com o Boletim da Balança do Agronegócio, divulgado nesta quarta-feira (12) pela Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SCRI-Mapa), as importações, por outro lado, tiveram diminuição de 16,3% atingindo US$ 982 milhões em julho. O saldo da balança ficou em US$ 9 bilhões.

Produtos importantes da pauta brasileira de exportação agropecuária tiveram considerável aumento de volume comercializado: soja em grão (+39,4%), açúcar (+92,3%), celulose (+35,1%), algodão (+64,4%), carne suína (+45,0%) e carne bovina (+20,9%).

As exportações de soja em grão chegaram a 10,4 milhões de toneladas em julho deste ano e geraram US$ 3,61 bilhões em receitas para o Brasil. A China foi o principal país importador da soja em grão brasileira, registrando aquisições de 7,9 milhões de toneladas ou 75,8% da quantidade exportada pelo grão.

As vendas externas de açúcar subiram de US$ 526 milhões em julho de 2019 para US$ 964 milhões em julho de 2020. Um incremento de 83,4% no período em análise. O aumento de 92,3% na quantidade exportada, que atingiu 3,5 milhões de toneladas no mês de julho de 2020, contribuindo para o aumento das exportações.

Veja Mais:  Agronegócio representou mais da metade das exportações brasileiras em julho

As exportações de celulose aumentaram 35,1% em quantidade, mas a queda de 37,2% no preço médio do produto fez com que houvesse redução no valor de exportação, que ficou em US$ 480 milhões em julho de 2020 (-15,2%). Já o algodão, não cardado nem penteado, totalizou US$ 107 milhões, com vendas de 77 mil toneladas.

Entre as carnes, a suína e a bovina foram as de melhores desempenhos nas exportações. A expansão da carne bovina de 23%, subiram de US$ 631 milhões (julho de 2019) para US$ 776 milhões em julho deste ano. O aumento ocorreu principalmente em função das vendas de carne bovina in natura à China, que cresceram 143,3%, atingindo US$ 375,50 milhões.

As exportações de carne suína tiveram incremento de 34,2% em valor, atingindo a cifra de US$ 202 milhões em julho de 2020. A China também foi o país responsável pelo aumento das exportações brasileiras, tendo adquirido US$ 106,68 de carne suína in natura brasileira em julho de 2020 (+90,3%). Já as exportações de carne de frango tiveram decréscimo no período de análise, passando de US$ 673 milhões em julho de 2019 para US$ 490 milhões em julho de 2020 (-27,2%). 

Países compradores

Quanto aos mercados compradores, o crescimento de quase US$ 1 bilhão nas exportações para a China explica a expansão das vendas externas em julho deste ano.

Veja Mais:  Manejo sustentável na Flona do Amapá é autorizado

As vendas ao país asiático atingiram US$ 3,85 bilhões (aumento de 34,3%) ou uma participação de 38,4% de todo o valor exportado pelo Brasil em produtos do agronegócio.

 

>> Confira a nota e o resumo da Balança Comercial do 

>> Confira o Agrostat – Sistema de Estatísticas de Comercio Exterior do Agronegócio Brasileiro    

Informações à imprensa
Inez De Podestà
[email protected]

Continue lendo

Câmara Municipal de Rondonópolis

Rondonópolis

Polícia

Esportes

Famosos

Mais Lidas da Semana